Just In One Direction escrita por CostaSalazar


Capítulo 34
Capítulo 34


Notas iniciais do capítulo

O primeiro casalinho!! :)




Harry estava a estacionar o seu carro quando vê Caroline. Saiu do carro, voltou a vê-la, contudo, desta vez, ela estava a dirigir-se a ele.

- Olá amor!

- Olá. - Saúda-a ele, encaminhando-se para a entrada da universidade.

- E como é que vão os amores, fofinho?

- O que é que isso te interessa? Nós já não andamos, já podes parar de controlar-me!

- Só queria estar informada.

E dito isto, Caroline com a sua mão toca na cara dele, caminhando suavemente à frente dele, deixando-o sozinho no parque de estacionamento.

- A sério? - Questiona Harry, e vendo que não obtém resposta pensa para si "Só pode estar a gozar com a minha cara!"

Liam estava a caminho do refeitório para almoçar. Porém ia muito cauteloso. Receava encontrar a sua melhor amiga, Danielle. Não queria que ela soubesse que ele estivera com Raquel. E se estivesse com ela não lhe iria conseguir esconder.

- Ei Liam! – Chama Zayn, que vinha acompanho por Danielle.

Ele, Liam, voltou-se e viu que com Zayn estava a rapariga que ele pretendia evitar. Logo decidiu inventar uma desculpa para sair dali.

- Vocês viram o… o… Niall? – Pergunta ele um pouco atrapalhado.

- Ele foi comer a casa. Ele avisou-nos lembras-te?

- Ah pois. Então eu vou ter com ele até casa.

- É assim tão importante o que tens para falar com ele? – Questiona Danielle intrigada.

- É um bocado. Vemo-nos depois. Xau!

- Nem sabes quem falou comigo! - Diz Harry, pondo o seu braço em redor do pescoço de Mónica.

- Quem? A Gina?

- Preferia...

- Então quem foi?

- Caroline...

- O que é que essa cabra te disse?

- Acreditas que me veio perguntar como é que andava de amores?

- Ah?! Essa gaja não deve ter mesmo noção. Ela ainda acha que te controla?

- Sei lá, só sei que odeio que me estejam sempre a controlar, por isso, com ela nunca mais.

- Ahh pois, agora só queres de quem nem quer saber de ti não é? - Brinca Mónica.

- Oh! Cala-te! - Diz Harry dando um leve murro no ombro da sua melhor amiga. - Ah, é verdade!

- Diz lá.

- Sábado o teu clube português joga contra o grande Manchester United.

Mónica solta uma gargalhada irónica. Apesar de estar a viver em Inglaterra há muitos anos, nunca deixou de apoiar o F.C. Porto.

- Tu vais ver o meu Porto a derrotar o teu Manchesterzinho!

- Então sábado vemos o jogo juntos e depois vais ver se o “Manchesterzinho” não dá uma sova muito grande ao teu Portinho.

- Está bem, está. Prepara-te menino!

Nesse momento, Mónica teve uma ideia. Era suposto nesse Sábado ir festejar a entrada da Débora na novela, mas também queria ver o jogo, e ver o Harry a ser derrotado, além do mais também ajudaria à festa ter a Débora a ver o jogo, já que ela é benfiquista ferrenha, daquelas que são mesmo anti-porto. Ia ser fantástico poder picar Débora e Harry ao mesmo tempo.

- Olha, tive uma ideia!

- Conta!

E assim Mónica começa a explicar-se.

Lúcia tinha ficado nessa tarde na universidade a treinar ginástica com uns colegas do curso. Como era algo de que ela muito gostava, não foi sacrifício nenhum. A tarde passou depressa de mais até.

Ao sair do balneário, Louis estava encostado à parede com uma expressão pensativa. Como na noite anterior ela lhe tinha dito na sua conversa já habitual por sms que ia estar a tarde toda a praticar, ele decidiu esperá-la.

- Lúcia! – Exclama ele com os olhos brilhantes de alegria por a verem.

Com um grande sorriso, Lúcia deu-lhe um beijo na face.

- Que fazes por aqui? – Questiona-lhe ela.

- Apeteceu-me estar um bocadinho contigo.

- Oh! Que fofo!

Ele sorriu.

- Vamos então?

Lúcia não compreendeu.

- Vamos onde?

- Depois vês. Anda.

E assim, pegando-lhe na mão, conduziu-a ao longo da universidade por sítios onde ela nunca tinha ido, sempre com cuidado para que ninguém os visse passar, entrando em algumas portas de acesso interdito. Passaram por algumas salas escuras e empoeiradas, até que chegaram a uma zona exterior com um aspeto abandonado. Parecia um local esquecido pela vida. Não era muito bonito mas era tranquilizante. Tinha um espaço coberto com uns degrauzinhos, mas que não dava a lugar nenhum.

- Isto era a antiga entrada para a universidade. Só que entretanto construíram este prédio aqui em frente, cortaram os acessos à rua e ficou assim este espacinho esquecido. Ninguém sabe disto aqui.

- Ao que parece tu sabes.

- Pois. Gosto de vir para aqui quando necessito de estar só. Sabes que isto de se viver numa casa com outros quatro marmanjões nem sempre me dá a maior privacidade. Às vezes preciso de algum tempo só para mim e então…

Lúcia tremia com o frio enquanto apreciava ainda o espaço.

- Anda cá. Estás cheia de frio! – Diz-lhe Louis abraçando-a e dirigindo-a para os degraus que, por serem cobertos não estavam molhados. O chão abaixo parecia um lago de tanta água da chuva acumulada. No entanto, naquele momento não chovia. Estava sim muito frio.

Sentaram-se e ele começou a brincar com ela, atirando-lhe pedrinhas pequenininhas para as sapatilhas, tentando que elas entrassem. Ela ia recolhendo algumas que encontrava por ali e começou a juntá-las num grupinho. Ao mesmo tempo ia apreciando-as. Ele começou a fazer o mesmo e depois dava-lhe as mais bonitas.

Entretanto, Lúcia, usando as pedras que tinha, começou a desenhar umas letras. Louis ia acompanhando, tentando decifrar o que ela ia escrevendo. O rapaz ficou sem ar de tão acelerado que o seu coração ficou quando viu que ela tinha escrito “I LOVE U”. Ela olhou-o nos olhos, acariciou-lhe o rosto de leve e beijou-o apaixonadamente. Os dois amavam-se e aquilo era algo que há muito andava para acontecer. Só ali, onde não havia mais ninguém, é que poderia ter acontecido. Ali, naquele sítio que ficou marcado pelo amor deles e para o amor deles, pois deixaria de ser o local secreto de Louis Tomlinson para se o local secreto de Louis e Lúcia.

Quando o casal, abriu os olhos, Lúcia, envergonhada pelo que tinha feito, olhou para o lado e reparou que estava a nevar.

- Está a nevar! – Exclamou ela excitada.

Louis, que lhe acariciava o rosto, despertou e olhou para o lado. Vendo a exaltação da amada, puxou-a para baixo e, abraçados, os dois puderam festejar o seu amor debaixo dos primeiros flocos de neve.

- Também te amo Lúcia. – Dizia-lhe ele olhando-a nos olhos no intervalo dos seus beijos.



Notas finais do capítulo

Que acham? Comentem. :)



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Just In One Direction" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.