Opposite Attraction escrita por Giu, Bloody Mari


Capítulo 5
Capítulo 4


Notas iniciais do capítulo

Peço desculpas por não ter postado ontem como prometi, mas a minha internet deu problema. Leiam as notas finais, darei um aviso. Bjs Giu.




Capítulo 4

- O QUE ESTA ACONTECENDO AQUI?! – Uma voz gritou, e eu conhecia muito bem essa voz, e ela não parecia nem um pouco feliz.

- Emmett, não é o que você esta pensando! – Exclamou Jacob, de olhos arregalados. Ele se separou bruscamente de mim.

- Não é o que estou pensando?! Você estava se agarrando com a minha irmãzinha?! Você é patético Jacob! – Gritou Emmett, se aproximando dele, com certeza aquilo iria acabar com uma briga. Eu não conseguia me mover, era muita informação para minha cabeça.

- Você não tem nada a ver com isso. Você não manda nela, e se eu quiser pegar ela, isso é problema meu e dela. – Gritou Jacob de volta, pronto para confronta-lo.

- Ei parem! – Gritei, me desesperando, os dois se encaravam com os músculos tensionados, prontos para entrar no soco. Entrei no meio dos dois, tentando separá-los.

- Vamos embora Renesmee, agora! – Falou Emmett, me puxando para longe dele. Depois ele se virou e falou para Jacob – FIQUE. LONGE. DELA. – Ele disse uma palavra de cada vez, entre dentes. Seu olhos mostravam fúrias. Jacob apenas balançou a cabeça e ficou para trás quando Emmett saiu me puxando com ele para fora da boate.

Fui andando com ele até o carro, com Emmett um pouco na minha frente, ele parecia muito irritado, suas mãos fechadas em punho. Ele destravou as portas, e entrou, e rapidamente fiz o mesmo. Estava completamente tonta, então fiquei quieta, apoei minha cabeça no banco, quase dormindo.

Chegamos em casa, o caminho foi todo em silencio, ele parecia pensar seriamente no que falaria para mim, e eu pouco me importava. Subi, direto pro meu quarto, mas acabei tropeçando na escada, quase caindo, se ele nao estivesse no meu encalço e me segurasse. Entrei e fui tirando os sapatos, ele ficou na porta esperando.

- Voce bebeu... - Ele parecia falar com ele mesmo. Depois olhou para mim e disse: - Tome um banho gelado para ver se melhora, e quando sair nós conversamos.

Fiz o que ele falou, se ele nao queria briga, nao seria eu que começaria. Tomei um banho gelado, deixando a agua cair no meu rosto. Me fazendo melhorar um pouco, assim voltei a raciocinar melhor. Quando acabei, peguei meu demaquilante e tirei a maquiagem borrada, vesti meu pijama e voltei pro quarto, Emmett me esperava sentado na ponta da minha cama.

- Eu nao consigo acreditar Nessie. Você? - Ele falou quando enquanto eu penteava meu cabelo, em frente ao meu espelho. Ele negava com a cabeça, como se nao acreditasse.

- Eu o que Emmett?! - Falei, irritada com o jeito como ele falava. - Eu nao sou mais criança.

- Mas tinha que ser logo o Jacob?! - Ele exclamou. - Voce sabe que ele não é certo para você.

- Voce nao pode saber o que é certo para mim. A vida é minha!

- Você sabe que isso não é certo, qual é o seu problema? - Ele brigava comigo. Eu sabia muito bem qual era o meu problema, e por isso deixei uma lágrima cair.

- Amar. - Respondi, mesmo sabendo que aquilo nao era tanto uma pergunta.

Ele me olhou de olhos arregalados, espantados com a minha "revelaçao". Depois de alguns momentos ele se virou para mim, os olhos escuros, parecia bastante irritado.

- Voce pode achar que o ama, mas nao é possivel. Ele não é seu tipo Renesmee. Esqueça ele. Eu nunca vou deixar você se meter com esse garoto. - Ele falou, me ameaçando.

- Sai do meu quarto. - Gritei para ele. Ele saiu, ainda balançando a cabeça. Tranquei a porta, e me sentei no chao, e deixei as lagrimas cairem. Me sentia com o coraçao partido. Queria meu irmao comigo agora, me apoiando, mas em vez disso ele era totalmente contra. Chorei tudo o que pude, e quando o sono falou mais alto me deitei e dormi rapido, a noite tinha sido extremamente gastativa.

[...]

Quando acordei, já passava da 1hr da tarde. Por ser sábado, não fui acordada cedo. Estava sentindo muita dor de cabeça, e ânsia de vômito. Fiquei deitada por um tempo, assistindo TV. Não tinha vontade nenhuma de levantar.

Um pouco depois Alice me ligou, chamando para ir ao shopping com ela, e eu neguei, dizendo que não estava me sentindo bem, ela afirmou ser ressaca. Ótimo. Quando ela desligou, decidi tomar um banho relaxante e ir na cozinha preparar algo para comer.

Estava no topo da escada, e ouvi uns murmurinhos irritados la em baixo, como se alguém estivesse prestes a começar uma briga.

- Vai embora daqui Jacob! – Ouvi alguém gritar, era Emmett. Jacob aqui? – Eu já falei que não quero você chegando perto dela.

- Eu quero falar com ela, e não vou embora tão cedo. Voce não tem nada a ver com isso. – Ouvi aquela voz rouca falar, era Jacob, e parecia irritado.

- Voce quer que eu chame a policia? Se manda daqui! Voce tem certeza que quer estragar nossa amizade de anos por causa de uma aposta, ou joguinho ou sei lá o que voce fez para pegar minha irmã. – Emmett disparava palavras para ele, e eu nao via nexo no que ele falava.

- Cara voce ta ficando louco! – Jacob gritava. – Deixe eu resolver meus problemas com ela, sem voce se meter.

- Saia. Agora. – Emmett falou, e alguns segundos depois ouvi a porta bater com força. Foi ai que nao me segurei mais e desci, era agora que ele ouviria tudo que eu tinha para falar.

- Emmett! Qual é o seu problema, eu te pergunto? – Falei, quando desci as escadas e o encontrei perto da porta, com a cara vermelha de raiva – A vida é minha e voce só que estragar! Pare de se meter nos meus problemas.

- Eu só quero o seu bem Renesmee, entenda, por favor. Ele não é o garoto certo para voce. Voce nunca seria feliz com ele – Ele disparava as palavras, me deixando mais chateada. – Voce não ama ele, eu tenho certeza. Voce diz isso, mas na verdade o Maximo que voce sente é alguma atração por ele! Esqueça ele!

- Não Emmett, não é! Eu o amo, três anos! São três apaixonadas por aqueles olhos negros, e voce decide arruinar tudo. – Eu gritava, com a voz falhando, as lágrimas não paravam de sair. – To cansada de você se metendo nos meus problemas. Esqueça que eu existo. Cuide dos seus problemas.

- Voce é minha Irma! – Ele gritou de volta.

- Isso não quer dizer que voce possa mandar em mim. – Eu retruquei. – Me esquece, e faz um favor, não olhe mais na minha cara! – Gritei antes de sair de lá, correndo pro meu quarto. Deu tempo de ver a expressão triste dele, mas no momento eu não ligava.

Me joguei na minha cama, socando as almofadas com a raiva que sentia do Emmett, eu não sabia o que o Jacob fazia aqui, querendo me ver, poderia até ser para me dar um fora, mas só de saber que ele veio procurar por mim me alegrava, mais ai o Emmett aparece e estraga tudo.

Voltei a chorar, tinha raiva da minha vida. Quando me acalmei, liguei para a Alice, e fiquei o resto da tarde no telefone com ela, chorando de vez em quando, e ela foi uma ótima amiga, me ouviu, me acalmou. E quando me senti preparada, resolvi sair do meu quarto, já havia escurecido, e eu estava com fome. Passei pelo quarto do Emmett, a porta estava trancada, e a luz acesa, eu vi pelas beiradas.

Fui direto para a cozinha, sem parar para ver se meus pais estavam na sala ou no escritório, onde eles costumam ficar. Resolvi cozinhar alguma coisa para mim, eu adorava cozinhar quando estava irritada, era uma terapia para mim.

Fiz uma macarronada, enchi o prato, peguei refrigerante e subi para comer no meu quarto. Liguei em um canal onde passava um filme de Romance, e fiquei assistindo, ele e depois outra comédia romântica. Quando fui dormir já era tarde.

[...]

No domingo, acordei mais cedo, e desci apenas para pegar uma fruta de café da manha. Novamente me tranquei no quarto, peguei meus livros, e fiz todos os deveres que tinha, mas eram poucos, e antes do meio dia já tinha acabado. Fui tomar um banho, lavar meu cabelo e me preparar, domingo era dia de almoço em família, e mesmo que meu clima com Emmett não estava bom, não poderia faltar, era tradição de família. Vovó Reneé e Vovô Charlie sempre vinham,  e era um dos meus dias preferidos da semana, normalmente, hoje não.

Depois do meu banho sequei meu cabelo com calma, e coloquei um vestido com de areia todo bordado bem levinho, e desci, encontrando minha família sentada nos sofás, conversando animadamente.

[...]

Minha tarde de domingo foi tranqüila, o dia estava bonito, não chovia, então depois do almoço sentamos no jardim e conversamos, principalmente sobre minha escola, e como ia as coisas. Mamãe percebeu a inquietação minha e de Emmett, e com certeza me perguntaria depois. Eu o evitei o dia inteiro, falei apenas na mesa do almoço, quando tive que pedir para passar o saleiro.

A noite, quando meus avós foram embora, eu subi, tomando outro banho e colocando uma roupinha confortável para dormir. Depois me deitei e peguei um livro para ler. Estava lendo “A Última Música” de Nicholas Sparks. O livro era lindo, e eu estava gostando bastante. Quando meus olhos cansaram, coloquei o livro em seu lugar, e apaguei a luz, deixando apenas o abajur ligado.

Eu estava deitada, pensando na vida quando minha mãe bateu na porta e entrou, se sentando na beira da minha cama.

- Oi minha filha, vim te dar boa noite. – Ela falou docemente, sorrindo.

- Obrigada mamãe.Tenha uma boa noite também. – Falei, sorrindo para ela. Ela franziu os lábios, e percebi que não era só isso que ela queria. Suspirei e falei: - Fala mãe, o que você tem para me dizer?

- Ah filha eu estou preocupada. Ouvi a sua discussão com o Emmett ontem, e vocês hoje não estavam se falando. E isso nunca aconteceu, vocês sempre foram tão unidos. – Ela parou de falar e me olhou, e abaixei a cabeça, deixando uma lagrima escapar, odiava brigar com o Emm. – Está acontecendo alguma coisa que eu não saiba? – Ela completou, me olhando, a expressão preocupada.

Eu não agüentava mais, abracei minha mãe, deixando as lagrimas escaparem, soluçando alto enquanto chorava. Ela apenas me abraçou, e fazia carinho na minha cabeça, deixando que eu chorasse, ela sabia que essa era a minha forma de desabafar.

Fiquei um bom tempo abraçada com a minha mãe, até quando o choro cessou eu continuei abraçada com ela. Ela me ninava como a uma criança, e eu me sentia protegida e quase esquecia de tudo, quando ela estava ali comigo, me falando palavras tranqüilizadoras.

Quando o sono bateu, me despedi dela, ela me desejando uma boa noite, e dizendo que me amava. Dormi triste, mas estava mais leve de ter podido contar com o colo da minha mãe, ela não se importava em saber o que estava acontecendo, ela sabia que se fosse para eu contar, eu contaria uma hora, e se contentava em apenas me abraçar e ouvir meu choro.

Peguei no sono em poucos minutos, sabia que a segunda feira seria um dia cheio, e , sinceramente, não estava com um bom pressentimento.



Notas finais do capítulo

É.. era o Emmett! Parabéns para quem descobriu. Foi triste escrever tantas brigas deles, mas com o desenrolar das historias eles vão voltar a se dar bem. Esse capítulo foi rápido, só para voces entenderem mais um pouco de como é a rotina dela, ficar com a familia aos domingos e tals..
Aviso: Eu vou viajar quinta feira [carnavaaal] e vou ficar até o dia 26. Ainda nao conversei com a Mari como vai ser para postar. Eu tenho mais três capítulos prontos, vou levar meu PC, mas acredito que lá nao tenha internet, então o ritmo vai diminutir um pouco.
Eu queria saber se voces preferem que eu poste todos os capitulos prontos antes de viajar, ai só volto daqui a duas semanas, ou entao eu vou tentando postar durante meu feriado? Respondam nos comentarios.
Bjs Giu.