Infernal Love escrita por juhpiazza


Capítulo 20
Capítulo 20


Notas iniciais do capítulo

desculpem a demora bebes, colégio e etc. e sexta não deu pra postar pq eu tava super louca com The Hunger Games dai tudo que eu escrevia parecia THG dai eu desisti OISHDLDKSDSAOIDS enfim. ai esta :3




Capítulo 20 – Louis Tomlinson – Lúcifer.

     26 de novembro - 00h15min

Entrei na casa tentando fazer o mínimo de barulho possível. Eu ainda estava tentando me acostumar com o corpo de Louis e ele ainda relutava em se entregar completamente. Ele sabia que se fizesse isso iria morrer e o seu corpo ia ser uma coisa oca e sem vida. Subi as escadas e abri a porta do quarto. Ela estava encolhida em um canto do colchão, com os olhos inchados fechados. Aproximei-me dela, com a ideia de me divertir e depois matá-la. Na frente de Niall. Aquilo ia ser muito, mas muito prazeroso.

Agarrei seus braços e em um movimento rápido tirei as únicas peças de roupa que lhe restavam. Alana abriu os olhos e se debateu, como se ela pudesse pensar que teria mais força que eu. Joguei-a na cama. Se ela se debatesse iria ser muito pior. Muito.

Alana Richards

Eu me sentia suja, nojenta. Ele me invadiu até se cansar e nesse ponto eu estava praticamente desmaiada. O que foi bom para mim, eu não queria ter de presenciar aquilo. Eu estava com medo, praticamente horrorizada. Sabia que tinha manchas roxas nos pulsos e definitivamente meu rosto estava vermelho, por chorar e também pelos constantes tapas que ele me deu. Eu senti o membro dele na minha boca e por pouco não vomitei ali mesmo.

Vomitei quando ele expeliu aquele negócio na minha boca.

Ele me largou lá e deixou minhas roupas em um canto, me vesti mais rápido do que eu achei que fosse capaz. Eu queria tomar um banho, na verdade, vários banhos, milhares deles.  Sentei em um canto daquele lugar e chorei. Eu não tinha o que fazer. Competir com o demônio? Aquilo estava muito além da minha capacidade.

   Niall Horan

26 de novembro – 00h25min

Meu corpo desabou.

Tudo pareceu tão confuso e eu não conseguia raciocinar. Era como se tudo estivesse embaçado e nada mais fizesse o mínimo sentido. Como se tudo tivesse se perdido. Eu estava perdido. Sentia que tinham me apunhalado pelas costas, que tinham me traído com a maior crueldade possível e que eu, tolo, havia acreditado sem duvidar. Havia acreditado que Liam havia me traído. Quando ele não seria capaz de fazer isso. Senti-me fraco e desamparado. Eu sei que ela não podia estar morta agora, porque eu estava vivo, mas eu sabia que a qualquer momento ele poderia matá-la.

- Você consegue encontrar ela? – a voz de Liam me desprendeu de qualquer devaneio.

Olhei para cima e vi que ele estava apoiado na porta fechada e olhava diretamente para Hécate que estava parada no fim da minha cama. Ela concordou suavemente com a cabeça e eu dei um salto.

- Então o que a gente ainda está fazendo aqui? Vamos atrás dela agora Hécate!

- Niall! – eu já estava quase saindo do quarto quando ela segurou meu pulso com força. – Não é tão fácil! Você sabe quem ele é? Lúcifer. Nós não temos poder contra ele.

- Temos que ter porra! – eu estava tremendo. – Não podemos deixar Alana morrer. Não podemos. Tem que ter um jeito Hécate. Qualquer jeito.

- Tem um jeito Niall. Mas é difícil. – ela foi até a porta e saiu do quarto, eu a segui e Liam fez o mesmo.  – Explico no caminho.

Ela não falou. Pelo menos não no início. Seguia na frente com passo firme, hesitando em uma ou duas ruas. Eu e Liam a seguíamos e sempre que eu tentava abrir a boca para mandá-la falar de uma vez, Liam me parava, talvez ele estivesse certo de não pressioná-la.  Eu não sabia por que ele estava comigo, eu havia acusado ele, desconfiado dele, mas ele estava ali, comigo. Era bom ter alguém conhecido comigo.

Não aguentava mais andar, não conhecia aquelas ruas, não fazia a menor ideia de onde estávamos. Quando eu já havia desistido de receber qualquer informação, Hécate disparou.

 -Olhem, não vai ser fácil. Vocês querem matar ele? Ele não pode morrer disso vocês sabem. Podemos simplesmente o fazer sumir por um bom tempo. E como ele esta no corpo de outra pessoa, isso significa bom, vocês sabem exorcismo. E pronto. Louis vai ficar fraco e pode chegar a morrer, mas não creio que isso vá acontecer.  Vocês aguentam isso? - eu e Liam concordamos.  – Ótimo, eu tenho um plano.

E nós voltamos a andar.

26 de novembro – 01h48min

Eu havia decidido que Alana não ia morrer.

Nós estávamos parados no lado de fora da casa onde ela estava. Tudo era silêncio e nós repassávamos aos sussurros o que íamos fazer. Eu queria vomitar. Se alguma coisa desse errado... Eu não queria pensar nisso. Não mesmo.

Ela não ia morrer. Eu ia. Circe ia. Porque no fim, quem precisa morrer é a alma de Circe. A maldição que nós carregamos a nossa salvação é a morte da alma de Circe. Circe.

Decidimos começar logo. Não adiar aquilo. Se adiássemos mais eu não ia conseguir. Nem eu, nem Liam, nem ninguém. Liam estava desesperado. Só faltava vomitar, tremia e quase não sustentava o peso nas pernas. Eu tentava manter o controle, o que era uma piada, eu não conseguia. Hécate o fazia. Eu não sabia como.

Eu ia morrer. Não Alana. Ela ia viver. Morrer é o meu destino, eu busco isso, eu estou atrás disso desde sempre. Eu tenho que morrer. Não ela.

Entramos na casa. Escuro e silêncio dominavam. Liam hesitou, eu não sabia se ele ia conseguir. Resmunguei baixo pra ele sair e ele negou, respirando fundo. Os dois se esconderam atrás de um armário e eu adentrei para o centro da sala. Respirei fundo, era agora, não havia mais tempo. Xinguei em pensamento, porque mesmo eu havia me metido naquilo tudo? Ah sim, amor. Maldito amor.

Eu ia morrer por ela. E iria estar sempre ali por ela. Sempre.

Derrubei a mesa do centro. O estrondo preencheu toda a sala. Fiquei parado ali, imóvel, forçando as minhas pernas a ficarem cravadas no chão e não correr. Escutei um grito. Meu nome, na voz dela. Meu coração parou e meu impulso foi subir as escadas e seguir na direção do grito, mas eu não podia. Meus músculos doíam por causa da pressão e força que eu fazia para ficar parado. O temor e a ansiedade me atingiram e eu já estava suando frio.

Escutei passos na escada, ele descia. Ele, Louis, Lúcifer. Os olhos brancos. Eu tremi por dentro. Vacilei e acabei dando vários passos para trás, ele riu chegando ao fim da escada. Culpei-me por ter me afastado e voltei a andar para o lugar em que eu estava antes. Tremia, suava e queria correr.

- Nada vai adiantar Horan.

E ela gritou de novo.



Notas finais do capítulo

Aiii esta! Deixem seus reviews lindos como sempre e me falem se gostaram ou não bebes. amanha tem mais ♥