E se Fosse Real? escrita por Ina sama


Capítulo 25
Capítulo 24: O tanjoo-bi omedetoo, Naruto! (10/10)


Notas iniciais do capítulo

comemorando o aniversario do naruto, esse cap saiu meio atrasado. eu ia postar dia 10, mas nao deu. espero que gostem dessa comemoraçao (nao é especial, faz parte do enredo) do aniversario do naruto. ralei pra caramba pra fazer, entao espero que gostem. e alguns de vcs vao adorar esse capzinhu...



                                      [pov. Naruto]

Não consegui pregar o olho a noite toda. Em parte por causa dos hematomas que o Zabuza deixou em mim [e também por causa do soco que okaa-chan me deu ontem porque tentei entrar na cozinha], e outra porque tive o mesmo pesadelo de noite passada. Porém hoje foi muito pior, mas acho que não gritei dessa vez, porque ninguém me acordou.

Bem, eu estava tentando dormir tranquilamente, quando algo puxou meu lençol com violência, e fez com que eu me estabacasse bonito no chão.

DOEU PRA CARAMBA!

Cocei a cabeça pra ver quem fora o puto que fizera isso, e logo vi uma versão estranha da minha mãe sorrindo de um jeito MUITO sinistro.

-Mas o que... –Já ia perguntar, quando ela começou a rir de um jeito muuuito sinistro. Epa! Eu conhecia aquela risada...

Os olhos dela estavam vermelhos, os dentes afiados e a voz distorcida. O que mais acusou foi a cauda felpuda balançando as suas costas. GRRRRR!!!

-KY... UU... BIII!!! QUAL O TEU PROBLEMA COMIGO, -TTEBAYO??!! –No instante seguinte “minha mãe” se transformou na versão mini da Nove Caudas, ainda morrendo de rir. Quando eu disparei pelo corredor atrás dele, Kyuubi saiu vazado. Como será que se mata um bijuu? Não sei, mas só de uma coisa eu sei, KYUUBI NO YOUKO VAI DESEJAR NUNCA TER NASCIDO, -TTEBAYO!!!

-Volta a... –Parei em frente ao calendário de lá de casa, que ficava ao lado da porta do banheiro. Todo dia minha avó dia costume de pintar os dias que já haviam passado. O último dia pintado de vermelho no bloquinho era o dia 9 de outubro. Então hoje era dia 10...

CARALHO! HOJE É MEU ANIVERSÁRIO, -TTEBAYO!!!

Como eu pude esquecer disso?? *dando com a cabeça na parede*

-Naruto... O que foi? –Ouvi aquela voz serena às minhas costas, e quando me virei, minha avó me olhava curiosa.

-N-nada, obaa-chan! Nadinha, dattebayo! –Disse, meio que gaguejando e me endireitando. Ela me olhou desconfiada e passou, mas mesmo assim ao sumir no final do corredor me lançou outra olhada. Ela me dá medo, -ttebayo...

-Velha chata, não acha? –Perguntou uma certa raposa que do nada apareceu em cima da minha cabeça. Sorri forçadamente, e assim que mirei um soco nele, Kyuubi sumiu e acabei acertando minha própria cabeça. KUSO!!!

RAPOSA MALDITAAAAAAAAAAA!!!!

Sempre que o encurralo, o desgraçado some e volta para dentro do selo. Grrr...

Droga.

Fui ao banheiro [por incrível que pareça consegui usá-lo sem nenhum sinal de Touya], e quando saí, já com minha camiseta preta, minha bandana e calças laranja, fui para a cozinha tomar café. Chegando lá, deparei-me com a mesma cena de sempre, que eu não me cansava de ver. Meu pai abrindo a geladeira para pegar o suco que ele fizera ontem à noite, minha avó forrando a mesa da sala de jantar e minha mãe lá dentro da cozinha, fazendo ovos ou às vezes panquecas. Pelo cheiro, eram panquecas hoje.

Isso faz parecer que aqueles dias que eu tomava café sozinho foram há 1000 anos atrás, quase em outra vida.

-OHAYOU, -TTEBAYO!! –Gritei animadamente. Obaa-chan sorriu e me cumprimentou. Okaa-chan saiu da cozinha sorridente.

-Ohayou, Naruto. Que animação toda é essa, ttebane? –Perguntou assim que colocou o prato com as panquecas na mesa. Como assim, ela não sabia que dia era hoje?   

-Hã? –Perguntei sem entender. Assim que abri a boca para contestar, meu pai apareceu do meu lado do nada [tomei um susto], e embolando meus cabelos com a mão, disse:

-Por que a surpresa, Kushina? Naruto animado não é nenhuma novidade. O contrário que seria estranho, certo, Naruto?

-Pai, para com isso, pô! Demorou mó tempão pra arrumar meu cabelo, -ttebayo! –Choraminguei, me desvencilhando dele.

-Estava arrumado? –Perguntou, no lugar de seu usual sorriso colgate se formando uma expressão curiosa.

-Há, engraçadinho! E você não pode falar nada de mim, seu cabelo também é arrepiado. –Ele riu quando eu lhe dei língua e coloquei as mãos no cabelo, protegendo-o.

-Mas não é embaraçado. –Sorriu matreiramente, me agarrou de supetão pelo pescoço e me deu um “croque” (quando você agarra a pessoa pelo pescoço com um braço e com o outro punho você bagunça o cabelo dela com força). Tentei me livrar dele, mas ele era bem fortinho, ein?

-AIII, ME LARGAAA!!

-Minato, para com isso. –Ordenou minha mãe de cara séria. Ele me soltou, sorriu como se nada tivesse acontecido e se sentou à mesa. Ai, doeu!

-Bruto. –Resmunguei, ele sorriu mais ainda. Sentei-me do outro lado da mesa e dei língua pra ele, esfregando minha cabeça. Porém, quando menos percebi alguém agarrou minha bochecha.

-Eu vi você dando língua pro teu pai? –Perguntou minha mãe me olhando com uma expressão assustadora e um sorriso forçado pior ainda. Neguei com a cabeça freneticamente enquanto ela apertava mais. Senti minha carne descolando dos ossos... (exagerado)

Eita! Hoje é o dia oficial “deformem o Naruto” e eu não sabia? 

-Mãe, larga o osso, tá doendo!

Ela soltou minha bochecha. Ufa! Massageei minha bochecha enquanto do outro lado da mesa o velho ria da minha cara. Grrr...

-Pare de rir você também, senão vou apertar você em um lugar muito mais embaixo, ttebane. –Disse minha mãe terminando de colocar a mesa e se sentando ao lado dele. Otou-chan deu um sorriso safado, apoiou o rosto na mão e lançando-lhe um olhar 43, disse a ela:

-Se apertasse, eu não reclamaria. Também ficaria satisfeito se fizesse outras coisas também. –Eu ouvi isso mesmo? Me digam que eu não ouvi isso!

Okaa-chan ficou vermelha que nem um pimentão, deu-lhe um pedala que o fez dar com a cabeça na mesa e sentou-se ao seu lado. Comecei a rir da cara dele, mas com um olhar dela engoli o riso. Obaa-chan sentou-se ao meu lado e me servi de algumas panquecas e comecei a comer quietinho na minha senão sobra pra mim de novo, -ttebayo...

-YO FAMÍLIA!!! –Chegou a peste.

-Ohayou Touya. –Respondemos os quatro em uníssono. Engraçado, a roupa dela estava muito diferente. E eu não fui o único a notar.

-Trocou de roupa, filha? –Perguntou minha mãe, acariciando os cabelos da pirralha. Ela a okaa-chan acaricia, mas quando sou eu, é soco, chute, apertão, croque, pedala, e blábláblá...

A roupa nova da Touya me lembrava muito a que eu usava quando era pequeno. Era uma espécie de vestido largo abotoado até o pescoço separado por uma faixa na cintura, que me lembrava demais meu antigo casaco, mas ela não usava uma calça, e sim uma saia que era continuação da parte superior. Porém, o vestido era preto dos lados e rosa no meio, e em vez de zíper ele tinha botões. Os cabelos estavam soltos, ela usava meias de renda curtas, até o meio da canela e sandálias ninja pretas.

-Sim, pois é né, eu troco de roupa às vezes, afinal eu não faço parecer que tenho só uma muda de roupa no armário. –E sorriu pra mim. Ora, sua...

-Touya, pare de provocar o seu irmão. –Repreendeu meu pai.

-Gomen. –Se encolheu. Começamos a tomar café normalmente, e ninguém tocou no assunto do meu aniversário. Será que se esqueceram?

Porém quando eu fui sair pela porta, minha bandana, que estava mal colocada, se soltou e caiu. Quando abaixei para pegar, Kyuubi passou que nem um furacão, pegou-a antes e saiu correndo. Saí correndo atrás daquela raposa maldita, que se enfurnou debaixo da minha cama que nem um rato laranja com nove caudas.

-Kyuubi, devolve minha bandana, -ttebayo! –Quando estiquei a mão para pegar, ele mordeu minha mão. PORRA, SEU CRETINO!!!!

-AAAAAAAI!!! PORCARIA KYUUBI EU TE MATO, DATTEBAYO!!! –Puxei-o pela cauda do meio. Ele chiou, e quando eu ia lhe dar bronca, o desgraçado sumiu. Aaaaaaaaaaaaaaaaaah, que ódiooooo!!!

Peguei minha bandana e amarrei na testa com nó de marinheiro. Mas assim que abri a porta do quarto pra sair...

-FELIZ ANIVERSÁRIO, NARUTO!!!

Tombei pra trás e caí de bunda no chão, tamanho o susto. Todo mundo da casa tava na porta do meu quarto com um bolo laranja, escrito “parabéns Naruto” em preto. Ah! Eles não haviam se esquecido!

-V-vocês não se esqueceram do meu aniversário, -ttebayo?

-Você acha mesmo que iríamos esquecer seu aniversario, filho? –Perguntou otou-chan sorridente. Eu me levantei e logo de cara okaa-chan me deu um abraço de urso.

-Parabéns, musuko!

-O-obrigado m-mãe, mas, t-tá m-me m-matando...

Ela me largou.

-*gota*Desculpa. –Ar! Não acredito! Ar! Obaa-chan estendeu-me o bolo, com uma vela em formato de 1 e a outra de 8.

-Vamos, apague as velinhas. –Olhei para todos eles, que sorriam esperando que eu soprasse as velas. Enchi os pulmões de ar, e...

-Faça um pedido, filho! –Disse minha mãe. Pedido?

Engoli o ar que havia juntado e olhei para ela e meu pai. Ele estava com a mão no ombro dela, os dois me olhando e sorrindo. Depois, virei o olhar para obaa-chan, e logo depois para Touya. Sorri e apaguei as velas.

Pra que fazer um pedido, se já tenho aqui tudo o que eu sempre quis, -ttebayo?

Se for para fazer um pedido, que seja para deixar as coisas como estão. É só isso que eu quero.

Eles batiam palmas, estavam realmente muito felizes. E eu nem acredito que há 1 ano atrás eu nunca imaginaria que estaria aqui.

Mas...

E a Tsunade-baa-chan e os outros? E a Sakura-chan, o Kakashi-sensei, a Hinata, todo mundo? Será que estão sentindo a minha falta? Será que notaram que eu sumi?

Quanto mais eu penso, mais eu chego à conclusão de que isto é apenas um sonho. 

E como um sonho, um dia terei que acordar. E tenho medo disto.

-Naruto... Naruto! Terra chamando Uzumaki Naruto! –O que? Quando dei por mim, okaa-chan estava batendo de leve na minha cabeça, tipo “toc toc. Tem alguém aí?”.

-Han? O que?

Okaa-chan e otou-chan me encararam preocupados, enquanto Touya e obaa-chan me olhavam confusas.

-Você está bem? –Perguntou otou-chan. Eu sorri sem graça e respondi:

-Sim, eu to ótimo, -ttebayo! –Me olharam desconfiados, mas não disseram nada. Como será que eles reagiriam se soubessem da verdade? Ficariam com raiva? Me expulsariam? Me culpariam? Me imagino como seria...

-Naruto, tem planos para hoje? –Perguntou o otou-chan. Neguei com a cabeça, já que por amanhã ser o inicio do chuunin shiken, a maioria dos ninjas estaria de folga para descanso, de modo que pudessem suportar a tensão de preparar o torneio. Eu estava entre os sortudos da lista, pois o corpo ANBU todo estava de folga, mas o ruim de ser um ANBU é que você pode ser chamado a todo momento. –Bem, já que está com tempo livre, pensei em todo mundo sair e comemorar, o que acha?

-S-sério? –Sair com todos eles? Eu nunca havia feito isso, já que o otou-chan está sempre trabalhando...

-Sim. –Sorriu ele, coçando a cabeça. –Quero dizer, se você não tiver nada melhor pra fazer, tipo, sair com seus amigos...

-Yoshi!

-“Yoshi” o que, ttebane?

-Vai ser muito legal sair com vocês, -ttebayo! Faz tempo que a gente não sai junto e tudo o mais...

-Você tem que mudar sua definição de “legal”, onii-chan.

-Touya, quieta! Então, fechou, ttebane?

-Hai, okaa-chan!! –Respondi animadamente. –Mas... Otou-chan! Você não tinha que trabalhar?

-E tenho. –Respondeu ele. Vou me arrepender por perguntar isso, mas...

-E como você vai fazer pra faltar? –Touya deu um tapa na testa e okaa-chan fez um gesto negativo com a cabeça e girou os olhos, como se dissesse “ele é um caso perdido”. Han?

-Quem disse que eu vou faltar? –Perguntou otou-chan, cruzando os braços.

-Naniii??! –Isso tá confundindo minha cabeça, e ela já tá doendo... –Como?! Você não pode estar em dois lugares ao...

*TLIIINC* (barulho de ficha caindo)

Ele me olhava de braços cruzados, com uma cara irritantemente sádica que eu não sabia que ele conseguia fazer.

-Continue.

-K-kage bunshin? –Perguntei. Ele sorriu e me deu outro croque de novo.

-Isso aí! Garotinho esperto do papai! Olha, Kushina! Ele sabe pensar!

-ME LARGA! VOCÊS QUEREM PARAR DE ME AVACALHAR NO DIA DO MEU ANIVERSÁRIO, -TTEBAYOOO!!!???

...

-Aqui tá bom, otou-chan? –Perguntou Touya, estendendo a toalha.

-Sim, o que vocês acham?

-Acho que dá pro gasto, ttebane.

-Concordo, -ttebayo!

-Sim, aqui está bom. –E Touya forrou o chão com a toalha laranja quadriculada que tínhamos trago de casa. Resolvemos fazer um piquenique de dia, e nem sei o que iria fazer à noite. Meu pai mandou o bunshin pro trabalho e disse que tecnicamente não era cabular, já que assim que o liberasse, todas as experiências do clone seriam passadas pra ele, então tecnicamente, ele estaria trabalhando sim (N/A: como eu queria saber fazer um bunshin! Seria tão útil na hora de ir pra escola...). Eu achava que ele era meio careta, mas agora vejo que ainda tem umas coisas legais que ele pode me ensinar, dattebayo.

Começamos a colocar as coisas em cima da toalha. Estava uma bonita tarde de outono, o sol raiava no céu e não estava muito quente nem muito frio. Escolhemos um lugar nos limites de Konoha, uma vasta campina com um pequeno lago pela qual eu passava todo dia, e que por alguma razão, estava estranhamente florida hoje. Mas até que era um lugarzinho agradável e bonito. Eu havia trocado de roupa, assim como todos eles, coloquei roupas mais agradáveis pra passar o dia. Eu estava com uma calça bege e uma camisa azul escura de meia manga, com o símbolo do meu clã na frente. Touya estava de cabelos presos em um coque e com um kimono rosa florido bonitinho, mas enjoativamente feminino. Obaa-chan também usava kimono, mas o dela era azul celeste, com desenhos de montanhas. Usava o mesmo coque de sempre, e viera pra variar discutindo com o otou-chan o caminho todo, do tipo “Esse é o exemplo que o Hokage de Konoha dá pros filhos? Faltar ao trabalho? Que vergonha, Namikaze.”.

Okaa-chan estava de rabo de cavalo [não adiantou em nada no cumprimento do cabelo dela] e usava um vestido verde limão [e era muito difícil vê-la de vestido. No máximo aquele avental bege que ela costuma usar, mas vestido mesmo era muito raro, -ttebayo. Era mais fácil vê-la de camiseta e calça] de verão soltinho com decote em v, que media até um pouco acima dos joelhos [otou-chan gostou bastante de vê-la desse jeito. Estava bonita]. E otou-chan só usava calça bege e camisa como eu, só que a dele era branca e tinha o kanji fogo em vermelho na frente. Todos de sandálias ninja pretas.

Assim que terminamos de colocar as coisas, nos sentamos na toalha. Sabe o que eu gosto no meu aniversario? É que eu não tive que carregar merda nenhuma, -ttebayooo!!

Peguei um pãozinho pra comer, mas assim que eu ia mordê-lo, otou-chan chamou minha atenção.

-Naruto, não se esqueceu de nada?

-Han? O que? Da manteiga?

-Não, querido. Dos presentes! –Disse obaa-chan, sorrindo.

-Anhé! –Coloquei o pãozinho aonde tinha deixado e me empertiguei pra receber os presentes. –E o que vocês compraram pra mim?

Otou-chan fuxicou um pouco na bolsa que okaa-chan trouxera. Tirou um embrulho retangular um pouco grandinho, que ao ser retirado diminuiu e muito o tamanho da bolsa. Ele olhou um pouco para okaa-chan e me estendeu o embrulho. Tomei-o e rasguei o papel que nem uma criança. Era um conjunto de kunais e shurikens novinhas, das mais recentes e avançadas criadas pelo Departamento Bélico de Konoha. Lembro que eu estava com o otou-chan no dia em que fui lá, e que fiquei babando junto com a Tenten quando as vi. Os cientistas disseram que eram de material de primeira qualidade e estavam disponíveis no mercado, mas como eram armas muito avançadas e novas, eram igualmente caras. Eu tava juntando uma grana pra comprar esse kit, já que além de ter gostado e de precisar muito nas missões, as minhas kunais estavam bem velhinhas...

-Nossa! Que legal, -ttebayo! Era isso mesmo que eu queria!

Ele sorriu.

-Como você não precisava de muita coisa, foi difícil escolher o seu presente. Poderia ser algo sentimental ou algo que você precisasse mais. Como outro dia você estava reclamando que suas kunais perderam o fio de corte e quando nós fizemos aquela visita ao Departamento Bélico você gostou bastante delas, tanto que estava até juntando dinheiro pra comprar, nada melhor para dar a você.

-Poxa, muito obrigado. Valeu otou-chan. Valeu, okaa-chan. –Okaa-chan se espichou um pouco e me deu um beijinho na testa. Obaa-chan chegou e me estendeu um embrulho quadrado muito bem feito. Sacudi pra ver o que tinha dentro, fazendo-a sorrir.

-Como só convivo com você há um pouco mais de um mês, não sei muito bem o seu gosto, mas sei que você adora doces, então, resolvi te dar esse presente.

Han? Doces?

Rasguei o papel e vi que o embrulhinho que obaa-chan me dera era uma caixa de chocolates.

-Poxa, obrigado, -ttebayo! Eu adorei. –Ela sorriu, e colocando a mão nas costas de Touya, disse:

-Touya, está na hora do seu presente.

-Hai! –E ela me estendeu o embrulho malfeito e molenga. Quando eu abri, vi que era uma jaqueta nova, muito legal. Era laranja com detalhes em preto, como a minha jaqueta favorita, mas o design era totalmente diferente. Tinha um capuz preto, zíper, um bolso com botão do lado direito do peito do lado esquerdo o redemoinho que eu costumava usar no ombro. Tinha também dois bolsos maiores mais no abdômen, as mangas eram laranjas, com listras negras dos lados e elas terminavam um pouco bufantes com tiras pretas elásticas, e tinha o símbolo do clã Uzumaki em vermelho nas costas. Poxa...

-Valeu, chibi. Gostei pra caramba, -ttebayo.

-Experimente, Naruto. –Incentivou obaa-chan. Vesti a jaqueta, e ela me coube como uma luva. Ficou realmente muito boa.

-Gostou? Eu queria comprar de outra cor e pra escolher roupa pra você eu não sirvo, então pedi à Hinata-sensei pra me ajudar a escolher, já que ela sabe mais o seu gosto. Depois de rondarmos Konoha toda, achamos essa jaqueta. Ela disse que como era laranja, era bem a sua cara. –Hinata escolheu essa jaqueta pra mim?

-Me lembre de agradecê-la mais tarde, Touya.

-Você pode agradecer agorinha. Olha pra trás. –Me virei e lá estava ela, do outro lado da campina com a sua irmã mais nova, Hanabi. Ela estava muito bonita, -ttebayo. Usava os cabelos presos em um coque arrumado e baixo deixando a franja normal, uma regata branca justinha, uma saia longa lilás com um cinto roxo, e um chapéu com fita da mesma cor do cinto, e sua irmã um macacão jeans e camiseta branca por baixo. Parece que elas também tiveram a idéia de fazer um piquenique esta tarde. Será que se eu for lá falar com ela, ela vai correr de mim como fez o mês todo?

-Vá lá falar com ela, Naruto. Chame as duas para se juntarem a nós. –Não sei se devo...

Touya se levantou.

-Deixa que eu vou, otou-chan. Senão com essa cara feia ele assusta a sensei...

-TOUYA!! –Assim que eu berrei, ela saiu vazada.

                                      [pov. Hinata]

Que bom que já acabamos tudo. Aqueles preparativos me deixaram exausta.

Agora, tudo o que eu quero é passar um tempo agradável com minha imouto. Mas... Como será que está Naruto-kun? Tenho evitado ele desde o dia na barraca. Será que ele está furioso comigo? Será que está magoado?

Assim que coloquei o bolo na toalha, ouvi uma vozinha extremamente familiar me chamando.

-Hinata-sensei! Hinata-senseei...!

Não me virei, deve ser coisa da minha cabeça.

-Onee-sama... –Começou Hanabi, que estava de frente para mim.

-O que foi?

-Aquela ali correndo na nossa direção não é a Touya-kun? –Agora sim, resolvi me virar para ver, e realmente era verdade. Touya-chan vinha saltitando com sua leveza característica em nossa direção, usando um kimono rosa claro muito bonitinho. Assim que chegou perto da gente, ela sorriu.

-Yo, sensei! Vieram fazer um piquenique aqui também, né?

-Sim, Touya-chan. Você veio com quem?

-Obaa-chan, okaa-chan, otou-chan e onii-chan. Hoje é o aniversario do onii-chan, então estamos comemorando. –É mesmo, hoje é o aniversario do Naruto-kun... Isso quer dizer que ele... Espichei os olhos pra ver o pequeno grupo que estava do outro lado da clareira. Kushina-san e Minato-sama estavam sentados lado a lado conversando com Yuuki-san, enquanto Naruto-kun estava olhando em nossa direção, ou melhor, em minha direção. Senti meu rosto ruborizar...

-Sensei.

-Hm? –Encarei Touya, já corada.

-Eles estão chamando vocês pra se juntarem a nós. –O quee??!

-Aceitamos! Vamos, onee-sama!

-Espere um pouco, Hanabi! Eu não...

-Vamos sensei! Onii-chan não morde. –Ela sorriu. Olhei de Touya para Hanabi e as duas começaram a me olhar com aqueles olhinhos pidões. Ah, não, isso é sujeira!

-Tá bom, tá bom! To indo.

-Yay! –As duas pularam e bateram as mãos. É, Hinata, hoje é o seu dia de confrontar o seu medo.

                                      [pov. Naruto]

Elas estão vindo!

E agora, Naruto?

Quando Hinata se aproximou, começou a gaguejar muito vermelha:

-O-olá, K-Kushina-san, M-Minato-sama, Y-Yuuuki-san, é um prazer revê-los. F-f-feliz a-aniversário, N-Naruto-kun.

-Obrigado, Hinata. –Disse sorrindo, o que a deixou ainda mais vermelha ainda. Droga, seu cabeção! O que raios eu posso fazer pra falar com essa garota?

Porém, ela fez algo que me pegou literalmente de surpresa.

Hinata tirou da bolsa um embrulhinho pequeno, e o estendeu pra mim.

-E-esp-pero que g-goste do p-presente, N-Naruto-kun.

Eu peguei o presente das mãos dela, e abri-o cuidadosamente, o que deixou meus parentes alarmados.

Era um pequeno pingente de cristal, muito parecido com o colar que Tsunade-baa-chan me deu e Kyuubi destruiu justamente no dia em que Hinata se declarou pra mim, porém, o cristal era branco.

-É muito bonito, Hinata. Obrigado. –E coloquei-o no pescoço. Ela se sentou ao meu lado, e podia-se ver o quanto estava nervosa. Touya e Hanabi sentaram-se lado a lado e se entreolharam. Hanabi se levantou e disse:

-Eu acho que vou nadar no lago. Vem comigo, Touya-kun?

-Yoshi! Venha também, obaa-chan!

Yuuki-baa-chan se levantou e acompanhando as pirralhas, dizia:

-Só vou observar, Touya. Estou muito velha pra esse tipo de coisa. Não corram! Touya! Hyuuga-kun! Esperem! –E foram ficando ainda menores com a distância. Meu pai e minha mãe só se entreolhavam nervosos, como se estivessem pensando em alguma desculpa para fugir dali e me deixar sozinho com a Hyuuga. Kami, eles todos estão tentando me ajudar, -ttebayo!

-Bem... –Começou minha mãe, muito nervosa. –Você está muito bonita, Hinata-kun.

-O-obrigada. –Disse ela ainda pouco confortável. –Hokage-sama, o senhor não estava no trabalho?

-Bunshin. –Disse ele, tomando um pouco de suco. Hinata abriu a boca em compreensão.

-Entendi.

Silêncio. Só se escutavam as risadas de Touya e Hanabi ao longe, os pássaros e o farfalhar do vento. Otou-chan colocou a mão na testa e fingindo limpar um suor não existente, disse:

-Está quente, né, querida? Vamos tomar banho também?

-Por quê? Está até bem agradá... –Antes que ela pudesse terminar, ele a arrastou pelo pulso até o lago. Hinata se encolheu quando eles se afastaram. Encarei-a, que corou.

-Você me parece meio cansada, Hinata. O que houve?

-Eu... –Ela olhou para o lado, desviando o olhar. Mas que droga.

-Por que está me evitando, dattebayo? –Fui direto ao ponto. Ela pareceu chocada.

-Não estou te evitando, Naruto-kun! Eu não...

-Então, por que toda vez que vou à sua casa você me diz que não pode atender? Neji quase me bateu duas vezes, sabia? Também apareci no treino com a sua equipe, mas assim que você percebe que eu estou chegando você some. Se isso não é evitar, o que é, dattebayo? –Perguntei, já irritado. Ela me encarava atônita, como se eu estivesse ferindo-a com aquelas palavras. Colocou a mão sobre o peito e disse em voz baixa:

-Eu tive medo... Medo de que você...

-Que eu o que? Te rejeitasse, é isso? Que fizesse pouco caso dos seus sentimentos? –Ela me encarou assustada.

-Como você sabe...?

-Eu sei faz tempo, Hinata. –Ela se assustou mais ainda. –Aliás, o que eu não sei é como pude ser tão cego todo esse tempo. –Abanei a cabeça negativamente. Ergui-a e encarei a Hyuuga. –Hinata, deixa de ser boba! Se eu tenho te procurado que nem um maluco, você acha mesmo que eu desprezo o que você sente por mim?! Eu gosto muito de você, Hinata. –Se aquilo era surpresa, agora ela estava em puro choque. –Eu... Eu... Fico pensando... Desde que enfrentamos o Pain, eu... Eu... –Encarei-a nos olhos. –Eu sinto que... O que eu sentia por você mudou, e... –Desviei o olhar. Droga, para de enrolar, seu idiota! É tão difícil dizer isso assim? –Ah!! Mas que merda, por que é tão difícil dizer isso, dattebayo?! –Coloquei as mãos na cabeça. Ela me olhou preocupada.

-Naruto-kun? Você está...? –Eu a segurei pelos braços e a encarei mais uma vez, agora bem fundo naqueles olhos brancos tão lindos.

-Eu te amo, Hinata. –Pronto. FOI TÃO DIFÍCIL ASSIM DIZER ISSO, SEU ANIMAL?!

Ela estava espantada, os olhos muito arregalados.

-N-Naru... to-kun... –E assim que ela ficou sem fala, eu a beijei.

No inicio ela ficou surpresa, mas que toquei seus lábios macios e quentes beijando-os com todo o carinho, ela relaxou mais e colocando os braços ao redor do meu pescoço, entregou-se, principalmente depois que meus braços envolveram sua cintura possessivamente. Abriu a boca assim que pedi passagem com minha língua, e uma vez dentro dela eu a explorei, explorei cada canto de sua boca, para sentir seu gosto, assim como ela sentia o meu. Que se dane que meia dúzia de pessoas esteja vendo! Eu só queria expressar para Hinata toda a gratidão que eu tinha por ela sempre me amar e torcer por mim, todo o sentimento que guardei desde aquele dia dentro do meu peito. Era isso que eu queria expressar.

Eu descolei meus lábios dos dela, e encostei sua testa na minha. Ela ainda me olhava coradinha, como se não acreditasse no que tinha acabado de rolar. Ela sussurrou, quase inaudivelmente.

-I-isso é um s-sonho?

Eu sorri.

-Não. Isso é real, Hinata.

                                      [pov. Naruto ends]

-Foi completamente desengonçado. Mas o beijo foi bonito. Esse é o meu moleque! –Comentou Minato em cima da árvore. Kushina, que estava ao lado dele espiando, cruzou os braços e fez bico.

-Pelo que me lembre, a sua declaração também não foi nenhuma cena de filme romântico, Minato. –Ele a fitou irritado.

-Cospe mesmo no prato em que comeu, cospe. Você não reclamou na época. –Sorriso 43. Ela lhe deu língua. –Quantos anos você tem? 5?

Ela o agarrou pelo colarinho da camisa, rosnando, com uma veia saltando na testa e uma aura muito, muuuuito maligna.

-Agradeça que estamos escondidos porque senão eu acabava com a tua raça agora mesmo, seu loiro de merda! Ttebane!

-Fala assim não, Kushina-chan. Magoa, sabia? –Fungou, fingindo-se de magoado. Kushina girou os olhos.

-É sério, eu casei mesmo com você?

-Pois é, néh? –Disse debochado. –Casou agora tem que me agüentar pro resto da vida. –Sorriso colgate.

-Não necessariamente, eu posso te matar, ttebane. –Sorriso maligno. Ele a encarou assustado.

-Você não faria isso, né?

-Pague pra ver. –Olhar assassino. Minato engoliu em seco. Ela o largou, fazendo-o se desequilibrar e quase cair do galho, se não tivesse se fixado nele com chakra, ficando de ponta cabeça. Ele cruzou os braços e bufou.

-Você é do mal. –Ela riu, ficando de ponta cabeça com ele também e dando-lhe um beijinho.

-Kyuubi no jinchuuriki, loirinho, Kyuubi no jinchuuriki.

Eles ficaram em silencio por um tempo, depois, Minato, já menos emburrado, comentou:

-Depois eu tenho que perguntar a Hinata como ficaram as coisas. Já fizemos nossa parte, que foi tirar todo mundo de casa, agora é com eles.

-Se Hinata-kun já está aqui, então eles já terminaram, ttebane. Naruto vai ficar surpreso.

-É. Se vai. –Concordou o Hokage.

...

Ao voltarem para casa acompanhados de Hanabi e Hinata, os Uzumaki param em frente à porta. Porém, quando chegaram...

-Esqueci as chaves. –Declarou Minato, tateando os bolsos.

-Como assim, Namikaze? Vamos ficar do lado de fora?! –Exclamou Yuuki, com as mãos na cintura.

-*gota* Pois é, néh? –Sorriso colgate. –Ah, Naruto, você poderia abrir com a sua?

Naruto, que estava abraçado a Hinata, se adiantou, e colocou sua chave na porta. Assim que ele a abriu e acendeu a luz, viu Sakura, Sasuke, Kiba, Shino, Ino, Shikamaru, Asuma, Kurenai, Jiraya, Konohamaru, Udon, Moegi, Hoshi, Satoshi, Sai, Chouji, Tenten, Neji, Lee, Guy, Kakashi, Rin, Tsunade, Shizune, Nagato, Konan, Teuchi, Ayame(é aquela garota da barraca de lámen, pra quem não sabe e o Teuchi é o tio do lámen)... Enfim, todos os seus amigos reunidos na sala de sua casa, que estava decorada com uma faixa escrita “parabéns, Naruto”. O Uzumaki tomou uma grande surpresa e logo um sorriso gigante aflorou em seu rosto, principalmente com a mesa decorada com doces, um pote de lámen escrito “para o Naruto do Teuchi-oji-san” e bolo laranja enorme. Ele olhou para trás e lá estavam os pais sorrindo.

-Vocês sabiam?

-É claro. Quem você acha que deixou a chave pra eles?  -Disse Namikaze sorrindo. Touya grudou na perna do irmão mais velho, e sorrindo, disse:

-O tanjoo-bi omedetoo, aniki! (feliz aniversario, irmaozão)

-Arigato, Touya! –Disse ele sorrindo. Enquanto era cumprimentado pela multidão, perguntava a si mesmo “o que mais poderia querer?”. Porém, surpreendeu a todos quando se lembrou, desvencilhou-se deles e se dirigiu a Hinata, que com a aproximação, ficou muito corada. Ele pegou as mãos dela nas dele, e falando com sua voz alta e grossa, disse:

-Bem, obrigado a vocês todos por fazerem uma festa tão legal assim pra mim. E pra fechar esse dia com chave de ouro... –Virou-se para Hinata. –Hinata, você quer ser minha namorada? –A Hyuuga olhou para ele e corou muito. Minato e Kushina se entreolharam orgulhosos e surpresos, Neji não gostou muito e teve que ser segurado por Tenten para não matar o Uzumaki no dia de seu aniversario, enquanto Touya, Satoshi, Hoshi e Hanabi comemoravam. A herdeira do Hyuuga tinha lágrimas nos olhos, e concordou com a cabeça, pois não tinha palavras naquela hora, já que seu maior sonho estava se realizando. Pulou no pescoço do loiro e o beijou com vontade, recebendo uma grande salva de aplausos de todos os presentes.

-Quem diria, ele sabe se virar sozinho. –Comentou Sasuke com Kiba.

-Pois é. Nem precisamos fazer nada. Naruto é menos mole do que eu pensava.

Naruto somente sorria e se divertia enquanto a festa rolava. Esse era realmente um dos melhores aniversários que já tivera. Não. O melhor aniversario de toda sua vida.

                   O TANJOO-BI OMEDETOO, NARUTO!



Notas finais do capítulo

o proximo sera sobre o time 4 arrasando no chuunin shiken! nao percam touya, hoshi e satoshi provando suas habilidades para se tornarem chuunins!
quero reviews, ein? nao gosto de leitor fantasma! recomendaçoes tb sao bem-vindas.
obrigada a todos que comentaram no ultimo cap. beijokas e até o proximo capitulo de E Se Fosse Real?!!
ja ne
Kissus, Kushina-sama