(Nem) Todo Mundo Odeia a Emily escrita por May_Mello


Capítulo 53
Todo mundo odeia finais.


Notas iniciais do capítulo

Tá.
........
Cara, acho que vou chorar... Estou sofrendo. haha
Finalmente o último capítulo da minha humilde obra de arte kkk'
Nem sei se alguém vai ler isso aqui. Mas não achei justo deixar sem um final, final, sabe? Bem certinho.
Espero que alguém leia e que goste.
É com muita dor no coração e sensação de dever cumprido que deixo aqui o último capítulo de (Nem) Todo Mundo Odeia a Emily. :'(



A situação era a seguinte: eu, Thomas, Gregory e Anthony comendo salgadinho no sofá novinho da minha sogra e jogando video game. Ainda bem que ela não estava em casa.

Era eu contra o insuportável mais gostoso do mundo chamado Thomas.

—E então... tem alguma coisa que vocês queiram nos contar? – Anthony perguntou todo espertinho, ajeitando aquele óculos dele.

Na verdade eu nem vi ele ajeitar o óculos porque estava muito concentrada no jogo, mas eu tenho certeza que ele fez isso.

—Não. – Thomas murmurou, também prestando muita atenção no jogo.

—Nada mesmo. – Eu emendei.

—Então vocês podem nos explicar porque o Thomas está deixando a Emily ganhar?

—O quê? - Voltei minha atenção para o Thomas assim que Anthony terminou a pergunta. – Você tá me deixando ganhar?

—Lógico que não. Eu vou dar o contra-ataque. – Thomas tentava se explicar.

—Vocês estão muito estranhos. Parece que nem se odeiam mais. – Gregory comentou, até que baixo dessa vez.

Um minuto de silêncio.

—A genta tá namorando. – Thomas declarou. Assim, do nada.

—QUÊ?!?! – Gregory, Anthony e EU gritamos em uníssono.

—É... quê? – Lukas perguntou assim que entrou pela porta da sala, de mãos dadas com Samantha.

—A gente vai se casar no final do ano. Só estavamos esperando o momento certo pra contar. – Ai, Thomas, como eu te odeio.

—NÃO ACREDITO! – Gregory, como sempre.

—Eu tô brincando, Gregory. Mas só com a parte que vamos nos casar no final do ano.  – Thomas riu.

—É sério isso, gente? – Anthony perguntou, enquanto Lukas e Sam se sentavam no outro sofá.

Eu só dei de ombros, com um sorrisinho idiota na cara.

—EU SABIA! E TODO AQUELE TEMPO VOCÊS FINGINDO SE ODIAR SÓ PRA ENGANAR A GENTE!

—Goerg, que fique bem claro que eu ainda odeio o Thomas, beleza?  E a gente tá junto faz nem uma semana. E talvez eu mate ele e enterre o corpo no meu quintal, porque ele é muito chato. – Falei, toda séria.

—E você é muito legal, sabia? – Thomas me perguntou, e eu só murmurei um “sabia” rindo.  Que vontade de lascar um beijo nessa chatice!

—Tá... legal então. – Anthony deu de ombros.

—SUPER LEGAL! – Gregory gritou.

—A gente até já sabia. – Lukas deu de ombros e Samantha sorriu.

—Espera um pouco. Como assim vocês sabiam? – Perguntei.

—Tava na cara. – Sam respondeu. – Vocês se amam.

—Só um pouquinho. – Thomas brincou e eu dei um beliscão nele. Palhaço. 

—Vocês não sabem onde a gente tava. – Lukas começou.

—Não mesmo. Ninguém é vidente aqui. – Thomas já deu uma tirada.

—Cala a boca, Thomas. A gente estava na loja de doces.

—E...? – Anthony tentava acabar com o mistério.

—Zooey está trabalhando lá. – Sam disse.

—Como assim? – Eu, super curiosa.

—É sério. Parece que o pai dela ficou de saco cheio com ela. Descobriu o quanto ela era patricinha na escola e o quanto humilhava os outros, e como castigo ela está trabalhando lá, e a mesada dela também foi cortada.

—Que castigo mais bom! – Gregory já tinha outro ponto de vista.

—Eu nem gostava de ir lá mesmo, agora que não vou nunca mais. – Falei. E eu gostava muito de ir lá, mas fazer o que, né.

—Cada um tem o que merece. – Thomas disse antes de me dar um beijo na têmpora. E eu não podia concordar ainda mais com essa frase.

E depois disso Thomas ganhou o jogo, fazendo com que eu lhe desse uma cotovelada. Bem de leve, quase nem deu pra sentir. Mas talvez tenha quebrado algumas costelas.

—X_

Eu estava na lavanderia ajudando minha mãe a dobrar as roupas já secas quando ela me perguntou:

—E o Josh, Emily? Não teve mais notícias?

—Ah, ele me ligou hás uns dias atrás. – Dei de ombros.

—O quê?! E quando pretendia me contar? – Ela parou o que estava fazendo só pra ficar indignada.

—E eu tô namorando o Thomas também. – Dei de ombros mais uma vez.

—Pelo amor de Deus, Emily!!! Daqui a pouco me fala que tá grávida de três meses eu nem sabia!

—Na verdade eu tô grávida também...

—EMILY EVANS!!! – Ela tacou uma camiseta molhada em mim.

—É mentira. É mentira. -  Joguei a camiseta nela de novo. – Só a parte que eu disse estar grávida. O resto é verdade.

—Não acredito que você não me conta nada! O que o Josh disse?

—Na real foi o que eu disse, né? Porque eu nem deixei ele falar, eu pedi pra que ele sumisse. Ele nunca vai ser meu pai mãe. E todos esses anos, você foi meu pai e minha mãe. Eu não preciso de mais ninguém.

—Ah, que coisa mais linda. – Minha mãe já veio pra cima de mim, me abraçando.

—Tá, tá... – Tentava me esquivar. – E acredito que ele não vai voltar a me procurar. Ele mora até em outro estado.

—Conhecendo ele igual conheci, ele não vai mesmo.

—Melhor assim, mãe.

—E se um dia você mudar de ideia?

—Não vou mudar. Sei disso. E eu gosto da minha vida como está. – Minha mãe balançou a cabeça em sinal de entendimento.

—E o Thomas?

—Estamos bem. Eu gosto muito dele, mãe.

—Eu sei. E ele gosta de você também.

—Por que todo mundo fica dizendo “eu sei”?

—Porque tava na cara que vocês se gostavam, ué. Mas espera um pouco... Eles não iam se mudar?

—Não. Só o marido da dona Simone, e por uns dois meses. Acredita que esse bostinha do Thomas disse que estava indo embora só pra eu visse que gostava dele?

—E funcionou. – Minha mãe sorriu.

—E muito. – Sorri também. – E eu tô com fome. – Tirei o sorriso da cara, fingindo estar séria.

—X_

—E aí? – Thomas me perguntou assim que sai da sala de aula onde estava fazendo minha prova final de recuperação.

Eu tinha minha cabeça baixa e um sorriso triste no rosto.

—É... Não deu. Eu reprovei. – Chacoalhei a cabeça levemente em sinal de negação.

—Você está falando sério, Emily?!

—Tô. – Mas aí eu caí na besteira de olhar pra ele, que tinha um semblante todo preocupado. – Tô te zuando né? – E comecei a rir. – É lógico que eu passei, eu sou a menina mais inteligente desse país. E ainda estou com meu all star da sorte, não tinha como não ter passado!!!

É lógico que aquele professor-voz-fina-dos-infernos tentou me matar diversas vezes durante a prova com aqueles olhares mas eu sobrevivi.

Thomas me abraçou e me rodopiou no ar, rindo junto comigo.

—Ok. – Falei assim que ele me colocou no chão. – Nós estamos muito melosos. Sinto saudade de te dar uns murros às vezes, sabia?

—Você é tão romântica. – Ele fez aquela carinha de cínico dele. Talvez eu até desse um murro nele de verdade.

—Besta. – Eu ri de leve e ele também.

— Vem. Vamos falar pra sua mãe que você consigou passar nessa recuperação. – Thomas disse e saiu me puxando.

—É. Antes que ela tenha um ataque.

—E que fique claro que você só passou por minha causa.

—É, é... Claro. – Balançava a cabeça fingindo concordar enquanto andavamos pelos corredores.

Acho que se minha vida melhorar estraga. Até fiz uma dancinha estranha no estacionamento da escola enquanto Thomas ria da minha cara e aposto que se perguntava como eu conseguia ser tão retardada. Foda-se! Eu estava muito feliz!

—X_

“Então, é isso”. Pensava enquanto um vento fresquinho batia na minha cara. Acho que mais tarde iria chover.

Estava de olhos fechados, deitada na grama do meu quintal, pensando na vida. Se eu morresse agora eu morreria feliz. Credo, sai fora, que mané morrer...

“Ai, como sou idiota”. E continuei delirando.

Tudo estava resolvido no final das contas. Josh nunca mais ligou ou me procurou. Zooey teve o que mereceu e fiquei sabendo que Tyler vai voltar a morar com o tio dele no Canadá... Um minuto de silêncio em celebração!

...

Thomas me disse que ele e Anthony tinham marcado de ensaiar alguma coisa essa semana, já que Anthony tinha uma bateria e Thomas sabia tocar guitarra. E Lukas iria cantar com eles, e pra não ficarem sem baixista acho que vão chamar o Gregory pra aprender a tocar.

Meu Deus, quero nem ver o que vai sair disso.

Mas vai que todo mundo fica famoso e eu me caso com o Thomas e fico rica?

“Ó as idéia”. Sorri comigo mesma.

 Lukas estava com Sam, Anthony estava com aquela tal de Lucy, Gregory estava empenhado em dominar o mundo (ele não é garoto de compromisso, como ele mesmo diz) e eu e Thomas estávamos bem. Bem até demais.

É. Vida... Então é isso.

Senti um beijo estalado e um tanto quando molhado na minha bochecha e abri os olhos rapidamente. Era Thomas, que estava sentando do meu lado com uma cara de besta.

Percebi que estava pensando na vida por tempo demais.

—Oi, estúpida.

—Oi, chatice.

Essa é nossa forma carinhosa de nos tratarmos.

—Pensando na vida? – Ele me perguntou enquanto se deitava ao meu lado.

—Demais. Não é engraçado como tudo se ajeitou?

—Não. Logo tudo se bangunça de novo.

—Acho que você está ficando muito pessimista. Vai ter que parar de andar comigo. 

—Mas é serio. – Ele me olhou. – Tudo só se ajeita realmente quando chegar o fim da vida.

—Meu Deus! – Agarrei o braço dele, fingindo um susto e desespero. – Então se tudo se ajeitou quer dizer que a gente já vai morrer.

Thomas riu, se sentando novamente só pra me olhar.

—Boboca. – E levou a mão em um dos bolsos da calça. – Eu trouxe uma coisa pra você.

—Chocolate? – Perguntei, me sentando também.

—Um presente. – E me entregou uma caixinha bege. Meu sorriso cobriu o sol, certeza.

Abri a pequena caixinha. Dentro tinha um colar, com um pingente de prata redondo e uma pedrinha azul. No pingente tinha meu nome gravado.

—Thomas... Obrigada. – Falei, assim que levei meu olhar a ele de novo.

—De nada. – Ele me olhou por alguns segundos antes de me dar um beijinho. – E seus olhinhos estão brilhando.

—Não estão não. – Impliquei. – Coloca em mim. – Entreguei o colar a ele, sorrindo. Ultimamente eu tenho sorrido muito, tô até me estranhando.

Me virei e segurei meu cabelo pra que ele colocasse o colar, e assim que ele o fez eu me virei pra ele de novo.

—Eu te amo, estúpida. – Ele disse com aquele sorrisinho de lado, aquele que me fazia querer trancar ele num quarto só pra mim. Ai, meu Deus!

—Agora com certeza meus olhos estão brilhando. – Falei, conseguindo ganhar um beijo. –Vou te contar um segredo, tá? Eu também te amo. – Falei assim que o beijo terminou.

—Desculpa, eu não te ouvi direito. Você o que? – Thomas brincou, só pra escutar meu “te amo” mais uma vez.

Me aproximei dele, olhando naqueles olhos castanho claro.

—Eu disse que te amo, chatice. – Sussurrei, e Thomas me derrubou na grama, enquanto sorriamos e ele me beijava.

Pois é, senhora vida. Eu passei a gostar muito mais de você quando as coisas só começaram a dar certo pro meu lado. E ainda tem o fato de que nem todo mundo me odeia, mas apesar disso eu ainda continuo sendo muito azarada. É uma coisa a ser melhorada, beleza? BE-LE-ZA, vida? Está me escutando né?

 E mesmo não odiando mais todo mundo também, eu ainda odiava algumas coisas. Sabe como é, só pra não perder o espírito rebelde e a minha essência.

Vamos ver o que a vida ainda me reserva. Tomara que eu ganhe na loteria, fique muito rica e me mude pra outro planeta. Fim.

Não. Espera. Eu não quero me mudar pra outro planeta, aqui do lado do Thomas tá bem bom. Mas a parte de ficar rica ainda deve ser considerado, ok? Ok então.

Agora fim e três pontos, porque todo mundo sabe que não é o “fim bem fim” mesmo.

Tá. Vou calar a boca.

E “fim...”.

Com três pontos.

...



Notas finais do capítulo

Logo volto com os agradecimentos e pra finalmente marcar a história como concluída.
Se alguém leu ate aqui, por favor comente pra eu saber que alguém leu hahaha
Um super bjo, amo vocês ♥