Last Chance escrita por Rayanne Reis


Capítulo 6
Capítulo 6


Notas iniciais do capítulo

Olá pessoal, tudo bem? Espero que sim.
Gostaria de agradecer a todos que estão lendo e espero que estejam gostando.



—É uma longa história… - Edward suspirou e ajeitou o bebê no colo.

—Não vou sair daqui até me contar tudo e nada de mentiras.

Ele não podia contar a verdade para irmã, mas também não poderia mentir completamente. Uma hora ou outra ela conheceria os pais de Bella e acabaria sabendo de parte da verdade.

—A mãe dela é Isabella Swan, a dona desse apartamento.

—Desconfiei que ele era não seu. – Entregou a mamadeira para ele. – Coloca um paninho no ombro, para o caso de derramar um pouco ou ela golfar.

—Muito obrigado pela ajuda. Não sei o que faria sem você. – Sentou para que a filha ficasse mais confortável. – Acho que ela estava com muita fome.

—Bebês mamam várias vezes por dia.

—Ela não chora muito.

—Ela vai chorar quando estiver com fome, com a fralda suja ou com cólica.

—As enfermeiras me falaram sobre isso e me ensinaram a fazer massagem para aliviar.

—Está se saindo muito bem. É só ter paciência e cuidar muito bem desse bebezinho lindo. Agora quero o resto da história. – Edward respirou fundo, não teria como fugir da irmã.

—Eu conhecia a Bella em um bar. O noivo dela a traiu com uma das “melhores amigas” dela e ela descobriu um dia antes do casamento. Estava triste e queria vingar do noivo, então fui para a lua de mel com ela.

—O quê? – Ela gritou assustando Aurora.

—Está tudo bem, bebê. – Aurora voltou a atenção para a mamadeira. – É isso mesmo que ouviu, Alice. E nada de julgamentos. Passamos duas semanas juntos e bem... – Apontou para filha.

—Ela deve ser uma pessoa maravilhosa. Você não se envolveu seriamente com ninguém depois da Carmen. – Edward fez uma careta, não gostava de falar da ex-namorada. – Desculpa.

—E sim, ela é. Bella é uma pessoa gentil, bondosa, doce, inteligente e muito alegre. Tenho um grande apreço por ela.

—Você gosta dela?

—Gosto, mas não quis me envolver muito. Você sabe que não sou bom com relacionamentos.

—Acho que agora é tarde para não se envolver demais com ela. E nunca é tarde para o amor. Essa princesinha merece crescer ao lado dos pais.

—Para isso a mãe dela precisaria acordar primeiro. – Apontou com amargura.

—Tem que coloca-la para arrotar. – Alice o orientou.

—Todas as mulheres já nascem sabendo como cuidar de bebês?

—Talvez tenhamos um instinto. E eu tenho experiência por trabalhar na creche. Se você precisar, posso arrumar uma vaga para ela.

—Obrigado. Vamos aguardar e ver como as coisas ficarão.

—Você disse que a mãe dela está em coma. Como isso aconteceu?

—Estávamos conversando no estacionamento do hospital e ela levou um tiro na cabeça. – Alice levou as mãos a boca. – Foi um milagre ela ter sobrevivido. Agora temos que aguardar.

—Quem atirou nela? – Edward levantou e levou a filha até o berço. Alice aguardou ele voltar, enquanto repassava os acontecimentos da última hora.

—A polícia está investigando e ainda não descobriram.

—Será que estavam atrás de você? – Edward se assustou com a pergunta. – Você deve ter prendido muitos criminosos e eles são bem vingativos.

—É uma possibilidade. – Balbuciou tentando não revelar que a irmã estava completamente certa. – Estão investigando o ex-namorado dela, também.

—O que a traiu?

—Não. Esse é o ex-noivo. Depois que nos envolvemos ela conheceu um cara e eles começaram a namorar. Emmett, lembra dele? – Ela assentiu, é claro que lembrava dele. Ele foi até no casamento dela e disse que seria o irmão substituto dela, já que Edward não poderia estar presente na ocasião. – Ele descobriu que o cara faz parte de uma máfia da Itália. E ele sumiu desde então.

—Nossa, ela não tem sorte com os relacionamentos. 

—Não mesmo, mas é porque ela não vê a maldade nas pessoas. Bella é uma pessoa verdadeira e acha que todos também são. Alice... – Estendeu a mão para segurar a dela. – Será que pode não comentar isso com ninguém? O pai da Bella acha que sou o culpado pelo que aconteceu e se ele souber que posso realmente ser, as coisas vão ficar complicadas.

—Se tem alguém tentando te matar, a culpa não é sua se eles atingiram a Bella.

—Não acho que a família dela vai ver dessa forma. E não temos certeza do que aconteceu. Temos que aguardar a investigação policial.

—É claro. – Apertou a mão dele, o confortando. – Pode ficar tranquilo que estarei ao seu lado e vai dar tudo certo.

—Deve ser o Emmett. – Edward levantou para ir abrir a porta.

—Oi papai. – Puxou o amigo para um abraço. – Meus parabéns! Cadê ela? – Ele estava ansioso para conhecer a sobrinha. - Comprei um presentinho para ela. - Emmett estendeu o presente. - É uma roupinha de joaninha. - Edward abriu o embrulho e ergueu a roupinha.

—Obrigado, Emmett. É muito bonita.

—Achei tão fofinha e é a cara dela. Ela parece uma joaninha. Tão pequenininha e fofinha. Obrigado por me mandar aquela foto. Coloquei como papel de parede. – Ele exibiu a tela. – Sinto muito pelo que aconteceu a Bella. Vamos pegar esses filhos da...

—Fale baixo. – Pediu o levando para o corredor, longe da cozinha. Não queria que Alice ouvisse a conversa deles. – Minha irmã está aqui.

—Que ótimo. Estava com saudades dela. A última vez que a vi foi no casamento dela. Casamento esse que você não foi.

—Esqueça isso. Emmett, preciso que me prometa uma coisa.

—O que você quiser, meu amigo. – Deixou as brincadeiras de lado, sabia que a conversa agora era séria.

—Os Volturi não vão parar, eles vão vir atrás de mim para finalizar o serviço.

—Vamos atrás deles. Eles quase mataram a Joaninha. - Emmett estava pronto para a briga.

—Eu vou atrás deles. - Edward avisou. - Não se envolva nisso.

—Nem sonhando. Acha mesmo que vou ficar parado enquanto você os enfrenta sozinho?

—Preciso que você cuide da Aurora, se algo me acontecer. E da Bella também. Só confio em você para protegê-las. Ninguém pode chegar perto delas.

—Edward, meu amigo irmão. - Emmett ajoelhou na frente dele. - Eu juro pela minha vida que protegerei a sua filha como se fosse minha. Ninguém vai machucá-la. Darei a minha vida se for preciso para garantir isso. Ela terá a minha proteção e lealdade. Todos os que são importantes para vocês são para mim também. - Edward colocou a mão no ombro dele.

—Não sabe o quanto sou grato por ouvir tais palavras. Você é um grande amigo. Muito obrigado, meu irmão. - Os dois trocaram um abraço rápido.

—Agora pode me levar até a minha sobrinha? Quero conhecer a Joaninha.

—Vai mesmo chamá-la assim?

—É claro que vou. – Ele balançou a cabeça. O amigo não tinha jeito mesmo, mas Edward estava feliz pela filha tê-lo ao lado dela. Emmett a protegeria sem hesitar.

—Conheça a Aurora. – A pequena dormia tranquilamente no berço.

—Ela é muito linda. Nem parece a sua filha. – O provocou. - Posso pegá-la? Minhas mãos estão limpinhas e não passei perfume. – Ele procurou no Google o que deveria fazer ao visitar um recém-nascido.

—Seja cuidadoso, você é meio estabanado.

—Eu nunca a deixaria cair. Minha missão é proteger a Joaninha. Ninguém vai mexer com a princesinha do titio. - Emmett a pegou no colo. - Vou te ensinar umas coisas bem legais. A surfar, andar de skate, de moto…

—Se você ensinar a minha filha a andar de moto acabo com você. - Edward ameaçou e Emmett riu baixo para não atrapalhar o sono dela.

—Que pai mais chato esse seu, mas não se preocupe que o tio aqui é legal. Nada de moto para você e nem pense que vou te ajudar a fugir dele para namorar escondido. Vou botar o terror para cima desses moleques. - Aurora começou a choramingar.

—Como vocês dois são chatos. Vem com a titia. - Alice entrou no quarto e pegou a sobrinha. A pequena acalmou na hora. - Avisei ao Jasper que vou dormir aqui hoje.

—Não precisa. Você já fez muito. Pode ir para casa descansar. - Ela o ignorou.

—É a primeira noite dela em casa e você vai precisar de ajuda.

—Seu marido não vai ficar chateado?

—Chateado? Ele está é surpreso. Ninguém consegue acreditar que você é pai. Já contou aos nossos pais?

—Vou ligar para eles daqui a pouco.

—Eles vão surtar.

—Eu quase não acreditei quando fiquei sabendo. Achei que fosse alguma piada, mas foi só olhar para ela e ver que é a cara dele. Só que ela é bonita e você é feio. – Cutucou o amigo.

—Acho que ela parece com a Bella.

—Você não fez DNA?

—Não, e nem será preciso. Eu confio na Bella e sei que a Aurora é minha filha. Ela tem a marca dos Cullen. - Apontou para a pequena mancha atrás do pescoço dela.

—Ela é uma Cullen. - Alice concordou. Sabia que o irmão não se deixaria enganar.

—Deve ser a Rosalie. - Emmett avisou indo abrir a porta, assim que a campainha soou.

—Verifica antes. - Edward alertou, mas já era tarde.

—Oi amor. - Emmett a puxou em um abraço apertado.

—Oi, sentia a sua falta. - Os dois trocaram um beijo apaixonado e Edward teve que pigarrear para chamar a atenção dos dois. - Desculpa. Espera um pouco. - Ela ergueu as mãos e olhou do namorado para Edward. - Vocês se conhecem?

Rosalie avisou ao namorado que visitaria a sobrinha, mas não fazia a mínima ideia de que o encontraria lá e muito menos que ele conhecia Edward. Os dois não haviam combinado nenhuma história e não poderiam contar a verdade.

—Não é uma coincidência engraçada? - Emmett riu pensando numa boa desculpa. - Fiquei sabendo hoje que a sua amiga é a mãe da filha do meu amigo. Esse mundo é muito pequeno.

—Muito. - Rosalie estava desconfiada. Ela conhecia Emmett há pouco tempo e Edward era um mistério para ela. - E como você sabia que era eu na porta?

—Edward contou o que aconteceu com a Bella, então imaginei que vocês estivessem falando da mesma pessoa. Não é possível que duas mulheres grávidas foram baleadas no mesmo dia no estacionamento de um hospital. E como você avisou que estava indo visitar sua sobrinha, deduzi que fosse a Aurora, já que não tem irmãos.

—Faz sentido. - Ela não acreditava 100% na história dele, mas não queria pensar que eles a haviam enganado.

—Essa é a minha irmã, Alice. Alice essa é a Rosalie, amiga da Bella e namorada do Emmett. - Edward as apresentou para desviar o assunto da conversa.

—Sinto muito pela sua amiga e espero que ela melhore logo.

—Obrigada.

—Como ela está? Tentei visitá-la, mas os pais dela estavam por lá e não quis incomodar.

—Nenhuma mudança ainda. - Rosalie temia pela vida da amiga. Ela queria acreditar que a amiga acordaria logo, mas sabia que as chances eram poucas. - E por falar nos pais da Bella, eles virão aqui amanhã para ver a Aurora. Tudo bem?

—É claro. Ela é neta deles e podem visitá-la quando quiserem.

—Vou avisá-los. Posso pegá-la um pouco? - Pediu a Alice.

—Vou aproveitar para terminar o jantar. Janta conosco?

—Não quero incomodar. - Ela ainda estava desconfiada da história do namorado e não queria ficar muito tempo.

—Fique, por favor. - Edward pediu. - Vai ser bom para nos conhecermos melhor. A Aurora vai gostar de ter a família unida. - Bastou tocar no nome dele para que Rosalie deixasse de lado as desconfianças.

—Certo. Assim posso passar mais um tempo com a minha princesinha.

—Ela é muito fofa, não é? - Emmett aproximou da namorada.

—Sua explicação foi bem estranha. Não sei se acredito nessa história.

—Por que eu mentiria sobre isso? Foi uma coincidência toda essa história. Edward e eu somos amigos há muito tempo e vim para dar o meu apoio e conhecer a Joaninha.

—Ela não parece uma joaninha. – Rosalie sorriu e Emmett a abraçou por trás.

—Eu gosto de você, Rose e quero que tenhamos um relacionamento de verdade. Não definimos o nosso status, mas eu a considero minha namorada.

—Achei que fomos namorados. – Virou e piscou para ele.

—Agora somos, oficialmente.

—Como as coisas estão por aqui? – Rosalie perguntou a Edward.

—Por enquanto está tudo sob controle. Ela é bem tranquila.

—Bella também é assim.

—Novidades? – Rosalie negou balançando a cabeça.

—Vou colocá-la no berço. Ela vai dormir lá?

—Sim. Ela vai ficar mais confortável lá. Vou colocar um colchão no chão e dormir ao lado dela, assim posso ficar atento a tudo.

—Você é um paizão. – Emmett o provocou.

—Estou me esforçando. Sei que ela vai sentir a falta da mãe, então quero facilitar ao máximo as coisas para ela.

—Nossa Joaninha está em boas mãos e todos vamos cuidar dela.

—Ela vai ser muito amada. – Rosalie completou.

—Obrigado. Minha filha está cercada de pessoas maravilhosas e sou grato por isso. – Edward a pegou no colo. – Logo, logo a mamãe estará aqui e você vai será muito feliz. Eu juro meu amorzinho.



Notas finais do capítulo

O que acharam? No próximo conheceremos os pais do Edward e ele vai contar a verdade a um deles.
Emmett também contará a verdade a Rosalie, mas não agora, ele está tentando proteger o amigo e não arriscará que alguém o investigue.



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Last Chance" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.