Paradiso escrita por Sensei Oji Mestre Nyah Fanfic


Capítulo 4
Capítulo Final: Michael sempre estará vivo!


Notas iniciais do capítulo

Quero agradecer a quem chegou aqui. Muito obrigado mesmo.



Beth, a dona do restaurante, enganou Michael direitinho. Contratou um homem mascarado para capturá-lo enquanto a mulher resolve entregá-lo ao mundo.

— Não pode me entregar. Eu posso ser morto.

— Fica tranquilo. Depois que você for descoberto, a mídia do mundo todo estará no seu calcanhar e sua vida estará segura. Agora é só esperarmos uma equipe com um fotógrafo e um médico. Seu sangue será coletado como prova material irrefutável.

— Quem é você?

— Elizabeth Cosgrove. Sou jornalista. Trabalhei na Time e na New York Times. Depois de tantos anos trabalhando para aqueles elitistas estúpidos, acabaram me demitindo só por formular uma teoria de conspiração no meu editorial. Agora vou provar que o Fake News que eles me acusaram de fazer, era de verdade. 

 

Enquanto isso, o quinteto mais Zadaya chegaram onde Scooby e Salsicha estavam. Fred pegou o binóculo e viu um hangar abandonado num atol de Mebebe. As luzes estavam acesas e sinalizadores na pista.

— Um avião vai aterrissar a qualquer momento. Precisamos salvar o Michael antes que o levem.

A turma foi divida entre Salsicha, Scooby e Zadayah; Fred, Velma e Daphne. Desembarcaram um pouco distante dali, na praia, mas começaram a caminhar.

— Esse aeroporto era usado por soldados britânicos. Hoje o governo não o abre por nada — explicou Zadayah.

— Ô Fred, podemos ficar aqui? Scooby e eu concordamos que ficarmos aqui fora é melhor.

— Podem ficar sozinhos então.

Os dois viram as árvores escuras ao redor. Já era noite e não havia uma pessoa sequer ali. Correram para acompanhá-los.

O máscarado deixou Beth sozinha no salão e foi fazer uma ronda pelo lugar. Viu invasores no andar de baixo.

— Hihihihehehehe.

Scooby pulou nos braços de Zadayah e ficou se tremendo. Salsicha se escondeu atrás da Daphne.

— Crianças malditas. Vou acabar com vocês — ele estava na parte de cima. Pulou e saiu voando.

Fred decidiu que era a hora de correrem a todo o custo e fugirem.

— Que barulho foi esse? — Beth retirou um revólver da cintura e se ausentou um instante.

Fred viu um monte de entulho. Uma corda de palha era o suficiente para o seu plano de capturar o monstro mascarado.

Enquanto isso, Scooby e Salsicha corriam com medo do demônio mascarado. Eles se esconderam numa lata cheia de lixo. O vilão pegou e saiu rolando.

— Salsicha! Vamos morrer!

A lata saiu rolando para fora do hangar e já na pista de terra do aeroporto. 

— Ei, você. Isso mesmo, monstrão. Pensa que vai nos meter medo, é? — disse Daphne.

— Metidinha. Eu vou te matar — saiu voando na direção dela.

Fred amarrou a perna direita do monstro com a corda. Ele tentou se soltar, mas Fred pulou e puxou suas pernas. Os dois caíram no chão. O mascarado ainda tentou sair, mas Daphne pulou em seu pescoço. Revelou que atrás dele havia uma jetpack. Foi capturado pelo casal. A felicidade durou pouco porque Beth deu um tiro ao alto.

— Eu devia ter desconfiado que vocês descobririam o meu esconderijo. Por culpa desta traste, eu fui descoberta por meros aborrecentes! — disse, apontando a arma para a cabeça de Zadayah. 

— Salvem o Michael. Não se preocupem comigo.

— Quieta. Em cinco minutos o avião virá nos buscar e finalmente terei o meu pulitzer.

Velma deu uma paulada na cabeça de Elizabeth e a fez desmaiar na hora.

— Pode ganhar um pulitzer, mas não a custa do rei.

 

Passado os cinco minutos, o avião com o médico e o fotógrafo foram embora. A polícia local foi chamada e em vinte minutos os seguranças do rei do pop apareceram com a cavalaria.

— Queria agradecer a todos por ter ajudado ao senhor Jackson. Nunca poderíamos saber que Beth estava tramando contra nós.

— Não precisa agradecer. É o nosso trabalho — disse Fred.

— Queremos ver quem é o cara por trás dessa máscara de demônio — disse Daphne.

A ruiva quis pessoalmente retirar a máscara do homem misterioso. A surpresa foi geral.

— Você! — disseram.

Zadayah não acreditou que Paul Mogatari estava envolvido nisso.

— O senhor parecia ser uma boa pessoa. Como pode?

— Garota, não me enche. Sempre fui fã desse cara, mas o odiei desde que inventou a falsa morte. E sabe quanto ganha um guia turístico? Pouco. A dona Elizabeth ia me dar muita grana.

— Até parece.

— Como assim?

— Seu tonto. Eu tinha um revólver. Acha mesmo que eu ia compartilhar minha grana com um pé-rapado como você? Se não fosse por essas crianças enxeridas e esse cachorro pulguento, eu teria a vida ganha.

— Não sou pulguento — Scooby soltou um pum perto dos dois. Ambos desmaiaram e viram estrelas.

Michael foi levado pelos seus seguranças até um avião monomotor e entrou nele. Os jovens detetives e Zadayah queriam pedir alguma recordação, mas os seguranças impediram.

— Queremos falar pela última vez com o senhor Michael — disse Velma.

— Que Michael. O único naquele avião é o senhor Craig. Até mais.

O segurança entrou no avião e logo saíram voando pelas ilhas. Michael Jackson colocou os fones de ouvido e maratonou a sua playlist das antigas.

— Acho que nós nunca mais o veremos — disse Fred.

 

Dia seguinte, Zadayah se despediu dos cinco. O retorno à américa foi mais cedo do que o previsto, mas cada segundo valeu à pena no arquipélago das Maldivas.

...

— Aí, Scooby, o que você... o que está fazendo?

O cachorro apareceu fazendo cover de Michael Jackson enquanto vendia no food truck. Pegou um rádio e dançou Billie Jean no calçadão da praia.

— Salsicha, não sei como o seu cão teve essa ideia, mas está atraindo muitos clientes.

— Hehehe... quanta besteira.

— Vamos lá, Salsicha. AU. Como se canta mesmo essa música? Agora o passinho pra trás...

O cão viu um gato no braço da dona e correu pra cima.

— Scooby!

 

E assim foi a aventura mais imprevisível dos jovens detetives da Mistérios S/A. Foram testemunhas oculares de que Michael Jackson não morreu e ficará eterno em nossos corações.



Notas finais do capítulo

Foto por Humaid AlMansoori



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Paradiso" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.