Os Guardiões do Tempo: Agentes da Ordem - Parte II escrita por R G Assis


Capítulo 21
Capítulo 19 - Jogo perigoso




Um jogo, você quer jogar um jogo criança?

"Um jogo? Sim, eu adoro jogos!"

Kaled lembrava muito bem de quando a ouviu pela primeira vez, a voz macia e sibilante escorregava pela sua mente de uma forma agradável, o acariciando e o machucando na mesma medida. Curvou-se em um espasmo de dor, um pouco de sangue escorrendo por sua boca. Um preço pequeno a se pagar pelo poder.

Seu corpo estava dolorido, definhando, seu estômago clamando por alimento, não se lembrava quando fora a última vez que comera, não importava, a dor é boa.

Um jogo, seu jogo.

Um pássaro negro de sombras surgiu a sua frente. Ele o pegou sem cuidado, sussurrando o feitiço, depois o soltou.

Sim, vamos jogar.

***

Não se recuperou tão rápido quando passou pelo portal, um de seus joelhos fraquejou e Merlin caiu curvando-se, estava desorientado, diferente de Melanie que estava em pé encarando alguém a sua frente, ela começou a caminhar, Merlin viu o que uma vez fora um garoto, forte e saudável, que agora parecia ter envelhecido mais de vinte anos.

Seu corpo parecia ser equilibrado precariamente por pernas tremulas, suas roupas negras caiam folgadas por baixo da capa, seus olhos tinham sulcos profundos ao redor como se não dormisse a muito tempo, a imagem era aterradora, causava um aperto em seu coração.

"Mas, o que... o que está acontecendo?"

Merlin não acreditou em sua falta de sorte quando viu o príncipe Arthur se levantando ao seu lado. Aquilo não era bom, nada bom.

***

Assim que sentiu seu corpo recuperar a gravidade, Arthur caiu com força no chão, sua cabeça girava, fechou os olhos aguardando, ao abri-los viu Merlin em uma situação nada diferente da sua, também estava no chão tentando se levantar. Sendo mais rápido que ele, Arthur se ergueu, arquejando pelo o que via a sua frente.

Teresa caminhava como hipnotizada a frente, indo em direção a uma criatura que não parecia humana. Suas vestes eram negras, sua pele desprovida de cor, não como Melanie, ele parecia doente, seus olhos amarelados com sombras negras ao redor.

"Mas, o que... o que esta acontecendo?"

Arthur encarou Merlin que parecia ter se surpreendido tanto com sua presença que parou de tentar se levantar.

"Não, não..."

Merlin parecia sussurrar para si mesmo. Arthur deu alguns passos à frente, tinha um mal pressentimento, de repente uma voz cortante soou, como se penetrasse em sua cabeça.

"Vejo que recebeu meu convite."

A criatura sorriu um sorriso amargo. Teresa parou, não dizendo nada.

"Posso ter demorado um pouco para perceber, mas... você não achou que poderia se esconder por tanto tempo, achou?"

Arthur viu o corpo de Teresa inteiro começar a tremer.

"Como você pode fazer isso, como pode fazer isso comigo, com eles..."

"Como você ousou fazer aquilo comigo, sempre fui o melhor sabia disso."

O grito soava acusador, Arthur não sabia se queria se envolver nessa discussão, recuou alguns passos.

"Nunca foi essa a questão, eu o amava! Eu sempre te amei como meu filho..."

Mais uma risada desesperada.

"Me amou? De verdade? Ou somente teve medo de meu poder. Medo da escuridão em mim."

A última parte soou como um sussurro, a criatura de vestes negras estava com olhar desfocado, como se não mais o vissem a sua frente. Continuou falando.

"A escuridão, escuridão... ela está aqui... você fez ele existir, porque você fez ele existir, eu... eu... fiz, tudo certo, não fiz? O livro, porque ele sumiu? Eu estava com o livro, onde o guardei... tem razão, talvez possa resolver isso agora, posso... vou mata-lo. Sim, sim, isso resolveria, resolveria."

Sua fala era fragmentada, como se conversasse com outra pessoa que somente ele podia ouvir, olhou em direção a Arthur com um olhar assassino. Teresa se virou devagar, parecia com medo de ver sobre quem a criatura falava em matar. Quando viu Arthur, seus olhos se arregalaram por um segundo, para depois endurecerem em uma expressão sombria, vapor começou a emanar de seu corpo, seu cabelo desbotava, clareando cada vez mais, seus olhos uma vez escuros também perderam a cor, se tornado por um momento azul claro e castanho esverdeado.

Arthur nunca ficara tão assustado em sua vida. Não pode ser.

"Está perdendo o controle? Você sempre foi tão contida, não é mesmo? Perfeita... "

"Por que está aqui, qual o objetivo?"

Ela gritou. Ele sorriu.

"Objetivo... poder. O que mais? Achei que estava pronto, mas... mas... não me importo em jogar. Você quer jogar? Tudo bem... tudo bem, já tem sua peça... não importa vou mata-lo de qualquer forma..."

Merlin falava em desespero.

"Não, Melanie... não se perca."

"Melanie..."

Arthur ofegou, por sua vez, aquela que agora assumira a aparência de Melanie, tremia cada vez mais, o ar esquentando ao seu redor, de seus olhos brotavam chamas e estavam fundos com contornos escuros. Lentamente ela ergueu a mão enquanto se voltava novamente para frente.

No instante em que fechou a mão, a criatura vergou o pescoço para trás como se sufocasse, suas pernas dobraram e ele ficou suspenso no ar como se algo o segurasse pela garganta.

"Acha que conhece a escuridão? Você não sabe o que é escuridão! Acha por um momento que sabe o que é lidar com algo ruim que cresce dentro de você? O poder... a tentação... criança tola e arrogante... você os tirou de mim! Os tirou de mim!"

A voz que gritava não parecia humana, a fúria a distorcia enquanto a brisa queimava. Ao seu redor diversos buracos como aquele que o sugou surgiam, cada um parecia mostrar um inferno diferente, Merlin gemia como se sentisse dor.

"Não... Mel, não posso controlar... pare."

Merlin parecia fraco, sua voz era baixa, Arthur olhou para aquela que agora sabia ser Melanie, a criatura riu em seu sufoco, cuspindo sangue no processo.

"Vai mesmo me matar, você não consegue, não consegue, não consegue... eu sim, eu mato, eu posso... matar."

Continuava rindo, enquanto Melanie parecia perder cada vez mais o controle da magia, a terra fragmentava e elevava ao seu redor, o ar flamejava, Merlin estava tão aterrorizado que não conseguia falar, tomando toda a sua coragem, Arthur caminhou em direção ao ar quente que queimava sua pele, chegou rápido, não sabia quanto tempo aguentaria, a tocou no ombro e assim que a tocou a temperatura baixou, ela o olhou, seus olhos apagaram, a raiva sumiu, sua expressão era de completa tristeza, voltando-se para aquele que enforcava, deu um grito estridente, um grito de dor e arremessou a criatura de vestes negras em uma das aberturas.

Voltando-se para Arthur, Melanie tombou sobre ele, caindo em seus braços enquanto chorava, tremia como uma criança, Arthur a abraçou afagando seu cabelo.

"Shh, eu estou aqui. Estou aqui."

Foi somente o que conseguiu dizer, pouco a pouco a paisagem voltava ao normal, as estranhas distorções sumiam uma a uma, Merlin enfim se levantou indo até Arthur, pousou uma mão em seu ombro.

"Obrigado jovem Arthur, obrigado."

***

Abriu os olhos devagar, não conseguia ver nada de imediato, se concentrou somente em respirar, sentia seu corpo dolorido de uma forma tão intensa que chegava a estar anestesiado, uma tranquilidade repousava sobre Melanie, deixou-se permanecer assim, tinha de pensar.

A pequena demonstração de loucura de Kaled a afetara muito, a forma como falou, Melanie não acreditava em como falhara com ele, Kaled era sua responsabilidade e ela falhou, infelizmente agora não adiantava mais se lamentar, teria de erguer a cabeça e seguir em frente, fazer o melhor para concertar seu erro, pelo menos algo bom saiu daquele encontro,agora Melanie entendia o que havia acontecido, sabia exatamente o que fazer.     





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Os Guardiões do Tempo: Agentes da Ordem - Parte II" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.