A queda dos Deuses escrita por Hórus, BunnyBoo


Capítulo 1
Capítulo 1: O caos nos céus




O dia estava mais chuvoso que o normal trovões e raios por toda parte do céu escuro, o dia em Nova Iorque não estava nada normal Arthur voltava de outro dia de aula, todo molhado e encharcado,Arthur um garoto de 16 anos loiro com olhos azuis com orelhas pequenas e seu rosto normal como de um garoto comum, sua mochila parecia que ia se dissolver, ele olhou para o céu e viu estranhos símbolos no céu, oque quer que esteja acontecendo não era normal, chegando em sua casa deixando marcas no chão e pingando sua mãe o esperava fazendo a janta já cedo, era uma mulher nova e seus cabelos loiros e olhos negros também, tinha o rosto lívido.

—Arthur, como foi a aula hoje? Perguntou ela

—Tranquila mãe. Indagou ele jogando a mochila para um lado. -Não tive deveres de casa hoje.

— Ótimo, vá se trocar, preciso de um favor seu, jogue as roupas naquele canto. 

Ele se dirigiu até seu quarto e trocou rapidamente com um short azul e uma blusa vermelha, e ouviu outro trovão desta vez muito forte que até o fez estremecer, logo ele estava na sala novamente, sua mãe parecia muito nervosa.

—Tá tudo bem mãe? 

—T... tudo filho. Gaguejou ela uma vez. -A janta vai ficar pronta daqui a cinco minutos.

Quando um raio atingiu perto de casa ele sentiu um choque elétrico nas mãos e gritou, doeu bastante.

—Tá tudo bem? Perguntou a mãe preocupa sem olhar para o filho enquanto picava legumes.

—Não sei, senti algum tipo de choque nas mãos. Ele chupava o dedo que continuava doendo e estava doendo.

Uma coisa ocorreu, um raio atingira Arthur e ele não desmaiara ou sentira mais dor, sua mãe gritou e olhou fixamente para ele seus olhos com lágrimas.

—Oque foi isso? Oque aconteceu comigo? Perguntava ele sem parar. -Mãe?

—Eu esperava que isso acontecesse filho, tenho coisas que preciso te contar. 

—Me contar? Oque está acontecendo? Ele olhava para suas mãos e seu corpo, mas algo atingira a porta e fizera a casa estremecer.

—Se esconda rápido. A mãe empunhou a faca. -Vá logo, não pergunte, vá para o armário.

Arthur correu para seu armário e se escondeu, então ouviu uma voz.

—Entregue o garoto ou a tempestade se caíra sobre você. Disse a voz.

Arthur estava mais curioso que nunca, mas era muito perigoso, mas então ele arriscou, saiu de seu quarto e viu um homem maior que sua mãe com um terrível machado e seu elmo que cobria sua cabeça, ele olhou para o garoto.

—O menino. Quando ele ia andar em direção ao garoto sua mãe lhe atingiu com a faca que amassou quando ela tentou perfurar seu pescoço. -Como ousa tentar ferir Ares o deus da guerra, sua insolente.

Ele a pegou pelo pescoço e ela estava sendo sufocada, o homem era muito forte e quase atingia os 2 metros de altura ou até mais.

—Não, mãe! Berrou ele. -Solte ela, por favor.

Sua mãe desmaiou em questão de segundos e Ares a jogou para o lado onde ela colidiu com uma parede a quebrando.

—Oque você quer? O garoto andava para trás.

—Sua morte, irmão. Ares fitou os olhos do garoto. -De todos os filhos do meu pai, você foi a unica porcaria que ele fez, agora morra!! Ele pulou com seu machado para acertar em direção ao garoto, quase colidiu com o teto.

Quando outro trovão acertou a casa que destruiu o teto e mandou Ares para longe que atravessou uma parede.

Um homem da mesma altura que ele e com uma barba branca mas muito forte e que aparentava ser muito velho surgiu com um relâmpago que emanava uma energia elétrica forte e uma lança de ouro na mão.

—Como ousa atacar um de meus filhos? Perguntou o homem. -Assim que eu o prender o jogarei para a Víbora Gigante, quer você seja meu filho ou não.

Ares em um instante voltou voando e parou em frente a Zeus, Arthur estava atrás dele confuso e com medo.

—Quem são vocês? Oque houve aqui? O menino olhava para o raio nas mãos do homem.

Ele apenas deixou de lado o garoto e pareceu não escutar.

—Meu pai, Deus dos Deuses, Zeus, a muito tempo você governa o olimpo e não consegue manter uma paz com seu irmão.

Não podia ser verdade, Zeus e Ares, deuses, Arthur acreditara que estava sonhando, quando o homem a sua frente emanou uma energia sobre ele que o fez desmaiar, mas antes ele gritara "Mãe!!".

Arthur acordou em cima de um gramado que tinha um ótimo cheiro, sua visão estava embaçada e quando voltou ao normal não acreditou no que via, estátuas de Zeus para todos lado, também de outros deuses como Afrodite, Atena, Apolo, Poseidon, Hades, ele já estudara sobre a mitologia grega antes, mas como era possível, oque aconteceu? Tinha garotos e garotas por toda parte, todos pareciam estar treinando, um estava controlando o fogo e fazendo enormes bolas de fogo, outro controlando a aguá de um pequeno riacho, quando uma voz atrás dele ecoou sobre seus ouvidos.

—Vejam só, o filho de Zeus. O jovem tinha a expressão de cara amarrada, seus cabelos eram negros e ele era muito forte, empunha uma espada maior que seu corpo e seus olhos negros fitavam os azuis claros de Arthur. -Na teoria meu tio é um garoto mais novo que eu. Ele riu e alguns que estavam com ele riram também.

—Do que está falando? Onde estou? Como isso é possível? Seu tio? O garoto tinha muitas perguntas.

—Cale a boca seu fedelho.  Ele fincou a espada no chão. -Sou Erick, filho de Ares e o que manda nesse lugar, aqui é seu novo lar como se fosse um orfanato podemos se dizer, até que Zeus derrote meu pai temos que ficar aqui.

—Olha só, eu não vou ficar a lugar nenhum, onde está minha mãe? Ele foi andando, quando o jovem o segurou no ombro com suas mãos, era estranhamente forte, ele aproximou a boca aos ouvidos de Arthur.

—Olha só filhinho da mamãe, aqui quem manda sou eu, se quiser sobreviver vai ter que lutar. Sussurrou ele aos ouvidos de Arthur.

—Tire as mãos de mim. Arthur olhava para o chão e então ergueu sua mão e pegou na de Erick, jogou sua mão para o lado.

Quando percebeu Erick havia voado longe com aquilo e não conseguia para pelo impulso, como Arthur teria uma força tão além de um jovem daquele tamanho? Ele pressionou contra o chão a mão e conseguiu parar, se levantou com o rosto vermelho de raiva, ele já fizera isso na escola, era um garoto sozinho e todos te chamavam de estranho, pois dava medo nos valentões.

—Como ousa fazer isso com o filho de Ar.....

—Pare!! 

Ele foi interrompido por uma garota linda, seus cabelos rosas e seus olhos vermelhos, Arthur nunca virá algo assim, realmente era ela linda.

—Pare de causar confusões Erick. O garoto saiu de perto de Arthur e a garota chegou a sua frente e estendeu a mão. -Sou Ilyana, filha de Héstia a deusa do fogo.

—Arthur. Ele a cumprimentou. -Oque está acontecendo? Quem são todos vocês? 

—Vejo que é um filho de Zeus. Ela sorriu. -Aqui é o lar dos Semideuses, onde todos aprendem a lutar e caçar para o futuro.

—Eu não entendo, onde está minha mãe? Perguntou o garoto preocupado.

—Venha, vamos andar um pouco. A garota começou a andar e Arthur a seguiu. -Nossas mães provavelmente foram morar no Olimpo, nossos pais nunca nós informam onde elas estão, somos separados, semideuses aqui e Deuses no Olimpo, até a gente demonstrar força não podemos sair daqui, e você meu amigo demonstrou um pouco mandando o Erick longe. Ela riu.

—Não é possível, eu filho de Zeus? 

—Você alguma vez já ouviu falar de seu pai? A garota o encarou sorrindo. -Bom, aqui não temos moleza, você só come se caçar na extensa área, sua moradia você mesmo quem faz.

—Isso é loucura, como saio daqui? O garoto olhou para cima e viu uma enorme cúpula de vidro. 

—Se você está pensando em quebrar o vidro não se iluda, ele foi feito pelos melhores ferreiros do Olimpo e melhorado pelos poderes de Zeus. Ela apontou para a enorme área aberta com grama, cachoeiras e vários garotos e garotas, algumas estavam em uma cachoeira e Arthur quase se esqueceu de tudo e fora se juntar a elas, eram belas. -Filhas de Afrodite, algumas são exibidas, outras não.

Mais a frente tinha enormes árvores e uma floresta.

—Lá é onde caçamos, possui monstros perigoso e não se deixe seduzir por sereias, lá há várias, monstros marinhos, monstros terrer.....

Um enorme barulho surgiu pela floresta e Arthur e Ilyana olharam para lá ao mesmo tempo.

 



Notas finais do capítulo

Espero que tenham gostado. *-*



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "A queda dos Deuses" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.