A queda dos Deuses escrita por Hórus, BunnyBoo


Capítulo 2
Capitulo 2: O lar dos Semideuses e o treinamento inesperado




O barulho parou instantaneamente e Ilyana olhou para Arthur com um sorriso mais reluzente ainda.

—Filhos de Deimos, deus do terror. Anunciou ela. 

—Entendi, mas realmente eu preciso sair daqu.....

Algo os interrompeu novamente.

Enquanto Ilyana continuava explicando como as coisas funcionavam aqui, Arthur olhou para cima, pensando em como seria sua vida aqui e ele vê alguma coisa se aproximando dos dois. Uma voz feminina aparece.

— Cuidado! – Grita a voz.

Assim que a coisa cai no chão, ela faz o mesmo explodir em uma nuvem espessa de fogo verde.

Uma garota começa a se aproximar correndo e se apoiar nos joelhos, ofegante.

— Nossa Rosinha, achei que você não iria se afastar. – Disse a garota, enquanto olhava Ilyana, a mesma a encara séria.

Logo ela levantou o rosto e revelou sua aparência. Ela tinha pele pálida, cabelos castanhos com mechas roxas e olhos de ouro derretido.

— Quantas vezes eu já disse pra você não me chamar de "Rosinha"? E onde você conseguiu fogo grego? – Indaga Ilyana olhando para a garota, que parecia não ter notado a presença de Arthur.

— E quantas vezes eu tenho que falar que não me importo? Eu consegui com os filhos de Hermes. – Responde.

Ela se vira, encarando Arthur como se o avaliasse. 

— Quem é o loirinho? – Pergunta.

—Arthur, filho de Zeus. Ilyana estava com os olhos fixos em Arthur também. -Aliás volte para sua caça imediatamente.

—Relaxa. Ela observava Arthur e começou a rodeá-lo, começou a tocar em seu braço e seu rosto e Arthur corou nitidamente. -Já saiba que ele é meu.

—Saia daqui sua filha de Hécate. Ilyana corria atrás da garota, as duas corriam em volta de Arthur, ele levou a mão até a cabeça e deu um sorriso, seu rosto mais corado ainda.

—Prazer, meu nome é Mary Novack. Dizia ela correndo. 

—A..... ah pra.... pra..... prazer. Gaguejou Arthur.

Ilyana ficou explicando tudo a ele durante o dia até escurecer, Arthur tentara escapar da enorme cúpula de vidro várias vezes durante o dia todo mas a cúpula de vidro nem rachava, de fato Zeus fora muito poderoso para fazer um tipo de proteção assim, ele sabia que o dia de amanhã seria de muito treino pois Ilyana exigiu que a partir de amanhã ele já começasse a fazer sua casa ou uma barraca, ela permitiu que ele dormisse em sua casa que era gigante e antiga, ela já estivera ali muito tempo, era uma casa feita de madeira mas muito estilosa, com dois andares, estátuas de sua mãe Héstia e uma fonte no meio do que parecia ser a sala, em vez de sofá era bancos de madeira que para o espanto de Arthur eram muito confortáveis, ela havia lhe mostrado o quarto em que ele ficara e depois de comerem uma boa carne em frente a casa em uma lareira Ilyana olhou para ele.

—Aqui é um bom lugar se você souber sobreviver. 

—Deu pra perceber. Ele comia pedaços grande de carne, estava com fome. 

—Zeus o fez com a ajuda de Gaia, Poseidon e Urano, e pra essa vegetação, um toque da deusa Démeter.

—Fizeram um bom trabalho. Ele sorriu, mas se lembrara de sua mãe, será que ela estaria morta? Sua mãe se chamava Helena Draconis.

—Bom vamos dormir ag....

Arthur segurou a mão de Ilyana e ela corou, igual ao seus olhos vermelhos e suas pupilas dilataram.

—Obrigado, não sei como agradecer. Disse ele.

—Tu.... tudo bem, ehhh. Os dois se levantaram e Arthur foi para seu quarto que tinha apenas uma cama de madeira coberta com folhas e a janela não tinha vidros nem nada, era simplesmente uma parte da parede aberta. 

Ele fechou seus olhos, apenas a luz da noite iluminava o quarto, ele pensava, como era possível? Já sabia que não era um sonho por machucar seu braço várias vezes com beliscões, estava preocupado com sua mãe, ele abriu os olhos e viu dois globos dourados em cima dele, deixou de lado e fechou os olhos, mas algo estava em cima dele, ele abriu os olhos e se assustou quando ouviu a voz conhecida.

—Você consegue controlar sua eletricidade por todo seu corpo ou só nas mãos? Perguntou a voz que Arthur reconheceu ser de Mary, ele deu um grito baixo.

—Quer me matar de uma vez não? Perguntou o garoto paralisado com a garota em cima de sua abdômen.

—Eu não faria isso com você. Ela riu e começou a fazer cachos no cabelo de Arthur com o dedo, seus olhos dourados brilhavam como se fosse moedas de ouro. -Me responde.

—Eu não sei. Respondeu ele. -Que pergunta estranha, por que quer saber?

—Então vamos descobrir. Ela fingiu não escutar a pergunta dele.

Eles se viam agora em um campo aberto e um chicote se materializou na mão de Mary, um chicote roxo, os olhos de Mary ficaram roxos e ela o acertou uma vez, doeu bastante, e depois várias vezes, Arthur parecia suportar e ficava calado, ele queria chorar de dor mas não expressava isso.

—Ah vamos lá filho de Zeus, você não está se esforçando o bastante. Disse ela num tom de deboche.

—Como vim parar aqui? Ele olhava para o lado e para o outro.

Quando outra chicotada ia acertá-lo Arthur o agarrou com uma mão e puxou Mary para si, ela não conseguiu resistir ao forte impulso, ele era muito forte, suas mão começaram a emanar energia e então ele se dirigiu para acertá-la um soco mas Mary sumiu novamente, seu chicote desapareceu e ela também, num piscar de olhos estava apoiada com seus pés descalços nos ombros de Arthur, ela parecia não ter peso, era muito leve ou Arthur era muito forte, ele girou e agarrou um de seus pés a jogou contra uma árvore por perto mas ela desapareceu de novo, Arthur teve uma sensação de vazio dentro de si mas continuou observando atentamente, ela pareceu em sua frente mas agora não com o chicote e sim com um cetro.

—Vou pegar pesado então. Ela apontou o cetro para Arthur e liberou um enorme bola de fogo que foi ao seu encontro rapidamente, Arthur espantado ergueu as duas mãos e fez um sinal de pare e fechou os olhos, quando os abriu viu uma coisa inacreditável, ele lançara uma enorme esfera elétrica azul clara que colidiu com a bola de fogo, ele sentiu uma força em seu braço o movendo para trás e com as mão erguidas ele forçou para frente, o mesmo parecia estar acontecendo com Mary, era uma competição de força.

Arthur fazia sua força para frente e Mary com seu cetro, então a esfera elétrica de Arthur venceu e se dirigia a Mary, mas Arthur abaixou a mão e ela se dissipou, em uma velocidade surpreendente Arthur a passou uma rasteira e estava em cima dela com seu braço em seu pescoço, seus rostos muito próximos e a cor dos olhos de Mary ficaram vermelhas.

—Agora está bom o suficiente pra você? Perguntou Arthur saindo de cima dela e a ajudando a levantar.

—Muito bem. Anunciou ela.

Arthur parecia ter controlado, ter aprendido com dominar seus poderes mas uma sensação de vazio ainda aflorava dentro de si, ele se dirigiu até seu quarto na casa de Ilyana, se deitou na cama bastante machucado, Mary havia ficado lá pois ela afirmou que não conseguia dormir, ele foi acordado 4 horas depois por Ilyana e o sol ainda estava aparecendo, estava com olheiras.

—Oque aconteceu? Perguntou ela olhando os rasgados de sua blusa. -Já até sei quem foi, Mary, teve sorte de ter sobrevivido, ela quase mata os que ela não tá nem aí, parece que ela gostou de você, te deixou um pouco vivo. Ela suspirou.

—Bom dia. Ele bocejou e se levantou com dificuldades, marcas vermelhas estavam sobre sua pele. 

—Eu sempre aviso a ela. Ilyana andava de um lado para o outro e parecia não ter escutado Arthur. -Bem, vá se banhar em algum riacho, para você por sua armadura.

Arthur saiu da casa de madeira de Ilyana e viu um riacho a diante com as filhas de Afrodite onde ele decidira se banhar com elas, a água tampava cada parte do corpo das filhas de Afrodite só mostrando seu pescoço, Arthur ia se dirigindo até lá quando uma voz o chamou.

—Arthur!! Ele olhou para trás com falta de paciência e viu um garoto de cabelos pretos atrapalhado e seus olhos também eram azuis só que muito escuros. -Sou Jamie filho de Poseidon, vejo que oque falaram sobre o filho de Zeus é verdade, Mary nos contou tudo que fez e disse que você a beijou, uau mal chegou no acampamento e já está tendo uma namorada que isso.

—Contou é? Ele pensou um pouco no que Jamie disse e gritou na hora. -OQUE? COMO ASSIM? ONDE ESTÁ ELA? 

Arthur seguiu o garoto que o levou até Mary, Ilyana corria atrás dela de raiva e Mary ria sem parar, muitos jovens estavam ao redor delas principalmente Erick que lançou um olhar de desprezo a Arthur.

—Olhem só é ele. Exclamou um grupo de garotas e Mary se materializou a frente de Arthur seus olhos vermelhos. 

—Conte a eles meu amor. Ela tocou no rosto dele e Ilyana segurou um ombro de Mary e a jogou para trás e fez uma prisão de fogo, Mary podia sair dali em segundos mas quis ficar por diversão. -Olhe só oque essa malvada vez com uma pobre semideusa, ela quer acabar com nosso amor. Todos riram.

—ARTHUR DRACONIS ISSO É VERDADE? perguntou Ilyana batendo o pé no gramado com raiva. 

—Não, nós apenas treinamos. Respondeu ele sem graça. 

—Muito bem, se dirija a área de treinamento imediatamente.

—Mas onde é? 

—AGORA!!

Ele começou a andar sem rumo, mas Jamie o ajudou a levá-lo, ele nem mesmo conseguiu se banhar, estava totalmente nervoso com Jamie por isso, chegando lá havia vários jovens, todos pareciam ter a mesma idade que ele, treinando com espadas e arco e flecha, mais além ele viu mais só que dessa vez eram homens adultos que lutavam com monstros asquerosos com armas esquisitas.

—Esse é a área de treinamento masculina. Ele pegou uma espadae um escudo e entregou a Arthur e entregou uma armadura completa de couro, Arthur logo se vestiu e empunhou a espada. -Como você é novato vamos treinar nós dois no inicio, depois deixo se juntarem a ele.

—Deixa? Ele olhou indignado para Jamie. -Vou treinar com eles agora. Arthur estava aborrecido com ele, então Jamie colocou sua espada a frente de Arthur.

Arthur revidou jogando a espada para cima e empurrou Jamie, os dois começaram a andar se encarando, preparados para o próximo ataque.

Jamie tentou o cortar na barriga mas Arthur desviou, o barulho de suas espadas se juntavam aos de outros que estavam treinando, Arthur fora cortado 3 vezes e Jamie apenas 2, ele estava cortado no braço esquerdo e direito e no peito, Jamie na perna e em sua barriga, os dois eram magros e rápidos, até que Jamie segue em sua direção para outro ataque mas Arthur se agachou e cortou outra vez só que mais fundo a barriga de Jamie, aquilo não era o paraíso, muitos ali estavam extremamente machucados, ele caiu no chão e Arthur correu ao seu encontro o virando de barriga pra cima, estava sangrando muito.

—Me desculpe. Disse Arthur, sua raiva por Jamie desaparecera por preocupação.

—Não se preocupe, filhas de Afrodite vão me curar rapidinho. Ele riu e Arthur também. -Você é muito bom em combate, continue assim.

 



Notas finais do capítulo

Espero que tenham gostado. *-*



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "A queda dos Deuses" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.