Eu sabia escrita por Srta flower


Capítulo 5
Uma assassina louca




O sol da manhã encontrou Severus Snape bem acordado na cozinha, preparando mais uma chaleira de chá preto forte.

Ele trabalhou arduamente a noite, preparando tudo o que era possível sem os ingredientes de poções necessários. Ele só esperava que Potter pudesse procurá-los - embora ele duvidava muito ,  pois levaria dias a ordem e os receberia de suas fontes habituais. Dias que eles não tiveram.

Quanto mais ele trabalhava, apenas fazendo uma pausa de vez em quando para refletir sobre os brilhantes frascos de memórias, mais preocupado se tornava. Com a agenda apertada que eles tinham, tudo dependeria da força e resistência de Potter, que por sua vez dependia das poções de Snape e de sua capacidade de manter o pirralho tão calmo e relaxado quanto possível. E enquanto Snape tinha uma confiança absoluta em suas habilidades de pocionista, ele duvidava muito de sua capacidade de aturá lo. O  Potter era como um dedo no pescoço, um ponto de irritação constante e impossível de ignorar.

E, no entanto, Snape deveria mantê-lo vivo, o que significava evitar qualquer estresse, seja emocional ou físico. Ao forçá-lo a viver suas memórias mais aterradoras, a propósito. Ele bufou.

Snape estava colocando a chaleira no fogão quando ouviu um som atrás dele. Não Potter, que provavelmente ainda estava roncando em seu quarto no andar de cima, mas os passos suaves de alguém que não queria ser notado. Silenciosamente, com cuidado para não fazer movimentos conspicuos, ele puxou a varinha.

Mas antes que ele pudesse girar ao redor e atritar quem estava furtivamente na cozinha, uma mão agarrou sua testa, puxou sua cabeça para trás e sua garganta entrou em contato repentino com o aço frio.

"Solte a varinha". Uma voz grunhiu perto de sua orelha direita e Snape obedeceu, embora relutantemente. "Quem é você? E o que você está fazendo aqui?"

"Comendo." Snape respondeu friamente, tendo o cuidado de parecer como se fosse uma questão diária. "E quem é você?"

"O que você fez ao menino?" Seu atacante rosnou novamente, e desta vez, Snape tinha certeza: o estranho era uma mulher. Uma mulher muito velha, com uma voz tão enferrujada e raspada como os movimentos de uma árvore enrugada. Ela era um Comensal da Morte, Ou havia outros grupos para arrancar a cabeça de Potter? Não surpreenderia Snape, como ele próprio pensou em contratar assassinos para terminar com o pirralho mais de uma vez.

"O que faz você pensar que eu fiz qualquer coisa para ele? Eu poderia ser seu convidado, por tudo que te importa"

"Você é um mago !" A mulher sibilou. "O garoto nunca se associaria com os iguais de você".

Snape relaxou um pouco com o tom de sua voz. Ele captou cuidado esepreocupação em seu tom. Então ela estava no lado de Potter - tudo o que ele tinha que fazer agora era convencê-la a não matá-lo.

"Bem, ele se associa comigo e de livre arbítrio". 'Embora a última parte não seja estritamente verdadeira.'

"Pare de mentir e diga-me onde ele está. Você tem três segundos antes de eu te matar".

"Agora, realmente", Snape respondeu, pensando rapidamente. "Ele poderia estar em qualquer lugar! Em seu quarto ou debaixo do chuveiro. Não sei ..."

"Isso não é muito satisfatório. Três segundos acabaram". Ela sussurrou friamente e ele queria rir da ironia disto. Depois de vinte e sete anos de luta contra o mago mais sombrio que o mundo tinha visto, ele seria morto em uma cozinha ensolarada, por uma velha, provavelmente louca

"Professor, porque ... Ayda! Deixe-o ir imediatamente!" Provavelmente foi a primeira vez que a voz de Potter produziu sentimentos mais positivos do que irritação em Snape. 'Bem, ele poderia ter vindo um pouco mais cedo' , resmungou para compensar esse momento de fraqueza.

Ele podia sentir a desconfiança irradiando da mulher atrás dele, e por um momento ele se preocupou por ela não obedecer. "Você tem certeza?" Ela perguntou, virando a cabeça para a porta da cozinha de onde a voz de Potter havia chegado.

"Claro que tenho certeza. Não seja uma cadela, Ayda". Potter respondeu com impaciência.

E Snape foi libertado. Ele se abaixou rapidamente para recuperar sua varinha, e girou para o atacante.

Era realmente uma mulher, e muito antiga. Seu cabelo prateado voou em torno de sua cabeça em mechas selvagens, e sua pele tinha consistência de couro enrugado. Um par de olhos muito azuis o encararam por entre as sobrancelhas espessas, um par de olhos que mantinham uma expressão bastante hostil.

"É normal que assassinos loucos caminhem pela sua cozinha, Potter?" Ele exigiu friamente.

Para sua imensa irritação, Potter apenas riu quando a mulher lhe enviou um olhar cauteloso. Ela não voltou a embainhar  a faca, ele notou.

"Não Professor". Potter respondeu. "Apenas essa assassina louca. O nome dela é Ayda e ela é uma amiga minha. Embora ela exagere o ato, as vezes". Ele acrescentou, enviando a velha um olhar de advertência.

"Este é o professor Snape, Ayda. Ele veio para lidar com minha doença, que, por sinal, finalmente adquiriu um nome e um possível tratamento".

"Bom pra ele". 

Ela respondeu em breve, depois colocou a faca em uma bainha em seu quadril e passou a olhar Snape com curiosidade. "Então, este é o professor Snape". Ela disse, claramente ouvindo falar sobre ele antes. Pelo que ele esperava que Potter tivesse contado sobre ele, Snape ficou bastante surpreso por ter afastado a faca e não o atacado de novo.

Mas para sua surpresa ainda maior, seu rosto entrou em um sorriso paralelo que transformou sua pele em uma rocha de rugas. Ela caminhou em direção a ele e ofereceu uma mão grande e calosa.

"Fico feliz em conhecê-lo, Snape". Ela anunciou. "Ouvi apenas o melhor sobre você!"

Isso surpreendeu Snape. Ser atacado por trás, ele estava acostumado com isso. Mas ser recebido por um amigo de Potter com um sorriso e um aperto de mão? Alguma coisa de sua confusão deve ter mostrado em seu rosto, pois Potter riu novamente naquela maneira irritante e se aproximou do balcão da cozinha.

"Vamos sentar e tomar chá". Ele propôs. "Você trouxe os suprimentos, Ayda?"

"Deixei-os la fora quando eu o vi na cozinha". Ela explicou, indicando com um movimento de sua mão desnecessariamente quem  era ele. Ela saiu pela porta do jardim e voltou a entrar um momento depois com um pacote que parecia trapos amarrados em uma bola.

Ela sentou-se na cadeira oferecida por Potter, engoliu o chá que ele a derramou sem dizer uma palavra e começou a procurar o pacote enquanto Potter encheu o copo, depois serviu a Snape e a si mesmo.

A irritação de Snape tornou-se surpresa, Quando um por um, a velha despejou os ingredientes que havia encomendado, do chifre de unicórnio em pó, que estava restrito em uso apenas aos Mestres de Poções registrados, à samambaia de Sombra seca, que era totalmente ilegal, toda envolvida no mesmo pergaminho sujo Parecia que tinha saído de um monte de lixo.

"Deve ser tudo", ela murmurou, fechando o pacote e colocando-o ao lado de sua cadeira. Então, ela fixou um olhar crítico sobre Potter.

"Você parece terrível", comentou Ayda com frieza, como se ele fosse uma planta ou animal estranho. "Todo pálido e desgastado. Em quanto tempo você estará morto?"

Potter apenas encolheu os ombros. "Um par de semanas, provavelmente", ele respondeu tão friamente. "Depende das convulsões. Mas o professor Snape aqui inventou uma forma bastante brilhante de tirar-me de fora deles".

"mesmo?"

"Ele me bateu."

"Oh," Ayda olhou Snape de novo, desta vez com total respeito. "Chame-me quando precisar de ajuda com isso, professor".

Potter apenas bufou, como se estivessem falando sobre alguma receita.

Contra a vontade dele, Snape viu-se forçado a entrar na conversa. "Você não vai morrer, Potter. Pelo menos não, se eu puder ajudar."

"Então, o que você vai fazer para parar isso?" Ayda novamente, tocando com firmeza, como se a negação da morte de Potter a ofendesse. Ele se perguntou se ela realmente era a amiga de Potter.

"Tratá-lo".

"Como?"

E assim, não sem um profundo suspiro para mostrar sua exasperação, Snape mergulhou em mais uma explicação sobre a doença de Potter e seu tratamento.

E quando ele terminou, o rosto de Ayda mudou. Pela primeira vez desde que começou essa conversa sobre a morte e sua prevenção, ela mostrou sinais de preocupação e tristeza. 'Embora eu me pergunte por que ela se preocupa mais com o tratamento do que com a doença.'

"Me desculpe, garoto." Ela contou a Potter agora, descansando uma mão em seu ombro por um momento. "Não há como contorná-lo?"

"Nada que eu possa pensar ainda".

"Eu vou ajudá-lo a pensar, então".

"Com licença", Snape quase rosnou, cansado desta exibição aguda de esfinge. "Estamos falando sobre seu tratamento aqui. Embora eu não vejo por que alguém deveria desejar ser amigo de Potter, se você é uma, você deveria ter a sensação de ser feliz em vez de condolir ele!"

Mais uma vez, ela lhe lançou um olhar longo e crítico, e Snape não podia deixar de se perguntar se Potter tinha aprendido seu olhar dela. "E você me disse que ele era inteligente", disse ela a Potter com um tom acusador.

"Ele é. Brilhante, mesmo", respondeu Potter calmamente, e as sobrancelhas de Snape aumentaram em descrença. "Ele não é muito bom com as coisas das pessoas. Você se importa com o café da manhã, Ayda?"

E Snape decidiu manter a boca fechada, temendo que apenas uma gagueira confusa escapasse. Isso simplesmente ele não faria.

Então ele observou silenciosamente quando Potter colocou a mesa e Ayda, que não levantou a mão para ajudar seu jovem amigo, cuidou da comida com avidez.

"Como estão Rim, e Cary?" Ele perguntou, enquanto colocava um prato na frente de seu  Mestre de poções. "Os amuletos ajudaram?"

"Perfeitamente", ela respondeu entre duas mordidas. "Embora Cary ainda esteja feio como a noite. Mas Rim está se deixando louca agora, perguntando-se quando você vai cobrar sua dívida".

E então continuaram, durante quase vinte minutos, trocando notícias e perguntas sobre pessoas estranhas e lugares desconhecidos. Potter voltou-se para Snape várias vezes, como se estivesse explicando algo ou o incluíndo na conversa, mas o olhar de  morte que seu antigo Mestre de Poções o enviou sempre o deteve com bastante eficácia. Pelo menos um sucesso para o dia, Snape pensou sombrio enquanto fazia o possível para armazenar toda essa informação casual em alguma parte de sua memória, pronta para ser reexaminada sempre que pudesse poupar o tempo.

"E como foi com o velho?" Ayda agora perguntou, seu tom de voz sugerindo um desdém que normalmente estava reservado para coisas viscosas que se arrastaram para fora das calhas. "Cansativo como sempre?"

Potter assentiu em silêncio. "Tentou me manter lá", ele respondeu depois de um momento de silêncio, e Snape percebeu com um choque que a velha estava falando sobre Dumbledore, herói do mundo mágico. "Eu só consegui escapar porque o professor Snape estava disposto a vir aqui. Caso contrário, eu seria encarcerado em alguma torre até agora e alimentado com doces".

"Eu lhe disse que era uma má idéia retornar para lá", disse Ayda, nenhuma compaixão notável em sua voz. "Os magos  são assim. Você não pode mudá-los, apenas acerte-os na cabeça e corra".

Aborrecimento aqueceu a voz de Potter enquanto encontrava os olhos de sua amiga diretamente. " Eu também sou um mago, Ayda!"

"Bem, todos nós temos nossos segredos vergonhosos, Potter", ela comentou levemente, seus olhos cintilando maliciosamente.

Potter ergueu as mãos com um terror malicioso. "Por favor, poupe-me o seu", ele implorou. "Eu não quero ficar cego e surdo em uma idade tão nova".

Ayda riu de acordo e, por um momento surreal, algo com aquela risada disse a Snape que Potter não estava brincando. Pelo menos não completamente.

"Ah, por sinal", ela anunciou em uma voz que também estava ligeiramente elevada  a propósito. "Eu encontrei Shadow ontem e ele me perguntou por que você não visitou há semanas. Eu disse a ele que sua doença piorou e ele ..."

Potter enterrou a cabeça nas mãos e gemeu alto. "Por que você precisa dizer a ele?" Ele lamentou. "Ele ficará furioso!"

"Bem, ele estava", ela admitiu relutantemente. "Mas você deveria ter dito a ele, você sabe".

Snape, tendo desistido de entender qualquer coisa por enquanto, recuou e observou a reação estranha de Potter com interesse.

"Eu sei", admitiu com cansaço, não encontrando os olhos de reprovação de Ayda. "Mas ele ficará todo protetor sobre mim, e ameaçará as pessoas, e me propõe me tranformar ... Ele sempre se preocupa tanto comigo".

"Bem, ele teve boas razões para fazê-lo no passado, não é?" Ayda comentou. "O estado em que você estava quando ele ..."

Um olhar de advertência de Potter silenciou-a, e Snape encontrou sua curiosidade subindo. Quem era esta Ayda e o misterioso Shadow? Parecia haver mais para o passado desconhecido de Potter do que apenas trabalhar em uma livraria e viajar. Não que ele se importasse, pessoalmente, mas preferia saber tanto sobre as pessoas quanto podia, e obviamente, Potterr mudou nos últimos oito anos. Ainda não estava certo para o melhor ou o pior.

"Eu vou visitá-lo." Potter finalmente terminou a competição de olhares silenciosos que ocorreram entre ele e a velha. "Amanhã, talvez. Depende dos planos do professor Snape".

Seus olhos pareciam pedir perdão à mulher por sua dura reação, e o pequeno sorriso que pastoreava seus lábios parecia concedê-lo.

"Bem, então", finalmente disse Ayda e levantou-se, mais uma vez, empurrando o pacote. "Você acha que ainda estará vivo em uma semana?"

"Eu farei o meu melhor", respondeu Potter com um sorriso.

"Então, nos veremos de novo", . "Ela sorriu de volta, e para o horror de Snape, afundou em uma curva bastante mal equilibrada na frente de Snape. "Fique de olho nele, Mestre,  Mestre de poções, ela o admoestou. "E trabalhe sobre essa coisa de pessoas Precisa de treinamento."

E com isso, ela se foi.

Snape suspirou e serviu outra xícara de chá. "Pretende me iluminar sobre o que era tudo isso, Potter?" Ele perguntou levemente, certificando-se de manter a curiosidade fora de sua voz.

Potter suspirou e deixou a mesa, com a intenção de preparar outra xícara de chá.

"Me desculpe, professor", pediu desculpas. "Eu deveria ter avisado você, mas eu não esperava que ela chegasse tão cedo. Minha carta deve ter soado bastante urgente. Ela está muito preocupada comigo".

"Ela o escondeu bem", Snape não podia deixar de comentar. Potter sorriu novamente, uma expressão distante em seus olhos.

"Eles fazem, geralmente. Eles não são muito emocionais. Levam  uma vida difícil".

"Sobre quem estamos falando, Potter?" Snape perguntou, com pouca paciência em sua voz.

Potter se encolheu. Claramente, isso não era algo que ele queria revelar, mas Snape nunca tinha sido alguém para deixar passar temas difíceis. Quanto mais desagradável para Potter, melhor.

"Já ouviu falar sobre os druidas?" Potter ofereceu depois de um longo momento de silêncio.

Santo Deus POTTER!" Snape surgiu da cadeira como se algo o tivesse mordido. A fúria irradiava-se dele enquanto encarava seu ex-aluno. "Não me diga você associado com os Druidas! De todas as coisas estúpidas ..."

"Bem", respondeu Potter depois de um olhar silencioso, sua voz muito pequena. "Você também. Agora, para ser exato. Ayda é o líder dos druidas britânicos".

Snape gemeu, uma dor de cabeça repentina martelando atrás de sua testa, e afundou de volta na cadeira. "O líder sangrento  dos driuídas britânicos sangrentos  ..." Ele murmurou em estado de choque.

Os druidas eram lendários ou, para ser mais precisos, infames. Feiticeiros e bruxas, eles recusaram qualquer contato com a vida, costumes e leis do mundo mágico. Eles estavam viajando pessoas e aceitaram pedidos e pagamentos de trouxas.

Seu anúncio aberto da existência da magia levou ao seu banimento da sociedade mágica no século XIX. Nenhum assistente foi contatá-los. Havia rumores, no entanto, de feiticeiros banidos sendo adotados pelos druidas, de crianças mágicas, roubadas de seus berços e rituais que foram além do que os feiticeiros obscuros se atreveram a usar. Isso era, feiticeiros obscuros antes de Voldemort.

"Eles não são tão ruins quanto sua reputação", Potter viu que era adequado defender seu amigo. "E nunca os vi fazer algo ilegal ... pelo menos, quase nunca".

"Os ingredientes espalhados agora na sua mesa da cozinha prova o contrário, Potter," Snape sibilou. "E por que ela conseguiu entrar na casa? Pensei que você tivesse o melhor serviço possível?"

"A casa está completamente aberta para ela. Ela é minha amiga", respondeu Potter e Snape gemeu novamente. "Na verdade, o quarto em que você dormiu é freqüentemente usado por ela, e às vezes ela também toma posse do meu laboratório".

Então, Potter estava abrigando criminosos perigosos em sua casa? Por que não ficou surpreso.

"Como diabos você ..." Ele começou, pretendendo exigir uma explicação sobre essa amizade inacreditável, mas mudou de idéia ao longo do caminho. "Não importa", ele criticou. "E quem é esse Shadow de que ela estava falando?"

Se possível, o nervosismo e o constrangimento de Potter aumentaram ainda mais.

"Não deveríamos começar o procedimento?" Ele perguntou, em um esforço mal concebido para mudar o tópico.

Snape ergueu uma sobrancelha de surpresa. Para Potter para manobrar suas conversas para seu tratamento, ele deve estar desesperado por esconder algo sobre esse Shadow. Mas ele decidiu deixá-lo passar, eles não tinham muito tempo, afinal.

"Sim. Termine o café da manhã e depois me junte no laboratório. Existem várias poções que devo preparar, mas vou fazê-lo em seus períodos de descanso. Precisamos nos apressar, Potter, se quisermos curá-lo antes que seja tarde demais "

Ele manteve seu último pensamento em silêncio, mas da expressão de Potter, ele também poderia ter dito isso em voz alta, o medo era tão óbvio: talvez seja tarde demais, de qualquer maneira.





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Eu sabia" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.