Fanfiction escrita por Missy Saxon


Capítulo 1
Como Tudo Começou


Notas iniciais do capítulo

Essa semana que passou eu estava indo dormir quando me lembrei do episódio "Fanfiction" de supernatural aí me veio essa história que não me deixava mais dormir em paz, até que resolvi escrever. (Citei umas referências a umas fics que gostei e umas que só vi por alto [tipo fics da Rose])

Boa leitura!



— Já leu uma fanfiction, Doutor? – Bill pergunta mas sem tirar o olho do celular.

— O que é isso? – O Doutor pergunta curioso.

— Resumidamente, são histórias escritas por fãs.

— Perda de tempo. – Ele responde a ela virando a página da revista em que estava lendo. – Tenho coisas mais interessantes pra ler.

— Tipo revista sobre golfinhos? – Bill retruca apontando pra revista que ele lia.

— Exatamente.

— Sabia que tem histórias sobre você? – Ela o informa.

— O que tem sobre mim?

— Histórias sobre você e uma Clara... Uiii cada história. Você e uma Rose Tyler... Quem é River Song?

— Minha... Esposa... – Ele diz meio triste.

— Nossa! Logo a história que mais gostei. Mas se ela é sua esposa, porque tem história dela com a Missy?

— Com a Missy? Como assim? Quem escreve essas coisas? E como sabem de mim? E de todos que estiveram comigo?

— Não faço a mínima ideia. Parece que tem um livro com a sua vida. Não tive tempo de ler ele todo.

— Tenho que destruir esse livro. – O Doutor se levanta de sua cadeira e vai até a janela da sala. – O que tinha nessa história da River e a Missy? – Diz virando-se para Bill.

— Acho que você não vai querer saber... E aliás, você e a Missy... Qual a relação entre vocês? Ela tá lá em baixo, você cuida dela... Li histórias que ela teve um filho seu.

— Acho melhor você parar de ler essas coisas, isso é loucura demais para apenas um Doutor. – Ele nota algo estranho no pátio da universidade.

— O que são Anjos Lamentadores, Doutor?

— Porque quer saber? – O Doutor pergunta intrigado ao notar que havia uma estátua de um anjo atrás de uma árvore.

— Há uma história que diz que a universidade fica cheia de anjos lamentadores.

— Quem escreveu isso? – Ele pergunta sem tirar os olhos do anjo do lado de fora.

— Não sei. Foi uma tal de... Sra Saxon. Impossível saber. Isso faz diferença? Porque é apenas uma história inocente.

— História pode ser, mas inocente não. Tem certeza que é essa Sra Saxon que escreveu?

— Sim, é o que diz aqui.

— Então vá direto para a Tardis, Bill. Temos algo a resolver. – As luzes começam a piscar.

— O que tá acontecendo, Doutor?

— Não temos tempo. Vamos pra Tardis.

Os dois vão para Tardis.

— O que foi, Doutor? Porque uma história te assustou tanto? – Bill pergunta confusa.

— Os anjos lamentadores se parecem estátuas, mas somente quando você está olhando. Mas quando você tira os dele, quando você pisca... Ele te mata. Eles se alimentam de energia. Suga toda a energia de anos de vida que você terá, enquanto te manda pro passado. É isso que fazem.

— Tá, e qual o problema que isso tem se só está na história?

— Tem anjos na universidade.

— O que?

— Acho que sei quem está por trás disso. Venha comigo! – A chama para saírem da Tardis.

Eles estavam em frente ao cofre. O Doutor iria confrontar a Missy. Ao entrarem no cofre lá estava Missy tocando, que logo para ao notar que o Doutor entrou.

— Que bom que veio, Doutor. Eu temo que tenhamos um problema. – Missy diz ao parar de tocar.

— Sim, por isso estamos aqui. O que você tem haver com as fanfictions? – Diz o Doutor

— As o que? – Missy pergunta sem entender.

— São histórias escritas por fãs. – Bill responde.

— Não tenho nada haver com isso. Porque eu estaria envolvida com isso? Estou aqui trancada. – Missy diz.

— Tem razão! Mas se você não é a Sra Saxon, quem é? – O Doutor começa a pensar.

— Achou que fosse eu por causa do nome? – Missy pergunta indignada.

— Errr... Se você não sabia disso, porque disse que temos um problema?

— Tem algo errado comigo, algo impossível de acontecer... Eu não sei, mas receio que... Eu esteja... Não sei, Doutor venha, eu vou te mostrar. – O Doutor vai até ela próximo ao piano, e ela pega a mão dele e põe em sua barriga. – Sinta essa energia. O que é isso o Doutor? Eu não tô... – Ela diz preocupada, mas é interrompida por Bill.

— Grávida? Ela tá grávida, Doutor? É isso? Como na história? – Bill pergunta.

— Senhores do tempo não se reproduzem assim, eu não posso estar grávida! – Missy responde a Bill.

— Mas se como o Doutor disse, a história se tornou real, então é isso.

— E de quem é, então? - O Doutor pergunta.

Missy o olha como se a resposta fosse a mais óbvia, isso não era possível. Mas Bill entendeu outra coisa.

— Ahh Doutor, bem que eu já suspeitava. — Bill diz com um sorriso malicioso. – Vocês vão ter um bebezinho do tempo como na história. – Ela estava rindo.

— Calada! – Missy diz. – Doutor isso que ela disse não é possível e você sabe que não!

— O que diz essa história, Bill? – O Doutor pergunta.

— É o que? Vai levar isso a sério? – Missy pergunta incrédula.

— Sim. Bill? – Chama sua companheira como se voltando a repetir a pergunta.

— Você quer saber dos anjos ou do baby? – Ela diz ainda rindo.

Missy a olha de um jeito que se tivesse olhar de raio laser, a teria pulverizado.

— Ah tem os anjos. Missy depois resolvemos o caso do... Bebê. – O Doutor diz entrando na brincadeira de Bill.

— Esta me irritando com esse assunto. E aliás, vão querer minha ajuda para...

— Não! Você está grávida, não pode sair daqui, será perigoso!

— Doutor!!!! – Ela estava irada

— Desculpe, Missy, mas tudo indica que é realmente isso.

— Ela vai ficar segura aqui, Doutor? Porque a história diz que os anjos vem atrás dela e do... – Evita falar por medo da Missy.

— Eles estão aqui atrás da Missy? Porque não disse antes? – O Doutor pergunta.

— Você não havia perguntado. Disse que a história das fanfics são bobagens.

— Se eu estou em perigo, o que fará comigo, Doutor? – Missy pergunta.

— Nada passa por esse cofre. – O Doutor responde.

— Quando você colocou aquilo aqui, Doutor? – Bill diz apontando para trás do piano de Missy. E todos voltam seu olhar para trás do piano.

— Como ele entrou aqui? – Missy pergunta ao ver o anjo. – Não era pra isso acontecer.

— Não tirem o olho dele. – Diz o Doutor. – Missy temos que te tirar daqui, você nesse estado... Seria uma grande arma para quem está por trás disso.

— Ah que legal. Só querem me usar... Eu não sou um objeto. – Ela começa a chorar deixando o Doutor e a Bill confusos.

— Doutor, ela tá bem? – Bill pergunta.

— Não tenho certeza, mas melhor sairmos daqui primeiro. Vamos saindo devagar sem tirar os olhos do anjo.

Eles vão até a Tardis e rapidamente entram.

— Temos que sair daqui rápido. – O Doutor diz.

Missy se apóia no console da Tardis.

— Doutor, o que tá acontecendo? – Ela pergunta.

— Você está bem, Missy? – Ele pergunta preocupado.

— Talvez esteja na hora de morrer... – Ela responde.

— Não diga isso. Está se sentindo mal? – O Doutor estava bem preocupado, sabia que tinha algo errado.

Ela não responde nada, e então cai desmaiada, mas o Doutor a ampara.

— O que ela tem, Doutor? – Bill pergunta preocupada.

— Alguém está querendo brincar com a realidade. Mas porque a Missy? – Pensa o Doutor em voz alta.

 

Continua...



Notas finais do capítulo

(Sra Saxon sou eu haha #Revelações eu sou má #Mentira) comentem o que acharam, e o que esperam para o próximo capítulo



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Fanfiction" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.