Palavras que poderiam ter sido evitadas escrita por Makita Sama


Capítulo 1
Carta 1


Notas iniciais do capítulo

Ai meu coração...




São Paulo, Dez de Novembro de Dois Mil e Dez

Remetente: Henrique

Destinatário: Mariana


Você lembra do dia em que me convidou para dançar? Aceitei sem pensar duas vezes e nós viramos a noite feito adolescentes sem os pais em casa.
“Vou te pegar! Não adianta fugir!”
Nossos corpos se encontraram no nosso primeiro beijo.
Vários toques de mão antes de um toque pervertido em seu corpo.
Não vi um machucado em seus lábios e continuei o beijo feito um louco.
Só de pensar nas vezes que ouvi meus amigos disseram:
“Você só pode ser louco para namorar essa menina”
Pouco liguei para a opinião dessas pessoas, nisso continuei como se nada tivesse ouvido anteriormente.
“Henrique! Chegou em casa! Estava te esperando, senti saudades enquanto ficou no bar!”
“Mariana, fique calma. Eu não te deixaria sozinha de jeito algum”
Sentir o calor do seu corpo me deixou mais calmo.
Adoro ela. Não podia desejar pessoa melhor para morar e viver.
Ver seus pulos de alegria quando me olha ao voltar, lembrar de dias onde não nos víamos por conta de trabalho.
Sexo? Para que isso tão cedo? Pretendo casar antes deste ato que envolve paixão e amor.
É hora de dormir para mais um dia longo no escritório, é um saco, mas tenho outra opção?
Deito e ouço palavras em minha cabeça dizendo:
“Faça o teste de HIV!”, mas ignoro como se não fosse nada.
Para que faria algo assim se nem sequer fiz sexo com ela?
Eram as palavras erradas a se pensar. Só que como eu estava sem medo não liguei.
No dia seguinte a televisão passou um comercial com as mesmas palavras, a mesma frase.
Era um tipo de mensagem subliminar.
Eu nem sequer pensei que era importante.
Voltei para casa, horas depois com isso na cabeça.
Vejo-a rodando de alegria como se algo maravilhoso acontecesse naquele instante.
O que seria? Me perguntei até que ouvi:
“Amor! Falei com os meus pais sobre você e eles disseram que não tem problema ter sexo antes do casamento”
“Peço perdões, mas comigo só pode depois do casamento. Não quero ter sexo com você e perdê-la três dias depois”
“Mas só namoramos há um mês”
“Quando completarmos dois anos de namoro vai ser sua escolha, se quiser sair tudo bem.”
Não sei se fiz mal em pressioná-la com o casamento.
Queria ouvir uma resposta, contudo não quero saber que foi culpa minha uma jovem adulta se suicidar.
Ela parece pouco se importar com isso.
Espera ai! Novamente a propaganda do teste está em meus pensamentos, é um saco.
Suspirar bem fundo foi o que pude fazer para não dar-te medo.
Fui novamente à cama, segurei meu travesseiro e fiquei atordoado com tantas mensagens me dizendo a mesma coisa.
Desde quando héteros pegam AIDS? Isso é coisa de viado, de bixa, homossexual, traveco. Não sou nada disso!
Essas campanhas alertando este tipo de gente enquanto sou totalmente diferente.
Posso saber apenas uma coisa?
Por que você jamais me disse que eu tinha sido infectado por seu tipo de gente?!
Desculpe, não consigo entender o motivo de um cara sem problemas ganhar um dos piores.
Ah sim, odiei seu jeito de me responder na última carta, garotas não devem usar palavrões e se acharem superiores aos homens.
“Amor, vai dormir cedo sem me avisar? Seu idiota.”
“Claro que não. Eu ia te avisar logo”
“Não acredito em você”
Vê-la dormindo no sofá por minha culpa quebrou meu coração. Sem pensar duas vezes beijo seus lábios e seguro suas mãos.
Pela primeira vez sinto um aperto de ver alguém triste.
Mas isso não diminui o erro que fez nas nossas conversas atuais. Você é uma mulher errada, mulheres só foram criadas para serem nossos objetos sexuais e para a limpeza de nossas casas, senhora independente.
Pode me xingar, me chamar de machista, mas na bíblia está assim. Ninguém é superior ao nosso Deus.
“Você não foi perdoado, quero mais do que isso. Sexo.”
“Não farei-o antes do casamento e ponto final! Não cansa de me irritar?!”
“Se ficar feliz posso casar com outro homem e assim não vai aguentar me ver grávida dele, com uma família, trabalhando fora e ele arrumando a casa. Senhor sigo a bíblia como se fosse o manual da vida”
“E não é?”
“Não. É um mero livro de ficção”
Bati em seu rosto pálido, dei um sorrido maldoso e rasguei suas roupas para que seu sutiã ficasse exposto ao mundo.
Coloquei-a com os seios pressionados na janela. Assim todos as pessoas que olhassem para a janela veriam como que uma mulher deve ser perante o homem.
“Henrique, esse é o nome do cara que me amou. Mas quem é você? Um estranho babaca que trata as mulheres como se fossem meros objetos.”
“Mariana, eu sou assim. Adoro mentir para conquistar no primeiro e ferrar nos próximos. Essa coisa de que eu quero casar é só para impressionar seus pais e depois sua vida estará em minhas mãos!”
“Peço perdões, mas não vai querer ter AIDS, não é mesmo?”
Aquela vadia ainda se aproveitou para passar seu vírus sem nem fazer sexo comigo, como isso é possível?
“Lembra do nosso beijo com o meu ferimento sangrando? Ele mesmo. Agora tem uma doença sem cura e com remédios caros.”
Vi ela trocar de roupa e sair pela porta, pouco me importei e deixei-a ir embora. Pena que todos os homens pensem igual a mim.
Não quero saber se alguns acham estranho a existência de um livro que pode mudar a vida de todo mundo.
Sou um homem que precisa da minha vida seguida por Deus.
E as mulheres não podem trabalhar, ter uma vida sem outras pessoas do sexo oposto e só servem para carregar filhos de nós.
Espero jamais ver você, mas mandarei essa carta para irritar sua vida e lembrar do quão ruim eu fui e o quão bom eu pareci na balada. Sua vadia sem vergonha, cachorra, puta, mal comida, gorda, baleia, vaca, encalhada, chupadora de pinto, girafa, barraqueira, filha da puta, filha de uma prostituta e arrombada.