Devaneios de uma Colorida escrita por Callie


Capítulo 1
Único


Notas iniciais do capítulo

OMG MAIS UMA? YEEEP!
Estou empolgada hoje,e então, trouxe aqui a minha primeira fanfic Remus x Tonks, que é uma oneshot fofinha que eu sempre quis escrever.
Já devo ter prometido esse casal para umas três ou quatro pessoas, sempre escrevo Dorem nas minhas longfics, mas não deixo de shippar a fofa da Tonks com o Remus por nada no mundo.
Yep, usei Ninfadora, que é a tradução do nome da Tonks, porque usar Nymphadora seria meio estranho demais, não que o nome dela traduzido não seja, mas saibam que eu prefiro mil vezes em inglês, mas como é UA, vale tudo.
É isso, espero que gostem *--* Boa leitura.



Ela era uma garota quase comum, com uma dezena de pensamentos e sonhos na cabeça, pegando um trem rumo à escola em uma manhã extremamente gelada de inverno quando o viu pela primeira vez.

Era uma segunda feira nada animadora, e naquela semana em questão ela tinha os cabelos pintados de um azul celeste que chamava a atenção de qualquer um com uma facilidade imensa, mas ele não olhou muito para ela naquele primeiro dia, parecia extremamente entretido lendo "O Hobbit" para prestar atenção em qualquer coisa ao seu redor.

Tonks, a garota do cabelo colorido, encarou-o por alguns segundos, não era como se um rapaz como ele, que provavelmente estava na faculdade, fosse dar qualquer bola para uma garotinha como ela, uma estudante de Ensino Médio carregando um dos livros do "Diário de uma Princesa" no colo... Por alguns segundos, Dora, como sua mãe costumava chamá-la, xingou-se mentalmente por estar lendo aquele livro de menininha só porque sua colega insistiu demasiadamente naquilo, talvez se ela estivesse carregando seu típico exemplar de "Orgulho e Preconceito", ele tivesse ao menos dado-se ao trabalho de cumprimentá-la, quer dizer, ele era apenas um estranho no trem, não é como se um livro fosse mudar aquela situação e os dois fossem viver felizes para sempre juntos, Tonks já havia passado da época dos contos de fadas e não acreditava tanto assim em finais felizes, ou melhor, fingia não acreditar.

Exatamente três semanas se passaram até ela finalmente vê-lo de novo, mais uma manhã, desta vez menos fria, em um trem que tinha o mesmo rumo do que ela pegara a vinte e um dias.

Ela havia trocado o azul por verde claro que parecia deixá-la mais pálida e menos visível aos olhares de todos, ainda assim naquele dia ele s encarou e ergueu as sobrancelhas analisando-a enquanto a mesma se via perdida em seus devaneios ao observar a paisagem pela janela.

Ele tinha um livro de Desventuras em Série guardado, não que Tonks tivesse reparado nisso enquanto o via tirar coisas de mochila, ela também não havia reparado na câmera dentro de sua bolsa e na série de polaroides que escorregavam do meio de outros papéis.

A garota por sua vez levava no fundo de sua bolsa um livro de poemas que havia pego na biblioteca da escola e que precisaria devolver naquele dia em questão.

Mais uma vez, apenas quatro dias depois, eles estavam sentados frente a frente em um vagão de trem.

Foi com os cabelos agora cortados e coloridos com uma mistura de rosa e roxo que ela percebeu que havia um padrão ali, ela se encontrava no quarto vagão, terceira poltrona à direita, era onde havia se sentado há quatro dias, onde havia se sentado há quase um mês, parecia que o rapaz era meio rígido em questão de onde deveria se sentar, e Dora pensou que talvez aquele lugar fosse realmente bom, ela poderia se sentar mais vezes ali.

E assim se seguiu diariamente.

Tonks o observava erguendo os olhos do livro e quando estava dispersa nem mesmo percebia que o rapaz também a olhava com frequência, ela perdia-se em seus devaneios imaginando o quão ridícula estava sendo, contando vagões e poltronas para sempre se sentar ali, perto de um garoto com o qual nunca trocara nem mesmo uma palavra.

Só que as coisas começaram a mudar, ele cumprimentou-a em uma manhã na qual ela carregava seu amado exemplar de Orgulho e Preconceito, o que fez a garota nunca mais tirar aquele livro de sua bolsa, talvez ela acreditasse que aquele fosse seu talismã da sorte.

Mas também não parou por ai, em uma manhã ensolarada demais para um dia de inverno, o "garoto do trem" como havia sido carinhosamente - e obviamente - apelidado, derrubou um dos livros das Crônicas de Nárnia enquanto procurava algo em sua mochila. Dora pegou-o do chão e lhe devolveu, recebendo um muito obrigado e um sorriso do rapaz.

As coisas não evoluíram mais do que isso ao longo das semanas.

Eles continuaram com seus livros, Dora lia "Se eu ficar." e não se arrependia nada, o rapaz lia Shakeaspere e ela precisava admitir que aquilo a encantava.

Nesse meio tempo, não somente os livros, como também os cabelos de Tonks continuaram a mudar, rosa chiclete, um tom de laranja berrante que desbotou numa velocidade desastrosa, vermelho e as mais variadas misturas que se pode imaginar.

As férias de verão chegaram, ela se formou e colocou em sua cabeça que por mais que quisesse o tal “garoto do trem" nunca seria parte de sua realidade.

Quando suas aulas na universidade estavam prestes a começar e sua mãe insistiu para que ela desse uma última passada em sua antiga escola para pegar a documentação restante para ajeitar tudo.

Antes de sair ela se olhou no espelho, os cabelos, já mais longos agora, estavam castanhos, durante suas férias a garota havia decidido que já passara da hora de deixar a menina do colegial cheia de amores platônicos para trás.

Não contou os vagões naquela manhã, nem mesmo as poltronas, mas o destino pareceu ser mais forte do que a vontade dela de mudar e quando encarou o garoto a sua frente, quis morrer por seguir as ordens de sua mãe.

Tentou não encarar o rapaz sentado na sua frente por mais do que alguns milésimos de segundos, e não falou nenhuma palavra durante os primeiros minutos, ela iria até sua “antiga” escola, faria o que precisasse e voltaria para casa, essa era sua missão.

- ... Seu cabelo. – Ela ouviu alguém dizer, provavelmente havia perdido o começo da frase por estar extremamente dispersa.

- O que? – Perguntou olhando para frente.

- Ah, desculpe... É que, eu estava acostumado com o cabelo colorido. – O garoto riu. – Sou Remus Lupin. – Ele complementou ao perceber que ela nem mesmo sabia o seu nome, mesmo que tivessem passado alguns meses sentando-se um de frente para o outro.

- Ninfadora, mas você pode me chamar de Tonks, minha mãe devia estar com algum problema quando escolheu meu nome. – Falou fazendo-o rir. – E sobre o cabelo... Achei que seria interessante mudar, escola nova, vida nova.

- Vai mudar de escola?

- Vou para a universidade. – Ela respondeu sorrindo levemente.

- Parabéns. – Ele falou provavelmente pela mais pura educação, e não pela vontade real de parabenizá-la, quer dizer, isso foi o que Dora disse para si mesma.

- Obrigada. – Ela agradeceu como se desse aquela conversa como terminada.

- Eu gostava das cores do seu cabelo.

- O que?! Ah, claro, meu cabelo, valeu. – Essa era Tonks, completamente confusa. – Elas eram menininha demais.

- Elas eram ”você” demais. – Ele soltou. – Me desculpe, estou me intrometendo onde não deveria.

- Não, quer dizer, tudo bem, não tem problemas. – Ela riu de uma maneira engraçada e levemente estranha, esse era um sinal óbvio de que estava muito nervosa.

Remus Lupin sorriu com o jeito da garota e ela corou imensamente pela situação toda.

- Então... Para qual universidade você vai?

Dora parou por alguns segundos, ela nunca conseguia pronunciar o nome certo, por isso recorreu ao seu papel de matrícula e mostro para ele.

- Seja bem vinda, caloura. – Ele riu.

- Você... – Parece que o “garoto do trem” se tornaria então “o garoto da universidade”.

- Pois é, Literatura.

- Uau... Que coincidência. – Ela tentou não sorrir, mas foi vencida.

- Demais.

A conversa terminou ali e Tonks só falou algo novamente no momento em que se despediu ao descer do trem.

Na semana seguinte, quando começariam suas aulas, a garota resolveu fazer algo do qual havia achado que já tinha se livrado, ela descoloriu algumas mechas de cabelo e com um restante de tinta azul celeste que havia lhe sobrado, tingiu as mesmas, e lá estava a Ninfadora Tonks de sempre.

Quando chegou à universidade naquela manhã, o destino fez seu favor mais uma vez.

Remus a viu de longe e ergueu a sobrancelha como se perguntasse: “Você não disse que a menininha tinha ficado para trás?”, ela deu os ombros e ele sorriu caminhando em sua direção enquanto dava alguma desculpa aos seus amigos.

Uma conversa se iniciou, uma visita pelo campus, e talvez, posteriormente, isso viesse a se tornar muito mais do que isso.

E foi assim que Dora começou a perceber que “o garoto do trem” prestava quase mais atenção nela, do que o contrário, e então, os devaneios dessa garota de cabelos colorido sobre um futuro em meio ao conto de fadas, pareceram se tornar, na maior parte, uma realidade.



Notas finais do capítulo

O que acharam dessa oneshot? Quem sabe qualquer dia não escrevo uma shortfic desses dois s2. Por enquanto é isso :)
Beijos, Scar Callie.