K.O.F escrita por Sensei Oji Mestre Nyah Fanfic


Capítulo 5
A decisão do ruivo


Notas iniciais do capítulo

Boa terça-feira a todos vocês. Espero que estejam curtindo a fanfic e pra quem é fã e gamer assíduo de KOF se manifestem em reviews e digam se estou me saindo bem.



Kyo decidiu não ir a faculdade. Falou aos professores que iria participar do torneio, portanto passaria a próxima semana toda fora. E para não perder a forma ele estava treinando sozinho com golpes de fogo. É claro que nesse tipo de treino ele ficava na acadêmia de casa, pois lá havia, além dos aparelhos, um patio interno. Alguns bonecos estavam postos em diferentes direções prontos para serem incendiados. Kusanagi nessa hora estava sem camisa deixando seus músculos superiores à mostra e vestia apenas uma calça branca. Estava descalço.

O moreno concentrou as chamas Kusanagi em suas mãos e correu pra cima de um boneco que ficava na outra extremidade do pátio. Ele correu e deu uma pirueta no ar fazendo um breve show de pirotecnia com o fogo. Depois incendiou o alvo. Outro boneco surgiu atrás dele, avançou e com uma sequência de chutes despedaça o objeto. Em seguida ele usa sua técnica para queimar um terceiro. Concentra fogo na sua mão e o lança contra o chão formando uma labareda de fogo que conseguiu se mover sozinha pelo menos uns dois metros de distância explodindo o boneco. Seus pés ardiam em chamas. Deu vários golpes com os pés nos alvos reduzindo-os a cinzas.

Depois que viu o pátio quase todo pegar fogo ele correu pra pegar o extintor de incêndio. Tava pegando fogo!

– Cara você ta torrando a casa! - falou Benimaru.

– Estou treinando porque hoje a noite e vou fugir de casa.

– Que... que... WHAT?!

– Pegarei aquele convite a força e cair fora daqui nem que seja a última coisa que farei.

...

Iori estaciona o seu carro no estacionamento do shopping. Saiu do veículo e pegou o elevador para chegar ao andar superior. O prédio possuía cerca de quatro andares cada qual com seu tipo de negócio. O segundo andar era o que Yagami queria, pois se localizava o salão de beleza de Kai.

O homem ficou olhando a entrada com vergonha. Não queria se expor ao ridículo, pois poderia ter apenas mulheres ali. Tomou coragem e resolveu entrar no salão. Assim que entrou foi recepcionado por uma mulher com cabelos azuis, típica japonesa moderninha.

– Então senhor o que vai querer?

– Um corte de cabelo - respondeu tentando ser o mais educado possível.

– Humm corte masculino hein, deixe-me ver... que sorte nenhum homem veio exceto o senhor. Enfim aqui existem dois setores, o feminino e o masculino no andar superior. Venha, aqui em cima.

Eles subiram a escada do salão e Iori viu várias cadeiras vazias em frente aos espelhos. Um homem todo tatuado com moicano chegou, era o dono. Olhou Yagami e previu o que ele queria.

– Olá senhor eu sou o responsável daqui. Sente-se por favor, vamos começar com o procedimento. Então como será o corte?

– Este aqui - ele mostra o modelo de um álbum. Um homem com cabelos bem vermelhos e franja.

– Perfeito é a sua cara. Ficará bem em você. Ficará lindo e conquistará as periguetes de plantão. Grace Kelly, Grace Shin e Grace Li as três desGraces hehe venham cá. - três mulheres, incluindo a de cabelo azul, se aproximaram - quero ajuda de vocês porque meu amor esse cabelo vai dar um trabalho. One, two, three, go!

Iori se arrependeu amargamente de ter ida àquele lugar. Kai começou a cortar os fios longos dele com sucesso, mas o pior era que o ambiente estava infestado com as músicas de uma tal Lady Gaga. Yagami estava tendo vertigem só de escutar as músicas e o tatuado cantando que nem louco.

– É isso aí meu amor, vamos arrebentar com esse visual.

Cortou toda a extensão dos fios deixando o cabelo na altura acima dos ombros, depois trocou a música agora a Cher. Iori suava frio, mesmo com o ar condicionado.

Decidiu retirar o casaco pra ficar mais a vontade ficando apenas com a camisa preta deixando "as quatro" babando pelo seu físico um pouco descoberto. Agora era a vez das desGraces fazerem a tintura. Usaram uma coloração bem vermelha para tingir. Nesse meio tempo a Madonna cantava Like a Virgin, com Kai quase quebrando os espelhos pela voz desafinada, um futuro ruivo morrendo de tédio e três japinhas loucas por ele.

– Não teria música de verdade não? System of Down, U2 ou algo mais pesado como Metallica ou Guns N' Roses. Poderia até mesmo descolar Queen e até mesmo Psy eu não reclamo, mas essas músicas são um lixo atômico.

– Calma que já vai acabar meu lindo - falou Kai.

Depois de algum tempo repousando ele foi lavar os cabelos no tanque. Mais um corte aqui e outro ali, secador, escova, hidratação e...

– Volte sempre - disse Kai recebendo mais de cem ienes. Yagami só não chamou a mãe do cabeleireiro de santa.

Iori Yagami saiu do salão mais aliviado, por ter retirado o excesso capilar. Agora estava ruivo, vermelho sangue, com uma franja que descia sobre o rosto que o deixou mais sério, frio e atraente aos olhares femininos. Kai tinha razão quando disse que o corte cairia bem nele. O ruivo voltou para o estacionamento, pois decidiu se encontrar com a loira.

...

Enquanto isso o senhor Igniz liga para o seu maior parceiro no mercado negro, Rugal. O homem decidiu usar o meio ilegal para conseguir apoio a sua pesquisa sobre clonagem humana. Com a diretoria vetando a sua decisão estava com os pés e mãos atados.

– Senhor Bernstein é um grande prazer falar contigo mais uma vez. Eu sei que não preciso da sua ajuda na maioria da vezes, contudo dessa vez não há jeito.

NOVA IORQUE

– Olha só o meu colega, o que pretende dessa vez? Boa coisa não é. Da última vez que nos encontramos pessoalmente foi há vinte anos, lembra?

Dentro de um navio cargueiro perto do porto o homem conversava com o outro pelo celular. Rugal estava vendo o carregamento da sua mercadoria negra, armas traficadas. Ninguém ousaria chegar perto daquele navio. Bernstein, agora mais velho, era alto, loiro com cabelos maiores quase chegando a altura dos ombros, bigode. Uma peculiaridade nele era o seu olho direito estar avermelhado e uma luva preta na mão esquerda, na direita ele tava sem luva. Vestia um terno cinza listrado.

– Esses fracassados que eu trabalho não têm ideia do que sou capaz. Pena que não posso usar meus poderes. Agora preciso da sua ajuda definitivamente.

– Passe aqui em Nova Iorque amanhã. Conversaremos pessoalmente - desligou em seguida.

Uma mulher com cabelos curtos e de tom castanho escuro, vestida num vestido vermelho. Esta se aproximou de Rugal.

– Ainda tenho coisas pra fazer aqui e preciso que você e a Mature tomem conta do torneio até eu aparecer por lá. Isso será na segunda-feira horário de Tóquio. Ah Vice... cuidado com Heidern. Não deixe que ele estrague tudo.

– Pode deixar comigo chefe - falou séria.

Isaak O'Brien chegou em seu apartamento depois de um dia longo de trabalho. Mesmo sendo um homem bem escoltado ele tinha medo que os seus inimigos lhe atingisse por meio do seu único filho.

O homem percebeu que a luz da sala e cozinha estavam acesas. Mesmo ainda sendo dez horas da noite Kevin já estava dormindo. O homem deixou sua pasta sobre a mesinha de centro, afrouxou o nó da gravata e pegou a garrafa de uísque. Depois de beber alguns goles ele foi ver o seu filho.

Kevin estava coberto pelo lençol e com o aparelho de video game portátil jogado ao lado. O homem viu seu filho dormindo, o beijou na testa e guardou o jogo. Realmente Kevin era um belo rapaz, com o curioso fato de ter cabelos prateados. Era um adolescente com um gênio forte igual da sua falecida mãe.

– Durma bem meu filho. Em breve partiremos para o Japão - saiu do quarto e foi até a sua pasta pegar uns papéis. Num deles estava escrito AUDITORIA INTERNA. Ele pegou e foi ler no seu quarto.

– Igniz seu reinado está acabado - disse a si mesmo.

...

A loira estava num restaurante. Ela aguardava a chegada de Iori e se decidiu alguma coisa. Ficou alguns minutos, mas nada dele. Pensou que ele nunca viria.

Um homem entrou no lugar. Ele usava óculos escuros e aproximou dela. Quando a loira o viu ficou de queixo no chão. Como poderia ser o mesmo Iori que encontrou horas antes? Estava mais masculino. Cabelos vermelhos, bem moderno. Ele usava um colar preto semelhante uma coleira, ousado.

– Vejo que se arrumou por mim.

– Escute Lin estou aqui porque quero entrar naquela merda de torneio e pegar Kusanagi. Portanto vamos parar de ironias e me diga o que posso fazer pra entrar.

– Pra começar o meu nome é Mature e trabalho para o homem mais poderoso do mundo que está organizando o Rei dos Lutadores. A única coisa que tem que fazer é aceitar. Aí é só arrumar suas coisas e ir comigo amanhã pela manhã.

– Eu topo na hora. Se for pra acabar com a raça daquele vagabundo topo qualquer coisa - falou enquanto passava a mão sobre as madeixas rubras.

– Sushi?

– Não Mature. Detesto peixo, gosto de carne.

– Então vamos as informações antes que o garçom venha...



Notas finais do capítulo

Atualmente esta fic é a mais regular. Três capítulos em abril, falta mais um. Ainda tem maio que postarei mais uns três capítulos. Resumindo estou adorando fazer esta história. Realmente.



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "K.O.F" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.