K.O.F escrita por Sensei Oji Mestre Nyah Fanfic


Capítulo 24
FINAL PARCIAL - JAPÃO X ITÁLIA - A Determinação do antigo campeão de judô




Nos capítulos anteriores...

Kyo Kusanagi e Iori Yagami receberam umconvite inusitado para participarem de um torneio de artes marciais intitulado de King of Fighters. Seu anfitrião, Rugal Bernstein, usou da oportunidade para armar o seu plano sinistro.

Kaido, a cidade japonesa escolhida para sediar o torneio, foi palco de lutas emocionantes, além de ter desafiado os lutadores com a aparição dos shinobis — ninjas da escuridão e servos de Rugal.

Ao mesmo tempo em que as lutas desenrolavam, na América um empresário fez de tudo para derrubar um cartel maligno. Fugindo com o seu filho para o Japão e, coincidentemente, para Kaido. No entanto, ambos foram perseguidos pelo impiedoso Victor Krizalid, ex-subordinado de O'Bryen que trabalhava para Igniz. Tanto Kevin quanto Isaak foram capturados por Krizalid.

...

À noite, os dois carros pararam perto de um barranco. Krizalid saiu do veículo, obrigando Isaak a sair junto. Os demais capangas levaram Kevin para fora do outro carro.

— Por favor, Victor. Deixe o meu filho em paz. Ele não teve culpa das escolhas que eu fiz.

— Eu não me importo. Sempre detestei esse garoto mimado dos infernos. Agora posso me vingar das vezes que ele me fez passar de babá. Foram dias horríveis.

Kevin chorava ao ver a situação desesperadora do seu pai. Isaak tentava acalmar o seu filho e negociar com Victor para poupar o menor.

— Não sei como você teve coragem de vender a sua alma para aquele homem, Victor! Mesmo que eu morra, um dia você sofrerá as consequências.

— Morra de uma vez — deu dois tiros contra O'Bryen. Este caiu no chão, agonizando até parar de respirar.

— PAPAI!!!

— Agora é você, garoto — o celular dele tocou. Aparentemente era o Igniz em pessoa — Teve sorte, moleque. O chefe preferiu poupar a sua vida. Agora não vá achando que é sorte de principiante, porque seu futuro é se tornar uma cobaia humana. Levem-no.

O corpo de Isaak foi abandonado naquele lugar enquanto o seu filho era levado de volta para a América. Uma página dramática da vida de Kevin foi virada, mas no futuro uma sede de vingança incontrolável surgirá no coração do adolescente.

...

O carro responsável para o transporte dos competidores foi interceptado numa estrada perto da fronteira da cidade de Kaido com outra vizinha. Motos, carros militares e até um helicóptero impediu que o motorista proseguisse. Heidern, Ralf e Clark saíram do veículo, sendo escoltados até o helicóptero.

— Capitão Heidern, estávamos aguardando o senhor — disse o piloto.

Ralf falou pelo chefe, pois Heidern ainda estava com dor de cabeça por causa da ressaca anterior. Eles voaram para fora da cidade Kaido até uma base improvisada da Ikari no mar do Japão. Um navio atracado em outra cidade servia de base de operações.

— Capitão Heidern, bem-vindo ao centro de operações temporárias da Ikari. Como prometido, conseguimos um melhor espaço para agirmos.

— Muito obrigado, tenente.

Eles mostraram ao capitão a posição estratégica do porta-aviões Black Noah. Havia um nevoeiro denso ao redor da embarcação, além do fato de estar em águas internacionais.

— Se esse navio está parado no oceano é porque Rugal tem planos para ele. Leona não foi encontrada em nenhum lugar, também suspeito que ela esteja no navio.

O plano para a invasão será na sexta-feira, quando o time vencedor enfrentará o anfitrião.

...

KAIDO, MANSÃO BERNSTEIN

Iori Yagami perdeu a paciência com Mature depois do ataque que teve por conta dos ninjas shinobis, depois fez um acordo com o próprio Rugal para um enfrentamento com Kyo, no entanto recebeu um bilhete anônimo com a informação de que Bernstein era traiçoeiro e que provavelmente estava manipulando o ruivo. Impaciente, saiu do hotel e foi na direção da colina. Ele caminhou para a frente da mansão em que a loira trabalhava. O muro era alto, extenso, não possuía cerca elétrica. O portão não era vigiado, o alemão tinha plena confiança em seu poder.

Utilizando as suas chamas azuis, subiu no muro como numa espécie de propulsão como de foguete. Segurou no parapeito e pulou para o outro lado. Havia muitas árvores frutíferas, ainda tinha um caminho para entrar na residência.

— Estes são os documentos da sua empresa, chefe — Mature entregou folhas para Rugal. Sentado na poltrona, alisando a sua pantera negra, o homem pegou uma caneta bico de pena para assinar quaisquer documentos.

Uma explosão pegou os dois de surpresa. Rugal ouviu os gritos dos seus seguranças no lado de fora da mansão. A porta de entrada foi destruída com o impacto de dois homens arremessados. O ruivo passou pelo vestíbulo.

— Yagami é problema seu, Mature. Vai ter que descontar do seu salário para me pagar aquela porta.

Ele apareceu no escritório do alemão com um dos seguranças de refém. Pediu para que nenhum dos dois se mexessem ou mataria sem pestanejar. O alemão, porém, jogou a caneta, enfiando-a na testa do segurança.

— Pensa que conseguiria me ameaçar com tão pouca coisa, meu jovem? Sente-se e tome um drinque. Vamos falar do nosso acordo. Mature, prepare um drinque ao nosso convidado.

— Não, obrigado. Dessa aí eu não quero nada. — socou a parede, rachando-a. — Quero saber até quando vão ficar me fazendo de trouxa? Eu vim para cá para lutar contra Kusanagi, mas até agora os dois estão apenas me manipulando.

— Não fale nesse tom com o senhor Bernstein, idiota!

— Calma, Mature. Fale-me, jovem, o que aconteceu?

— Recebi uma carta revelando seus podres, Rugal. Está achando que tenho cara de marionete pra ficar me manipulando?

— Sei, sei. E você acreditou nessa bendita carta? Por favor, Yagami, seja um pouco menos ingênuo. Eu não sou o seu pai, não espere alguma afeição minha. Eu quero ver sangue jorrar e, claro há a oportunidade de você morrer naquele navio.

— Isso nunca. Rugal, pare de me enrolar e me leve agora para o Black Noah!

— Seu energúmeno...

— Mature, não. O garoto está apenas aguindo-me. Está com impaciência, porque já faz algum tempo que prometemos a ele essa luta. Pois eu te falo, Yagami. Sexta-feira ocorrerá a luta final nesta mansão. A equipe que vencer, irá me enfrentar no meu navio. Se Kyo e seus amigos vencerem, a luta final será entre você e ele. Se perderem, o plano B é forçá-lo a lutar um outro dia, talvez no sábado.

 — Como posso confiar na palavra de vocês? Estão me dando desculpas esfarrapadas!

— Ora — levantou da poltrona. — Meu helicóptero particular vai te levar agora para o meu porta-aviões. Ficará hospedado até enfrentar e matar Kyo Kusanagi. Tá bom pra você? Mature, leve o senhor Yagami até minha aeronave.

— Mas senhor...

Ele a olhou seriamente, assustando a loira. Mature obedeceu e mostrou o caminho para o heliponto da mansão. Pediu para que o piloto particular levasse o ruivo para o navio Black Noah ainda à noite.

— Ele quase desconfiou, chefe.

— Aquele estúpido pensa que vai acabar com Kusanagi e sair ileso. Eu quero que os dois clãs do fogo sejam extintos para sempre. Assim meu plano de domínio dos governos vai estar mais perto, pois nenhum rival meu ficará vivo. HAHAHAHAHAHA.

Iori não sabia, mas estava sendo levado para um caminho que não teria volta.

...

QUINTA-FEIRA

Um dia antes de ocorrer a grande final, Kyo foi acordado extremamente cedo pelo seu pai para uma sessão árdua de treinamento. O rapaz não queria ter que levantar cinco horas da manhã no dia da folga das lutas.

— Estou meio fraco, porque ainda estou com sono. E morrendo de frio com esse vento.

— Não fale besteiras, Kyo. Você é o meu único filho e herdeiro do nosso clã. Amanhã haverá uma luta importante. Agora vamos ao aquecimento.

Benimaru e Goro treinavam dos seus próprios jeitos. A academia serviu para o treinamento das duas equipes, porém apenas Kusanagi treinava com o pai.

— Sabe o que aconteceu com o time que lutou contra a equipe de Kusanagi? Algo de estranho aconteceu, mas não entendi muita coisa — falou Andy acompanhando o irmão no treinamento de peso.

— Também fiquei sem saber. Mas pelo que eu percebi, o velho Takuma Sakazaki olhou de forma estranha para o anfitrião do torneio — respondeu Terry. — Seja o que for, eu quero estar na final para lutar contra Rugal.

Mai Shiranui apareceu por trás de Andy e o abraçou. O Bogard mais novo levou um susto, mas não teve como impedir a mulher.

— Pode me largar? Estou suado.

— Claro que não. Voltei somente para ver a luta do meu marido.

— Marido? Desde quando que...

— Fiquem os dois pombinhos a sós. Preciso me isolar um pouco.

No ringue, Joe Higashi treinava seus movimentos com os pés.

— Amanhã vai ser um dia incomum. — disse Goro.

— Aí, vamos até Kyo e ver seu treinamento? — propôs Benimaru.

Os dois saíram do ginásio para a praia quando um tipo de explosão aconteceu. Correram para a praia e viram tanto pai quanto o filho exaustos e com parte de suas roupas queimadas. A mãe e a  namorada de Kyo ajudaram.

— Isso é um treinamento ou um duelo mortal com o seu pai? — indagou o loiro de cabelo espetado.

— Um verdadeiro Kusanagi treina até ficar praticamente exausto. O físico e a mente estarão melhor  preparados para qualquer duelo que vier — explicou o patriarca.

Duas horas de treinamento pesado, Kyo sentiu logo fome. Tentou aproveitar para ir do jeito que treinou para a mesa do café da manhã, mas sua mãe o impediu, queria que ele tomasse um banho primeiro.

— Ele é sempre tão criança — disse a mulher.

...

Rugal saiu de helicóptero de volta para o porta-aviões na manhã da sexta-feira. Quem tomou conta dos preparativos para a luta final era Mature.

E assim os competidores ficaram prontos para a grande partida da final parcial de K.O.F. Kyo Kusanagi, Benimaru Nikaido, Goro Daimon, Terry Bogard, Andy Bogard e Joe Higashi. Os seis foram em carros para cada uma das equipes. Por volta das cinco e meia da tarde da sexta, chegaram à mansão de Bernstein. Mature recepcionou todos, inclusive os convidados.

— Querido, viu aquele seu amigo com o filho?

— Não vejo desde anteontem. Alguma coisa deve ter acontecido de grave com Isaak.

 

Uma curandeira japonesa encontrou o corpo de Isaak na quinta de manhã bem cedo. Levou o homem ainda vivo para o seu barraco na parte rural e o cuidou com ervas.

— Meu... filho...

Ela não entendia o idioma do americano, apenas ignorou os seus delírios. De fato, Isaak O'Bryen ainda não morreu.

 

Os portões da mansão se abriram, Mature apareceu e os levou para uma arena na frente da casa. Em cada lado da arena havia estátuas gregas com dois anjos e dois demônios. De todas as arenas, era a mais espaçosa.

— O anfitrião estará esperando pela equipe vencedora no porta-aviões pessoal dele. Lá ocorrerá a luta final com ele. A equipe perdedora voltará imediatamente para o hotel e depois para casa.

A loira pediu para que os convidados se afastassem e mantivessem o contato mínimo. Trouxe uma urna com uma abertura em cima.

— Os seis venham cá. Aqui existem números de um a três em seis cartões. Os dois que pegarem o mesmo número serão adversários.

Joe pegou o número dois, Andy pegou o três, Terry o um.

— Parece que vou começar o show, não é? — disse o Bogard mais velho.

Na outra equipe, Kyo pegou o número três, Benimaru o dois e Goro o número um.

— O sistema de lutas será o tradicional mata-mata. O vencedor da primeira luta soma um ponto, mas não luta mais. Se venceu, não poderá voltar. O máximo que uma equipe pode ter é três pontos, mas pode vir a sair com dois a um. Sinceramente, eu prefiro a segunda opção. Que se iniciem as lutas.

Terry pediu tempo para Mature, chamou Kyo e Andy. O homem entrou em acordo com os dois para que trocasse de luta para que ele lutasse contra Kusanagi. Andy assentiu.

— Querem trocar de lugar? Não sei se pode... tô brincando! Podem sim. Quem vai contra quem?

— O Goro não fez muito caso e aceitou lutar contra Andy. Benimaru lutará contra Joe e eu contra Terry.

Mature permitiu a troca. Faltando apenas cinco minutos para o início da luta, Goro e Andy entraram na arena para um aquecimento final.

 

O helicóptero de Rugal pousou no heliponto do porta-aviões. O capitão Collin e Vice recepcionaram seu chefe.

— E a garota?

— Dopada, como sempre — respondeu Vice.

— Não façam mais isso. Preciso que ela acorde para esta noite. Tenho plano e preciso dela. Vamos lá?

O trio desceu o convés para o laboratório do navio. Leona Heidern ficou entubada numa maca.

— Ainda não entendo exatamente o que o senhor quer com essa mulher.

— Meu bom Collin. Pergunte de menos, trabalhe de mais.

 

Goro e Andy terminaram de se aquecer. O árbitro iniciou o duelo. Ambos ficaram concentrados. O maior fez a estilosa pose de judô. Andy também ficou muito concentrado.

— Vai lá, meu amor! Vença, vença e orgulhe o seu filho que ainda será feito — falou Mai na plateia.

— Droga... o que ela tá falando?

Depois dessa breve distração, Bogard iniciou a batalha, correndo na direção de Daimon e iniciando uma série de golpes com as mãos e os braços. Goro se defendia de quase todos os ataques. Afastou-se, mas Andy continuava enérgico.

— Goro nunca foi rápido, mas esse Andy é incrívelmente veloz — observou Kyo.

Goro tentou dar golpes de judô, mas o loiro desviava com certa facilidade. Deu alguns mortais para trás e se afastou.

Mature tomava um drinque no canudinho enquanto assistia à primeira luta.

Num certo momento, Daimon segurou a roupa de Andy, que tentou dar vários golpes contra o maior. O japonês tinha pelo menos vinte centímetros a mais, ou seja, a sua altura era uma vantagem. No entanto, Andy colocou força para pôr os pés como apoio no tronco de Daimon e empurrá-lo até forçá-lo a soltar.

— Vai lá, irmãozinho. Você consegue. Para o bem do meu sobrinho.

Por um certo momento a luta permaneceu equilibrada. Ambos trocaram socos emantiveram esse equilíbrio. Goro correu, passou de lado de Andy e parou bem atrás; tal técnica servia como distração para o oponente. O maior segurou Andy por trás e deu um ippon, que fez o loiro ficar com o braço esquerdo preso pelo corpo pesado do próprio Goro.

Assistindo ao duelo, Mai se contorcia de nervosismo. Eram os minutos cruciais.

— Ele não vai se render fácil — concluiu Saisyu.

Andy colocou tanta força que suas veias pularam na testa. Aos poucos ganhou uma brecha e saiu daquela posição. Exausto antes do tempo, ainda conseguiu desferir o seu melhor golpe: com as duas mãos juntas fez um tipo de energia que parecia um pouco com a técnica de Takuma, mas que não era lançada para longe. O raio de energia atingiu o peito de Daimon, que caiu com o forte impacto daquele golpe.

— GORO! — exclamou Kyo.

Saisyu conhecia aquele golpe. Quando havia viajado pelo mundo,conheceu o mestre Hanzo e algumas técnicas suas. Nunca havia imaginado que o mestre faria de um ocidental o seu melhor aluno. Prova disso era que ele conseguiu derrubar o incrível Goro com apenas um golpe.

— Melhor olharem direito. Parece que não conhecem o grandão — falou Benimaru.

Sentindo muita dor, Goro conseguiu força para se levantar e retornar à luta. Arrancando o seu uniforme, mostrou no seu corpo algumas cicatrizes de lutas anteriores que teve ao longo da carreira.





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "K.O.F" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.