K.O.F escrita por Sensei Oji Mestre Nyah Fanfic


Capítulo 22
SEMIFINAIS - JAPÃO X MÉXICO - Batalhas equilibradas


Notas iniciais do capítulo

Mais rápido do que um o Pápa-léguas. Realmente eu resolvi postar em menos de uma semana para a alegria de quem ainda acompanha isto.



— Kyo Kusanagi, prepare-se para perder esta luta...

Ryo concentrava um poder em suas mãos quando foi repreendido por Takuma.

— SEU IMPRUDENTE! NÃO USE ESSE PODER AGORA! — gritou Sakazaki, assustando as pessoas.

O loiro olhou para o pai, não percebeu que Kyo chegou perto para socar o seu rosto. Ele caiu longe. Ainda ficou indignado com a repreensão que acabou de sofrer. Não era justo o seu pai gritar e o envergonhar daquele jeito. Lembrou da sua infância, dos treinos rigorosos do dojo, da falta que sentia de sua mãe.

 

South Town, Anos antes

O dojo da família Sakazaki era muito famoso por sua rigorosidade nos treinos. Os alunos treinavam em tempo integral. Eram adolescentes e jovens adultos que não trabalhavam, outros se preparando para carreiras como lutadores ou militares. A renda dos Sakazaki era proveniente das mensalidades dos alunos.

Yuri, ainda muito criança, machucou-se num aparelho de musculação. Ryo, por volta de seus onze a doze anos, pegou uma bolsa de gelo e curativos. Takuma apareceu diante deles.

— Está na sua vez de treinar, Ryo. Não pode fazer corpo mole. Quero que se torne campeão do Rei dos Lutadores assim como eu fui.

O treino era pesadíssimo para uma criança. Takuma fazia levantar pesos com mais de vinte quilos, puxar sacos pesados, passar horas treinando karatê. Quase não havia pausa e todos os dias o jovem saía nos braços do pai. 

Yuri sempre sofria ao ver o irmão mais velho sendo judiado daquela forma. Sequer conheceu a sua mãe, nunca houve em suas vidas uma figura materna. Ela viu Ryo acordar no braço do pai e fazer um sinal positivo com o polegar.

 

Depois de adulto era um absurdo ser repreendido daquela forma.

— Papai, QUER CALAR A BOCA!!! — Takuma arregalou os olhos. — Sou um homem e não preciso dos seus gritos. Guarde o seu jeito de lutar na sua vez de lutar.

Robert ficou quieto, sério, enquanto Yuri sorria. Takuma virou o rosto, inconformado.

Segundos depois daquela discussão familiar, os dois rivais de luta se pegaram numa trocação frenética de golpes. Ryo deu murros no rosto de Kyo, este fez o mesmo com Ryo. Num certo momento, o loiro desvia-se e pega Kyo por trás num mata-leão bem aplicado.

— Vai se render ou prefere que eu te deixe inconsciente?

— Nunca... vou desistir.

— Kusanagi, deixe de ser teimoso. Eu sou mais forte.

O japonês tentou se soltar daquela posição. A circulação sanguínea parou de subir para a cabeça, o que o deixou quase sem forças. Benimaru e Goro ficaram bastante preocupados.

— Ele vai perder. Não quero ver — disse Yuki.

— Olhem lá — disse Saisyu.

O braço de Ryo foi ficando mais afastado do pescoço à medida que Kyo puxava com as próprias mãos. Ele não quis usar o fogo, porque queria sair dali pela força. Com uma cotovelada na costela do loiro, conseguiu se desvencilhar. Ambos já respiravam ofegantes.

— Não posso esperar mais. Tenho que utilizar minha melhor técnica. — Juntou as mãos.

O resultado da luta dependia daqueles instantes finais.

— Já sei o que você vai fazer. O Haoh Shou Kouken que fez anteriormente. Mas se pensa que eu cairei nessa, posso garantir que não. Estou mais do que preparado com as minhas chamas — seu corpo foi coberto pelas chamas vermelhas.

— É o que veremos, Kusanagi.

Ryo correu na direção de Kyo e ameaçou soltar o poder, mas ele deu um pulo rápido ficando por cima do japonês. A surpresa foi tanta que o moreno sequer viu seu movimento.

— Estou aqui, Kyo. Vai ser o seu fim, cara. Haoh Shou Kouken!

— Droga.

O poder saiu das mãos do loiro e atingiu Kusanagi de cima para baixo. Uma explosão ocorreu, levantando um pouco de poeira. O público delirou.

— Ele desapareceu? — indagou o loiro ao ver que a arena estava sem ninguém.

— Aqui estou! — Kyo apareceu do alto, invocando a sua chama. Seu braço estava visivelmente ardendo em chamas, mas não o queimava. Soltou uma rajada de fogo que atingiu Sakazaki com tudo, jogando-o para o meio da multidão.

— O vencedor é Kyo Kusanagi — disse o juiz.

JAPÃO: 1

MÉXICO: 0

Takuma ficou impassível mesmo com a derrota do próprio filho. Yuri fez questão de levantar o irmão depois de uma luta árdua.

— Você está bem?

— Sim, estou.

— Valeu pela luta. Gostei muito de poder lutar contigo.

— Se um dia a gente se reencontrar para um torneio, juro que te vencerei.

O loiro se aproximou do pai, mas não recebeu nenhuma palavra de condolências deste. Mesmo naquele momento, Takuma preferiu encarnar o rígido treinador.

...

Enquanto isso no hotel, Ralf e Clark continuaram preocupados com a atitude do seu chefe. Depois de muito convencê-lo, conseguiram pelo menos que ele levantasse da cama bem depois do meio-dia. Heidern desceu para o restaurante do hotel.

— Que se dane o torneio. Quero pegar aquele desgraçado do Collin e matá-lo. Desde muito tempo eu quis pegar o Rugal, queria vingança, mas eu estava indo ao lado errado. Meu ex-colega militar foi o causador, e peço a vocês que deixem-no para mim. Eu preciso matar aquele cara, entenderam?

— Tudo bem, chefe. Mas não pode ficar bebendo poucas horas antes do torneio. — disse Ralf.

Heidern se levantou imediatamente.

— Onde está Leona?

Ralf e Clark se olharam confusos. Desde ontem que não a viam. Heidern entrou em desespero.

 

Costa Leste da ilha Honshu

O iate de luxo zarpou minutos antes do início do torneio. Vice persuadiu Leona Heidern a prosseguir para fora de Kaido e na direção do Black Noah. Mal sabia a garota que fora levada por uma inimiga mortal para um destino sem volta.

Sem desconfianças, a filha do capitão Heidern ficou à vontade durante todo o percurso.

— O quão longe é esse lugar, Vice? Faz muitos minutos que iniciamos a viagem e ainda não chegamos.

A vilã estava se bronzeando no convés.

— Relaxa, gata. Vai tomar um bronzeado, comer uns mariscos. Estamos quase chegando lá. Aproveite todos esses momentos.

— É que parece que entramos em águas internacionais. Já não vejo o continente.

Leona apenas ficou sentada enquanto tentava ligar para Ralf, mas o sinal precário do celular a impediu de realizar a chamada. De repente surgiu um nevoeiro que deixou todo o iate quase sem visibilidade. O capitão pediu para ela manter a calma pois isso era comum nos oceanos.

— Contemple o fabuloso Black Noah. — falou Vice.

— Isso é um navio de guerra... e é enorme.

— Um porta-aviões, bebê. É aqui que a mágica vai acontecer.

O Black Noah apareceu imponente no horizonte. Um navio de guerra com quase duzentos metros de comprimento e cinquenta de altura. Ao perceber a grandiosidade daquilo e do seu design militar, Leona estranhou. Foi preciso Vice usar uma arma de choque para deixá-la inconsciente.

...

O torneio continuou depois da derrota de Ryo. Robert Garcia se preparou, aquecendo-se durante um pequeno intervalo de cinco minutos.

— Muito cuidado com as pernas daquele homem. Dizem que aprendeu grandes técnicas de chutar — disse Daimon.

Kyo sentiu confiança.

— Segunda luta da primeira semifinal do King of Fighters. Agora teremos Robert Garcia versus Kyo Kusanagi. Em suas posições... comecem!

O estilo de Garcia era completamente diferente de Ryo. O homem dava uns pulinhos como pugilista. Kyo acumulou chamas nos seus punhos fechados e atacou. Robert utilizou as pernas para se defender e contra-atacar. Múltiplos golpes de ambos os lados.

— Já ligou para Vice? — perguntou Rugal sem tirar os olhos da partida.

— Ainda não, chefe. Conhecendo-a como eu conheço, suponho que ela já sequestrou a filha do Heidern.

Robert lambeu os lábios. Sabia perfeitamente que o rival não era o único a ostentar um poder especial. Sua perna logo ficou brilhando. Chutou o ar, provocando um golpe parecido com a de Ryo, mas com a perna!

O risco de fazer um ataque especial na horizontal era de causar dano naqueles que assistiam. A inconsequência de Robert fez com que Kyo virasse um escudo humano e fosse arrastado por vários metros. As pessoas saíram de perto. Kyo parou em pé um centímetro fora da linha.

— O vencedor é Robert Garcia!

As pessoas vaiaram a atitude perigosa do ítalo-mexicano. Se aquele golpe pegasse nas pessoas, provavelmente muitas sairiam feridas. 

JAPÃO: 1

MÉXICO: 1

Benimaru Nikaido se aqueceu para a sua luta contra Robert. Sua roupa chamava mais atenção do que o seu cabelo.

— Papai, o que o Robert fez não foi certo — reclamou Ryo.

Takuma continuou calado. Yuri achou estranho o silêncio permanente do seu pai.

Os dois se aqueceram, preparam-se para o próximo round. O juiz autorizou. Agora quem atacou foi Robert num ritmo frenético de socos. Benimaru sentiu a pressão, também utilizando dos seus socos. Fugiu daquele engodo, porém Robert deu um salto quase carpado e chutou. Nikaido desviou, vendo o chute furar o chão. A plateia fez "oh" bem alto.

— Esse cara luta pra valer. Gosto disso — falou Daimon.

Rugal, enquanto isso, observou Saisyu Kusanagi na plateia. Ao lado dele estava Isaak, mas não o reconheceu.

— Aquele homem perto do Kusanagi, você o conhece? — perguntou a Mature.

— Não, senhor. Nunca vi aquele homem.

— Porque tenho uma leve impressão de já tê-lo visto.

Benimaru desviou de muitos golpes, mas levou outros. Acontece que treinou pouco, contrastando com Garcia que sempre estava no treino.

— Que foi, baby? Vai arregar? Já sei, sou muito forte pra ti.

— Hahaha. Vai se achando, bonitão.

Robert soltou um Haoh Shou Kouken azul — o mesmo de Ryo — com as duas mãos. Diferentemente de Kyo, que ficara cansado da luta anterior, o loiro defendeu muito bem. As pessoas viram faíscas elétricas saírem das mãos do nipo-americano. Jogou aquela bola de energia para o céu. Robert aproveitou para dar uma voadora no estômago de Nikaido, causando-o uma grande dor. Entretanto, ele continuou em pé, suportando aquela dor.

— Incrível. Ele é realmente incrível — disse Ryo ao se referir a Benimaru.

— Como pode ter aguentado aquele chute direto? Botei quase toda força naquilo. — A perna de Robert sofria com a eletricidade do corpo de Nikaido. — O que significa isso?

— Quero dizer que não só manipulo a eletricidade como também produzo. Quando a uso, todo o meu corpo fica revestido por uma aura elétrica que serve como colete.

— Então é isso. Esse tipo de aura serve como colete à prova de golpes fatais. Já ouvi falar disso. E que tal sabermos qual de nós sairá vencedor desta luta? — ele juntou as mãos em forma de concha.

— Parece-me que parou de utilizar as pernas nesses golpes especiais. Isso ficará interessante.

Benimaru criou uma bola de energia elétrica, Robert fez surgir um Haoh Shou Kouken amarelo, mais potente, porém menor do que o normal. Ambos atiraram um contra o outro. As duas energias colidiram, causando uma onda de choque que derrubou muita gente.

— Quanta energia! Esses caras são fortes demais. Senhor Bernstein...

Mature viu Rugal mexendo no celular, despreocupado com a luta. A mulher não entendeu a tranquilidade do alemão depois da grande demonstração de poder.

Robert foi derrotado quando o choque atravessou o Haoh e o atingiu diretamente. Caiu inconsciente no chão. Assim, Benimaru foi o vencedor dessa luta.

JAPÃO: 2

MÉXICO: 1

O juiz tentou levantar Garcia, mas o próprio fez isso apesar do esforço. Agradeceu a Nikaido pela luta e o cumprimentou.

O próximo a lutar era Takuma Sakazaki, o dono do dojo. Nem olhou para Robert, apenas caminhando para dentro da arena.

— Quarta luta da primeira semifinal. Os oponentes serão Benimaru Nikaido e Takuma Sakazaki. Fiquem prontos. Comecem!

Takuma ficou parado, bem estilo karatê tradicional. O mais velho não esperou atacar, correu até ele, porém desapareceu.

— Cadê ele?

— Atrás de você! — gritou Daimon.

Takuma encostou as duas mãos nas costas de Benimaru e fez uma grande pressão. A força fez com que o loiro fosse arrastado por mais de vinte metros, chegando perto da tenda de Rugal. Logo ficou de joelhos.

"O que foi isso? Aquele homem apenas encostou suas mãos em mim, mas sinto como se tivesse sido atropelado".

Rugal parou de se distrair e apreciou a luta. Finalmente alguém com um nível que o agradou. Takuma Sakazaki.

— Esse cara é extremamente forte. Acredito que ele esteja quase no meu nível — deduziu o velho Kusanagi.

O patriarca Sakazaki não esperou muito tempo para deixar o adversário decidir, correu no mesmo ritmo de antes. Benimaru apostou que ele usaria a mesma técnica.

— Que idiota — murmurou Rugal.

Sakazaki atacou pela frente mesmo. Deu uma "chá de surra" no mais jovem. Seus braços, seus punhos, sua velocidade, eram pelo menos duas vezes maiores que a dos seus pupilos. Deixou o loiro caído e com um filete de sangue saindo pela boca.

— Garoto, melhor se render.

Teimoso até demais, Benimaru se levantou e soltou a mesma bola de energia elétrica. O poder alcançou Takuma que foi eletrocutado diretamente. Entretanto, diferente da atuação de Robert, o sensei continuou de pé apesar de ter ficado um pouco queimado devido ao choque.

— Viu aquilo, Goro? Aquele homem levou o golpe do Beni diretamente. Que tipo de lutador é ele?

Goro ouviu a preocupação de Kyo, com razão. Beni jamais venceria um cara forte e resistente como Takuma.

— Beni, pare a luta!

— Falou besteira, Goro. Ainda posso lutar. Tenho gás ainda.

Takuma deu um soco bem no rosto de Benimaru que foi arrastado aos pés de Goro. O loiro estava inconsciente.

— O vencedor é Takuma.

Kyo tentou acordar Benimaru, mas ele ficou completamente desmaiado depois da forte pancada que levou. Goro não deixou essa passar e entrou na arena para a última luta.

 

Duas horas depois...

No hospital da cidade, Benimaru acordou com uma faixa na cabeça. Segundo a doutora, o loiro teve apenas uma concussão forte. Ele viu Kyo ao seu lado.

— Estamos fora, não é?

Kyo, ainda sério, sorriu quase que imediatamente e olhou para a porta do quarto. Goro estava também com algumas faixas e uns curativos no rosto.

— Vencemos, amigo.

— Co-como? Minha cabeça dói... Fala!

Goro pediu para Kusanagi sair um instante daquele quarto. Goro ficou sentado ao lado da cama e contou.

— Foi difícil. Aquele Takuma era de um nível acima do normal. Tanto era que ele foi capaz de resistir ao seu choque elétrico e te derrotar com apenas um soco.

— Tá, mas conta logo.

 

2 horas antes...

— Quinta luta da primeira semifinal. Teremos o último round e a decisão entre Goro Daimon e Takuma Sakazaki. O placar está dois pontos para o time do México e dois para o time do Japão.

Ryo e Robert ficaram nervosos.

Goro Daimon e Takuma Sakazaki estavam prestes à iniciar uma luta para decidirem os destinos dos seus respectivos times.

Continua...





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "K.O.F" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.