We Are Demigods escrita por Alice Kirkland, The duck next door


Capítulo 30
Hey baby, I think I wanna marry you


Notas iniciais do capítulo

YOOO! LAILA VALDEZ, SUA CRIATURA BRILHOSA, MUITO OBRIGADA PELA RECOMENDAÇÃO! *0000000000000000000000*
Eu até fiz o cap rápido dessa vez! Yay!
Quem ai shippa Tonangel? Eeeu! o A minha criatividade pra romance é muito baixa, tanto que daqui a pouco acha petróleo, mas eu tentei, então aqui está (saiu uma song-fic porque ser filha de Apolo serve para isso, música, sua linda, muito obrigada!)



[Marry you - Bruno Mars]

It's a beautiful night
We're looking for something dumb to do
Hey, baby
I think I wanna marry you

Na primeira vez que Tony pediu, ele havia planejado tudo. Primeiro, ele havia separado as entradas para o jogo de Quadribol dos Falmouth Falcons, o time que Angel torcia. Depois, ele se certificara de que os lugares eram bons e de que havia um restaurante agradável por perto, e, é claro, o anel. Tony conferira mais de quatro vezes antes de sair para ter certeza de que esqueceria. Após um ótimo jogo contra os Trovões de Thundelarrara, os dois foram comer no restaurante. A comida estava boa, nada tinha dado errado... Então Anthony tomou coragem e pediu Angel em casamento.

Ela diria sim, não diria? Sim? Sim? Não. Estava mais para um "nha", mas mesmo assim...

Tony amava Angel, Angel amava Tony. Não era para ela ter dito um sim? Merlin, por que Angel tinha que ser a pessoa mais imprevisível de todos os tempos? Tony bufou com isso. Aquela era Angel, não existia "não" com ela e ninguém poderia tentar mudar isso (sem acabar em um hospital. Ou em uma cova).

Na verdade, isso era uma das coisas que Anthony gostava em Angeline, além de que ele já havia irritando ela muito com isso. E ele também já havia parado muito na enfermaria de Hogwarts por isso, não só por isso, por muito mais, mas Tony gostou de irritar Angel desde o momento em que ela se sentou na mesa da Sonserina.

Don't say no, no, no, no, no

Just say yeah, yeah, yeah, yeah, yeah

And we'll go, go, go, go, go

If you're ready, like I'm ready

'Cause it's a beautiful night

We're looking for somethig dumb to do

Hey, baby

I think I wanna marry you

Tony sabia que Angel era uma semideusa, e que o pai dela era o próprio deus da morte, então ele deveria estar pronto para qualquer coisa no mínimo estranha na personalidade de Angeline, certo? Mas ele não estava. Anthony se perguntava o que tinha feito de errado, o que era, aparentemente nada. Então, ele resolveu tentar de novo. E, de novo, Angel fez aquele "nha", como se fosse algo insignificante.

Mas era algo importante, não era? Todos concordariam. Mas, novamente, ela era Angel, era impossível discutir com ela. Ninguém nunca chegaria a nada tentando entender ou discordar.

Anthony bufou e fechou os olhos. Ele tentaria mais vezes, sim, isso era óbvio, mas quando Angel finalmente diria o tão desejado "sim"?

Don't say no, no, no, no, no
Just say yeah, yeah, yeah, yeah, yeah
And we'll go, go, go, go, go
If you're ready like I'm ready

'Cause it's a beautiful night
We're looking for something dumb to do
Hey, baby
I think I wanna marry you

Duas vezes ele havia perguntado, e duas vezes a reposta havia sido aquele som insatisfatório de "nha". Ele estava frustrado. Tony estava quase apelando para Lucy, a pessoa que parecia ter nascido para discordar e fazer confusão com tudo o que ele dizia! E se algum dia Anthony Zabini e Lucy Lammor conversarem sem discutir, tem algo de errado.

Naquele dia, os dois estavam tomando café da manhã, Angel com suas panquecas e Tony com seus ovos e bacon, que Angel havia feito, porque colocar um bruxo criado em uma casa em que tudo se fazia por magia para cozinhar não era e nunca seria o melhor dos planos.

– Que horas são? - Angel perguntou, levantando os olhos da comida para encarar Tony.

– Ahn... Mais ou menos dez para meio dia.

– Cedo.

Então os dois voltaram a comer. Eles haviam acordado há pouco tempo e Angel quase havia feito um incêndio ao cozinhar (nota mental: nunca deixar alguém que acabou de acordar cozinhar, mesmo se essa pessoa não aceitar "não" como resposta).

– Deuses, eu cozinho muito bem! - Com sono sim, humilde nunca. Essa, meus caros, é Angeline Vellar. - Minha comida é ótima, nã... - Angel parou de mastigar e arregalou os olhos. Depois ela sorriu como se tivesse acabado de ter a ideia mais brilhante de todos os tempos.

– O que foi? - Tony perguntou, colocando a xícara na mesa.

– Tony - Angel continuava sorrindo, com os olhos azuis quase se fechando - Casa comigo?

It's a beautiful night
We're looking for something dumb to do
Hey, baby
I think I wanna marry you

Is it the look in your eyes
Or is it this dancing juice?
Who cares, baby?
I think I wanna marry you



Notas finais do capítulo

Tony: Contigo até prédio! XD
Angel e o mundo: ...
Ficou pequeno, mas pelo menos eu tentei! E eu já estou escrevendo mais um capítulo!



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "We Are Demigods" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.