We Are Demigods escrita por Alice Kirkland, The duck next door


Capítulo 29
Nicozel.


Notas iniciais do capítulo

O bônus tá aqui, desculpa ter demorado! Quarta foi o niver do meu pai e amanhã é o da minha vó, ou seja a casa tá cheia de parentes chatos ~calafrio maligno~




Once upon a time...

... Havia uma mulher grávida, ela e o marido eram muito pobres e vivam em uma vila afastada. Eles tinham apenas uma vizinha, ela cultivava rabanetes e depois de um tempo observando pela janela os rabanetes a mulher ficou com desejo incontrolável de comer os rabanetes.

– Amorzinho sexy do meu coração, eu quero rabanetes! - A mulher pediu, puxando o saco do marido.

– Mas nós não temos dinheiro para comprar rabanetes! Eles são mais caros que Kinder Ovo!

A mulher então resolveu mudar de tática

– EU ESTOU GRÁVIDA, PELO AMOR DOS RABANETES! EU QUERO! VÁ! LEVANTA ESSA BUNDA GORDA E VÁ PEDIR A VIZINHA RABANETES!!

O marido, com medo da esposa, foi na vizinha pedir rabanetes. Infelizmente ela negou. Ele implorou e implorou. A vizinha irritada resolveu dar os rabanetes.

– Mas com uma condição! Você vão ter que me dar esse filho que estão esperando!

O homem ficou apreensivo, mas antes que ele sequer pudesse pensar, sua esposa já havia comido todos os rabanetes. Acabou que o acordo foi selado.

Alguns meses depois o bebê havia acabado de nascer, ele parecia muito feio, mas certamente não se parecia com um rabanete. Como havia dito, a vizinha (que na verdade é uma bruxa) foi buscar a criança.

Ela a trancou em uma torre e lhe deu o nome de Nicozel. Mentira, ela não trancou um bebê sozinho em uma torre! Ela contratou uma babá Nanny Percyphee, a babá encantada.

Durante anos Nicozel cresceu e sobre os cuidados de Percyphee ele virou um maravilhoso jovem, sempre feliz e obediente. Mas ele estava muito infeliz, pois ele nunca havia visto o amor que ele havia lido em todos os livros de Mitomagia que ele tinha lido.

Um dia, ele e Percyphee estavam comendo Mclanches feliz quando uma flecha entrou pela janela. Os dois se assustaram e Percyphee foi logo buscar sua bengala mágica.

Uma garota loira, de olhos azuis e com uma cara de psicopata surgiu na janela.

– Olá, meu nome é Catflynn Rider! Nossa você está tomando chá, desculpa mesmo por interromper seu momento para o chá, mas eu preciso que você venha comigo, rapidinho!

Nicozel era muito ingênuo, por isso aceitou ir com Catflynn, uma procurada por roubar todas as batatas fritas da Rainha Angeline IV. Os dois desceram a torre pelos longos cabelos de Nicozel (Nanny Percyphee era uma péssima cabeleireira) e foram até a floresta que tinha ali perto.

– Nicozel, eu vim aqui para resgata-lo! - Disse Catflynn. Nicozel ficou assustado, como aquela loira com cara de serial killer sabia seu nome? [N/Angel: Todo loiro é stalker]

– Como assim? Me resgatar de que?

– Você na verdade foi pego por uma bruxa muito malvada que tem te usado para barganhar com a nova rainha! Ela na verdade é sua irmã e quer você de volta para te transformar no mordomo dela, mas a bruxa o mantém preso e longe do seu destino. Eu vim aqui para leva-lo de volta. Seu nome de verdade é Nicostácio.

Nicozel ou Nicostácia, tanto faz, ficou perdido. Ele era irmão da rainha Angeline IV? Como assim? No começo ele não era filho de camponeses muito pobres?

Ele acabou concordando com Catflynn e foi com ela em direção ao castelo. Eles só esqueceram de um detalhe, Nanny Percyphee ouviu todo o plano e foi contar tudo para a vizinha-bruxa-maligna.

Depois de muito andarem Nicozel e Catflynn começaram a conversar.

– Então, você gosta de rabanetes? - Perguntou Nicozel com uma cara de mal-encarado.

– Hmm, nunca experimentei... Eu não sou rica se não percebeu! Mas porque a pergunta?

– Não sei, eu sempre odiei rabanetes. É como se eles fossem os responsáveis por todas as desgraças da minha vida...

– Sua mãe trocou você por rabanetes.

– Tudo na vida faz sentido agora! O seu nome é mesmo Catflynn ou é só um nome artístico?

Catflynn ficou calada por um tempo.

– Meu nome de verdade é Cateugene Madfitzherbertson.

Depois de muito custo, Nicozel conseguiu conter o riso. Sorte dele, pois Cateugene seria capaz de chuta-lo até o castelo se ele risse.

Eles conversavam de boa quando uma fumacinha apareceu do nada. A vizinha-bruxa-maligna e seu fiel escudeiro apareceram.

– Vocês acharam mesmo que iriam escapar de mim?

– Mas, você é... - Cateugene encarou chocada as duas pessoas em sua frente.

– Isso mesmo!

– Kátialiok, a ninfa tarada e Bromélius, o sátiro gay!

Os dois riram malignamente, o erro foi deles! Cateugene tirou seu arco e atirou duas flechas que continham apenas agulhas com soníferos. Os dois caíram no sono no meio da floresta.

Depois de muito caminhada os dois chegaram no castelo e a primeira coisa que fizeram foi anunciar sua presença.

– ANGELINE, SUA CABRA COM JOANETE! APAREÇA ANTES QUE EU META BRÓCOLIS NESSA SUA CARA DE PÃO DE COUVE DORMIDO!! - Adivinhem quem gritou?

Logo a rainha saiu do castelo, ela estava vestida com uma elegante fantasia de pato, a mais chique do mundo.

– QUIÉ? EU TAVA OCUPADA PLANEJANDO COMO RECUPERAR MEU IRMÃO E... AÍ ESTÁ VOCÊ! SEU BABACA! COMO OUSA SER SEQUESTRADO ENQUANTO AINDA ERA UM BEBÊ? EU VOU ARRANCAR SUA PERNA E TE ESPANCAR COM ELA!!!!!

Nicozel olha fixamente para a rainha baixinha [N/Angel: Baixinha? ~aura maligna~] corrigindo: Rainha maníaca vestida de pato.

– Você é minha irmã? Eu pensei que meus pais fossem pobres que trocaram o próprio filho por rabanetes!

– Nossa pai largou a nossa mãe e se casou com uma rainha. Vem cá, eu tenho que ver se você consegue dar uma de Sebastian Micaelis...

Angeline IV conseguiu seu mordomo, Cateugene foi absolvida de todos os seus crimes e se casou com Nicozel e Nicozel virou um mordomo e tanto!

E todos viveram feliz para sempre!



Notas finais do capítulo

Ainda não consigo acreditar que a mulher trocou a própria filha por rabanetes (pelo menos foi assim que a minha mãe me contava) INHAME É BEM MELHOR! ADORO INHAME! INHAME É VIDA!!!!