Our Secret escrita por Charlie


Capítulo 10
Quase sem querer


Notas iniciais do capítulo

Oi, gente!
Sei que demorei, mil perdões!
Eu vou colar aqui o texto que deixei em Entre Quatro Paredes nas notas, pra me justificar, ok?
"Eu sei que todos os meus leitores vão pular pra one ao invés de ler isso, mas eu vou escrever... Quem quiser, leia. Quem não quiser, tudo bem. Mas eu preciso me justificar pra vocês!
Pode parecer a maior idiotice o que eu vou dizer, mas vocês não sabem como estão as coisas...
1-Não faz nem um mês que estou na escola nova. Está tudo bem, graças a Deus, mas ainda é tudo novo pra mim. EM, prova à tarde, gente nova, estou desde o início das aulas longe da minha melhor amiga de 11 anos...
2- Meu avô fez exame de próstata e ele tinha chance de estar com câncer. Eu fiquei muito nervosa, chorei muito, rezei mais do que nunca. o resultado só saiu nessa semana e, graças a Deus, ele não corre risco, ms ele ainda tem todos os problemas de saúde, sem contar a minha avó paterna, que está dando um trabalhão.
3- Comecei o curso de inglês semana passada, também está barra.
4- Eu tenho uma vida, acreditem! E problemas pessoais! E, querendo ou não, eles interferem na minha criatividade!
________________________________________________
Olha, eu sei que tenho decepcionado e posso ter soado rude aí em cima, mas eu estou em, praticamente, uma nova vida. Perdão, eu vou me esforçar mais. :)
Boa leitura :)"
____________________________________________
OKAY?
AAAAAAAAH, SOBRE O TÍTULO DO CAP::::::::: ENTENDEDORES ENTENDERÃO :)
(e não em abandonem, nunca mais vou sumir!)



POV JAMES

Eu tenho andado distraído, impaciente e indeciso. Ainda estou confuso, só que gora é diferente. Abri a minha janela como todo dia durante aquela semana. Tentei ver se Lily estava ali, mas a janela continuava trancada, como foi todo dia desde o seu ataque.

Eu não sabia o que tinha feito ao certo. Só sabia que vê-la chorar, vê-la correr de mim foi horrível. Eu estava negando, como todas as minhas forças, qualquer sentimento. Não a via na escola, toda aula estava longe, na primeira carteira e não arriscava nenhum olhar. Era como se fôssemos invisíveis um para o outro. Parei Marlene no corredor e ela me disse que era pra eu a deixar, que ela esteve chorando. E eu percebi... O quanto eu a quero.

Fui tomar um banho gelado, tirar todos os pensamentos da cabeça e todas as falas de Sirius e Remus: “James, você está apaixonado!” ; “Admite de uma vez por todas que não é uma quedinha e nunca foi, que inferno!” . Nada disso ajudava e eu respirei fundo embaixo da água. Demorei longos 20 minutos e saí enrolado na toalha. Arrisquei mais uma olhada, o quarto estava com a janela aberta agora, mas estava com a cortina fechada e sem nenhuma sombra à vista.

Vesti uma bermuda jeans e uma regata folgada, com preguiça demais pra qualquer coisa se não ir falar com ela. Coloquei meus chinelos e deixei meus cabelos encharcados, sem mesmo passar a toalha. Apenas o sacudi com as mãos. Coloquei o celular no bolso, apenas pelo costume de nunca sair sem ele.

Corri escadas abaixo e ouvi algo sobre minha mãe perguntar aonde eu ia no domingo de manhã e gritei que ia falar com a Lily. Eu quase podia ver sua expressão confusa, mas não fiquei pra conferir.

-James?! – sua mãe abriu a porta e eu estava sem conseguir parar de me mexer, estralando as juntas dos dedos e contendo um sorriso que eu queria revelar. “Ei, vim dizer pra sua filha que ela faz falta! Que ela é uma parte muito grande da minha vida! Eu gosto da sua filha, tudo bem pela senhora?”.

-Bom dia, Sra.Evans... Eu a acordei?

-Não, querido, não se preocupe. – ela sorriu cordial e eu retribuí o sorriso, um pouco eufórico demais.

-Posso falar com a Lily, por favor? – sem essa que ela está dormindo! Ela abriu a janela!

-Ah, lamento, James... Ela saiu com Marlene, Dorcas e Alice há uns 15 minutos.

Bufei de raiva de mim mesmo, não acredito!

-Pra onde elas foram? Eu preciso falar com ela agora! – juro que pude ver o olho dela brilhar e sua boca conter um sorriso.

-Elas foram ao shopping, James. Mas, por favor, não a faça chegar chorando de novo. – dito isso, ela me lançou uma piscada e fechou a porta.

Corri pra dentro de casa, peguei a chave do carro e saí em direção ao shopping. Lily Evans, eu preciso encontrar você.

POV DORCAS

-Gente, ainda é de manhã... De um domingo! – reclamei, mas nenhuma delas levou em consideração, até mesmo Lily estava animada, e seus últimos dias foram péssimos.

-Doe, vamos lá! – Alice falou – Larguei a confortável cama do meu namorado bem-dotado pra sairmos juntas! – eu comecei a gargalhar e Lily bateu com a bolsa nela no banco de trás.

-Doe, nós precisávamos disso, certo? Todas estamos meio abaladas! Lily com... Bom, o que aconteceu; eu que dormi com Sirius e agora ele está me deixando louca; Alice, que sofre danos físicos toda noite... – dessa vez Lily gargalhou comigo, e Ali chutou o banco do motorista.

E eu, né? Mas não, ninguém falou uma palavra sobre a maldita viagem, sobre o imbecil do Remus ir ficar longe de mim por um mês e não se dar nem ao trabalho de me falar se eu o espero ou não. Claro, vamos fingir que ele não percebe nada!

Chegamos ao shopping e saímos do carro. Todas levando dinheiro, dispostas a gastar em sapatos e roupas tudo o que tinham e que os cartões tinham. Eu principalmente. Chorei tanto que minha mãe ficou com dó do meu estado emocional e me deu o cartão de crédito, seguido da frase “Alivie as mágoas em sapatos, meu docinho”.  Vou renovar o closet, obrigada, mãe!

O lugar era imenso, mas nós já conhecíamos as lojas favoritas de cor e salteado, inclusive o chamado “corredor da falência”, o que era a nossa perdição consumista. Mas como hoje era o pé na jaca, o porre feminino, eu fui logo em direção a ele.

-Doe, não! – Lily disse – Nós vamos antes comprar um café na Starbucks, aí vemos vitrines tomando alguma coisa!

-Claro! – falei e fomos seguindo pela esquerda.

Chegamos, pedimos e estávamos esperando pelos cafés. Os nomes das meninas já tinham sido chamados, mas o meu ainda não. Elas se levantaram e me pediram para olhar as bolsas. Só não esperava que viessem acompanhadas.

-Bom dia – ouvi a voz oscilante de Remus e me virei, de cara fechada e inda magoada por ele não ter tentado mais nada depois da interrupção de Marlene, no começo da semana.

-Meu café, por favor. – ele me entregou e eu peguei.

-Nós... Vamos deixá-los a sós – Ali falou e elas saíram, sorrindo e piscando, deixando a certeza que era uma armação muito bem feita!

Bebi um gole do café e ele só me olhava, ainda sem falar nenhuma palavra.

-Por que isso? – eu disse, tentando ser fria, mas não dava.

-Porque você não quer me ouvir, talvez.

-Eu não quero te ouvir? Foi você que... Ficou distante.

-Doe, eu te mandei 10 mensagens ontem à noite. E você não retornou nenhuma!

-Meu celular estava sem bateria!

-Não estava não, porque eu estava conversando com a Lily pelo Skype e ela disse duas ou três vezes que estava demorando pra responder porque vocês estavam trocando sms.

Suspirei e apoiei meu cotovelo na bancada, pendendo minha cabeça a se recostar na minha mão fechada.

-Isso é por causa da viagem? Eu já disse que vamos continuar nos falando e...

-Não é só por isso, Remus – falei baixo – E você sabe que não.

-Eu lamento, Dorcas... – ótimo, vou levar um fora! – Ter te feito esperar por tanto tempo.

E ele me beijou. 



Notas finais do capítulo

E aí?
xx