A Herança do Tempo escrita por Monção


Capítulo 1
Sou quase morto por mulheres-morcego


Notas iniciais do capítulo

Espero que tenham gostado, e que continuem lendo a minha fic! Logo virá novos capítulos!




Não sou um garoto de sorte, com certeza... Meu nome é Jake Mitchell, e vivo no Brooklin (pelo menos vivia), um bairro de New York. Morava com minha mãe, Jude, que trabalhava muito, a maior parte do dia, num escritório próximo a nossa casa.

Ela era uma mulher... hum, como posso descrevê-la... Fria, muito fria. Talvez, até gozado. Acho que se eu morresse provavelmente ela falaria: "triste, mas não abalável" ou "estou mais interessado com o meu trabalho" ou algo do gênero. As vezes, ela ficava extremamente feliz, tranquila, e com compaixão, o inverso dela, na maioria das vezes. Ela também mudava constantemente de opinião. E por esses motivos eu sempre me perguntava se perguntava se ela era bipolar. Com toda a certeza herdei isso dela, que me leva a crer que eu sempre mudava constantemente de opinião e de humor por causa disso. Ela tinha cabelos enrolados e negros, e olhos azuis profundos.

Ela, quando estava feliz, falava muito de meu pai, mas não entrava em detalhes, o que me deixava furioso. Ela falava que meus olhos eram parecidos com os dele. Dourados, uma intensa cor de ouro. Tinha cabelos negros e enrolados, mas isso ela falava que eram parecidos com os seus.

Gostava de jogar Baseball, e meus colegas diziam que eu era o melhor, ou falavam que não valia, pois tinha um taco "especial".
Esse "taco especial" era um que minha mãe me deu quando eu comecei a jogar. É muito impressionante, mas não era isso que me fazia jogar bem, eu acho. Ele era feito de um bronze lustroso, muito brilhante e reluzente. E é extremamente leve, e, porém muito resistente também, e tinha umas letras estrangeiras que nunca me interessei para ler. Muitas vezes, nos treinos e nos jogos, conseguia fazer um home-run, e deixava-os boquiabertos. Gostava de jogar. Isso era a única coisa que deixava minha rotina ser mais "divertida".

Mas, a coisa que eu mais odiava era a escola. Não era porque era ignorante ou preguiçoso, não. Era porque não conseguia ler absolutamente nada, e também não conseguia prestar atenção. Eu tinha dislexia, déficit de atenção e hiperatividade, o que deixava as coisas bem mais difíceis. Foi num desses dias horríveis (como se “dias horríveis” na minha escola fossem novidade...) que estava indo para o treino, que era depois da escola, algo nada normal aconteceu. Estava escurecendo, e eu tinha que passar pelos silenciosos e escuros quarteirões do Brooklin. Ao contrário do trabalho de minha mãe, minha escola ficava bem mais longe de casa, e o treino bem perto de casa, por isso tinha que andar bastante, mas não me importava com isso. Gostava de jogar.

Ia para o treino, que era de noite (estranho, não?) e estava com o meu "taco mágico".

Estava escuro, por isso quase nem percebi o menino que estava na minha frente. Ele estava com uma jaqueta preta com capuz e calça também preta, o que fazia ele quase se camuflar na noite se não fosse pelo seu rosto pálido, e o deixava com um visual quase sombrio. Ele estava de capuz, mas era possível ver uma parte de seu rosto. E ele andava em minha direção...

Chegou mais perto de mim, e tirou o capuz. Ele tinha rosto muito pálido, muito pálido mesmo, como se tivesse passado um quilo de maquiagem que os palhaços usam para seus shows. Tinha olheiras tão profundas como se tivesse jogado toda madrugada Diablo III ou ficado colado à tela de sua TV, assistindo-a. Tinha cabelos negros e longos, e olhos também negros e intensos.

Estava com o rosto sério, mas me deu um sorriso frio e sagaz como se dissesse-me: "Boa Morte para você". Ele estava com uma espada presa a cintura, o que já me assustava bastante. Depois ele olhou para as letras no meu bastão, e depois fixamente pros meus olhos. Ele disse a mim:

—Infelizmente, você não pode viver...

Queria dizer alguma coisa, mas era tarde...

Ele puxou sua espada, e pude ver a lâmina. Era totalmente negra. Dava medo. Parecia que ia-me cortar a alma. Mas então ele fincou no chão, fazendo-o tremer e surgir uma cratera gigantesca.

O que saiu de lá era inexplicável, mas uma sensação saiu junto com aquelas "coisas" : medo. Aquelas coisas eram... Monstros. Mas não simples monstros, eram três mulheres deformadas com asas de morcego e garras mortíferas, que poderiam fazer hamburgers de boi apenas tocando nos bichos. Chegar perto de de um monstro daquele é como se eu pedisse para morrer! Mas acho que não tenho medo de morrer...

Como uma ação involuntária, investi contra uma "mulher-morcego" com o meu taco e a acertei na cabeça, e ela se dissolveu em um pó dourado. Ela voo com a batida, e fiquei eufórico. Investi contra a segunda, e se dissolveu em pó assim como a outra. Eu exclamei eufórico:

Home-run!

O menino me olhou impressionado, talvez achando que eu não era capaz do mesmo. Agora eu dei um sorriso para ele. Então investi conta o ultimo monstro. Corri o mais rápido possível e mirei em sua cabeça, mas previ o que iria acontecer (não sei como, mas previ)... Mas era tarde de mais...

Antes que eu pudesse atingi-la, ela perfurou minhas costelas com suas garras facilmente, como uma faca quente na manteiga. Eu ajoelhei de dor. A dor era simplesmente inexplicável, e o sangue saía incessantemente do lugar onde fui brutalmente ferido. Nesse momento, estava eu, me apoiando em minha mãos para não cair totalmente com o rosto no chão. O menino ridículo veio caminhando lentamente até mim, e se abaixou para sussurrar em meu ouvido:

Game Over, jogador.

Ele colocou a espada em meu pescoço em um gesto de submissão a mim. Mesmo que não me matasse, eu iria morrer de hemorragia logo, de qualquer jeito, se não fosse socorrido. Para ele eu era como um joguinho: "Matar agora ou deixar ele sofrer, morrendo lentamente? Eis a questão!".

E o pior, nem sabia por que esse infeliz estava fazendo isso...

Então, alguém saiu de algum lugar e o interveio antes que ele pudesse me decapitar. Então, caio de dor, e com lágrimas escorrendo em meu rosto...



Notas finais do capítulo

Obrigado por ler minha fic!



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "A Herança do Tempo" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.