New Legends - Cavaleiros do Zodíaco escrita por Phoenix Matt Marques W MWU 27


Capítulo 104
Um herói invencível


Notas iniciais do capítulo

Hoje dia 25.01.2015 completo 20 anos, e como presente deixo mais um capítulo para vocês.


Diante deles, surge o último adversário, o Guerreiro Deus Siegfried de Dubhe. Os cinco cavaleiros de Bronze se revezam para enfrenta-lo, visto que ele apresenta uma força maior do que seus predecessores.



Este capítulo também está disponível no +Fiction: plusfiction.com/book/264005/chapter/104

Ouviram passos atrás deles, mas eram apenas Thiago, Betinho e Gustavo.

— Ei, chegamos! – exclamou Gustavo, como se ninguém tivesse notado.

— Ótimo. Mostrem as safiras – disse Rina.

Gustavo entregou uma das safiras a Bella. Todos agora tinham em mãos uma safira de Odin cada um.

— Seis de sete – refletiu Betinho. – Só resta uma safira e um Guerreiro Deus.

— Vamos depressa – disse Thiago. – Pelo que Alberich disse, Hilda está presa numa Couraça Ametista e tem pouco tempo de vida.

Ninguém precisou repetir a mensagem. Os cavaleiros de Atena se dirigiram para dentro do palácio.

Atravessaram a fortaleza e avistaram o templo externo do deus Odin. Uma enorme estátua do Senhor do Norte se erguia sobre o altar.

Hilda de Polaris estava paralisada dentro da Couraça Ametista, com as vestes de representante da terra sagrada do norte congeladas, as mãos esticadas para os lados, a boca aberta como num grito. Um Guerreiro Deus de armadura roxa e negra contemplava a figura.

Os cavaleiros se aproximaram, e o Guerreiro se virou.

Era louro, com belos olhos azuis, e uma expressão fria e tenebrosa no rosto.

— Argh – exclamou Rina baixinho. – Esse cara parece bicha.

— Modos, garota – retrucou o homem. – Está diante do templo de Odin. Deve mostrar o máximo de respeito. Sou Siegfried de Dubhe, a estrela Alfa.

— Como se você se importasse com o fato de uma pessoa mostrar ou não respeito por Odin. – Thiago apontou, acusador, para Siegfried. – Você mesmo quer derrubar esse altar e essa estátua a serviço de Hades.

— O povo de Asgard está sofrendo – disse Bella. – Odin quer mostrar compaixão por seu povo, e Atena está disposta a ajudá-lo nisso, Guerreiro Deus, uma vez que você não está.

— Estamos prontos para te vencer, Dubhe – declarou Betinho. – Afinal, vencemos todos os seus colegas. E estamos em maior número.

Siegfried sorriu.

— Eu sou bem diferente de meus colegas. Logo vocês verão o porquê. Mesmo que todos vocês me enfrentem ao mesmo tempo, não serão páreos para mim.

— Vamos tirar a prova – disse Betinho. – Eu, Pégaso, lhe enfrentarei, Siegfried.

— Será um prazer enfrentá-lo, Pégaso. – Siegfried juntou as mãos. – Já houve um cavaleiro de Pégaso que me deu muito trabalho.

Siegfried e Betinho se afastaram de Hilda e se encararam.

METEORO DE PÉGASO!! – disse o cavaleiro.

O Guerreiro Deus deixou o tronco desprotegido, deixando os golpes de Betinho acertaram-no; então, levantou os braços e estufou o peitoral.

O vento nórdico voltou-se contra o Pégaso, como se todos os meteoros lançados se voltassem contra o cavaleiro. Betinho foi lançado longe.

— Meu cosmo é superior, Pégaso! – bradou Siegfried. – Não há contestação!

Betinho massageou o peito, atordoado.

— Agora eu me lembro – disse Rina. – Siegfried era um guerreiro nórdico que derrotou um terrível dragão e se banhou com o sangue dele. O sangue do dragão fez dele um herói invencível.

— Siegfried! – exclamou Thiago. – Então você é o herói imortal da lenda nórdica! Não é possível.

— Sem dúvida é – replicou o Guerreiro Deus. – É inútil que lutem contra mim. Jamais vencerão.

— Veremos então quem se sai melhor num duelo equivalente. – Matt se adiantou. – Se você não morre, então estamos quites. Seu senhor dos mortos não quer me ver por perto. Sou o cavaleiro de Fênix!

Siegfried ergueu os olhos, parecendo impressionado, para o rapaz.

— Um desafio. Eu o enfrentarei, Fênix.

Matt avançou:

AVE FÊNIX!!

Seu turbilhão de chamas foi de encontro ao inimigo, mas Siegfried não esboçou sinal de preocupação. O fogo passou por ele sem o incomodar.

— Acabou? Minha vez. – Ele sorriu perigosamente. – ESPADA DE ODIN!!

Seu golpe perfurador foi tão rápido que conseguiu decepar algumas penas de fênix de Matt, mas o cavaleiro estava atento e se esquivou.

Mas Siegfried não ia desistir.

VENDAVAL DO DRAGÃO!!

Desta vez Matt não conseguiu desviar. Foi arrastado pelo tufão e erguido no ar uns cinco metros, antes de cair ao lado de Betinho.

— Matt! – gritou Bella.

— Ei cara! – Betinho acudiu o amigo quando ele caiu. – Tá bem?

— Bem, bem, bem, não estou... Mesmo. – Matt grunhiu enquanto se erguia.

— Teve sorte de eu ser misericordioso, Fênix – debochou Dubhe. – Senão, você e Pégaso já não estariam mais entre nós.

— Você parece durão demais. – Gustavo andou até ficar entre os amigos e Siegfried. – Vamos resolver isso de Dragão para Dragão. OK?

Siegfried olhou Gustavo de cima a baixo.

— Não sei por que eu veria motivo para te enxergar como um igual, mas vou ver do que você é capaz.

Nem bem ele havia terminado de falar, o cavaleiro avançou sobre ele.

Pela primeira vez, o herói lendário estava desatento: Gustavo segurou seus braços, forçando-o para trás. Mas Siegfried conseguiu voltar ao páreo e passou a forçar o oponente.

Felizmente, Gustavo esperava aquilo. Largou Siegfried e chutou-o em um lugar específico do peito.

O Guerreiro Deus gemeu de dor por um instante, mas logo se voltou contra o cavaleiro, que não hesitou.

CÓLERA DO DRAGÃO!!

VENDAVAL DO DRAGÃO!!

Os dois golpes se chocaram, mas o vento do golpe da estrela Alfa foi mais forte e forçou Gustavo a recuar. Mas o cavaleiro de Dragão tinha ido mais longe do que esperava.

— Um ponto fraco! – informou com um brilho nos olhos aos amigos. – Ele tem um ponto fraco...

Mas Siegfried foi ágil e golpeou Gustavo no abdômen, atirando-o perto de Betinho e de Matt.

Porém, para atacar Gustavo, ele deixou a retaguarda sem defesa, e Rina lançou a corrente e prendeu-o pelos pés; Thiago se aproveitou e avançou contra o oponente:

TROVÃO AURORA ATAQUE!!

Mas ele não conseguiu precisar o ponto fraco que Gustavo havia descoberto, e o ar frio não afetou o guerreiro de Dubhe. Siegfried se irritou e jogou as correntes para longe, lançando Thiago e Rina ao chão.

— É essa a força de um herói... – murmurou Thiago. – Parece mais a de um deus.

— É essa a força de um cavaleiro? – exclamou Siegfried. – Parece mais a de um verme!

Ele observava, imponente, os cavaleiros agonizantes. Hilda ficava mais pálida a cada instante.

— Ele tem um ponto fraco. – Era tudo que Gustavo conseguia exclamar, amparado por Betinho e Matt. – Tem um jeito de vencê-lo.

— Guga... – começou Matt. – Não pense em fazer alguma besteira.

— Confiem em mim – insistiu Gustavo. – Vai dar certo. Só temos de agir juntos.

Matt e Betinho ergueram-no, e os três encararam Siegfried.

— É com você, cara – disse Betinho a Gustavo, incentivador. – Estamos prontos.

E o Dragão, ladeado por Pégaso e Fênix, encarou duramente o Guerreiro Deus de Asgard.

— Chegou sua hora, Siegfried. Vamos acabar com você.


Não quer ver anúncios?

Com uma contribuição de R$29,90 você deixa de ver anúncios no Nyah e em seu sucessor, o +Fiction, durante 1 ano!

Seu apoio é fundamental. Torne-se um herói!




Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "New Legends - Cavaleiros do Zodíaco" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.