Better With You escrita por Holliday


Capítulo 15
A Pior das Melhores Bebedeiras


Notas iniciais do capítulo

Ok gente, eu sei que não estou postando, mas não é por maldade. Em primerio lugar, se eu soubesse que teria essa dificuldade pra postar, nem teria começado a fic, enfim... Quando meu noot foi concertado achei que ia "fazer a festa", mas no fim só consegui atualizar essa fic, e só uma vez...
Esse bimestre em português temos que fazer redação o tempo todo, o que está tomando muito do meu tempo, e além do mais meus pais estão me pressionando pra caramba pra estudar e passar na prova do colegial técnico... Mas ainda assim espero que eu ainda tenha leitores fiéis comigo, porque por mais que eu demore, sempre que puder eu vou postar, nunca vou "abandonar" você.
Bem, aproveitem o cap sweets



POV Lily

Nada poderia ser mais perfeito do que essa noite. Ok esqueça. James é mais perfeito do que tudo, agora eu percebo. Imagino que essa noite tenha sido apenas um bônus vindo da perfeição dele.

Que maravilha, já estou ficando como as garotas do fã clube dele! Dane-se, elas têm razão em idolatrá-lo.

Mas agora ele é meu. Escute bem mundo: JAMES POTTER É MEU. Acho que estamos esclarecidos.

Nunca imaginei que isso poderia acontecer, mas está acontecendo. Loucura não? Talvez esse negócio de destino seja verdade. Espero que o resto de nossas vidas seja mais promissor, considerando que desperdicei alguns anos que poderia estar beijando James, brigando com ele.

— Lírio, você está ouvindo alguma palavra do que eu estou dizendo? — Não.

— Hã, é claro que sim James.

— Então sobre o que eu estava falando? — ele perguntou arqueando as sobrancelhas.

— Ah, sobre... Você sabe — abanei as mãos como quem quer dizer "nada demais" — Sobre juras de amor eterno, nossa futura mansão, como meu cabelo ruivo tem um contraste lindo com os meus olhos, essas coisas...

Ele me abraçou de lado e beijou o topo da minha cabeça, enquanto sorria.

— Você é impossível. Na verdade estava dizendo que a noite foi maravilhosa, mas tudo isso que você disse estava nas entrelinhas.

Sorri... Como nunca antes percebi que James Potter é o amor da minha vida? Cegueira temporária, só podia...

Quando chegamos à Sala Comunal achei que ainda iria ficar um tempo com o James, mas ele subiu apressado para o dormitório, dizendo que ainda tinha que ensaiar para a aula de Estudo dos Trouxas.

Não importava. Em apenas algumas horas James me fez a pessoa mais feliz do mundo.

POV Remus

— Cale a boca Sirius! — implorei enquanto colocava o travesseiro no rosto para ver se abafava a voz do cachorro. Não tive essa sorte. Em apenas algumas horas Sirius já estava fazendo com que eu tivesse um colapso.

— Você viu como ela tocou em minhas mãos? E percebeu como depois ela começou a rir mesmo das piadas mais idiotas?

— Pela terceira vez, sim! Sim, Sirius! Eu já percebi, o Peter que está dormindo já percebeu. Minha avó falecida, que Merlin a tenha, já percebeu! O universo conspirou para que isso acontecesse então até mesmo uma mísera formiga já percebeu!

Sirius ou não percebeu que eu já estava surtando, ou decidiu ignorar. Aposto minha vida na segunda opção.

Senti o travesseiro ser arrancado de cima do meu rosto, então abri meus olhos, atordoado. O rosto de Sirius estava tão próximo do meu que eu até dei um pulo para trás.

— Está vendo isso? Está vendo? Meus olhos estão até brilhando mais!!! — não, eu não estou exagerando. Sirius realmente estava usando todos esses pontos de exclamação.

Ele suspirou e se jogou na própria cama.

— Marlene com toda certeza é o meu hidromel, aquela garota!

Revirei os olhos. Não aguentava mais ouvir Marlene e hidromel na mesma frase.

A porta do dormitório abriu e um James sorridente entrou. Maravilha!

— Sinto como se pudesse flutuar, por mais gay que seja dizer isso...

— Não se intimide, estamos juntos nessa Pontas, querido Pontas...

Sirius levantou-se e passou um dos braços ao redor do ombro de James. Pareciam dois bêbados. Não de álcool, mas de amor... A pior bebedeira, e ao mesmo tempo a melhor.

— Cara, eu e a Lily finalmente nos beijamos! E mais de uma vez!!! — lá vem os pontos de exclamação de novo.

— Um bruxinho saiu pra passear, e Amortentia deixou-se provar... — Sirius começou a cantar, mas logo James entrou no embalo.

"Um gosto diferente, e uma sensação exigente... De se apaixonar. Mas a garota roubaria seu coração com o uso de Amortentia ou não, pois o mundo era mais belo, totalmente mais completo quando sentia seu olhar”.

— Pra mim já chega! — disse enquanto saía do dormitório.

— Pra onde está indo Remmy? Junte-se aos apaixonados! — James interrompeu a música e logo ele e Sirius começaram a gargalhar. Estavam loucos.

O verdadeiro motivo de eu ter saído de lá é que... Simplesmente não suporto! Eles estão apaixonados, e são correspondidos, mesmo que Sirius e Lene fiquem nesse vai e vem. Acabo ficando com raiva da felicidade deles, o que é errado, pois eles são meus melhores amigos.

Eu e Peter podemos ser a dupla "Os Encalhados". Vamos compor as músicas românticas mais melancólicas de todo o mundo bruxo.

Saí para caminhar pelos corredores. Nem me importei em pegar o Mapa do Maroto ou a capa da invisibilidade. Qualquer coisa diria que era uma inspeção emergencial, como Monitor Chefe.

Vi uma sombra caminhando em minha direção. Não parecia nenhum professor pela forma calma como caminhava. Sua estatura também não parecia de um adulto, a pessoa era baixa.

Quando estava perto o suficiente para identificar a pessoa, percebi que era Dorcas. Mas ela estava... De olhos fechados?

Corri até ela e me certifiquei de que sim, ela estava de olhos fechados. Como se acorda um sonâmbulo? Falam que não podemos assustá-los, mas eu não faço ideia do que fazer.

Toquei o braço dela, para que ela parasse.

— Remus? — ela perguntou.

Será que estava acordada? Improvável.

— Dorcas, você tá legal?

— Remus, as fadas do pântano querem me pegar — ela disse me abraçando logo em seguida. Fiquei totalmente desconcertado. Queria ser abraçado por ela, mas não quando ela estivesse dormindo.

— Hey Dorcas, você precisa acordar. Juro que não tem nada querendo te pegar — além de mim. Espantei esse pensamento.

Chacoalhei levemente seus ombros, e meio que em câmera lenta, seus olhos abriram.

— Remus? — ela olhou ao redor, e depois deu um risinho.

Rapidamente soltei seus ombros, mas parecia que não era sobre isso que ela ria.

— Eu sou sonâmbula sabia?

— Eu percebi Dorcas.

— Vivo perdendo minhas coisas, é meio incômodo, mas até que já estou me acostumando, no fim das contas... — ela deu de ombros.

Ficamos em silêncio por exatos trinta e sete segundos. Sim, eu estava contado. Era a única forma de controlar minha respiração.

— Quer ir até a cozinha comer alguma coisa? Espero que eles tenham tortas de limão.

Ela não esperou pela resposta. Coloquei minhas mãos nos bolsos da calça, e fui atrás dela.

Quando entramos na cozinha, como sempre, havia vários elfos andando apressados com bandejas na mão, bolos, ingredientes e coisas do tipo.

— Luna, meu bem... O que gostaria hoje? — uma elfo perguntou — Thés! Marco! — ele chamou alguns elfos e logo em seguida eles vieram em nossa direção equilibrando várias bandejas. Havia cupcakes, bolo de cenoura, pãezinhos de queijo, doce de abóbora, e outras coisas que só Peter poderia identificar.

— Parecem delicioso Tomy, mas será que você teria uma tortinha de limão? — Dorcas perguntou piscando os olhos. Eu seria capaz de fazer agora mesmo uma tortinha de limão por ela.

O elfo pareceu pensativo, e depois de um tempo saiu em disparada até outra seção da cozinha. Voltou com um sorriso no rosto e uma tortinha de limão em mãos.

— Eficiente como sempre!

Dorcas agradeceu pela tortinha e depois se sentou em uma das mesas para comer. Fiquei encantado em como ela era atenciosa com os elfos. Perguntou para a tal de Thés como ia a família, perguntou para um Thomas se ele estava se adaptando ao serviço, e falou com muitos outros elfos enquanto desfrutava de sua tortinha.

Dorcas olhou para mim e começou a rir. Não entendi.

Ela puxou a manga da camiseta e limpou minha boca. Olhei para minha caneca. Maldito chocolate quente.

— Você está vermelho Remus... Está se sentindo bem? — para falar a verdade não, mas sim... Quer dizer, estou feliz por estar com você, com raiva de mim mesmo por não dizer nada de galanteador ou surpreendentemente inteligente para você, então não estou legal. Se soubesse que ia te encontrar ensaiaria minhas falas em frente ao espelho, mas já estou contente só por te ver, então acho que estou bem. Ou não?

— Tô legal.

Ela se levantou e eu levantei logo em seguida.

— Estou satisfeita, e você?

— Melhor impossível. O atendimento daqui é divino.

— Você é um fofo Remus. Viu só Tomy? Já tem mais um fã... — ela dizia sorrindo.

Quando ela virou de volta para mim seus cabelo loiro me lembrou uma cascata dourada. Tenho certeza de que ela não faz ideia do efeito que causa em mim.

— Quer que eu te acompanhe até o dormitório?

— Não precisa se preocupar Remus, eu sei me virar. Além do mais, vou ter que procurar uma das minhas pantufas.

Olhei para seus pés e de fato um deles estava descalço.

Fiquei a observando enquanto ela se afastava. Sempre achei que só iria me apaixonar quando já tivesse me formado, e estivesse trabalhando. Obviamente Dorcas fora uma exceção.

Suspirei. Eu sou um inútil, queria poder ser como Sirius ou James, que sempre sabem como agir. Como sempre, tive oportunidade, e não fiz nada.



Notas finais do capítulo

Espero que tenham gostado, apesar da demora. Se puderem comentem >.
Beijos meus anjinhos ♥
PS: Acho que só vou conseguir responder os reviews do cap passado amanhã, ok?