Os Cinco Marotos escrita por Cassandra_Liars


Capítulo 34
Capítulo 2 - Expresso Hogwart


Notas iniciais do capítulo

Desculpem pelo atraso. Já não posto a quase uma semana!! Meu Deus! Mas, aí está o capítulo e eu sinceramente espero que eu consigo postar o 3 em menos tempo.



            _Pammy! Ei, Pammy! Espere por mim! – gritou Remus.

            A garota olhou para trás e procurou quem a estava chamando na multidão de rostos da Plataforma 9 ½.

            Finalmente ela identificou o rosto do amigo, parando para esperá-lo.

            _Ah! Remmy! Que bom te ver!

            _É bom ver você também. – ele sorriu para ela.

            _Como foram suas férias?

            _Boazinhas. Mas, isso não importa muito. Como foram as suas?

            _Ótimas. Mas prefiro estar em Hogwarts. – ela olhou para o trem, parecendo desconfortável. – Vamos entrar logo. Ou vamos perder o trem.

            Remus assentiu.

            Os dois entraram no trem, levando os malões em uma mão e as gaiolas com as corujas na outra.

            Encontrar os outros em uma das cabines do trem não foi uma tarefa especialmente difícil, já que a cabine deles era a mais barulhenta. James contava, entusiasmado, sobre sua viagem até o Museu de Quadribol enquanto Sirius caçoava dele e Peter se divertia com seu novo rato.

            _Oi, gente! – cumprimentou Pam.

            _Oi. – disseram James e Sirius ao mesmo tempo.

            _Tudo bem, pessoal? – Remus disse.

            _Tudo sim, lobinho, e você? – Sirius tinha uma expressão divertida.

            Remus fechou a cara.

            _Não me chame assim?

            _E porque não, se é verdade?

            _Isso não é algo de que eu me orgulhe. É terrível, Sirius.

            _Ah! Não liga para ele, não. – continuou Pam. – É só uma brincadeira, querido. Vamos sentar logo. – ela logo depois olhou para Sirius e, se olhar matasse, o garoto estaria morto, enterrado e quase totalmente decomposto.

            Pam e Remus guardaram suas malas e as gaiolas de Athena e Ártemis, se sentando logo em seguida.

            _Olhem isso! – James pegou alguma coisa no bolso interno das vestes e exibiu para Pam e Remus.

            _O que é isso? – perguntou o garoto, antes de perceber que era um distintivo reluzente.

            _Eu sou o novo capitão do time de Quadribol da Grifinória! – comemorou o garoto.

            Pam sorriu tristemente, dividida entre a tristeza e a alegria. Tristeza porque ela não era a nova capitã do time, como tinha sonhado. E feliz porque James tinha conseguido o posto de capitão.

            _Que bom para você, James.

            Fez-se um silencio desconfortável.

            A garota suspirou, quando viu que ninguém estava falando nada. Ela olhou para Peter e o viu agora tentando prender um rato teimoso dentro uma gaiola.

            _Hum… Quem é esse? – perguntou Pam, apenas para puxar assunto.

            _Ah! É meu novo rato. – disse o garoto, empolgado, tinha ganhado alguns bons quilo durante o verão e suas bochechas estavam bastante gorduchas. – Minha mãe comprou para mim durante as férias. O nome dele é Leite.

            Pam olhou melhor para o rato e reparou em seu pelo branco que lembrava muito algodão. Era bastante diferente de Queimado, que tinha o pelo preto como carvão.

            _Esse você não tentou transformar em um dragão, tentou? – perguntou ela, divertida.

            Peter riu.

            _Ah, não. Esse não.

            _Espero que Leite tenha cuidado. – disse Remus. – Você sabe, Ártemis e Athena não são vegetarianas.

            Peter assentiu.

            _Eu vou tomar conta dele.

            Fez-se um momento terrível de pausa, em que ninguém soube o que falar. Até que James finalmente contou uma piada para os outros e as risadas preencheram o vagão inteiro.

*~~*~~*~~*~~*~~*~~*

            Frank olhou para Alice ao seu lado e sorriu, ela retribuiu o gesto. Eles tinham acabado de chegar à Estação 9 ½. Sra. Puckle tinha os levado até lá e eles estavam um pouco atrasados.

            Alice tinha se mudado no ano anterior para uma casa vizinha a de Frank e eles andavam se falando durante todos os dias do verão. Eles se divertiam juntos, conversando ou rindo.

            Mas, enquanto estavam em Hogwarts, nunca tinham a mesma oportunidade. Estavam em grupos de amigos diferentes. Frank costumava andar com Daniel Jones e Michael Fox, que eram corvinais. E Alice sempre estava com Lily, Lene e Dory.

            Durante todo o último ano, o verão anterior tinha sido como se nunca tivesse acontecido e fosse apenas coisa da mente de Frank, já que ele e a garota não se falaram mais do o necessário durante o ano letivo.

            Mas, o último verão tinha o lembrado dos momentos ótimos que tinha passado com Alice. Tudo estava de volta. A sensação de fogo, o suor das mãos, a gagueira quando falava com ela. Tudo. Até mesmo o prazer imenso que era estar ao lado de Alice.

            Frank olhou para a mão de Alice caída despreocupadamente ao lado do corpo e sentiu vontade de pegá-la.

            Então a pegue, seu idiota!, Pensou Frank.

            Mas, no exato momento em que ele começou a esticar o próprio braço para pegar a mão pequena da amiga, Alice fez um movimento brusco para afastar um mosquito do rosto e Frank se afastou um pouco constrangido.

            _Vamos? – ela perguntou, olhando para o garoto. – Estamos um pouco atrasados. O trem vai partir logo.

            Frank assentiu.

            E eles correram andaram em direção ao trem, no tumulto de amigos que se reencontravam depois do verão, crianças que estavam nervosas por ser seu primeiro ano na escola, pais e familiares que vinham se despedir dos filhos e parentes que iriam para Hogwarts.

            Logo Alice e Frank iriam encontrar seus próprios amigos e tudo seria como no ano anterior.

            O garoto se entristeceu com a ideia.

*~~*~~*~~*~~*~~*~~*~

            Eles estavam quase chegando a Hogwarts para mais um ano. Quarto ano na escola. Era empolgante voltar para o lugar em que tinham vivenciado as mais loucas travessuras, brincadeiras e marotagens. Eles tinham realmente se divertido ali.

            E agora estavam voltando.

            Que Hogwarts os aguardasse. Eles estavam voltando com a mente fresca e cheia de ideias.

            Mas, eles ainda não tinham chegado. A lua minguante já se fazia presente no céu noturno, depois de o sol ter se posto para dar passagem para ela.

            Pam virou-se para Sirius.

            _Tem tido notícias da Andie e do Ted?

            _Claro. Eles casaram. E ela está grávida. Parece que eles tiveram um final feliz, não? – Sirius sorriu com amargura. – Estão sofrendo com o preconceito, é claro, mas estão juntos e conseguiram construir uma família.

            _Ah! – exclamou Pam. – Que maravilha! Estou muito feliz por eles. Mande meus parabéns.

            _Os Weasley também vão ter mais um filho. – disse James, distraído.

            _Verdade? – continuou Pam, feliz. – Mais um filho? Quero dizer, eles já têm o Bill…

            _É só o segundo. – disse James, dando de ombros. – Acho que querem uma menina.

            Pam gostava bastante dos Weasleys. Eram uma das únicas famílias bruxas que não tinha problemas com os pais dela. Na verdade, Arthur Weasley e seu pai frequentemente debatiam assuntos trouxas quando os ruivos iam à casa de Pam nas férias. Apesar da garota não se dar particularmente bem com Molly Weasley, que vivia criticando “suas atitudes irresponsáveis e suas roupas masculinas”.

            Ela não usava roupas masculinas! Eram apenas roupas mais folgadas e confortáveis. Pam usava saias também em Hogwarts. Mas eram saias ligeiramente mais compridas que viviam amarrotadas.

            A verdade era que ela não ligava nem um pouco para a própria aparência. Ela mesma quem cortava seus cabelos, principalmente a franja, que vivia crescendo demais e caindo em seus olhos, impedindo-a de enxergar.

            _Bom, sendo assim. – continuou Pam, balançando a cabeça e saindo de seus pensamentos. – Em breve teremos dois bruxinhos novos! Vou ficar esperando para vê-los na Grifinória. – ela disse.

            _Sim, na Grifinória… - concordou um distraído Sirius. – Às vezes dá vontade da largar tudo, sabe? – ele olhou para os amigos. – Fazer como Andie e simplesmente fugir de casa.

            _E para aonde você iria, Sirius? – perguntou Remus.

            _Não me importaria em tê-lo em casa. – disse James. – Iria ser divertido.

            _Ou você poderia ir para a minha casa, Sirius. – Pam falou. – Só precisa parecer lá e eu te deixo morar com a gente.

            _Não! – bradou Remus. – Não. Você não vai fugir de casa, Sirius. Isso é irresponsável e já imaginou como seus pais ficariam se você fugisse?

            _Eles não iriam ligar. – Sirius deu de ombros. – Talvez até fizessem uma festa. “Sirius Black, o filho muito pior que Regulus, foi embora para sempre! Vamos festejar! Quem quer outro drinque?” – o garoto riu. – Seria mais ou menos assim. Eles iriam adorar.

            _Sirius… - disse Remus, calmamente. – Você não vai fugir de casa. Seria perigo.

            O garoto suspirou.

            _Relaxa, Remus. Eu não vou fugir. Pelo menos não ainda. Mas não sei quando tempo vou conseguir aguentar.

            _Agüente apenas os verões até você terminar Hogwarts. Daí pode comprar uma casa só para você. – Remus disse, logicamente.

            _Pode até ser. Mas… - ele sorriu. – Não é hora para pensar nisso. Estamos voltando para Hogwarts! Vou ter um ano inteiro sem vê-los! Certo, o que vocês vão querer fazer esse ano?

            _Bom, eu estava pensando nisso… - começou James, pensativo. – Sabe como agora eu sou uma autoridade em Hogwarts, - ele voltou a exibir o distintivo que tinha conseguido. – As coisas vão estar muito mais fáceis esse ano.

            _Tecnicamente, James, você não é uma autoridade. – corrigiu Remus. – Vai poder usar o banheiro dos monitores e tudo o mais, mas só seria uma autoridade se fosse um monitor ou monitor-chefe.

            James estalou a língua.

            _Não seja chato, Remus. Não acabe com o meu barato.

            _É, não acabe com o barato do James. – riu Sirius. – Agora ele é uma autoridade você não sabe?

            _Sim, porque ser uma autoridade em Hogwarts é a melhor coisa que poderia ter acontecido, não? – Pam continuou rindo.

            James fechou a cara para os amigos.

            _Vocês só estão falando isso porque estão com ciúmes.

            Desta vez houve uma onda de risos tão grande por parte de Sirius e Pam que poderiam ter inundado a cabine.

            _ Ciúmes? Por favor, James! – exclamou Sirius, entre uma risada e outra.

            Pam e Sirius continuaram rindo de James até que finalmente o trem parou e eles desceram, entrando nas carruagens que andavam sozinhas e indo para o Salão Principal, onde os cinco amigos viram a Seleção e comeram a divina refeição de Hogwarts, preparada pelas habilidosas mãos dos elfos domésticos.

            A garota foi a primeira a se levantar, sorrindo.

            _É ótimo estar de volta, mas eu estou com tanto sono! – Nesse momento, ela jogou os braços para trás, se espreguiçando, e pisou para se equilibrar. Ela acabou esbarrando em alguém que tinha acabado de passar por trás dela.

            Pam virou-se para ver quem era, murmurando um pedido de desculpas, mas parou no momento que viu Mulciber e Avery parados atrás dela.

            _Ah, são vocês. – ela disse arrogante. Simplesmente não suportava os sonserinos. – O que vocês querem?

            _Nada, Porter, apenas ver o seu fracasso, sua traidorazinha nojenta. – Disse Mulciber, a voz sendo encoberta pelo som dos talheres e conversas, sendo apenas ouvida pelos amigos da garota que não pensaram duas vezes antes de se levantarem.

            Pam olhou para trás.

            _Está tudo bem, gente.

            James, Peter e Remus, que estavam no lado oposto da mesa se sentaram, apesar de parecerem incertos quando a isso. Já Sirius continuou de pé ao lado da amiga, um passo atrás dela.

            _Será que podemos brigar amanhã? – Perguntou Pam, olhando fixamente para Mulciber. – Sabe como é. De noite eu não gosto de brigar com monstros, ou tenho pesadelos quando durmo.

            Mulciber abriu e fechou a boca algumas vezes antes de dizer:

            _E eu não quero brigar com ridículos de noite.

            _Ótimo. Então não converse com o Avery.

            O sonserino voltou a abrir e fechar a boca, desta vez acompanhando por olhares incrédulos de Sirius, que não podia acreditar que sua amiga estava dizendo aquelas coisas.

            _ Vá embora de uma vez por todas e me poupe de mais sofrimento. Já não olhei para a sua cara o suficiente para pagar por todos os meus pecados?

            _Ótimo. Eu vou embora mesmo.

            _Já não era sem tempo.

            Mulciber e Avery se entreolharam e então finalmente passaram por Pam e Sirius, o primeiro não sem antes dar um encontrão com força na garota.

            _Ei! – Ela gritou irritada. – Olhe por onde anda!

            Mulciber olhou por cima do ombro.

            _E eu se eu não quiser?

            _Seu desejo é uma ordem. – Disse Sirius, pegando a varinha e apontando para o sonserino. – Conjunctivitus!

            Mulciber levou as mãos aos olhos. Eles ardiam e estavam vermelhos devido ao feitiço.

            Pam riu.

            _Eu iria a enfermaria se fosse você! – Gritou Pam.

            _Vocês ainda vão me pagar! Sim, vocês vão me pagar! – Gritou Mulciber irritado, antes de ser ajudado por Avery para sair do Salão Principal, provavelmente em direção a enfermaria.

            Pam e Sirius riram.

            _Nós somos uma ótima equipe. – Ela disse.

            _Sim, somos. Ninguém pode contra a gente.

            _Mas de qualquer jeito. – Disse Pam bocejando. – Eu estou indo para o meu dormitório. Vejo vocês amanhã meninos. – E ela acenou para os amigos, antes de deixar o salão.

            Sirius se sentou.

            _ Cara, a Pam é incrível. – Ele disse. – Eu adoro fazer essas coisas com ela. Que outro tipo de garota falaria o que ela falou ou agiria como ela agiu?

            James deu de ombros.

            _É. A Pam é incrível. Mas, eu prefiro garotas de outro jeito. – Ele deu uma olhadinha com o canto do olhou em certa ruiva.

            Remus percebeu para onde James olhava e sorriu.

            _Ah, sim, James. É claro que você prefere.

            _Do que é que vocês estão falando? – Perguntou Peter, que estivera distraído enquanto os outros falam.

            Sirius riu.

            _Você não consegue prestar atenção nas coisas, não é mesmo, Peter?



Notas finais do capítulo

E então? O que vocês acharam?