Back To The Future! escrita por Raven


Capítulo 14
De volta ao futuro.


Notas iniciais do capítulo

Genteeee, sei que demorei DEMAIS, e sinto muito, muito mesmo, tive um bloqueio criativo imenso por um tempo e depois enrolei muito porque esse seria o último capítulo, e consequentemente, não queria acabar kkk MAS tudo tem um fim, certo? Okay, eu realmente não avisei que esse é o último capítulo, me desculpem por isso, mas decidi poucas semanas atrás kk
A boa (ou má??) notícia é que ainda vem um epílogo por aí, ou seja, ainda não é o fim de tudo. Mas quase.
Enfim, vamos logo ao ponto.
Boa leitura!



Sugar's P.O.V.


"Faço ou não faço, faço ou não faço? Eu estou pronta pra isso, claro que estou, mas e se ela não estiver?? Ai, Deus...-" Estava discutindo comigo mesma, rodando pelo banheiro quando batem na porta. "Que é?" Falei, um pouco grossa.

"Calma, filhota, olha o jeito que você fala comigo, hein!" Ouço aquela voz que todos reconheceriam a quilômetros de distância. "Abre a porta, Sugar, precisamos conversar."

Abri a porta e me preparei pra ouvir gritos daquela latina que eu chamo de mãe. Mas me surpreendi ao ver sua reação, ela me abraçou.

"O que foi, mama?" Falei.

"Não posso abraçar minha filha que veio do futuro?" Perguntou ela.

"Claro que pode, mas eu não esperava isso de você. Quero dizer, eu achei que você começaria a gritar comigo em espanhol e bláblábla..."

"Cala a boca, Sugar. A mãe aqui sou eu, e o meu modo de agir depende exclusivamente da minha pessoa e não tenho obrigação alguma de te explicar tudo que acontece na minha vida, fui clara?"

"Sim, mama, clara até demais. Agora me conta o que tem por trás disso." Falei.

"Você não me ouviu, ouviu, garota?"

"Não mesmo."

"É que você é tão jovem...." Começou ela. Não entendi onde ela estava tentando chegar.

"E...? Qual é, mama, não estou te entendendo..."

"Você ainda é virgem, estou certa?" Perguntou, na minha cara.

"Errr...até onde eu sei,...sim. Por que isso agora? Você nunca aparentou ser alguém que se preocupa com esse tipo de coisa, mãe..."

"Quem é a mãe aqui?"

"Você." Falei, revirando os olhos, hábito que peguei dela.

"E isso significa...?"

"Que você tem total direito de saber tudo que acontece na minha vida e todas minhas aflições e blábláblá." Completei, debochada.

"Melhor agora." Falou.

"Ótimo, agora podemos falar sobre outra coisa? Eu meio que estou com um problema..." Disse eu.

"Claro. Tem alguém te irritando na escola? Porque eu posso com certeza mostrar como nós fazemos em Lima Heights Adjacents!"

"Relaxa, mãe, não tem ninguém me irritando na escola..."

"Então o que é?"

"É que... Na verdade, eu não sei se você é a pessoa certa pra me ouvir falar sobre isso..." Falei, sem-graça.

"Como assim não sou a pessoa certa? Sugar Demetria Lopez-Pierce, eu sou sua mãe!" Esbravejou ela.

"Mas, mãe... é que eu não acho que você seria imparcial quanto à esse assunto,... se é que você me entende..."

"Se você puder me explicar eu agradeço." Disse minha mama, já irritada.

"Tá, tá, tá, eu falo...Mas você vai ter que me prometer que fingirá não ser minha mãe agora, quero que seja totalmente imparcial, ok?"

"Tanto faz." Respondeu ela, revirando os olhos.

"Eu acho que...acho que estou pronta para dar o próximo passo no meu relacionamento com Harmony e-" Sou interrompida por risadas escandalosas vindas da minha querida e santíssima mãe.

"Tá rindo de que?"

"De você, ora! Nós não acabamos de falar sobre esse assunto, filha?"

"...Sim."

"E qual você acha que é a minha opinião sobre esse assunto?"

"Mas você prometeu ser imparcial, mãe..."

"Mas posso saber o porquê disso?" Perguntou.

"Preciso mesmo explicar? Eu amo Harmony! Isso já não basta?"

"Claro que basta, Sug, é só que eu não queria ver minha filhinha perdendo a inocência tão jovem!"

"Mãe. Eu tenho dezesseis anos. E com as mães que tenho, é meio óbvio que eu não sou a garota mais inocente do mundo..."

"Certo. Você quer que eu fale, então vou falar. Ai, Díos mío, depois dessa vou me odiar pra sempre... Bem, mi hija, na sua idade, Britt e eu já-" Interrompo-a antes de ficar traumatizada pelo resto de minha pobre vida.

"Eu não preciso saber disso, mama. Agora, se você me permite...vou continuar. Bem, como eu dizia, acho que já estou pronta para o próximo passo, mas não sei se Harmony se sente do mesmo jeito, e não quero de maneira alguma pressioná-la a fazer algo que não queira, entende?" Falei.

"Quer sinceridade?" Assenti. "Relaxe, não fique encanada com essas coisas, Sugar, e se você quiser, eu posso conversar com Harmony e-"

"O QUE?? Não mesmo, mama! Ela sabe que você é minha mãe e suas intenções seriam óbvias pra ela, você não vai fazer isso."

"Já sei! Vou mandar Quinn arrancar alguma coisa dela! E assim ganhamos ainda um bônus por aproximar aquela banana da filha, que ela por acaso nem sabe que tem. Sou demais, pode falar."

"Na verdade..." Comecei, mas fui interrompida.

"Na verdade o que, Demetria?"

"Na verdade, eu acho melhor que você e Quinn se mantenham longe dessa situação. Pelo menos por agora essa é a minha opinião, mama. Eu acho melhor resolver isso sozinha."

"Se você quer assim, tudo bem. E de qualquer forma, um adolescente normal faria a coisa mais comum do mundo: deixar rolar. Na hora você transmite uma confiança pra ela, fala que não quer pressioná-la e tal, e na maioria dos casos, ela vai te dizer a verdade." Respondeu ela.

"Ótimo, agora, se você me der licença..." Comecei, esperando que minha mãe entenderia. Mas ela continuou em silêncio. "Eu quis dizer tchau." Fui mais clara agora?

"Tchau? Por que? Você não ouse me expulsar dessa casa, garota."

"Cala a boca!" Murmurei, mais pra mim do que pra ela.

"O que disse?" Merda.

"Eu disse: Vou lavar a boca, foi isso." Inventei.

"Ótimo." Ela disse, saindo do banheiro. Revirei os olhos.



Quinn's P.O.V.


"Rachel..." Murmurei, em seus cabelos castanhos.

"Sim...?" Respondeu ela, ainda abraçada em mim no sofá da sala de sua casa. "O que vai ser da gente?" Perguntei, insegura.

"Como assim, Quinn? Eu te amo, você me ama, somos namoradas, isso não explica tudo?"

"Sim, mas eu digo isso porque ano que vem você vai pra New York, Rachel, e eu vou pra Yale, será que nosso amor vai sobreviver à isso?"

"Quinn, me escuta" Rachel disse, pegando nas mãos da loira. "Eu te amo. Nada vai nos separar. Vai ser fácil ficar esse tempo sem você? Não, não mesmo. Eu vou desistir? Não, de jeito nenhum. E além do mais, você sabe que poderá me visitar em New York sempre que sentir saudades. Eu farei o mesmo por você. Agora, pare com essa loucura toda porque você está me preocupando."

"Mas devem ter garotas muito bonitas lá. E garotos também. Eu não sou a garota mais linda do mundo, Rach, pode muito bem haver alguém muito melhor pra você que eu em NYADA."

"Olha, Quinnie, pra mim você é. Com certeza, pra mim você é a garota mais perfeita que alguém poderia sonhar em ter como namorada. Eu jamais te abandonaria, Q. Você é a minha alma gêmea. Pertencemos uma à outra. Independente de qualquer coisa eu sempre vou voltar pra você." Disse a morena. Fiquei sem palavras por alguns minutos.

"Você é o amor da minha vida, Rach. Eu te amo mais do que qualquer coisa." Falei. Rachel beijou minha testa.

"Você É a minha vida." Disse a morena.

'Tudo bem, vou admitir, minha vida não podia ficar mais perfeita depois de ouvir isso. Sou a garota mais sortuda do mundo.' pensei.


Puck’s POV


– Eu queria me redimir com você Kurt. E eu tenho uma boa idéia de como fazer isto. – falei enquanto levava o menor para minha casa.


– Puck, eu já disse que está tudo bem, não precisa se redimir de nada. – respondeu Kurt com um ar de curiosidade.


– Na verdade, eu preciso sim. Farei isto mais por mim do que por você. Por favor, não pense que sou egoísta, é só que não posso mais esperar. – interrompi-o falando lentamente e olhando nos olhos dele que me olhava de volta com uma expressão confusa no rosto.


– Tudo bem. Redima-se então. – disse Kurt meio que rindo.


Eu parei o carro no acostamento, estacionando-o ali mesmo, então me virei para a parte de trás do meu banco e sem deixar Kurt ver, peguei uma caixinha. Virei-me para encará-lo. Ele me olhava com uma expressão mista de medo e alguma outra coisa que não consegui definir o que era. Tomei coragem e finalmente abri minha boca para falar.

– Sei que pode parecer precipitado e tudo mais, mas eu não posso mais esperar sendo que tenho certeza do que estou sentindo, então, Kurt Hummel você gostaria de ser meu namorado? – perguntei firmemente olhando diretamente em seus olhas após abrir a pequena caixa, cuja qual continha um par de alianças de prata.

– Oh Puck! É tudo que eu mais quero. – respondeu o Porcelana então me puxou para umabraço forte cujo qual desfiz após um tempo para poder selar nossos lábios juntos em um beijo suave e apaixonado.

Kurt retribuiu o beijo avidamente roçando seus lábios nos meus e passando seus braços em volta de meu pescoço, puxando-me mais para perto dele. Uma de minhas mãos desceu por sua lateral até alcançar sua cintura, assim como ele havia feito, puxei-o mais para perto. Nosso beijo não durou muito, pois fomos interrompidos por uma ligação do pai de Kurt perguntando se já havíamos chegado a minha casa.


Harmony's P.O.V.


Cheguei em casa um pouco mais tarde que normalmente, as luzes estavam todas apagadas, estranhei e acendi a da sala. Dei de cara com Sugar deitada no sofá, dormindo. Sentei ao seu lado e comecei a distribuir pequenos beijos em seu rosto.

"Acorda, meu amor." Falei, abraçando-a. Aos poucos, Sugar acordou.

"Eu dormi??" Perguntou ela, confusa. Fiz que sim com a cabeça.

"Droga!"

"O que houve, Sugar?" Questionei, sem entender nada.

"Eu não podia ter dormido...é que..." Começou ela.

"É que...?"

"Eu queria preparar uma surpresa pra você mas me distrai quando minha mãe me ligou, então eu acabei dormindo e estragando tudo!"

"Surpresa? Pra mim? Sugar, está tudo bem com você?" Falei, confusa e surpresa.

"Claro. Por que o espanto?" Perguntou a garota.

"Bem,...é que desde aquela conversa que tivemos sobre você não precisar se sentir obrigada a ser romântica, pensei que você voltaria ao normal de antes..." Desabafei.

"Eu não estou me sentindo obrigada a ser romântica, Harmony, é só que...eu pensei que não teria mal nenhum se eu agradasse minha namorada linda e de olhos azuis de vez em quando..." Sugar disse, corando.

"Já falei que eu te amo hoje?" Perguntei. Minha namorada negou. "Eu te amo, Sugar Demetria Lopez-Pierce. Você é perfeita."

"Você que é...e também amo você, Harmony Elizabeth Berry-Fabray. Muito." Sugar disse.

Beijei-a intensamente e quando percebi estávamos subindo as escadas, em direção ao quarto. Ao fechar a porta, Sugar me abraçou e disse:

"Você não precisa, se não quiser. Não quero te forçar a nada, bebê."

"Eu quero. Na verdade, eu te quero. Você me quer?" Disse, enfatizando a palavra 'te'.

"Mais que tudo... Tem certeza?" Perguntou Sugar, receosa.

"Absoluta. Não podia ser com alguém melhor." Disse, voltando a beijá-la com vontade.


Brittany's P.O.V.


"San...?" Chamei a morena, levantando a cabeça, que estava encostada em seu peito.


"Sim, Britt?" Respondeu ela, olhando em meus olhos.

"E se...e se eu não passar de ano?" Perguntei, sentindo-me tensa.

"B, você vai passar. Tenho certeza disso. Você pode não ser a garota mais inteligente, mas você é sem dúvida a melhor pessoa do mundo, e eu não vou deixar aqueles babacas te reprovarem..." Disse Santana. Algo me diz que isso não vai ser boa coisa...

"O que você vai fazer, Santie?" Perguntei, confusa e nervosa pelo que minha namorada poderia fazer. A última coisa que eu ia querer era vê-la se encrencando por minha causa.

"Primeiro, nós vamos estudar e você vai arrasar em todas as próximas provas. Se ainda assim, não for o suficiente,...eu dou meu jeito..." Disse ela, exalando confiança.

"Como assim, dá seu jeito?"

"Eu tenho meus contatos... E sou Santana Lopez! Se eles ousarem fazer tamanha injustiça eu vou mostrar-lhes como fazemos em Lima Heights!!" Disse Santana, gritando a última parte.

"Promete que não vai se meter em confusão?" Perguntei, preocupada.

"Prometo." Disse ela, mas não vi que cruzou os dedos atrás das costas.


Rory’s POV


– Alô? – perguntei ao atender uma ligação com um número desconhecido que recebi em meu celular.


– Rory? – indagou a pessoa do outro lado da linha.


– Eu mesmo. Desculpa a pergunta, mas quem é? – inquiri tentando lembrar-me aonde havia ouvida aquela voz antes.


– Sou eu, Sebastian. – respondeu a pessoa do outro lado da linha com uma voz suave com um tom divertido.


– Sebastian? Como conseguiu meu número? – perguntei com um misto de susto e felicidade, sabe aquelas famosas borboletas no estômago? Eu as senti.


– Sim! Ah, sabe como é, perguntei para a Santana que perguntei para a Quinn que perguntou para o Kurt que perguntou para a Sugar que foi quem passou seu número. – respondeu Sebastian calmamente.


– Entendi! – falei rindo um pouco. –Normal isso! Mas então, qual o motivo da ligação?


– Eu poderia mentir e dizer que foi só por ligar, mas vou confessar que queria, não, precisava ouvir sua voz novamente. – respondeu ele, suas palavras me fizeram enrubescer e olhar para baixo.


– Isso foi muito fofo. – soltei, meio que sem pensar. Eu não estava raciocinando direito.


– Então, será que você gostaria de jantar no Breadstix com este garoto fofo aqui? – indagou ele fazendo um tom voz meio infantil cujo qual achei muito fofo.


– Tudo bem, eu aceito. – respondi com um largo sorriso preenchendo meu rosto.


– Ótimo! Te pego as oito em ponto. Esteja pronto. – disse Sebastian meigamente.


– Estarei. – respondi rapidamente.


– Tudo bem, te vejo mais tarde. Beijos. – disse ele.


– Até! Beijos. – respondi, então desliguei o celular e me sentei na cadeira suspirando.


Sugar's P.O.V.


Ok, esse foi o melhor dia da minha vida até agora. Harmony dormia, abraçando-me. Logo senti que ela se mexia.

"Oi..." Disse, corando.

"Oi." Corei também. Beijei sua cabeça e ela me apertou mais forte.

"Posso te contar uma coisa?" Perguntou. Fudeu, agora ela vai dizer que odiou e que sou péssima e que nunca mais quer me ver e-"Sugar?"

"Claro." Respondi, nervosa.

"Você é a melhor coisa que já aconteceu na minha vida." Disse ela. Soltei o ar que não sabia estar segurando.

"Então, quer dizer que você não me odiou e me achou péssima e que nunca mais quer me ver?" Disse. Harmony levantou a cabeça para me olhar com uma cara de 'What the fuck'.

"Que foi?" Perguntei, notando sua expressão.

"Foi perfeito, Sug, esse seu 'talento' com certeza vem de família." Disse ela. Pera, o que? Olhei pra ela com a mesma expressão que ela usou comigo segundos atrás.

"Eu me expressei mal, é que sempre que suas mães dormiam lá em casa, o que não era poucas vezes, eu sempre escutava gritos histéricos que não ouvia quando estávamos sozinhas em casa..." Harmony disse, corando.

"Oh, putz, pior que eu me lembro bem desses 'momentos'... E você não tinha nem do que reclamar, eu era obrigada a ouvir todos os dias!" Disse, rindo.

"E não escuta mais?" Perguntou Harmony, rindo também.

"Na verdade, não. Elas se mancaram, e então, minha mãe teve a ideia brilhante de cobrir o quarto de caixas de ovos. Mami, como não teve ideia melhor, aceitou, e agora ele é a prova de som." Disse.

"Não, sério?? Caixas de ovos?? Sua mãe é um gênio!" Harmony disse, impressionada.

"Quem diria que Santana Lopez sempre esteve certa, Brittany S. Pierce é realmente um gênio." Disse, fazendo voz de locutora de rádio.

"Você é tão boba!" Harmony disse, sorrindo e em seguida beijando minha bochecha.

Um confortável silêncio instalou-se no quarto, até ser quebrado por mim.

"É a hora, bebê." Falei, olhando intensamente em seus olhos. "Temos que voltar, nossa missão está cumprida."

"Você tem razão... Mas podemos passar no Mckinley para nos despedirmos dos nossos amigos e mães antes?" Disse Harmony.

"Claro que sim, meu amor. Vou só tomar um banho e logo vamos, ok?" Respondi, com um pequeno sorriso.

"Ok, vou no outro banheiro então." Ouvi a frase de Harmony e parei. 'Outro banheiro, ela iria tomar banho, no outro banheiro. Mas ela podia muito bem tomar comigo...' pensei, mas a imagem de mami xingando em espanhol e agredindo minha namorada me despertou. 'Melhor deixar pra lá...'

"Tudo bem, então." Disse eu. Dei-lhe um delicado beijo e levantei da cama, em direção ao banheiro.


Kurt’s POV


Eu não conseguia acreditar que Noah Puckerman, com toda a sua fama de mal havia me pedido em namoro. De todos as pessoas com quem me imaginei namorando, ele foi a última com quem me imaginei e aqui estávamos nós na casa dele trocando carícias como um casal de verdade. Por dentro de todos aqueles músculos e brutalidade havia um Puck totalmente diferente. Gentil, meigo, romântico e carinhoso. Eu adorava este lado dele e estava muito feliz por tê-lo conhecido.


Rachel's P.O.V.


Estava colocando meus livros no armário, com Quinn ao meu lado, quando vejo Sugar e Harmony aproximando-se de nós.

"Oi, meninas." Disseram as duas.

"Oi " Respondi, sorrindo. Quinn fez o mesmo.

"Então,...queríamos nos despedir de vocês... Estamos nos mudando de volta para a Califórnia." Disse Sugar.

"Califórnia?" Perguntei, confusa.

"É,... Bem, nossos pais trabalham na mesma empresa, e o setor em que eles são especializados foi mandado pra lá, e os funcionários também, então..." Explicou ela.

"Sério? Poxa, que pena... Não por vocês irem para um lugar muito mais chique e interessante que Lima, mas pelo fato de irem embora.... Vocês entenderam, né?" Falei, embolando-me com o raciocínio.

"Tudo bem, Rachel. Entendemos." Harmony disse, com um sorriso fraco. Puxei as duas para um abraço. Quinn ficou parada olhando para o nada.

"Adoro vocês, meninas. Espero que tudo dê certo em suas vidas e que continuem juntas e felizes pra sempre!!" Falei, me empolgando um pouco no final.

"Obrigada." Disseram. Quinn abraçou uma de cada vez.

"Sentiremos falta de vocês." Disse, com um sorriso de canto de boca.

"Também sentiremos." Disse Sugar. As duas sorriram.

"Adeus."

Harmony e Sugar viraram as costas e saíram andando. Senti um aperto em meu coração. Afinal, se não fosse pelas duas, não sei se eu estaria com Quinn hoje. Sentirei falta dessas duas adoráveis criaturas.


Rory’s P.O.V.


Eu fui para a sala vestido em uma camisa pólo preta lisa, uma calça jeans verde-escura um pouco colada no corpo e um tênis de marca. Meu cabelo havia sido arrumado por Harmony que o havia deixado um pouco bagunçado com gel para me dar um ar mais rebelde. Não que eu achasse que isso combinava comigo, mas deixei-a ser feliz. Assim que o relógio marcou oito horas, ouvi uma buzina de carro em frente a nossa casa. Depois de me lotar de camisinhas Sugar finalmente me deixou sair. Assim que passei pela porta e comecei a caminhar em direção ao carro de Sebastian ela me sai e grita.


– Você esqueceu uma. – gritou Sugar com uma camisinha na mão.


– Sugar eu já te disse que não vou transar, e mesmo que fosse, quantas vezes você acha que iria fazer isto? – perguntei antes de me virar novamente para o carro, muito vermelho por sinal e olhando para baixo.


Sebastian desceu do carro para abrir a porta para mim. Achei muita galante da parte dele. Quando finalmente entrei no carro ele caminhou para a porta do lado do motorista e entrou no carro também. Assim que entrou o ex-Warbler olhou para mim. Abaixei meu olhar após fixá-lo nele por alguns segundos.


– Não escute o que a Sugar diz. Ela é louca. – falei roucamente bem baixinho.


– Não se preocupe, eu não vim com a intenção de levá-lo para a cama e tenho certeza de que você também não aceitou meu convite com este pensamento. Nós vamos apenas conversar e nos conhecer melhor. – respondeu Sebastian. Ele conseguia ser muito bom com as palavras quando queria.


Quando finalmente chegamos ao Breadstix Sebastian pediu uma mesa mais afastada, pois havia muita gente estranha no ambiente. Alguns minutos mais tarde uma garçonete foi perguntar o que queríamos. Fizemos nossos pedidos e ficamos conversando enquanto os pedidos não chegavam. Mais ou menos uma hora mais tarde a mesma garçonete que anotou nossos pedidos voltou trazendo uma garrafa de vinho, dois copos, uma porção de ravióli de cogumelos que era o que eu havia pedido e um salmão à grega que Sebastian havia pedido.

Agradecemos à garçonete e então começamos a comer. Assim que terminamos começamos a jogar conversa fora. Sebastian fazia perguntas sobre minha vida e eu fazia perguntas sobre a dele. Quase no fim do encontro eu já sabia que ele estava passando por problemas familiares, que detestava ser comparado aos outros, que era fã de rock n’ roll, entre outras coisas.


– Então Rory, gostaria de sair em um segundo encontro comigo qualquer dia desses? – perguntou Sebastian olhando para mim.


– Eu até gostaria, mas não posso. – respondi cabisbaixo.


– Por que não? – indagou ele arqueando uma sobrancelha.


– Estou perto de voltar para minha cidade natal e não acho que seja justo com você tentar algo sabendo que irei embora e o deixarei para trás. - respondi, ainda cabisbaixo.

– Já que é assim, acho que deveríamos aproveitar seus últimos dias aqui juntos. Eu vou ficar triste quando você for embora, mas já é muito tarde para voltar atrás. – disse Sebastian levantando meu rosto com uma de suas mãos.

– Acho que posso conviver com isso. – falei ao abrir um sorriso para ele.


E foi assim que terminou nosso encontro. Sebastian me levou para casa, onde Sugar e Harmony me fizeram narrar tudo que aconteceu. Me senti um pouco triste por saber que depois que eu partisse de volta para o futuro nunca mais veria o Sebastian novamente.


Santana's P.O.V.


"Mãe..." Escutei a voz de Sugar ecoar dentro da sala do clube do coral. Virei e encarei ela e Harmony, com uma expressão triste.

"É hoje, não é?" Perguntei, as duas assentiram.

"Embarcaremos em nossa máquina do tempo daqui a pouco. Queríamos nos despedir de você..." Disse ela, com um sorriso fraco.

"Ok." Disse eu, sem querer mostrar minha vulnerabilidade no momento. Um silêncio instalou-se na sala.

"Sério, mãe? Só isso? Você não vai me abraçar, me xingar ou mandar eu ir pro inferno?" Disse Sugar, quebrando o tal silêncio.

"Tudo bem, vem cá." Falei, puxando-a para um abraço. Harmony sorria, ao seu lado.

"Vou sentir sua falta."

"Não vai roubar a minha namorada, né?" Disse Brittany, rindo ao entrar na sala e nos vendo abraçadas.

"Claro que não." Falei, soltando Sugar.

"Estamos nos despedindo. Harmony, Rory e eu iremos embora hoje." Disse minha flha.

"Hoje? E vocês não se despediriam de mim??" Disse Britt, confusa e ao mesmo tempo decepcionada.

"Sim, hoje. E nós pensamos que você estaria com Santana." Harmony respondeu.

"Bem, temos que ir." Disse Sugar, abraçando Britt e a mim de novo. Harmony fez o mesmo.

"Não se preocupem, nos verão de novo antes do que pensam." As duas andaram em direção à porta. Eu precisava dizer. Não me sentiria uma boa mãe se não dissesse.

"Meninas!" Gritei, fazendo-as parar.

"Sim?" Britt me abraçou de lado.

"Amo vocês." Disse, em seguida desviando os olhos para o chão.

"Façam uma boa viagem de volta."

"Também te amamos, mama. E amamos você também, mamãe." Respondeu Sugar. Sorri.

"Ah, Sugar, me lembre de trancar o porão quando você chegar, ok?" Disse Brittany. Franzi o cenho, sem entender o que ela quis dizer.

"Pode deixar. Vejo vocês mais tarde." E com isso, as duas sumiram de nosso ponto de visão. Britt me soltou e pegou minhas mãos.

"Tenho muito orgulho da nossa filha, San." Disse ela, sorrindo.

"Eu também, Britt. Eu também." Respondi, dando-lhe um beijo na bochecha.


Puck’s P.O.V.


Adentrei a sala do Glee club decidido a dizer para todos o que eu tinha para dizer e não havia forma melhor de fazer isto do que cantando. Pedi ao Mr Schue que me deixasse cantar e ele permitiu, então virei-me para o Kurt e comecei.


La la

La la la la

La laLa la la

I like your smile

I like your vibe

I like your style

But that's not why I love you

And I, I like the way

You're such a star

But that's not why I love you

Hey

Do you feel, do you feel me?

Do you feel what I feel, too?

Do you need, do you need me?

Do you need me?

You're so beautiful

But that's not why I love you

I'm not sure you know

That the reason I love you is you

Being youJust you

Yeah the reason I love you is all that we've been through

And that's why I love you

La la

La la la la

La la

La la la

I like the way you misbehave

When we get wasted

But that's not why I love you

And how you keep your cool

When I am complicated

But that's not why I love you

Hey

Do you feel, do you feel me?

Do you feel what I feel, too?

Do you need, do you need me?

Do you need me?

You're so beautiful

But that's not why I love you

And I'm not sure you know

That the reason I love you is you

Being you

Just you

Yeah the reason I love you is all that we've been through

And that's why I love you

Yeah - Oh.Oh.

Even though we didn't make it through

I am always here for you

You

You're so beautiful

But that's not why I love youI'm not sure you know

That the reason I love you is you

Being youJust you

Yeah the reason I love you is all that we've been through

And that's why I love you

La la

La la la la (oh oh)

La laLa la la la (That's why I love you)

La la

La la la la (oh oh)

La laLa la la la (That's why I love you)

Após terminar a música, me aproximei de Kurt, suspirei e disse bem alto um “Eu te amo!” para ele. Todos olharam para mim, mas não liguei. Já havia feito o que queria. Kurt apenas me olhou com lágrimas de felicidade nos olhos, sorri para ele e me sentei ao seu lado. Mr Schue deu procedimento a aula, cuja qual seguiu calmamente.


Sugar's P.O.V.


"Tudo bem, prontos?" Perguntei, de mãos dadas com Harmony e Rory. Os dois assentiram.

Liguei a máquina cautelosamente. Sentirei falta daqui, com certeza. Entrei no pequeno local com os outros dois adolescentes e ajustei o seletor para o ano em que deveríamos estar. A porta se fechou e meu coração já sentiu o aperto.


Santana's P.O.V.


"Okay, desisto, pique-esconde definitivamente não é uma brincadeira pra mim. E você não acha que já me obrigou a brincar disso pelo tempo suficiente, Britt?" Perguntei, cansada de procurar Sugar, Harmony e Rory pela casa toda na milionésima tentativa. Já tinha achado B há horas, mas de alguma forma, não conseguiua encontrar as três pestes.

"Já foi ao porão, Santy? Talvez eles estejam escondidos lá, não acha? E você sabe que fica muito mais interessante quando você brinca, né, amor?" Disse Britt, puxando-me para um beijo.

"Tudo bem, vamos lá." Falei, puxando-a pela mão em direção ao porão. Como não pensei nisso antes?

Abri a porta do lugar esquecido faz tempo e dei uma olhada. Lá estavam os três, rindo e conversando tranquilamente.

"Eu não disse?" Perguntou Britt, com um sorriso torto, fazendo com que os adolescentes notassem nossa presença.

"Ehhh, finalmente! Ganharam! Agora podemos parar de brincar, certo?" Disse Sugar, com seu temperamento herdado por mim.

"Certo, Sugar, já podemos parar de brincar, não é, Britt?" Respondi, enfatizando as últimas três palavras, ao apertar discretamente a mão da loira, para que ela reparasse que a nossa filha e a filhote de Hobbit estavam de mãos dadas e estranhamente mais agarradas que o normal.

"Claro." Concordou minh esposa, com um sorrisinho safado, o que me fez rir.

"O que?" Perguntou Sugar, confusa.

"Nada, filha, nada..."

"Ah, mãe..." Chamou Sugar.

"Sim?" Respondeu Britt.

"Não se esqueça de trancar o porão." Disse ela.

"Bem lembrado, flha." Britt concordou, com um sorriso, piscando para a nossa filha.




Notas finais do capítulo

E aí, pessoal? O que acharam? Espero que tenham gostado, embora tenha ficado uma zona kk Deem suas opiniões, por favor!!
Antes de encerrar totalmente esse último capítulo, eu queria agradecer (e muito) a todos que acompanharam a história até aqui, e que não desistiram depois do fiasco (cá entre nós) que foram os primeiros capítulos kkk Enfim, obrigada, mesmo aos que nunca comentaram kk
E pra quem quiser saber, comecei uma fic nova chamada "A Filosofia da Vingança" e tá bem interessante, digamos assim kk Ta aí o link se alguém quiser dar uma olhada: http://fanfiction.com.br/historia/278507/A_Filosofia_da_Vinganca/
Okay, acho que é isso, vou fazer o máximo possível pra não demorar com o epílogo e espero que não queiram me matar
Até ;) Comentem, por favor