The Shield escrita por MahSpoladorMoreira, Sandy


Capítulo 8
Capítulo 7: Inesperado.


Notas iniciais do capítulo

Boa noite meninas.
Obrigada pelo carinho, e pelos reviews maravilhosos que vocês mandam. Nós lemos TODOS os reviews, e agradecemos por cada um deles.
Espero que gostem do capítulo.
Máh.

***

Heyy meninas!
Muito obrigada pelos reviews!
Não tenham um orgasmo antes da hora ok??
Beijos :*
Sandyy.




- Edward? – ah não um dia cheio ainda tenho que aguentar a estupradora?- Edward?

- Sim? – a voz vinha da cozinha. Era Isabella me chamando - Pois não?

-Sente-se. Tome um copo de vinho comigo.

- Ah, oi Bella. Não acha que está muito tarde?

- Não. Bom, para mim a noite é uma criança.

- Do que precisa?

- Companhia. – ela sorriu – Sente-se, beba comigo.

- Claro. – confesso que estava desconfiado.

A principio ficamos em silêncio. O único som na cozinha eram os ruídos que vinham do choque entre as taças de cristal e o mármore da bancada, onde estavam apoiadas.

- Foi há cinco anos. Eu só tinha 17 anos, e estava totalmente fascinada com a ideia do amor... – Bella disse – Era uma sensação tão boa, tão plena estar acompanhada do garoto por quem eu havia me apaixonado. Nosso namoro caminhava bem, até o momento em que James falou que precisávamos dar um passo a mais no relacionamento, que eu precisava provar meu amor por ele.

- Bella? – chamei quando a vi perdida. Seus olhos estavam num tom tão escuro, parecia que ela revivia o passado enquanto me falava. Ela engoliu em seco, e depois sorriu.

- Eu faria qualquer coisa por James, e não me opus a provar meu amor por ele. A única coisa que eu não sabia, é que essa prova seria me entregar totalmente para ele. Acabei cedendo, apesar de morrer de medo do que me esperava. Várias das minhas amigas já haviam me alertado que era precipitado demais, errado demais, principalmente porque eu não sabia muito sobre James, e só namorávamos há três meses. – ela sorriu amargamente – Mas eu estava apaixonada demais, iludida demais, e me deixei cair na tentação. A ideia de descobrir coisas novas, sensações novas me deixava ainda mais excitada, ansiosa.

- E daí você engravidou. – falei.

- Não foi bem assim. – falou ela – Foi uma primeira vez horrível. Farei o impossível para que Lisa não passe por isso jamais... Era um lugar frio, apertado, sujo e distante. Mas, eu estava com James, nem me importei com isso. – ela falou rapidamente – Nossas peripécias sexuais aumentaram rapidamente. Houve dias em que transávamos três vezes para mais durante a tarde, quando eu estava sozinha em minha casa. No momento de empolgação, não nos importávamos com preservativos. O que vejo hoje, é que o maior problema, não seria uma gravidez, e sim, uma doença sexualmente transmissível. Eu tive sorte por ter saído saudável desse relacionamento.

- Tem certeza que quer continuar? – perguntei.

- Sim. – ela sorriu enquanto lágrimas escorriam livremente por seu rosto. – Cerca de um mês depois, comecei a sentir enjôos, tonturas e outros sintomas típicos de gravidez. A principio duvidei dessa hipótese, já que na maioria das vezes, pensamos que as coisas só acontecem com os outros, e não com nós mesmos. Por insistência enorme de duas amigas, acabei fazendo testes de farmácia depois de um atraso considerável na menstruação. Foi resultado geral, eu estava realmente grávida. Procurei um médico no dia seguinte, eu precisava me cuidar. Jamais pensei em aborto, isso é totalmente contra meus princípios. Depois de alguns exames, o médico me deu uma descrição completa. Eu estava com sete semanas de idade gestacional, meu bebê estava saudável, eu estava saudável e não tinha motivos para que essa gravidez não corresse bem. O destino final seria contar para James...

- Bella... – murmurei.

- Shh, já deixo você falar. – ela tomou mais um gole de vinho, e me encarou – Foi horrível. Ele sugeriu que eu tirasse, que eu desse um jeito no nosso bebê, que eu acabasse com isso se quisesse ficar com ele. Eu neguei, jamais faria isso com um bebê nosso. Ele me levou até minha casa, deu um sorrisinho, e por um instante, eu pensei que ele aceitaria nosso bebê, até o momento que eu fui atrás dele no dia seguinte, e os amigos disseram que na noite anterior ele havia saído, para não voltar mais. Fui motivo de risadas e comentários grotescos no colégio. Fiquei sem um namorado por um bom tempo, na verdade, eu ficava com alguns garotos nas festas, e tudo graças a minha mãe, que cuidava de Elisabeth quando ela era apenas um bebê. Eu só consegui levar essa gravidez à frente, com a ajuda da minha mãe, e isso durou pouco. Ela morreu quando Lisa tinha seis meses de vida, foi vítima de câncer de mama. Ficar com meu pai eu jamais ficaria, então, comecei a tomar as rédeas da minha vida, lutei, busquei por uma vida melhor, e agora estou aqui, como você vê.

- Você é batalhadora Bella. – pousei minha mão sobre a sua – Porque me contou isso?

- Porque você tem o direito de saber. Você merece saber, já que é tão importante para minha filha.

- Obrigada, por confiar. – murmurei chocado, processando toda a história que ela contou.

- Eu é quem agradeço, por me ouvir. – sorriu entre lágrimas. – E o que me faz forte, é chegar todos os dias, e ver o sorriso da minha filha, minha bebê que ficou comigo sempre, aquela que eu escolhi, e que eu sempre quis. É uma pena que eu seja uma mãe tão desprezível, tão ausente...

-Bella, você pode ser muito feliz apenas com sua filha. Amanhã não vá trabalhar leve- a para passear com você, além de mãe e filha, sejam amigas. Ela é muito nova agora, mas no futuro isso irá fazer a diferença. Mas se você continuar distante também trará consequências, e essas eu não garanto que sejam tão boas.

- Obrigada, pelo conselho. Obrigada por me ajudar, e por fazê-la feliz. Obrigada Edward. – sorriu ela, apertando minha mão.

Como eu não me dei conta de que estávamos tão próximos? Tão... Colados. Acho que só senti tal proximidade quando senti meus lábios esmagarem os de Bella, com a necessidade urgente de confortá-la, de tê-la para mim, de fazer com que ela esquecesse toda a dor e sofrimento, esquecesse o passado. Minha língua atirada já foi pedindo caminho, que foi concedido facilmente, nos levando a um beijo enlouquecedor. Eu queria mais dela, eu a queria para mim, e para sempre.

- Chega. – ela falou alto demais, ofegante, derrubando taça, vinho, cadeira, tudo – Isso é errado!

- Bella. – ela se esquivou quando fui segurar seu braço.

- Eu... Eu vou... Boa noite. – e saiu correndo.

 PDV Bella

Doida, maluca, idiota, filha da mãe, traidora...

Eram esses os pensamentos que tomavam minha mente. Minha única reação ao beijo foi me estressar e sair correndo. Joguei-me na cama chorando, onde acabei dormindo.

Acordei as 07h30min. Fui até o quarto da minha bebê. Escutei barulhinhos, o que significava que ela já havia acordado. Ela sempre fazia isso, ora para faltar à escola, ora para eu acorda- la com beijinhos. Abri a porta e ela se virou para a parede para eu não perceber que ela estava rindo.

- Nossa, a minha bebê perdeu a aula hoje, e agora? Vou ter que acorda- la com um tanto de cócegas  - me sentei ao lado dela fazendo a rir com meus carinhos

- Tá bom já chega de cosquinhas mamãe!

- São cócegas. Bom dia filhota, e agora me responde: O que vamos fazer senhora sapeca? Perdemos um dia de aula.

- Podemos ficar brincando – ela abriu um lindo sorriso. Edward tinha razão, ela realmente sentia falta de uma “imagem de mãe”.

- Ah não. Já sei... Que tal nós irmos ao cinema ver o filme da Barbie? – seus olhos brilharam

- Ah sério? Aquele maãããe que tem um cavalo blanquinho com um laboo enome?

- Um cavalo branquinho com um rabo enorme. Pode ser. Depois nós vamos fazer compras, e comer no Mc Donald, e depois podemos brincar. Gostou?

- Siiiiiiiiiiim!!!

- Mas amanhã a senhorita vai para a escola tá bom?

- Ahh, disso eu não gostei! – ela sorriu

- Sei... Mas amanhã a mamãe também vai trabalhar – fiz um biquinho pra ela.

- Oh mamãe, agente vai junto tá?! Você trabaia e eu estudo.

-Ok, mais é trabalha. Vamos tomar café e depois arrumar.

- Mais eu quero ir agora...

- Mais ainda tá fechado amor...

(...)

- Bom dia Edward lindinho. – minha filha falou com voz de bebê. Ela realmente adora Edward.

- Bom dia Elisabeth. Acordou animada. E perdeu a aula.

- Eu sei mais hoje eu vou sair com a minha mamãe.

- Hum, que bom. É por isso toda essa animação?

- É lógico- ela estava de boca cheia

- Lisa, mastigue antes.

- Vejo que o vinho não apagou a sua memória. – comentou ele, sorrindo.

- Não, sou resistente a bebidas. Obrigada você tinha razão.

- Sempre tenho.

- Edizinho, onde você foi ontem? Nem ti vi chegar.

- Na casa dos meus pais. E a propósito minha mãe disse que quer lhe conhecer. Ela faz um bolo de chocolate...

- Ai, mãe eu posso ir? Amo chocolate!

- Sim você pode.

- Ed, você vai com agente? Hoje passear? Pode mãe?

- Pode

- Ah, da próxima eu vou ok? Vou fazer umas coisas da faculdade.

- Tá, mais só porque você tem que ser responsável. –ele abriu aquele mesmo sorriso torto da noite anterior, e me deu vontade de beija- lo novamente.

(...)

Nunca pensei que um filme infantil seria tão engraçado. Minha filha e eu nos divertimos muito. Eu parecia uma criança.

As compras foram mais divertidas. Lisa quis escolher todas as minhas roupas, o que foi muito engraçado. No final ela combinou TODAS as peças. Algo que eu fiquei realmente encantada.

Claros com escuros, curtos e longos, alto e baixo.

Quando passamos em frente à loja de brinquedos, seus olhos brilharam pela Barbie noiva. Que vinha acompanhada pelo Ken.

- Agora o Edzinho pode brincar comigo, ele sempre explica por ser uma mulher.

- Implica. Você gosta muito dele né?

- Uma vez eu pedi para ele ser meu papai, mais ele nem respondeu.

Essas palavras de Elisabeth me pegaram de surpresa. Quem não soube o que responder foi eu.

(...)

- Ed, agora você não vai mais explicar, porque eu trouxe um menino pra você brincar comigo.

- Nossa Bella o que você foi arrumar para mim. – ele riu enquanto ‘examinava’ o boneco Ken.

 No fim acabamos os três sentados no tapete rosa e macio de Elisabeth, ele com o Ken, eu com a Barbie e ela com a filha da Barbie, brincado de casinha. Parecia uma família perfeita... Eu só estava esquecendo totalmente de meu atual namorado, Jacob.