The Shield escrita por MariSpoladorMoreira, Sandy


Capítulo 28
Capítulo 27: Revelação...


Notas iniciais do capítulo

Olá gurias! Meninas mais uma vez muito obrigada. E Cuidado com os comentários tá bom? Não morram nem matem antes da hora. Beijão gatinhas
;**
Sandy

*-*-*-*

Boa noite meninas!
Muito, muito, muito obrigada pelos reviews maravilhosos! Leio todos, mas não tenho muito tempo para responder vocês como merecem! Vocês são maravilhosas, as melhores!
Bem vindas leitoras novas, esperamos que gostem ^^
Reforço o pedido da Dyy, não morram nem matem antecipadamente, rs.
Máh.




-2 Meses Depois-

Pov. Bella.

Eu não acredito. Não é possível. Burra. Burra é isso que você é Isabella.

Depois de tudo que houve com você. Depois de tudo como você pôde deixar isso acontecer? Tudo bem, Edward era um homem, não um garoto. Mais meu Deus era ainda um estudante. Ainda faltavam três ou quatro períodos da faculdade. Estava em um estágio. Você já pensou nas conseqüências que isso trará para você daqui alguns meses?

Repreendia-me a todo o momento desde que os benditos três minutos do teste passar.

Nestes dois meses que haviam se passado Edward encontrava-se extremamente carinhoso, companheiro, amigo, confidente, pai, namorado, amante, ficante, babá. A cada momento eu pelo menos escutava o seu ‘eu te amo’ me apaixonava mais por ele. Às vezes rolava um básico ciúme dele ter que fazer trabalho com as ‘colegas’ mais nestes dias Lisa sempre ia com ele, e ficava no seu colo até acabar tudo.

Para me aguentar nestes últimos meses tinha que ser um guerreiro e tanto... Por tudo eu chorava, por tudo eu dormia, mas acordava no meio da madrugada sedenta por um sexo no estilo selvagem. Nada eu podia ver que queria comer e quando termina ele tinha o ligeiro caminho para os esgotos de Londres. Edward estava preocupado, no inicio achei que era uma mera virose. Depois de quinze dias me preocupei, e agora encarava atônita o ‘positivo’ dos quatro dos cincos testes feito.

Chorando desesperadamente levantei-me sem dar o trabalho de jogá-los fora, sentei na minha cadeira de ‘executiva’ imersa em pensamentos.

- Bellinha, minha salvação eu não acho as chaves da minha sala, e estou apertadíssima, vou usar seu banheiro- disse uma Alice esbaforida entrando na minha sala.  Minutos depois ela voltara como se tivesse visto um fantasma. – O que é isso?- ela segurava os cinco testes na mão. De que adiantava eu esconder algo dela ou de Edward a essa altura do campeonato? Se tivesse certa estaria grávida a pelo menos um mês e meio.

- Estou grávida Alice.

- Do Edward?

- Não, do padeiro. É claro que é dele né?- comecei a chorar.

- Ei, desculpa Bella. Foi só uma surpresa para mim. Eu não queria te magoar e nem duvidei de você. Sei que você o ama. Me desculpa eu não quero fazê-la chorar. – ela sorriu, aproximando-se de mim – Parabéns amor! Um bebê! Lisa vai pirar!

- Eu não estou chorando por isso Alice. Ele vai me odiar para sempre tudo foi culpa minha...

- Odiar? Como assim? – ela se ajoelhou a minha frente.

- Alice, ele é um homem, eu sei... Mas caramba... Estudante, jovem. Por Deus, ele vai odiar a criança!

- Heey! Shh, shh! Não fale isso nunca mais! Ele adora crianças depois que Lisa entrou na vida dele, e ele vai amar o bebê, eu tenho certeza!

- Será? – perguntei nervosa.

- Tenho certeza. – sorriu.

- Tudo bem...

- Parabéns! – ela me abraçou – Agora eu realmente preciso fazer xixi!

Acabei rindo... Alice seria sempre Alice...

(...)

Passei a tarde toda dispersa. Eu imaginava como seria o nosso bebê... A junção perfeita de mim com Edward. Pele clarinha, certamente... Cabelos escuros e olhos claros? Cabelos claros e olhos escuros? Cabelos e olhos claros? Cabelos e olhos escuros? Eu estava neurótica, com medo, mas a felicidade era impossível de ser controlada. Caramba! Serei mãe!... De novo.

E Lisa? Como reagiria a presença do novo bebê? Ela queria muito irmãos, mas, ela ficaria realmente feliz? Eu tinha medo, medo demais da reação de todos...

- E essa ruginha de preocupação na testa hein dona Isabella? Não quero meu sobrinho ou sobrinha estressado hein? – Alice riu.

- Ah, oi.

- Mais calma? – perguntou.

- Sim. – ela estreitou o olhar – Não.

- Fica calminha Bella... Tudo vai ficar bem. – ela respirou fundo – Temos uma reunião, você acha que consegue se concentrar para ir?

- Não. Pode fazer a reunião sozinha?

- Vou remarcar, porque eles querem a dona da empresa junto...

- Assuma por mim.

- Eles querem a dona legal Bella. Não pode ser eu. Remarcarei para a próxima semana, tudo estará resolvido na sua vida...

- Ótimo, obrigada. – sorri.

- Estou indo embora já, irei jantar fora com Jazz. Qualquer coisa me ligue ok?

- Ok, obrigada. – trocamos um abraço rápido e ela saiu.

- É bebê... Logo é hora de encarar o papai e Elisabeth, a terrível... – eu ri sozinha, afagando meu bebezinho...

Pov. Edward.

Admito estar fugindo de passar as noites com Bella... Meu desejo não passou, meu amor também não, mas ela anda selvagem ultimamente. Chego quebrado no trabalho e na faculdade, porque no meio da noite ela me acorda toda dengosa, e depois vira uma leoa. Fazemos muito sexo, e selvagem, uma total loucura, mas... Bom... Eu bem... Eu gosto, e muito, admito. O único problema, é que no trabalho e escola eu fico disperso, pensando na nossa noite, no corpo dela e em sexo, só sexo. Sempre.

Agora estava encarando um trânsito do inferno para ir buscar Lisa na escola, e depois levá-la para casa. Hoje dormiria com ela, porque meu corpo precisava do dela loucamente. Hoje seria uma noitada das boas...

- Papai, mamãe anda meio estranha não acha? – perguntou à pequena. Encarei-a pelo retrovisor.

- Bem... Sim.

- Por quê? – pergunta complicada essa... Palavra complicada na verdade...

- Não sei princesa, talvez esteja com alguma virose, ou triste com algo.

- Comigo?

- Certamente que não amorzinho... – falei – Perguntarei, e depois te conto ok?

- Obrigada papai. – sorriu. Ela só me chamava de papai quando precisava de algo, caso contrário, disse que só chamaria se eu me casasse com Bella... Lisa é um perigo!

- Chegamos! – a peguei no colo e fiz ‘cavalinho’ para subirmos até nosso andar. O apartamento estava aberto, e entramos rindo das brincadeiras.

- Vou lavar a mão. – falou Lisa.

- Ok, vou subir ver a mamãe certo?

- Tudo bem...

Subi rapidamente, morrendo de saudades da minha mulher.

Pov. Bella.

- Edward, eu estou grávida. - disse para minha imagem no espelho. Isso era clichê demais! –Vamos ser pais! – não... Isso tá péssimo!

- Amor, posso entrar?- ele havia batido na porta de meu quarto. E eu não havia me preparado.

- C-claro.

- Como você esta?

- B-bem. Precisamos conversar.

- Estou todo ouvidos... - no momento só estava ligando para reação dele. Não liguei se ia ser clichê, péssimo ou que fosse. Ele se sentou na cama me encarando com um sorriso, e eu quase desmaiei de nervoso.

- Estou grávida. – ele congelou literalmente. – Bem eu sei que você ainda estuda. Está só estagiando. Bem... Mas a culpa foi toda minha assumo total responsabilidade... Na verdade depois que você saiu da minha vida, e felizmente aquele traste de Jacob eu parei totalmente com os remédios. E depois você voltou, e era tanta paixão, tanta excitação para estarmos conectados, que eu somente me entreguei de corpo e alma não ligando para as possíveis consequências... E então isso aconteceu... Olha, desculpe mesmo ok? Se quiser ir embora agora, pode ir, eu assumo tudo e eu vou ser forte, eu não vou atrapalhar sua vida, e eu...  

- Bella você está falando demais... - ele me puxou para um beijo antes jamais trocado entre nós. Era um beijo apaixonado, ardente, saudoso, e acima de tudo com um verdadeiro e talvez eterno amor. – Eu te amo, te amo, te amo, te amo sua boba faladeira. Pra que tanta explicação assim? Eu estou muito feliz e vamos assumir isso juntos. – Edward escorregou sua mão até minha barriga ainda não alterada – Vamos ser pais! – ele gargalhou com verdadeira felicidade.

- De verdade amor?

- De verdade... – ele ergueu meu rosto e beijou minha boca novamente – Te amo...

- Eu também...

- O que é isso aqui? – Lisa entrou toda nervosinha no quarto, as mãos na cintura (típico dela faz uns tempos) encarando nós dois. Edward sorria como bobo, e eu também, mas em meio a lágrimas.

- Lisa... – falei baixinho, sorrindo. Apesar de saber sua vontade de ter irmãos, eu tinha medo de sua reação.

- Sim? – ela sorriu – Porque está chorando mamãe? – Edward e eu nos viramos de frente para ela. Edward colocou a mão em minha barriga, e sorriu.

- Lisa, mamãe está grávida. Você terá um irmãozinho ou irmãzinha...

-Continua-