A Aposta escrita por Annie Chase


Capítulo 10
Você confia em mim?


Notas iniciais do capítulo

Estamos na casa de Percy agora.



Pov:Percy.

 Eu não sei o que me deu,eu a beijei de novo,naquele mesmo dia.Só preciso fazer que ela se apaixone por mim e não o oposto.Não acredito que pensei isso,mas o que aquela garota tinha que as outra não tinham?Por que quando eu beijo a Rachel não é a mesma coisa?

 Afastei aqueles pensamentos da minha mente,eu tinha de me arrumar,coloquei uma calça jeans e um blusa verde escuro,para combinar comigo.Despentei o cabelo,para ficar normal,do meu jeito.Já estava quase na hora do famoso jantar.A campainha tocou,minha mãe foi abrir,era meu pai,Poseidon.Estava com uma camisa verde claro e uma calça qualquer,entrou em nossa nova casa,falou com minha mãe e perguntou sobre meu padrasto,que por sinal tinha ido pescar com os amigos esse fim de semana.Foi então quando ele me viu,parado perto da escada.

-Olá Percy!-disse ele sorrindo.

-Olé Pai-disse eu balançando a cabeça.-Como vai o mar hoje.

-Calmo em comparação aos outros dias-meu pai é um empresário,mas sua fascinação é pelo mar,ele passa mais horas lá do que na empresa.A campainha tocou de novo,deviam ser a Annabeth e a mãe.

-Boa noite-disse a mãe de Annabeth,que se chamava Atena.

-Boa noite-respondi para ela,Annabeth entrou sem me olhr diretamente nos olhos,ela estava linda,quer dizer linda mesmo.

-Atena!-exclamou meu pai quando viu nossa vizinha.

-Posiedon!-ela respondeu com levantando os olhos para que ficassem na mesma altura que os dele.

-Bom,vamos nos sentar-disse minha mãe tentando abafar o riso,ela sabia da rixa dos dois,ela queria punir um pouco o meu pai.

 Sentamos na mesa,minha mãe na cabeceira,Atena sentou-se infelizmente ao lado de meu pai,pelo visto ela não tinha prestado atenção onde se sentara e deve ter achado indelicado se levantar,meu pai também cometeu o mesmo erro.Sentei ao lado de Annabeth,que parecia um pouco desconfortável.Depois de comermos um belo filé azul,minha mãe pediu que eu levasse Annabeth para conhecer a casa e eu levei,claro.

-Por que fez aquilo?-perguntou Annabeth,enquanto subiamos as escadas.

-O que?-perguntei.

-Você sabe muito bem.-ela respondeu com raiva.

-Não tenho um motivo em especial-respondi.

-Tá,vou fingir que acredito.-ela disse virando os olhos.

 Entramos no meu quarto,e eu a levai para minha sacada,que estava especialmente bonita naquela noite.

-Você não podia ter feito aquilo.-ela disse depois de ficar muito tempo calada.

-Me desculpe,mas só vou me sentir realmente culpado se você dizer que não gostou-disse eu provocando-a um pouco.

-Eu...-ela começou,mas depois se interrompeu.

-Exatamente!-disse eu rindo.

-Tá...Mas não faça isso de novo-ela disse muito atrapalhada.

-Vou tentar me conter-disse eu rindo

-Seu cabeça de algas chato.

-Sua sabidinha inrritante-começamos a rir.

-Então é aqui que o famoso Percy Jackson se esconde?-ela perguntou-Quer dizer além daquele jardim secreto?

-Muito bem observado srta.Chase.-disse eu-Posse ser eu mesmo aqui.

-E por que não pode ser você mesmo em outro lugar?-perguntou ela encostando-se na grade.

-Não sei bem.-respondi.

-Eles nunc sabem responder-ela disse para o nada.

-Eles quem?

-Os populares-ela respondeu encarando a rua.

-Não entendi.

-São todos sempre iguais,nunca sabem ser eles mesmos,porque ainda não descobriram isso,não podem agir de qualquer forma sem pensar muitas vezes o que os amigo vão pensar.

-Não sei do que está falando-eu disse também encarando a rua.

-Acho que não é preciso saber,basta um hora se tocar-disse ela pensativa.

-Por que você sempre fala de mim por meio dessas indiretas?-perguntei.

-Não sei,acho que gosto de te fazer pensar.

-Você é muito estranha-eu disse.

-Você também é,acho que é o unico que aceita gritar que é um panaca-nos rimos.

-Posso te fazer um pergunta?-perguntei a ela.

-Pode.

-Por que você nunca deixa eu me aproximar?

-Não sei do que está falando-ela respondeu.

-Sabe sim,sempre que estamos falando algo de você,você desconverça.

-Eu não confio muito em você,só isso-ela respondeu.

-O que eu preciso fazer para você confiar em mim?-perguntei.

-Não sei.

-Senta na grade-pedi a ela.

-Não,você é maluco?-disse ela.

-Vai,prometo que nada de mais vai acontecer.

-Não!-ela disse outra vez.

-Eu te seguro-disse eu tentando faze-la ficar confiante.

-Por que eu faria isso?-perguntou ela.

-Quero conferir uma cois.-disse eu fazendo minha melhor cara de cachorrinho.

-Por cinco segundos-ela disse e eu assenti.

 Ela se sentou bem devagar,sem tirar as mãso da grade.

-Agora,largue a grade-pedi a ela.

-Não,eu vou cair-ela disse.

-Não vais,eu prometo que não vai-disse eu no ouvido dela.ela assentio e largou da grade.

-Viu,não aconteceu nada-disse eu passando minhas mãos ao redor dela,segunrando-a.- Você confia em mim agora?

-Talvez um pouco-ela disse sorrindo.

-Se você não confiasse não teria largado a grade.

-Tá bom,eu confio em você.

-Ótimo,pode decer agora-disse eu ajudando-a a decer.

-Você é maluco.Mas eu gosto disso.-ela disse sorrindo.

-Agora você já consegue falar qualquer coisa para mim?-perguntei.

-É,um pouco.-ela respondeu.

-Então,responda.Você já teve um namorado.

-Já-ela respondeu rindo

-Por que o riso?-perguntei.

-Não,sei você sempre me pergunta algo relacionado a isso.-ela respondeu.

-Eu vou ignorar essa parte.Esse cara era o ...

-Beckendorf?-ela completou.

-É-responi.

-Não Percy,não era ele.

-Então quem era?

-Um cara da minha antiga escola,se chamava John.

-Uh,interreçante.Por que terminaram?

-Ele me machucou muito.-ela espondeu mudando de expressão.

-Desculpe ter perguntado.-pedi a ela.

-Tudo bem,-ela disse dando um sorriso corajoso.

 As horas passaram,Annabeth e eu fizemos perguntas um ao outro,descobri que esse cara que ela namorou,a traiu,descobri que ela quer ser arquiteta,que a mãe dela é muito inteligênte e que ela tem medo de aranhas.Mas também,Annabeth descobriu que eu adoro comida azul,que sou ótimo nadador e que faz pouco tempo que conheço meu pai,também soube que eu namorro a Rachel a dois anos e que sou péssimo em matemática e em qualquer coisa relacionada a números.Passamos horas rindo e contando histórias,a cada hora,ter que pensar em magoa-la estava ficando mais difícil,nunca uma garota tinha sido tão legal comigo e eu nunca pude contar todas as histórias e todas as coisas que eu já fiz. Annabeth Chase era mesmo uma garota especial.Depois de uma hora ou duas,el teve que ir para a casa,e antes de dormir ela acenou e escreveu em um pequeno caderno um boa noite para mim.Naquela noite,com aquela garota especial eu descobri que eu podia falar com alguém que me ouvisse e que eu poderia passar confiança para esse mesmo alguém.



Notas finais do capítulo

Deixem seus Reviews



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "A Aposta" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.