[ Comentários ]

Tormenta escrita por Mands Malfoy, Sra Vilsk


Capítulo 6
Queridos corvos, vocês são orríveis


Notas iniciais do capítulo

Gente a parte do cemitério, FOI INSPIRADA no The Vampire Diares, mais uma coisa eu tenho a dizer pra vocês, NÃO é o Jared. Beijos, espero que gostem.




Madrugo na frente do computador, e meu, tudo no Jared é estranho, como assim ? Ele é da Russia e veio parar aqui em Andoshen ? Ele só pode ser mesmo muito louco. Acho que eu to me preocupando demais com ele, e isso tem que parar. Jared e Katherine, NUNCA, nunca vai rolar. Tento parar de pensar nele e vou tentar dormir.

No meu sonho eu vejo uma lobo branco e sujo de sangue, e depois ele se transforma em uma garota loira e de olhos bem azuis, ela tá segurando um anel, assim que ela coloca o tal anel no dedo, um corvo aparece voando entre as árvores e pousa bem do lado dela.

Quando acordo, não vejo nem sinal de Jason, e muito menos de tia Jenna, droga eu to muito atrasada, saio correndo de pijama pela casa e vou procurar um moletom, pego o primeiro que acho, me visto correndo e esqueço de calçar as meias, volto pra coloca-las e vejo um corvo em cima da cabeceira da minha cama, assustada o espanto, calço as meias e meu all star. pego a mochila, e enquanto desço as escadas faço uma trança nos meus cabelos. Era só o que me faltava Jason foi pra escola com o meu carro, e agora ? Tranco a porta de casa e dou passos longos com a esperança de chagar na escola pelo menos na hora do recreio. O tempo está tão fechado, triste e sombrio que até me parece o dia do acidente, mais pera ai, hoje faz três anos. Três anos que a minha vida foi arruinada, não sei se foi coincidência mas estou passando exatamente pelo cemitério onde meus pais foram enterrados, sei que eu to atrasada mais mesmo assim paro e caminho pelo cemitério cheio de névoa, já devo estar bem perto dos túmulos de meus pais. O som de um galho se quebrando desperta a sensação que eu estou no lugar errado, na hora errada. Olho pra frente e vejo alguém com a altura e as roupas que o Jared costuma usar, deixando flores no túmulo onde meus pais foram enterrados três anos atrás. Confusa chego mais perto, mas não tem mais ninguém, a única coisa que vejo é um buquê de rosas brancas totalmente sujo com pingos de sangue, será que aquela pessoa se furou com os espinhos ? Escuto o som de alguma coisa batendo asas, quando olho pra trás lá está o corvo miserável. Como eu queria que fosse o Damon Salvatore, não penso duas vezes e saio dali as pressas, tipo, eu não sou a Elena, deixo cair alguma coisa, que com certeza não é um diário, não tenho tempo pra isso, mesmo assim não volto pra pegar, apenas saio andando o mais rápido que posso. Com sorte algum ônibus vai passar por aqui e eu vou chegar a tempo de entregar o trabalho de redação para a senhora Filtis. Vou andando pela calçada parecendo um zumbi de tanto sono, mas pera ai, o que foi aquilo no cemitério ? Paro e fico me perguntado porque alguém entregaria rosas brancas com sangue no dia que faz três anos que meus pais morreram ? Paro de pensar nisso assim que um carro preto passa em cima de uma poça d'água e me molha. Quanta sorte só hoje em Katherine ? O carro da ré e uma menina de cabelos castanho-escuros e olhos negros abaixa o vidro e pede desculpas.

– Nossa, me desculpe, de verdade ! Eu sinto muito. - ela diz descendo do carro.

– Não tudo bem, eu sei que não foi de propósito.- digo

– É que eu to muito atrasada pra ir pra escola e nem prestei atenção. - ela diz tentando arrumar meu cabelo

– Escola ? Nossa eu também tô muito atrasada ! - digo, vai que rola uma carona.

– Sério ? Onde você estuda ?

– Na Margaret Mead e você ?

– Entra no carro, eu também estudo lá, que dizer vou estudar, hoje é o meu primeiro dia. - ela diz entrando no conversível.

– Nossa! Muito obrigada mesmo. - digo sentando no banco da frente.

– Qual é o seu nome ? - ela pergunta.

– Katherine. Katherine Jacobsen, e o seu ?

– Alison, mais não vou te dizer meu sobrenome, eu nem te conheço. To brincando, é Montgomery, Alison Montgomery, mais que ano você faz ?

– Segundo. - digo. Percebi que ela tá tentando ser legal comigo, afinal não é todo dia que se conhece uma pessoa depois de molhar ela inteira. Depois de dez minutos, chegamos na escola, sem pensar duas vezes apresento a escola pra garota, nos sentamos juntas no pátio e conto pra ela sobre meus pais.

– O que é pra acontecer, seja bom ou não, se tiver que acontecer, nada pode impedir Kat. - ela diz tentando me consolar. Antes de entrar na sala ela me abraça e diz que vai ficar tudo bem, agora mais do que nunca eu sei que posso dizer que tenho uma amiga. Olho pra trás e nada de Jared, Alison pergunta quem eu to procurando, e eu digo que não é nada. Tipo, se eu dissesse que tava rocurando um garoto, ela também ia pensar que ele é meu namorado. Quando o sinal toca, saio pelo estacionamento procurando Jason, Alison vai comigo ela cismou e disse que quer conhece-lo.

– Cara que gato. - ela diz quando vê Jason encostado no meu conversível.

– Alison ! Para de ser doida. - digo caindo na gargalhada.

– Nossa maninha, você demorou pra achar uma amiga, mais em compensação essa que você arrumou em ? - Jason diz encarando Alison.

– Ah vocês dois. - digo rindo

– Bem, Kat, posso passar na sua casa mais tarde ? - pergunta Alison.

– Claro que pode, seis quarteirões daqui, em frente a uma sorveteria que lógicamente ninguém frequenta e meu quarto é o último. - Jason diz interessado.

Alison e eu caímos na gargalhada e Jason fica sem entender nada.

– Tchau sua maluca ! - digo entrando no meu carro.

– Compre chocolate, eu vou te ensinar a fazer brigadeiro mais tarade. - ela diz indo pro carro dela, no outro lado do estacionamento.

– Tá bem. - digo rodando a chave.





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Tormenta" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.