This Is My Gang! escrita por Metal_Will


Capítulo 152
Capítulo 152




Capítulo 152 - O Maior Projeto com Menor Custo

 Tudo era apenas para ser um passeio descompromissado ao cinema do shopping. E deveria acabar por aí. Mas é claro que eu tive que abrir a boca e dar uma ideia nada modesta para Wilson (se é que ele teve alguma ideia modesta alguma vez na vida).

- É isso! Se o cinema está em crise, vamos mudar isso com nosso próprio filme! - disse ele, realmente convicto de que poderia montar sua própria obra cinematográfica.

- Caraca, seria muito legal! - disse Demi, otimista como sempre e dando corda para ele como sempre.

- P-Peraí...do que você tá falando? - comentei, em uma tentativa inútil de fazê-lo mudar de ideia ou pelo menos ver o que estava pensando de uma forma um pouquinho mais racional - Você tem noção do trabalho que dá fazer um filme?

- Heh! Nós somos a NERD, Daniel! Não temos medo de trabalho pesado! Em equipe, todo trabalho fica mais divertido - ele continuou, empolgado como sempre.

- Ei, vocês...me ajudem aqui - falei para Karina e Jorjão, embora aqueles dois nunca realmente ajudassem.

- Fazer um filme...é um projeto de altíssimo custo - comentou Karina, com a mão no queixo e ar intelectual - Ainda mais em uma época onde a tecnologia é tão avançada.

- Não precisamos de um filme de alto custo - falou Wilson - Efeitos especiais e hiper-realismo não são sinônimos de um bom filme. Ou melhor...vamos criar um filme que fique na memória das pessoas e que ainda seja de baixíssimo custo.

- Nesse caso, seria melhor pensar em nosso público-alvo - falou Karina - Quem daria valor a um filme de baixo custo hoje em dia?

- Roteiro é tudo - falou Wilson - Precisamos de uma boa história!

- Vai ter pipoca? - falou Jorjão.

- Bem pensado! - disse Wilson - Precisamos promover nosso filme em um lugar que venda boa pipoca e boa comida.

- O que uma coisa tem a ver com a outra? - perguntei.

- Você nunca ouviu falar da conspiração cinematográfica, Daniel? - respondeu Wilson.

- Conspiração cinematográfica? - estranhei - Como assim?

- Boa parte dos custos dos filmes são financiados pela indústria da pipoca - falou Wilson - Quem vai ao cinema, nunca resiste em comprar uma pipoca quentinha. Imagina quanto de lucro os pipoqueiros recebem por fora? Aposto que parte disso vai para os grandes estúdios! É tudo muito bem bolado!

 De fato, nunca parei pra pensar que a relação entre cinema e pipoca fosse tão forte. Mas tinha certo sentido. Claro que Jorjão gostou da ideia.

- Se tiver pipoca, eu tô dentro - falou Jorjão.

- Será que conseguimos fazer alguma coisa até o dia do festival cultural? - disse Demi - Seria legal exibirmos nosso filme lá. Um evento específico para ufologia seria difícil, mas uma sala de exibição com o nosso filme seria interessante. Aposto que a professora Vitória vai gostar!

- Mas o festival cultural vai ser daqui a menos de dois meses - lembrei - Teríamos que trabalhar muito rápido.

- Bom ver que está empolgado, Daniel - reparou Wilson.

- Que empolgado, que nada! - falei - Estou sendo realista...como fazer um filme em tão pouco tempo?

- Será um filme de baixo custo, já falei.

- Mas você tem alguma ideia do que nosso filme vai falar? - perguntei.

- Podemos colocar algumas viagens no tempo - falou Jorjão.

 Por que ele gosta tanto de viagens no tempo?

- Viagens no tempo, é? Acho que o cinema já falou muito disso - comentou Wilson - Mas vou anotar...talvez possamos colocar algo original a partir disso.

- Em que tipo de gênero você está pensando? - perguntou Karina.

- Romances são complicados - falou Wilson - E ficção científica exige muitos efeitos...hmmm...precisamos decidir um gênero em específico.

- Comédia - sugeriu Demi - Se o nosso filme será de baixo custo, talvez comédia ou paródia seja a melhor escolha.

- Continue - falou Wilson.

- Bem, filmes sérios ficam melhores sendo realistas, mas se for uma comédia...quanto mais perto do absurdo melhor.

 Não, não, não. Você tem ideia do que está falando? Pedir para Wilson pensar em coisas absurdas! Isso vai sobrar pra gente.

- Boa, Demi - concordou Wilson para o meu completo desespero - A comédia tornaria todo o ridículo da produção de baixo custo justificável. 

- Quando você fala ridículo, em que exatamente está pensando? - perguntei.

- Talvez...algo bizarro intencionalmente - falou Wilson.

- Bizarro intencionalmente? - questionei.

- Cinema trash - falou Wilson - Você já deve ter assistido algum desses filmes de terror bizarros, não assistiu? Algo como o "Ataque dos Tomates Assassinos"?

 O "Ataque dos Tomates Assassinos"...um filme criado pela gente seria desse nível para baixo mesmo.

- É isso! As pessoas não precisarão criticar nosso filme por ser ruim, se ele já se propor a ser algo estranho desde o início! - falou Wilson - É genial! Nosso filme será excelente justamente por ser ruim!

Ok, isso era um paradoxo. Você poderia repetir?

- Não sei se entendi muito bem - falou Demi - O nosso filme será bom por ser ruim?

- Um filme é bom quando é aquilo que pretende ser - falou Wilson - Então vamos deixar claro desde o começo que nosso filme será algo trash e logo se tornará um clássico! É uma verdadeira mudança nos paradigmas da sétima arte: um filme trash, de baixo custo, competindo com todos os efeitos especiais e realistas da tecnologia atual!

- Vai renunciar toda a tecnologia nesse filme? - perguntou Jorjão.

- Não, não, usarei alguns efeitos gráficos...mas nada que fuja de editores de vídeo comuns por aí - falou Wilson - No mais, faremos o filme trash mais memorável de nossa geração.

- E...posso perguntar quem irá atuar nesse filme? - perguntei mesmo já sabendo a resposta.

- Que pergunta, Daniel - disse Wilson, com um ar altamente confiante - Seremos nós, é claro!

- Dá pra fazer um filme só com cinco pessoas? - perguntou Jorjão.

- Será mais uma característica do lado trash de nosso filme - falou Wilson - Todos verão..."nossa, são sempre os mesmos caras"

- Podemos colocar alguns bonecos como figurantes...ou usar alguma maquete para representar a cidade - falou Demi.

- No estilo dos seriados japoneses de monstros gigantes. Bem anos 80. Esse é o espírito! - continuou Wilson, bem animado - "Tripas e Metralhadoras" seria muito melhor se fosse divulgado como trash desde o início. Faremos o que o diretor desse filme não conseguiu fazer!

 Nunca ter estudado uma vírgula de cinema e se auto-declarar um diretor capaz de superar um profissional? Sim, esse é o Wilson!

- Karina, você é boa com roteiros, não é? - falou Wilson - Acha que consegue criar algo absurdo?

- Posso pensar nisso... - disse ela - Mas se é tão absurdo, acho que vou precisar de sugestões.

- Opa. Eu tenho várias - falou Jorjão - E não abro mão da viagem no tempo.

- Tá, tudo bem, vamos dizer que o personagem principal veio do futuro - falou Wilson - Daí, a gente ajeita o resto.

 Eu não tinha palavras. Estava destinado a participar do projeto mais bizarro que Wilson já inventou. Pelo menos não será ao vivo...ainda é melhor do que aquela peça dos Saltimbancos que fizemos no ano passado.

- Vai ser divertido - disse Wilson - E o Daniel já é uma personalidade conhecida. Vai servir de propaganda para nosso filme!

  Se você não lembra do que Wilson está falando, o garotinho do shopping que apontou para mim falando "Olha mãe, o garoto do sorvete!" lembrava muito bem (*)

- Prefiro não lembrar desse momento - comentei.

- Heh! Então está decidido! - comemorou Wilson - Vamos ganhar o Oscar de melhor filme trash!

- Ter umas duas pessoas assistindo a gente no festival cultural já tá mais do que bom - comentei.

- Teremos muito mais do que isso! Nosso nome ficará gravado no colégio Megatec! Vamos pra sorveteria mais próxima comemorar nossa ideia! Amanhã mesmo a Karina traz nosso roteiro! Ah, isso vai ser demais!

 Claro que ele já tinha definido o que Karina iria fazer sem ao menos perguntar se ela teria tempo para isso. Mas foi exatamente o que aconteceu. No dia seguinte, ao nos encontrarmos no banquinho da NERD no pátio, Karina mostrou uma página com a sinopse de nosso filme.

- Heh..hehehe..hehehe - Wilson ria megalomaníacamente - Isso! É exatamente disso que estou falando!

 Prepare-se mundo! O filme mais trash e bizarro de todos os tempos está em gestação!

(*) = ver capítulos 30 e 31



Notas finais do capítulo

Ah, como será esse roteiro? Só digo que Karina pode escrever qualquer coisa: do excelente ao totalmente trash. E aqui quanto mais bizarro, melhor XD

Espero que continue acompanhando essa saga. Até o próximo! ;)