Cursed forest escrita por ISayTheObvious


Capítulo 1
The only chapter


Notas iniciais do capítulo

So! Olha quem voltou. É~
Mesmo que vocês não tenham sentido falta de mim :c
//tapa
escrevi isso aqui só pra postar no tumblr, maaaasss
lembrei daqui e, idk, senti vontade de postar. Dar um sinal de vida porque vocês mereces ASOKAOKAOK
O texto tá meio bostinha, mas slá, eu fiquei meio satisfeita comigo mesma? É. Até porque eu nem esperava conseguir escrever tanto assim pra esse resuminho da minha história.
Isso aqui foi meio que baseado em um jogo, mas eu não direi o nome aqui por idk eu não quero? *apanha*
Se quiserem saber, é só perguntarem.
Enfim, sem mais blablabla, podem ler .n.



Todos se perguntam constantemente como diabos foram parar naquela maldita floresta.

"Maldita", literalmente.

Aquele lugar era completamente diferente de qualquer coisa já vista por humanos. Era escuro, o céu negro e quase invisível de baixo das folhas das árvores. Apenas a falta de luz do lugar era capaz de enlouquecer qualquer um. A escuridão, uma hora ou outra, os levaria à loucura. E consequentemente, à morte.

Tudo parecia morto naquele lugar. As únicas coisas que eram vistas eram árvores, arbustos, e vários outros tipos de plantas. Vez ou outra você podia encontrar cabanas, mas completamente vazias e destruídas. Chegava a ser mais agradável ficar no meio da floresta do que se abrigar em uma daquelas cabanas.

Tudo destruído, morto…

Isso mesmo. Aquele lugar era feito apenas de destroços.

Você chegava à ficar desesperado para encontrar ao menos uma única coisa que estivesse viva. Não havia sequer sons naquele lugar. As únicas coisas audíveis eram seus próprios passos, sua respiração e o vento. E até aquilo chegava à ser assustador.

As árvores constantemente caíam, como se parecessem querer acertá-lo. Tudo ali parecia querer matá-lo. Aquela floresta não era nada normal. Era mortífera. Por qualquer descuido, você poderia perder a vida.

Um passo errado, e você iria desfiladeiro abaixo.

Uma mínima distração, e uma árvore acertaria você.

Aquele lugar testava todos os seus sentidos. A sua capacidade de sobrevivência, e até mesmo sua força de vontade para permanecer vivo.

Pois aqueles fracos, incapazes, eram os primeiros à terem a vida perdida na floresta.

Persistência.

Coragem.

E, acima de tudo, a vontade de sobreviver.

A necessidade de voltar vivo.

Aos poucos, você iria perdendo suas esperanças. Por mais que andasse, que procurasse uma saída que o levaria de volta… De nada adiantava. Parecia que você andava em círculos…

Aquela floresta não tinha fim.

E aos poucos, ela vai sugando suas forças.

Até que não sobre mais nada.

Porém, enquanto caminha, você constantemente sente a sensação incômoda de estar sendo observado. Observado por alguém, ou algo. E, naquela situação, essa sensação tornava-se pior do que nunca. O lugar era vazio, não havia nada vivo, e você ainda tinha essa sensação. E mesmo que você se virasse para ver se havia algo ali… Nada.

Mas…

Quem disse que essa sensação é devido à algo vivo?

Mesmo assim, você prefere ignorar. Pensar que é apenas coisa da sua imaginação, por não ter encontrado nada nem ninguém durante todo esse tempo.

É, pensar que é coisa da sua cabeça naquela situação era provavelmente o melhor a fazer.

Enquanto você caminha, as coisas parecem apenas piorar. Ao invés de você desejar o contrário.

Corpos em decomposição, ossos jogados ao redor da estrada…

Ignore.

De repente, você para pra prestar mais atenção.

E você descobre que há mais passos ali além dos seus.

Você quer se virar. Mas está com medo. Quer descobrir o que tem ali, o seguindo, mas ao mesmo tempo não quer.

Está com medo do que seus olhos avistarão.

Mesmo relutantemente, você vai se virando. Lentamente, como se não quisesse realmente se virar.

E é aí que você vê.

Dois pequenos círculos, brancos e brilhantes à distância.

Havia algo ali.

E o pânico toma conta de seu ser.

Você imediatamente se vira, e começa a correr, o mais rápido que suas pernas podiam o levar. Você não para. Mas mesmo correndo tanto, a sensação daquela coisa estar por perto não passava.

Parecia que quanto mais você corria, mais próxima ela ficava.

Aquela coisa estava o testando. Mas você continua à correr.

A sensação de não estar chegando à nada era torturante.

Você ofegava, e suas pernas começavam à perder as forças, fraquejar. Elas tremiam, seu corpo inteiro tremia, mas você não parava.

Sendo que logo você sente algo agarrar seu tornozelo. E você cai.

Um grito de desespero, agonizante, daquele que tenta pedir por socorro. Mas de nada adianta.

Aquela entidade não tem a menor piedade.

Você impulsivamente se vira. E agora, vê aqueles olhos mais perto que nunca. Você sequer tem força alguma para gritar agora.

Aquela… Coisa, não tinha uma forma definida. Parecia ser feita de fumaça. Tinha uma forma humanóide, mas levemente deformada. A única coisa que você podia ver além de preto naquela coisa eram os olhos brilhantes, e a boca. Dentes afiados, boca aberta, como se estivesse prestes a atacar uma presa.

E, lentamente, sem sequer perceber, você vai perdendo os sentidos.

Sua visão começa à embaçar, e você começa a perder o fôlego. Tudo vai ficando preto lentamente, e você sente o corpo tombar no chão, as folhas mortas e secas partindo e fazendo um baixo barulho. Você já não ouve mais nada.

Estava morrendo.

E a última coisa que você vê antes de perder o resto de consciência que lhe restava, eram aqueles olhos aterrorizantes, cada vez mais próximos de sua face.

Apenas mais um que apodreceria eternamente naquela floresta.

Era o fim.



Notas finais do capítulo

Meh Então, espero que tenham gostado? Apesar de achar rather difícil alguém curtir ou ao menos ler isso.
Enfim!
Comentem, pls. Opiniões sempre são muito importantes! ; w ;
Quem sabe eu não escreva mais se gostarem!
É!
Então, até a próxima, minna~



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Cursed forest" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.