Super Hero High School escrita por Space Khaleesi


Capítulo 1
A Chegada (e o capítulo tão esperado!)


Notas iniciais do capítulo

Gente, muito obrigada! Eu amei as fichas vocês são muito criativas.



Acordei.

Com o rosto molhado de baba, claro. Olhei pra cima lá estava o danado babão, me encarando com aquela cara de “cachorrinho que caiu da mudança”. Tá ele é um cachorro, só que de outro planeta, tipo literalmente, ele veio de Krypton. E assim veio com nome: Krypto; que é a verdadeira identidade do Super Cão.

Ele sentou e eu cocei meus olhos babados.

– Bom dia pra você também, Krypto.

Ele latiu satisfeito e desceu escada à baixo. Eu? Fui lavar o rosto, me arrumar afinal; hoje era o 1º dia de aula. Não como a maioria dos adolescentes normais pensa, porque se tem uma coisa que eu não sou, é normal.

Meus pais salvam o mundo com a identidade de Mulher Maravilha e Super Homem, mas eles não vão poder salvar o mundo para sempre, por isso eles matricularam eu e meu irmão numa escola que mistura a S.H.I.E.L.D. com a Escola Xavier para Jovens Super Dotados mais a Liga da Justiça e qualquer um entre 11 e 17 anos que tenha super poderes.

Coloquei uma blusa xadrez roxa e por cima um colete de moletom cinza. Vesti uma jaqueta jeans, botei calça e calcei a bota. Engraçado, não? A bota a gente calça e a calça a gente bota. Não, eu não penteei meus cabelos porque eles acordam bonitos, como eu não sei.

Peguei uma bolsa qualquer e desci pra cozinha.

Sentei-me na mesa e mamãe entregou-me um torrada e um copo de Ovomaltine; ela me conhece tão bem.

– Então? Preparados para a escola? – ela perguntou

– É. Só estou preocupada com o que vai cair nos exames finais.

– Já? E o que você acha que vai cair, Nanda? – Eddie, meu irmão, perguntou para mim.

– As minhas lágrimas de desespero.

Nós quatro rimos

– Eu levo vocês. – papai disse

– Ah, então eu também vou. – mamãe exclamou

Entramos no carro depois de colar as malas no porta-malas, meus pais foram na frente e eu e Eddie fomos uma em cada lado no banco de trás. Mamãe ligou o radio. Olhei para o meu irmão e ele, para mim. Sabíamos o que iria acontecer.

– Aumenta o volume, por favor! – dissemos em uníssono

Minha mãe aumentou.

– PLAIN WHITE TUBE!- cantei/berrei

– NOT MY STYLE! – Eddie fez a mesma coisa

– I PREFER THIGH-HIGH ARGYLE! TOE TO HEEL! MAN, YOU REEK! HAVE YOU BEEN HANGING OUT WITH FEET? YOUR MISSING TWIN! WHERE HAS IT GONE? PERHAPS IT’S HIDING ON THE LAWN? MAYBE IN THE LAUNDRY BIN? DO YOU TALK TO YOUR TWI-I-I-I-IN TWI-I-I-I-IN! HOW DO YOU SPEAK TO YOUR TWI-I-I-I-IN TWI-I-I-I-IN? – cantamos juntos

– Ah! Túnel maldito! – disse meu irmão chateado pelo túnel ter acabado com a música do rádio

Nem era essa a música que estava tocando – mamãe disse espantada

Eu sei, mas a paródia é melhor. – meu irmão ia falar alguma coisa comigo, mas eu o interrompi – Sim, Eddie, eu danço no carro. Sim, eu sei que as pessoas estão vendo. Não, eu não me importo.

Uau. – foi o que ele conseguiu dizer.

Chegamos. – meu pai disse – Amamos vocês.

Eddie e eu saltamos do carro e pegamos nossas malas

Até final de semana que vem! – mamãe disse antes de o carro partir

Tchau, Nanda. – ele disse acenando e indo falar com seus amigos

Tchau.

Fui andando até a parede dos quadros, quando um vulto ruivo pula em cima de mim tapando meus olhos.

– Ahhhh! Jesus quem foi o Capeta que apagou a luz?

– Acho que foi a Lily. – diz ela tirando a mão da minha cara e aparecendo na minha frente

– Ruiva! Quanto tempo!

–Ah que nada! Só faz 7.776.000 segundos. – Lily respondeu naturalmente

Lily é filha do Homem Aranha e é uma maníaca por trollagem. Tem uma coleção de aranhas de mentira, uma coleção de aranhas de verdade e outra coleção de aranhas de mentira que parecer de verdade. Sabe falar alemão e russo, mas ofende os outros em grego. E eu ainda nas aulinhas de inglês (Zoeira eu sou poliglota; falo as línguas themysciriana, grego moderno e antigo, inglês, português, espanhol, francês, japonês, chinês, alemão, russo, italiano, coreano e hindi; genética é foda! Né, mãe?). Sabe o coelhinho da Duracell? Então... A Lily tem mais energia que aquilo.

– Aquela não é a Polly?- perguntou ela

– É, mas o que ela tá falando com o irmão da Carol?

Nos duas nos entreolhamos e fomos lá para ver.

A Pollyanna, ou melhor, Polly é filha do Batman. Como ela é? Irônica, sarcástica, meio pervertida (porque eu sou a mais pervertida, tenho visão de raio-X e tenho direito de usá-la como bem entender), insolente, sabe arrombar cofres e portas (e ainda não me ensinou: vaca), e já foi delinquente para chamar a atenção do pai.

– Admita, você quer meu corpo nu. – Howard Stark falou

– E Nick Fury faz aulas de balé com a Clarilu todas as quintas das oito e meia às nove da manhã no Disney Júnior. – disse ela ironicamente

– Não obrigado, eu detesto Clarilu.

– E eu detesto você, mas não saio espalhando para todos.

– Esse seu ódio é falso, afinal quem ama, implica.

– Você descobriu o segredo da minha vida! Deve der achado o meu diário secreto de patricinha.

– Foi fácil, só precisei olhar as páginas que começavam com “Cada dia amo-o mais”.

– Devia ter procurado por “Tenho sede de sangue”

– Virou vampira? Meu pescoço está livre para mordidas

Ele iria acabar com seu amiguinho destroçado então para infelicidade de Lily, acabei com a briga.

– Polly! – disse abraçando-a – Vamos desfazer as malas, vem.

Chegamos ao quadro de dormitórios, nós ficamos juntas. O que eu posso fazer se minha cara de Vivian Darkbloom assusta Nick Fury?

– Aqui! “302, 3º andar ala leste do prédio 1”. Vamos, suas gordas! – disse Lily com as chaves na mão

O quarto tinha três camas, uma de casal e um beliche, havia um closet, escrivaninha e TV, uma varada com vista pra ala oeste (a dos garotos), era uma varanda coladinha tipo, um metro de distância no máximo. O quarto era de cor de rosa numa parede, e branco em outra, havia um banheiro com uma pia e espelhos enormes, uma banheira e uma ducha.

Corri pra cama de cima do beliche, Lily para a de baixo e Polly fez o mesmo com a de casal.

– Tem cocô na cabeça? Por que não pra cá? - perguntou a filha do Batman

– Gosto de altura. - respondi

– E você ruiva?

– Ah... Bem... É mais fácil esconder seus brinquedos de pegadinhas aqui.

– Tá explicado. – falei junto com Polly

Bateram na porta. E eu preguiçosamente berrei um delicado: “Tá aberta!”.

A porta se abriu, mas não apareceu ninguém, Polly se levantou e quando foi colocar a cabeça para fora do quarto, Julie a empurrou e pulou junto para a cama de casal.

Julie Romanoff Barton, filha de assassinos profissionais. Ela é um amor de pessoa! Se você amar pessoas assassinas, divas, retardadas e... Eu já disse assassina? Armas? Pra quê se ela mata com o olhar.

– Tinha que ter visto sua cara! – disse Lily rindo

– Estava tipo assim: “Oh! Vão me sequestrar! Alguém me ajude! Cadê o Homem Sereia e o Mexilhãozinho quando se precisa deles?” – completou Carol rindo encostada na porta com os óculos escuros na cabeça.

Carollyn Stark, Carol, é boba alegre até alguém lhe irritar. Parece uma mistura de Lily e Julie. Aos 14 anos seu pai lhe deu uma adaptação da antiga Mark IV, somente suas mãos. Sim, o irmão dela dá em cima da Polly. Não, nós convivemos numa boa com isso (ele repetiu um ano porque estava com preguiça de passar (?)). E os óculos escuros divos dela são um protótipo antigo de J.A.R.V.I.S. Ela também é bastante cabeça quente e explode mais rápido do que a duração da vida de um bacon perto de gordo.

Não tinha visto, mas tinha uma garota loira atrás dela.

– E você é? - perguntei descendo as escadas

– Lya Auguste. Colega de quarto da Jú e da Carol. – ela respondeu

– Por que nunca nos vimos antes? Eu sei o nome completo de todos os alunos.

– Sério? – Lya perguntou

– Ela não brinca em serviço. – disse Carol

– Correto, Carollyn Amélia Stark. – a ruiva disse

– Bom, eu só “desenvolvi” meu poder de uns tempos pra cá. – a loira disse fazendo aspas no ar, que, na minha opinião, pareciam mais dois coelhinhos.

Todas nós nos entreolhamos e falamos em uníssono: “MOS-TRA! MOS-TRA!” como criancinhas no jardim de infância.

– Tá bom.

E o cabelo dela virou ruivo, e por um instante havia duas Lilys naquele quarto.

– Irado! – disse

– Valeu, eu acho. – ela após dizer isso voltou a ser Lya. – Mas eu também viro animais.

– Jura? – Julie falou desesperada – Você consegue virar o Nico?

Polly suspirou.

– Eu deveria me sentir ofendida pelo meu irmão.

– Eu deveria estar em Vegas, baby. Mas não estou. – disse Julie brincando

– Remmember what you told me. – Lily

– Shut up and put you Money where your mouth is. –continuous Ly

– THAT’S WHAT YOU GET FOR WAKING UP IN VEGAS! –cantamos todas juntas

– Olha só que paisagem linda!

Acho que conheço essa voz... É conheço... Pollyanna pira em 3... 2.. 1!

Nos fomos até a varanda.

– E ai Howard? – disse Carol – Com quem você vai dividir seu dormitório?

– Com o Steve e com (pausa dramática) – ele olhou para os lados e disse sussurrando: – Toby Cavanaugh.

Steve Storm, é filho do Tocha Humana. O único dos irmãos que herdou os poderes do pai. Eu não sou muito próxima dele, mas ele é BFF da Lily e acho que ele gosta dela e o sentimento é recíproco. Sabe fazer malabarismo. É um cara legal. Sério no início, mas depois é a Lily em versão masculina e morena.

Toby Cavanaugh é filho do Capitão América. Já foi mandado para o reformatório, pouco se sabe sobre ele. Dizem que ele é um assassino ou pior, que quando deveria estar no reformatório, fugiu e fez aliança com super vilões. Eu não gostaria de dividir o mesmo quarto que ele. Uma amiga minha que saiu do colégio disse que ele tinha nos visto trocar de roupa. Pervertido...

– E vocês, gatas? – Stark perguntou

– Ah, eu, Polly e Nanda aqui e Carol, Ju e Ly ao lado. – Ruiva respondeu

– Ah que sorte a sua maninha.

– Por quê?

– Só tem vizinha gostosa

– Também estou com ciúme, maninho, só tem vizinho gostoso. – ela rebateu

– Eu nem disse quem eram meus vizinhos!

Ela mostrou a língua

– Black, o meu cunhado e o seu namorado, maninha.

– Desde quando você tem cunhado, Stark? – Polly disse irritada (em minha opinião; era ciúme)

– Desde que o Nico é seu irmão, linda. – e jogou um beijo de ar para ela e entrou no quarto murmurando: “Matar pessoas é ilegal, matar pessoas é ilegal...”.

Eu hein... O verão da Polly com a Julie deve ter sido longo...

– HOWARD ANTHONY POTTS STARK! EU NÃO ESTOU NAMORANDO O WEASLEY! – ela gritou furiosa para o irmão e foi para o quarto.

Sirius Black... Como descrever? Galinha, pervertido, pegador, popular, gostoso; é só isso mesmo. Você deve estar se perguntando: “Por que a Fernanda fica explicando quem é todo mundo?” Porque, meus caros telespectadores, foi o que eu e Lya ficamos conversando. Não cabem seis garotas numa varandinha!

Bom, o cunhado é o irmão da Polly e meu amigo: Nico. Ele ama McDonalds, tem um jeito emo, mas é um carinha legal. Até dois anos atrás ele e meu irmão jogavam cartas de Pokémon enquanto eu e Polly assistíamos TVD. Eu vivo dizendo pra ela que o Damon é a cara do Howard e ela vive dizendo que meus óculos estão em grau errado.

Acho que vocês já entenderam como é o futuro marido da Polly, vulgo Howard.

Fomos almoçar no refeitório.



Notas finais do capítulo

Me culpem se ficou um cocô, só relatei o que vi na escola.
Criei um ship para o Howard e a Polly: Holly!
Nome:
Apelido:
Poder:
Aparência:
Personalidade:
O que acharam? Deleto a fic?