O Lado Bom De Ser Invisível escrita por Maga Clari


Capítulo 3
Capítulo 3 - Festa do Bob




********************************************************

1º de Setembro de 1991

Querido amigo,

Eu me sinto infinito.

Não sei bem como explicar, talvez seja mesmo algo inexplicável, sabe. Se bem que qualquer coisa pode ser inexplicável se você quiser; mas não é o que eu quero. Arg, estou confuso. Minha cabeça sempre faz isso. Principalmente depois daquele bolo.

A Sam me fez um milkshake, mas acho que não resolveu muito bem, continuo com dores de cabeça e com os pensamentos à mil por hora.

Aliás, ainda não te falei sobre ela. Nem sobre o Patrick, provavelmente.

Sam é a garota mais maravilhosa de todo o planeta Terra, ou do Universo, ou sei lá, não sei direito o que pode ser maior do que isso. Se bem que comparados ao Universo, não somos nada. Somos a bosta da bosta da bosta do verme que vive lá em cima no vácuo. Será que vermes sobrevivem à gravidade? Ah, isso não importa.

O que importa é que me sinto infinito. Mais do que qualquer verme idiota que esteja à anos luz de mim.

Conheci Sam e Patrick no jogo de futebol do meu irmão, no meu primeiro dia de aula. Eles são irmãos, e estão em algumas classes comigo. Algumas eu me adiantei e outras eles estão repetindo, sabe. Eles são do terceiro ano.

Patrick e Sam são tão legais que por alguns minutos eu até me esqueci do Michael. Mas eu me sinto muito mal por isso. Ele é meu amigo, entende? Quer dizer... era. Ainda não me acostumei com isso. Ele não ia querer que eu esquecesse dele...

Eu também não gostaria de ser esquecido; mas as pessoas vivem fazendo isso, então quem se importa? Tanto faz para mim. Ou melhor, não para o velho Charlie. Porque aquele Charlie do túnel era infinito, lembra?

Ele sentiu que pela primeira vez era amado, ainda que por poucos minutos... Mas eu ainda sou o mesmo Charlie. Eu não poderia ter me dividido em dois, né? Ou será que posso? Ai, minha cabeça está martelando de novo e estou tonto, acho que esqueci como é comer. Meu estômago esqueceu do registro de DNA da comida, deve ser por isso que estou enjoado.

Eu disse que era o tal bolo.

Acho que vou vomitar. Mas quem liga pra isso? A única coisa em que não paro de pensar é que eu quero, preciso, ter aquela sensação outra vez.

Eu quero ser infinito de novo.

PS: Cheguei agora a pouco, deve ser quase quatro da manhã. Achei um envelope na entrada do meu leito do hospital, será que eu devo ler? Espera, será que foi você que mandou? Agora estou ansioso para abrir, preciso terminar essa carta logo.

Com amor,

Charlie

**********************************************************

2 de Setembro de 1991

Querido amigo,

Cansei das pessoas, cansei de tudo.

Por que essa sensação sufocante não passar nunca? Eu preciso conversar com aquele garoto, mas ele simplesmente tem medo de mim! Ou de repente pode ser nojo, repulsão, ou coisas piores.

Caramba, eu até me dei o trabalho de chamá-lo para a festa secreta e ele nem ao menos respondeu, ou sequer abriu, o envelope. Sim, eu passei pelo leito dele e a porta estava trancada; com a carta no mesmo lugar, embaixo do tapete.

Aposto que devia estar com alguma garota lá, ocupado demais para a problemática Noelle. Mas ele não é ninguém pra ficar falando isso; se bem que quem está falando sou eu, não ele. Ah, tanto faz.

Craig falou para eu deixar isso pra lá e que qualquer um que não goste de mim realmente tem problemas. Eu disse que era mentira, mas ele fez todo mundo da festa declarar sua afeição por mim. Que fofo. Haha.

Tirando o caso do garoto esquisito, a festa foi até legal. Pizza, como sempre, muita música boa e piadas. Bob colocou uma peruca loira e imitou Britney Spears, acredita? Foi totalmente hilário.

Eu queria ter uma filmadora naquele momento, mas infelizmente a vida é assim, né?

Preciso terminar de escrever, minha médica disse que vem me examinar dentro de dez minutos e eu não gostaria de saber o que aconteceria caso ela descobrisse que ainda falo com você.

Com amor,

Noelle

**********************************************************

4 de Setembro de 1991

Querido amigo,

Não posso mentir e fingir que não me decepcionei ao ler a carta. É sério, eu queria muito que tivesse sido você, o destinatário. Mas pelo visto, você é só fruto da minha imaginação, você não existe, certo? Senão, eu não guardaria essas tantas cartas no meu closet.

Mas eu queria que você realmente existisse e conversasse comigo... Deve ser legal ter amigos que ouvem e entendem de vez em quando. Se bem que Sam e Patrick têm se mostrado bem assim ultimamente. Te contei que eles são legais demais?

Agora eu passei a almoçar com eles na mesa. Chega de comer no banheiro. Adeus privada!

Falando em comida, desmaiei ontem na escola. Eles me trouxeram justamente para cá (aqui tem a ala de clínica geral também). Agora minha médica está me forçando a ingerir comida pela veia, que ótimo.

O Patrick disse que pelo menos eu não preciso aguentar a comida ruim daqui, afinal, eu não sinto o gosto! Além deles, conheci uma tal de Mary Elisabeth, ela é bem legal. E budista.

Tem também a Alice, ela rouba calças, embora eu não entenda o porquê. Ela tem dinheiro pra comprar mas... vai entender. E tem o Bob (o cara que deu a festa com o bolo que me fez passar mal. Que por sinal, descobri que não era só chocolate nele...).

Eu não gosto de julgá-los, porque não gostaria que me julgassem também. Mas o único que eu não fui com a cara foi o Craig, namorado da Sam. Eu sei que deveria estar feliz por ela, mas é difícil, sabe.

Voltando ao bilhete que recebi, era de uma tal "Noelle" me chamando para uma festa secreta de um "Bob". Mas... eu fui pra festa do Bob. Será que ela estava lá também? Me sinto mal em não ter respondido, ou pelo menos ido falar com ela. Aqui diz que ela também mora nesta clínica, vou procurá-la e pedir desculpas...

Será que eu devo? Ou melhor não? O que você acha?

Por favor, me ajuda.

Com amor,

Charlie

********************************************************





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "O Lado Bom De Ser Invisível" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.