Entre Ervas E Poções escrita por Potterhead Narniana


Capítulo 17
Capítulo 17 - Desilusões


Notas iniciais do capítulo

Olá pessoal, tudo bem com vcs?
Bom, esse capítulo era para ser o próximo, mas resolvi fazer agora. Gostaria de agradecer à Snapete pela ideia :)
Espero que gostem :)



Vários cuidados haviam sido tomados pelas semanas que se passaram, mas como nada tinha sido encontrado e não houve mais nenhum ataque, começaram a achar que a escola estava voltando a ser segura novamente. Aos poucos tudo foi voltando à normalidade. As matérias já haviam sido adiantadas e agora as aulas passavam no mesmo ritmo de sempre. Tudo estava bem, mas não para todos.

Gilderoy nunca se conformou pelo fato de Lara ter escolhido Snape. Sinceramente, ele não sabia o que Lara tinha visto em Severo, já que na visão dele Severo era feio, seboso, antipático, cínico e não tinha nem metade do charme que ele, Gilderoy Lockhart, tinha. O que a moça tinha visto de bom em Severo, ele desconhecia. Tudo bem que Snape era bem mais jovem que ele, mas de que adiantava a juventude se não havia beleza? Não, Lara não ficaria com Snape. Na visão de Lockhart, pessoas bonitas deveriam ficar com pessoas bonitas e ele já tinha um plano perfeito para separar o casal. Só precisava esperar a hora certa para colocá-lo em prática.

Um mês se passou. O inverno agora começava dar espaço para a entrada da primavera, por isso já não fazia tanto frio mais. Era uma tarde de sábado. Como não tinham aulas e já fazia um bom tempo que não se encontravam, Snape e Lara resolveram dar uma volta pelo jardim. Fazia tempo que não visitavam aquele lugar, e depois de toda a tensão sobre os assuntos que envolviam a Câmara Secreta, estar junto das flores parecia um bom lugar para relaxar. E como seus passeios geralmente eram demorados, estava aí a oportunidade perfeita para que Lockhart colocasse em prática seu plano, que já vinha sendo traçado a muito tempo.

Enquanto Lara e Severo desfrutavam de um bom passeio ao ar livre, Lockhart entrou sorrateiramente na sala de Snape. Dirigiu-se imediatamente ao estoque particular do professor, procurando um frasquinho em especial. Foi um pouco difícil encontrá-lo, mas quando o achou um sorriso malandro abriu-se em seus lábios, enquanto ele guardava o pequeno frasco no bolso de suas vestes. Agora era só esperar até a noite.

Durante o jantar, tanto os professores quanto alunos estavam totalmente distraídos em suas conversas. Todas as circunstâncias estavam indo a favor de Lockhart, que teve o cuidado de se sentar ao lado de Lara. Quando teve certeza de que todos estavam totalmente distraídos, retirou o pequeno vidrinho de seu bolso, colocando uma grande dose de amortentia no suco de abóbora de Lara. O jantar passou rapidamente e ela não havia tocado no suco. Todos os alunos se retiravam de suas mesas e dirigiam-se aos seus dormitórios, restando apenas os professores. Estes também estava conversando entre si. Enquanto Dumbledore e Snape estavam de pé a um canto conversando, Lara resolveu tomar um gole do seu suco. Quando sorveu o conteúdo do copo, sentiu uma sensação estranha, levando as mãos à cabeça.

– Está acontecendo alguma coisa? - perguntou Lockhart, fingindo inocência.

– Não, é só uma dorzinha de cabeça.

Lara estava estranhando aquela sensação dentro si e por um momento não percebeu o que estava fazendo, só se dando conta disso quando se encontrava de pé beijando Lockhart.

Quando Snape se virou e presenciou aquela cena, não sabia o que fazer. Só sentia a cólera crescendo mais e mais dentro si.

– Mas o que significa isso?! - perguntou ele com o rosto rubro de ódio - Pensei que você fosse fiel a mim. - disse ele lançando um olhar mortal à Lara.

– O que está dizendo? Eu sempre amei o Lockhart! - dizia ela.

Só faltava sair fogo pelos olhos de Snape, tamanha era a raiva e humilhação que sentia.

– Então porque me enganou durante todo esse tempo?! - vociferou ele.

Lockhart não sabia porque, talvez tivesse exagerado na dose, mas a poção deixou Lara agressiva também.

– Amar você? - disse ela dando uma risada sarcástica. - Até parece que alguém seria capaz de amar um morcego seboso, feio e imbecil feito você!

Todos observavam aquela cena perplexos. De fato, quem estavam vendo não era e nunca poderia ser a professora Haleythorn. Ela jamais agiria daquela maneira. Lockhart que durante todo esse tempo ouvia a discussão calado, com um sorriso perverso no rosto, apenas acrescentou o comentário:

– Ora, Snape, você tem que aceitar que as pessoas mudam...

Snape não disse nada. Apenas deixou cair o copo que se encontrava em sua mão e saiu da sala rapidamente.

– Severo espere! Aonde está indo? - dizia Dumbledore, se apressando para alcançá-lo.

Snape andava pelos corredores sentindo um furacão crescer em seu peito. Estava furioso, triste e sobretudo, humilhado com tudo o que acabara de ocorrer. Ao chegar em sua sala, passou o braço pela mesa derrubando tudo o que estava nela no chão. Não queria ouvir mais nada naquele momento, só queria descontar todo o ódio que sentia. Depois de destruir quase a metade de sua sala, sentou-se no chão, com as mãos apoiadas em seus joelhos. Muitas lágrimas teimavam em querer sair, mas Snape as conteve. Não choraria agora, não por Lara. Ela não merecia suas lágrimas. Agora não era hora para ser fraco. Uma enorme dor começava a atingir o seu peito.

– Severo se acalme, o que está havendo? - disse calmamente Dumbledore se aproximando do professor. Snape permanecia imóvel, com a fúria crescendo cada vez mais dentro de si. Houve um silêncio incômodo na sala. Snape lutava para controlar suas emoções.

– Ela me traiu. - disse Snape, por fim. - Como ela pôde fazer isso? Depois de tudo que eu fiz por ela!

– Severo, se acalme. Você está muito tenso.

– Eu sabia que não ia dar certo! Ela chega aqui com aquele jeito tímido, doce, delicado... vai conquistando minha confiança. Aí eu entrego meu coração para ela e é isso que ela faz: pisa, destroça, arrebenta com ele! Eu pensei que ela fosse diferente, mas não! Ela é tão podre quanto todas as outras que eu conheci. Talvez se eu tivesse deixado que as sereias acabassem com ela no Lago Negro isso não tivesse acontecido!

– Se acalme, você não sabe o que está dizendo! - disse Dumbledore repreendendo-o - Eu conheço essa moça desde que ela tinha 16 anos, ela é de ótima família e nunca faria uma coisa dessas. Deve estar havendo alguma coisa.

Mas Snape se recusava a ouvir.

– Como não, Alvo? Como não?! Você mesmo acabou de ver o que aconteceu! Mas é bom que isso aconteça, é bom para eu parar de ser burro! De ser idiota! Para eu parar de me deixar levar por qualquer sorriso doce! - agora Snape não conseguia mais conter suas lágrimas - Ela é uma cobra, uma serpente, uma ordinária!

Dumbledore tentou acalmar Snape, mas percebeu que seus argumentos não valeriam nada num momento como aquele. A única coisa que pôde fazer, foi envolver Snape num abraço confortador e permitir que ele derramasse em seu ombro as suas lágrimas.



Notas finais do capítulo

Bom, espero que tenham gostado.
Só peço que não culpem a Lara, afinal ela agiu assim porque estava dopada pela poção. Culpem o Lockhart rsrsrsr
Bom, por enquanto é só
Comentem por favor
bjss e até a próxima :)