Caminho do Ninja Amador: missão 02. Meta 02 (Parte III): pontuação (II): vírgula.
Postado por NR

Olá, queridos!

 

Quanto tempo, não é? Passadas as Olimpíadas, assistindo a cerimônia de encerramento, ficamos com aquele sabor amargo na boca, pensando em como o nosso país parece não se importar em investir no nosso esporte. Triste demais, porém eu precisava fazer este comentário. Bem, mas agora é hora de voltar aos estudos, certo? 

Vejamos, nesta aula serão vistos mais alguns tópicos sobre o uso da vírgula, acreditamos que essa seja a última aula sobre a vírgula e assim poderemos partir para uma nova missão. Sem mais delongas, vamos lá!



Caminho do ninja amador. Missão 02. Meta 02:
Dominar a vírgula (final)




Usaremos a vírgula para:


separar orações intercaladas


Relembrando: oração é uma construção gramatical que se organiza ao redor de um verbo.


Exemplo:


O importante, insistiam os Cavaleiros de Ouro, era a segurança do Santuário.
 oração 1                                    oração 2

 

Observe que nas orações destacadas existem verbos.

Basicamente é isto, ou seja, identificamos os verbos para saber quantas orações existem no período e depois, devemos separá-las, intercalando-as, usando a vírgula.

Vamos também utilizar a vírgula:



para separar orações coordenadas assindéticas

 

Orações coordenadas são aquelas que, no período, não exercem função sintática umas em relação às outras. Quando não vêm introduzidas por conjunção (e, mas, etc...) recebem o nome de coordenadas assindéticas. Nesse caso, as orações estarão justapostas (uma do lado da outra) e a conexão entre elas será dada por uma pausa, representada na escrita, por sinal de pontuação.


Por exemplo:

O tempo não para no porto, não apita na curva, não espera ninguém.


OBSERVAÇÃO: o verbo para não recebe mais o acento agudo depois da reforma ortográfica.

Até aqui, dúvidas? Não? Continuando...


para separar orações coordenadas adversativas, conclusivas, explicativas e algumas orações alternativas


Aqui as orações são coordenadas sindéticas e precisam de conjunções ligando-as. Dependendo da conjunção, a oração será classificada em adversativa, conclusiva, explicativa, alternativa ou aditiva, mas nos foquemos nos quatro primeiros tipos.

Exemplos:

Esforçou-se muito, porém não conseguiu o prêmio.  (adversativa)
Vá devagar, que o caminho é perigoso. (explicativa)
Estuda muito, pois será recompensado.  (conclusiva)
As pessoas ora dançavam, ora ouviam música.  (alternativa)



ATENÇÃO

Embora a conjunção e seja aditiva, há três casos em que se usa a vírgula antes de sua ocorrência:

1) Quando as orações coordenadas tiverem sujeitos diferentes.
Por exemplo:


Goku comeu todo o arroz, e ChiChi protestou.


Neste caso, Goku é sujeito de comeu, e ChiChi é sujeito de protestou.



2) Quando a conjunção e vier repetida com a finalidade de dar ênfase (polissíndeto).
Por exemplo:


E chora, e ri, e grita, e pula de alegria.



3) Quando a conjunção e assumir valores distintos que não seja da adição (adversidade, consequência, etc...).

Por exemplo:


Coitado! Treinou muito, e ainda assim não venceu o torneio.




A vírgula será usada, ainda:
 
para separar orações subordinadas substantivas e adverbiais, sobretudo quando vêm antes da principal

Relembrando: toda oração que exerce função sintática em relação a outra denomina-se oração subordinada.


Por exemplo:

Quem tentou matar Saori, todos queriam descobrir.
Quando voltei, lembrei que precisava estudar para a prova.


E, por fim, utilizaremos a vírgula:

para isolar as orações subordinadas adjetivas explicativas

Esse tópico foi bastante pedido e comentado, aqui está a explicação:

Relembrando: a oração subordinada adjetiva exerce a função sintática de adjunto adnominal, própria do adjetivo.


Observe a diferença entre a oração subordinada adjetiva restritiva e a explicativa:

O homem que fuma vive menos.


Aqui a oração é restritiva, sem vírgula, restringindo o significado. Não abrange todos os homens, mas apenas aqueles que fumam, esses e apenas esses.

Agora observe o mesmo exemplo com vírgula:

O homem, que fuma, vive menos.

Aqui a oração é explicativa, a significação não se restringe só ao homem que fuma, mas a todos da espécie. Claro que nem todos os homens fumam, foi apenas um exemplo estranho.


O que deve ser observado é que a oração subordinada adjetiva explicativa não restringe informações, mas, sim, acrescenta uma característica própria de quem ou do que se diz. No texto escrito, é obrigatoriamente separada da principal por sinal de pontuação.


Por exemplo:

A incrível professora, que ainda estava na faculdade, dominava todo o conteúdo.


Aqui fica bem fácil de observar o que foi explicado acima, no exemplo, a característica da professora é explicada, usando-se vírgula no período.



Resumindo, usamos vírgula para:



-separar orações intercaladas: O importante, insistiam os Cavaleiros de Ouro, era a segurança do Santuário.
-para separar orações coordenadas assindéticas: O tempo não para no porto, não apita na curva, não espera ninguém.
-para separar orações coordenadas adversativas, conclusivas, explicativas e algumas orações alternativas: Esforçou-se muito, porém não conseguiu o prêmio.  (adversativa)  
Vá devagar, que o caminho é perigoso. (explicativa)   
Estuda muito, pois será recompensado.  (conclusiva)   
As pessoas ora dançavam, ora ouviam música.  (alternativa)
- diante da conjunção e: 1) Quando as orações coordenadas tiverem sujeitos diferentes.
 
Goku comeu todo o arroz, e ChiChi protestou.
2) Quando a conjunção e vier repetida com a finalidade de dar ênfase (polissíndeto).
E chora, e ri, e grita, e pula de alegria.
3) Quando a conjunção e assumir valores distintos que não seja da adição (adversidade, consequência, por exemplo). Coitado! Treinou muito, e ainda assim não foi venceu o torneio.
-para separar orações subordinadas substantivas e adverbiais, sobretudo quando vêm antes da principal: Quem tentou matar Saori, todos queriam descobrir.
-para isolar as orações subordinadas adjetivas explicativas: A incrível professora, que ainda estava na faculdade, dominava todo o conteúdo.



Bem, por hoje é só! Esperamos que a aula tenha sido esclarecedora. Aguardamos comentários, críticas e sugestões, sintam-se à vontade para opinar. Vamos ficando por aqui nessa missão, até breve.

Lady Salieri e Nah Rangel.


Comentários

Koyuki

25/12/2015 às 20:53

Pô, essa foi tenso haha. Muito termo que não lembro mais o que é...essas orações subordinadass ad...blábláblá. xD Mas Aula boa como tem sido até aqui =).



amanda

09/05/2015 às 19:19

Aula excelente, estou aprendendo muito.



Peegakat

08/02/2015 às 16:39

Olá =D

Eu gosto muito dessas aulas, elas são muito esclarecedoras para ninjas noobs que nem eu rsrs. Mas eu continuo com uma dúvida chatinha e vou escrever ela aqui jájá, apesar de não saber se vão responder ela pelos comentários ou não.

Enfim, a dúvida é:

Vocês falaram que usamos a vírgula para isolar as orações subordinadas adjetivas explicativas, e é exatamente aí que eu me enrolo na hora de escrever. Nos dois exemplos que foram escritos, a oração isolada começa em ''que''. Por isso eu não tenho certeza se posso escrever, por exemplo:

''A manchete vinha acompanhada de uma foto da noiva, uma mulher esbelta com ar de sofisticação chamada Juju'' em vez de ''[...]foto da noiva, que era uma mulher esbelta[...]''

De qualquer forma, obrigada pela aula!!



Luu Fernandes

30/03/2013 às 21:39

Mais um assunto vencido! Muito obrigada mais uma vez pela ótima aula, senpais! >.



Martha123455

27/10/2012 às 19:21

Apesar de ser a primeira vez que vou comentar, eu li todas as aulas até agora (todas hoje), e acho bastante interessantes e esclarecedoras! Pff continuem o bom trabalho!!



Letícia Silveira

23/08/2012 às 19:17

Oi, amoras (:

Well, vim encher o saco de vocês novamente. Mas eu, realmente, amo português e tenho muitas curiosidades a serem esclarescidas sobre a língua. Hoje mesmo descobri o porquê de José Alencar escrever sempre "importuno" em vez de "inoportuno". Por exemplo, "o dia foi importuno". Achei muito estranho e tive de consultar o meu primo que cursa Letras.

Mas, enfim, vim aqui falar sobre a matéria, não é? Bem, iniciaremos com uma perguntinha básica que eu tenho. Eu aprendi que nós assistimos a algo quando observamos e que assistimos algo quando ajudamos. Então, nessa frase, não haveria crase"Passadas as Olimpíadas, assistindo à cerimônia de encerramento" Caso não haja, por que seria? Não estou as contrariando, quero apenas esclarescer a minha mente confusa. 

Depois, eu não conseguiria classificar essa oração adversativa em causal, temporal, modal, comparativa, concessiva, consecutiva, etc. "Quem tentou matar Saori, todos queriam descobrir." Eu interpretaria a oração que inicia com "quem" como objetiva direta, então gostaria apenas de esclarescer o que ela realmente é, uma vez que eu não consigo classificá-la.

E uma dúvida que eu tenho: eu sei que as modais sempre são antecidas de vírgula (e, aqui, quero dizer quando as orações não estão deslocadas), mas e as causais? Eu devo antecedê-las com vírgulas? Por exemplo, na oração em itálico. Ela não está deslocada ou antecedida por uma oração adverbial para ser separada por vírgula. Devo colocá-la ou não?

Pergunto isso, porque, na minha última redação, errei essa vírgula. O corretor colocou-a ali, mas eu não entendi, pois, quando aprendi, disseram-me que apenas a modal tinha. 

Bem, acho que estou atecedendo-me demais. Desculpe por ser tão chata, tão irritante e tão inútil. hehe Beijão, obrigada pela paciência!



Ningen Judger

23/08/2012 às 16:11

U.U Embora eu esteja precisando do caminho do Ninja Supremo, vou ter de esperar... Mas a intenção de vocês é boa, então... Sem reclamações, continuem com o bom trabalho!



Kaoru Slytherin

17/08/2012 às 23:04

Adorei esta aula, foi realmente esclarecedora. Tirei muitas dúvidas quanto ao uso da vírgula, e acho que com um pouco de prática conseguirei dominá-la por completo (aliás, estou empregando-a corretamente aqui?). Muito obrigada por terem assumido essa seção tão importante do site, estão fazendo um trabalho incrível! Agora, só me resta aguardar a próxima aula. Tchauzinho! o/ PS.: Me ocorreu uma ideia doida, mas não sei se devo encaminhá-la à administração. Muitas pessoas acabam deixando de acompanhar as aulas por não lembrar de conferir a seção, mesmo que os intervalos de postagem sejam regulares. Por que não notificar ao usuário sobre as postagens das aulas através da página de Atualizações, ou em uma região de destaque na página inicial? No primeiro caso, acho que seria melhor que o usuário notificasse se quer ou não ser avisado sobre as aulas. O que acham da ideia?