Dont

Autor(es): Tamy Black


Sinopse

Ela o amava, mais do que como um simples amigo. Mas, ele a amava também... Só que não da mesma forma que ela o amava. Será que Bella esqueceria sua amizade de berço para alcançar o coração de Edward não somente como amiga e sim como "mulher"?




(Cap. 11) Furiosa

No capítulo anterior:


Ele se levantara e olhara para trás de mim, eu olhei para onde ele olhava e vi Anne no meu encalço, ela veio ver afinal? Pensou que eu não iria ter coragem querida? Voltei minha atenção para Edward e respirei fundo, mas antes que eu dissesse alguma coisa, ele falara:

 

– Já sei de tudo, Bella.

 

–x-

 

WOOW. O que seria esse tudo? Será que ela lhe contou a verdade?

 

– Então, você já sabe que a Anne está te traindo? – arrisquei.

– Como você pode dizer uma coisa dessas, Isabella? – ok, ok... Ele me chamou pelo nome, ele nunca me chama pelo nome!

– Como é? – perguntei.

– Eu já sei que você viria fazer um pequeno inferno na minha relação com a Anne, Isabella. – ele disse, sério.

– Hein?! – indaguei, incrédula.

– Isso mesmo que você ouviu e não faça essa cara de espanto, você não sabe mentir. – disse, ríspido.

– Edward, está havendo um equívoco aqui. – respirei fundo, Anne já estava ao lado dele e me olhava, como se me desafiasse – Eu vi a sua namorada te traindo na festa com o Mike Newton, você prefere acreditar nela a mim? – o indaguei.

– Isabella, você é uma mentirosa, cínica e hipócrita. – ele disse isso, como se não me conhecesse mais, como se eu fosse alguém diferente.

– Edward, como você pode dizer isso? – perguntei, aflita.

– Simples Isabella. – ele me mostrou o meu caderno de composições e eu estaquei.

 

Anne Gilmore tinha encontrado o meu caderno na aula de biologia e mostrado ao Edward, convertendo toda a história ao favor dela, estava mais do que claro isso.

 

– Ed-Edward... – gaguejei – Eu posso explicar... – e já estava sentindo as lágrimas transbordarem os meus olhos.

– Não precisa me explicar nada Isabella, eu já sei de tudo, como já disse. – olhou-me com desprezo – Anne me disse várias vezes que você gostava de mim e eu nunca acreditei, por pensar que você era minha amiga... – disse, com sua voz ainda ríspida – Mas, depois de ler suas belíssimas composições... – riu com escárnio – E depois de ver você tentar fazer com que eu acreditasse nessa idiotice de traição da Anne... – riu mais uma vez – Como você é tola, Bella. – debochara e eu já estava chorando.

– Sim, sua namorada estava certa, Cullen. – disse, limpando as lágrimas e ele me olhava sério, e a vadia da namorada dele também – Eu realmente o amei, por vários anos... Mas, eu prezava muito a nossa amizade, sempre a achei mais importante do que tudo no mundo... Só que se você quer se iludir com essa aí. – apontei para a loira vagaba – O problema é todinho seu. – disse, sorrindo cínica.

– Nunca pensei que você pudesse ser capaz de uma coisa dessas Bella. – ele disse, ainda acreditava na cobra, que simplesmente sorria de tudo.

– Eu nunca fui capaz disso, Edward. – eu ri, sem humor – Você que é cego, e eu nunca quis você pra mim. Você era o meu amigo acima de tudo, Edward.

– Bella, você é uma mentirosa. – ele disse, já irritado.

– Ok... – suspirei – Acredite no quiser. – e me virei para sair, mas ele me puxou.

– Eu só quero pedir uma coisinha a você, Isabella. – ele disse, quando nossos corpos se chocaram de modo brusco ao me virar.

– O que? – murmurei, encarando seus orbes verdes cintilando de raiva.

– SUMA DA MINHA VIDA PRA SEMPRE! – Edward gritara em alto e bom som, senti meus olhos marejarem, mas eu não ia chorar, não de novo.

 

Desvencilhei-me de seus braços e com minha visão periférica dei uma olhada ao nosso redor, já tínhamos formado uma platéia. Maravilha! Então, vamos ao espetáculo.

 

– Com um imenso PRAZER! – berrei a última palavra e me virei para sair.

 

Mas, senti algo chocar nas minhas costas, quando me virei e olhei para ver o que tinha me atingido, desci meu olhar pro chão e vi meu caderno de composições jogado aos meus pés. Anne Vadia Gilmore o jogara em mim, percebi pelo sorriso diabólico que dançava em seus lábios. Diz que ela não fez isso...

 

– Você esqueceu isso, queridinha. – ela disse.

 

Ela pediu cara, não, melhor, ela estava pedindo. Não pensei duas vezes, o ódio e a raiva já tinham me consumido por inteira, e avancei sobre ela, mas não cheguei a tocá-la, alguém me impedia de estrangular aquela loira dos infernos!

 

– Bella, não faça nada! – reconheci o dono da voz, era o Dan.

– Não vale à pena, Bells. – agora era Alice.

– Eu não a reconheço mais. – disse Edward, me olhando tristemente.

 

AAAAH! COMO EU QUERIA QUEBRAR A CARA DELE!

 

Eu sentia a fúria emanar por todos os poros do meu corpo.

 

– Eu que não conheço você, Cullen! – esbravejei – Um simples cachorrinho idiota, um pamonha, sem opinião... O meu maior erro foi ter amado você! E essa sua atitude de agora, demonstrou o que a sua irmã sempre me dizia: que era errado eu amar você e agora eu entendo o porquê! Você não tem opiniões próprias, Edward Cullen, não sabe nem quem é a própria namorada... – disse, sarcasticamente – Mas quem sou eu para dizer algo, não é? Pois, eu sou a mentirosa e a hipócrita. – debochei e me desvencilhei dos braços de Dan.

 

Peguei meu caderno de composições do chão e saí do pátio da escola bufando de raiva. Entrei no banheiro feminino e assim que me olhei no espelho, senti as grossas lágrimas que já caíam por minha face. Assustei quando vi o reflexo da minha melhor amiga com cara de enterro atrás de mim.

 

– Oh Bells... – ela murmurara e eu me virei para ficar de frente para ela.

– Não diga nada Allie, só me abraça. – pedi, num sussurro.

 

Ela viera ao meu encontro e assim que minha baixinha me abraçar eu comecei a soluçar fortemente. Era como se as minhas lágrimas estivessem lavando a minha alma. Chorei por vários minutos, até que escutei o sinal indicando que o intervalo tinha terminado tocar. Alice ajudara a me recompor e logo já estava assistindo as aulas restantes do dia.

 

O dia se passara arrastado e praticamente a escola inteira já estava sabendo da minha discussão com o idiota do Cullen. Mas no momento eu não sabia o que sentir, era uma mistura de raiva e ódio, com uma fúria inigualável dentro de mim. Além da dor que parecia que iria rasgar o meu peito a qualquer momento, eu só queria ir pra casa e dormir à tarde inteira.

 

E graças aos céus o sinal indicando o final das aulas tocara, peguei minhas coisas rapidamente e fui como uma bala para o meu carro. Para a minha infelicidade o Volvo do Cullen estava ao lado do meu Crossfox, era um pedido para eu morrer, não era? E para fechar com chave de ouro o meu brilhante dia, ele estava encostado no carro de maneira altamente displicente, sua namorada vadia estava logo atrás de mim, suspirei pesadamente e destravei o alarme do meu carro, senti o seu olhar queimando sob mim, sabia que ele me olhava, mas ele não pediu que eu sumisse da vida dele?

 

Joguei minhas coisas no banco do passageiro e sentei no banco do motorista, bati a porta do meu carro com força e liguei o som no máximo, tocava Breakin’ Dishes da Rihanna, música muito propícia. Arranquei com o carro, dando um belíssimo cavalo de pau para sair da minha vaga, eu estava com tanta raiva que nem liguei que era filha do chefe de polícia da cidade. Que se dane!

 

Pisei fundo no acelerador e em questão de minutos cheguei a minha casa, minha saíra na porta de casa, se assustara com o volume altíssimo do meu som. Ela me olhara estranhamente, eu peguei minhas coisas, desliguei o som e travei o carro. Minha mãe me deu passagem e eu praticamente corri pra dentro de casa.

 

– Bella! Olha o que eu fiz... – era minha irmã, me abordando.

– Agora não Sophia! – pedi, ríspida.

 

Cry – Kelly Clarkson

 

Subi as escadas correndo e bati a porta do meu quarto com extrema força, assim que adentrei o mesmo. Não pude evitar as lágrimas que já escorriam pelos meus olhos, era muita dor. Ele não podia ter feito aquilo... Ter acreditado nela...

 

Tirei o meu caderno de composições da mochila e com fúria, arranquei todas as músicas que compus para ele. As lágrimas já jorravam como água do chuveiro, eu queria sumir. Mas, infelizmente, eu não podia.

 

Fui para o meu banheiro e tirei as roupas com pressa, liguei o chuveiro, não me importando se água estava fria ou quente, deixei que ela escorresse pelo meu corpo, numa tentativa dela esvair a dor que eu sentia no momento...

 

Ainda chorando, saí do banho e coloquei uma roupa folgada. Joguei-me na minha cama e peguei meu celular, tinha seis chamadas não atendidas: quatro da Alice e duas do Dan. Fui para a pasta de fotos do celular e vi as milhares de fotos que eu tinha com o Edward. Como eu pude me iludir dessa maneira? Amar uma pessoa que nunca seria minha, nunca... Nem que eu quisesse. Suspirei frustrada e larguei o aparelho do lado.

 

Chorei, chorei mais ainda do que já havia chorado. Não sei por quanto tempo fiquei jogada na minha cama. De repente, senti a cama afundar ao meu lado, nem me dei o trabalho de ver quem era que estava ali. Só senti duas mãos extremamente pequenas acariciando meus cabelos, era a minha irmãzinha.

 

– O que foi Bells? – ela perguntou.

– Nada Soph. – eu disse, ainda com a voz embargada.

– Como nada Bells? – ela disse, irritadiça – Você chega extremamente irritada da escola, passa o dia trancada no quarto e não é nada?

– É Soph, me deixa. – pedi.

– Não Bella, sou sua irmã e mesmo você não querendo me dizer, vou ficar do seu lado. – ela disse, toda fofa.

 

Eu sorri entre as lágrimas e ela ficara deitada do meu lado, acariciando os meus cabelos. Ficamos assim por alguns minutos até minha mãe adentrar o meu quarto.

 

– Bella, sei que você não está bem e depois conversaremos sobre isso, mas tem alguém lá embaixo que quer ver você. – ela disse, sorrindo.

– Não quero ver ninguém. – disse, emburrada.

– Bella, não seja malcriada. – disse, mandona – Desça agora e você também, Sophia.

 

Eu bufei irritada e me levantei da cama a contragosto. Sophia e eu descemos as escadas, quando já estávamos próximas do chão, Sophia saltou os dois lances de escadas e correra até a garota de cabelos castanhos e belos olhos azuis.

 

Era minha prima, Megan Caroline Swan, fazia dois anos que eu não a via. Desde quando ela e o tio Marcus – irmão do meu pai - saíram de Forks para irem morar em Phoenix. Pois a tia Caroline, mãe da Meg, morrera de câncer de mama no hospital daqui de Forks. Foi uma época triste para eles, ainda mais que a Meg é filha única.

 

– MEEEG! – eu gritei e fui ao encontro dela, me jogando em seus ombros.

– BEEEELLS! – ela gritou também.

 

E ficamos pulando feito duas retardadas no meio da sala. O que foi motivo de risada dos meus pais, meu tio e minha irmã. Lembro de quando éramos as inseparáveis: eu, Meg e Alice, tempos bons...

 

– Caramba! O que você veio fazer aqui? – perguntei.

– Eu e meu pai decidimos voltar a Forks. – ela disse, sorridente.

 

E foi mais uma gritaria. Ficamos pulando novamente, Alice iria amar essa notícia. Por um momento, eu esqueci a dor que eu estava sentindo, liguei para a minha amiga baixinha, que viera logo aqui. E foi mais um show de gritos, ficamos as três pulando e rindo feito hienas na frente da minha casa.

 

Convidei as duas para dormirem aqui em casa, tio Marcus deixou e Alice praticamente morava comigo, contei as novidades para Meg e ela foi mais uma que brigou comigo por saber que eu ainda amava o Cullen. Contei a ela sobre o Dan e ela achou o máximo isso, disse que a apresentaria a ele amanhã. Conversando com as garotas, eu decidi mudar.

 

Decidi deixar de ser a Bella boazinha e ingênua, para ser uma nova Bella... Estava na hora de crescer e ser notada.

 

–x-

 

N/A: HEEEELLO AMOREES! *-* Gente, eu sei que o Edward foi CRUEL com a Bella, mas ele ainda vai se arrepender amargamente. E sinceramente falando, eu não via a hora de escrever esse capítulo, quando a fic me veio na cabeça tinha essa discussão e eu estava mega empolgada para ela, o que acharam? Podem matar a vaca da Anne e trucidar o Edward! *risos*

 

E temos mais uma nova personagem na área, é a Meg, ela é prima da Bella, ela vai ajudar a Bella em muitos aspectos e vai ter um romance com alguém... Alguém se habilita a dizer quem será o cara que ela vai ser apaixonar? *procura* É fácil, fácil... Bom, para o próximo capítulo preparem-se para conhecer a mais nova Isabella Swan. Com direito a ironia e salto alto. *piscadela*

 

Espero que tenham gostado do capítulo tanto quanto eu!

 

Beijos e beijos,

Tamy B.





Todas as histórias são de responsabilidade de seus respectivos autores. Não nos responsabilizamos pelo material postado.
História arquivada em https://fanfiction.com.br/historia/43667/Dont/