This Is My Gang! escrita por Metal_Will


Capítulo 6
Capítulo 06




Capítulo 06 - A garota da biblioteca

 

- Vai logo, Digão! Escolhe um! A gente precisa jogar!

 

- Eu...estou tentando...

 

Contextualizando...estava na pior aula de todas: Educação Física! E, como não poderia deixar de ser, era um dos últimos a ser escolhido para o time no jogo de futebol. Como eu odiava aquilo. Só havia uma coisa de diferente. A outra pessoa que também não havia sido escolhida: Wilson Abadias. Aquele cara mantinha o sorriso e animação de sempre. Já o capitão que deveria escolher um de nós dois estava em pleno conflito mental.

 

- Não dá, cara. Não consigo decidir...não sei qual deles é o pior!

 

"Como eu odeio essa aula!", pensei, enquanto Wilson sorria para mim.

 

- Incrível, não é, Daniel? Somos parecidos até em nossas habilidades! Ele nem consegue decidir qual de nós dois levar!

 

- Escolhe logo um! Anda logo! - diziam os outros moleques.

 

- Aaah..não sei...estou com medo do cara novo ser ainda pior que o Wilson, mas...é humanamente impossível ser pior do que ele

 

- Aaaah!!! Eu não tenho o dia inteiro! - esbraveja o professor - Wilson vai para esse time e Daniel para o outro. Fim de papo!

 

Pronto. Éramos adversários no futebol, só isso. Mas Wilson pareceu animado com a ideia.

 

- Ei, Daniel - diz Wilson, me chamando baixinho.

 

- Hã?

 

- Vamos disputar para ver quem atrapalha mais o time?

 

- O que?!

 

- Façam isso se quiserem morrer! - grita Dimas, um dos caras que colocou catchup na nossa comida outro dia - Era só o que faltava..esses nerds só servem para atrapalhar nossa vida. Babacas!

 

- Era brincadeira, Dimas! Hehe!

 

- Cala a boca e vê se pelo menos não atrapalha! Vai, o jogo já vai começar! - ele grita, mudando o tom de zuador para furioso mesmo. Incrível como futebol deixa as pessoas estressadas. Wilson e eu corríamos para lados opostos, sempre fugindo da bola e conseguimos sobreviver mais ou menos ao jogo. Meu primeiro jogo na Megatec...até que não foi dos piores.

 

- Você consegue ser tão ruim quanto o Wilson, heim, cara noo? - diz Digão, o capitão do meu time, me encarando feio - Fora o azar de ter os caras bons no outro time...caramba, vai ser ruim assim no inferno!

 

- Relaxa, Daniel! Até que foi divertido ficar correndo da bola!

 

- Essa é a parte mais cansativa...se ao menos pudéssemos ficar parados, mas se a boa vier na nossa direção aí que pode ficar pior ainda!

 

- Sei como é, mas, anime-se! Nossa gangue está crescendo, não é?

 

É verdade. Tínhamos uma nova integrante na nossa equipe. Sabe-se lá porque uma garota popular acabou aceitando entrar nessa furada. Na hora do intervalo, nos encontramos com ela.

 

- E aí, gente? - diz Demi, nos cumprimentando na hora do intervalo. A sala dela era perto da nossa e Jorjão também já havia nos encontrado - Até que foi legal fazer a limpeza ontem, né? Pena que não pude ficar muito tempo

 

- Não é? Vamos ser os melhores nisso! - diz Wilson, claramente animado.

 

- E aí? O que temos para hoje? - pergunta Jorjão

 

- Já que não o café não deu muito certo...hoje vamos tentar suco de acerola!

 

- Suco...de acerola? - perguntei.

 

- Mas não qualquer suco..é o suco que a minha mãe fez! Vamos oferecer algumas amostras grátis e conquistar mais pessoas!

 

- Seria mais lucrativo vender o suco, não? - pergunta Demi

 

- Mas aí não conseguiríamos a simpatia dos alunos! Primeiro, precisamos mostrar que somos caras legais! O que é mais legal do que distribuir suco?

 

- Bem, se você diz... - não adiantava discutir muito.

 

- Certo! Vamos nessa!

 

- Ei - chamei Demi, enquanto descíamos as escadas - Você não precisa continuar com isso se não quiser...você disse que queria uma vida normal, não é?

 

- Eu disse isso, mas.. - ela faz uma pausa, respira fundo e continua - É mais divertido andar com vocês do que tentar ser normal sozinha

 

- Com todos aqueles caras atrás de você não acho que ficaria sozinha

 

- Sou uma sozinha na multidão - ela diz - Eles só querem tirar um pedaço de mim, não são amigos de verdade. Mas vocês...não parecem ligar a mínima por eu ser uma cantora modelo mirim. Achei isso legal!

 

Talvez porque nenhum de nós entendia alguma coisa de cultura adolescente além dos video-games, mas, de qualquer forma, se Demi queria mesmo ficar com a gente, não sou eu que ia reclamar. Era a primeira vez que conversava tanto com uma menina. 

 

Enfim, chegamos a nossa base secreta, mas parecia..fechada? Wilson abre a porta com a sua chave, mas a tia da limpeza estava ali. 

 

- Desculpa, gente...estamos arrumando aqui - ela diz.

 

- Arrumando a sala da limpeza? - pergunta Wilson - Mas..

 

- É claro. Aqui também precisa de uma arrumação de vez em quando. Tem até umas cadeiras e papeis de bala aqui. Quem chupa bala na sala de limpeza?

 

Olhamos para Jorjão, que só dá um sorriso amarelo. Parece que aquilo ia demorar, mas Wilson sempre tinha um plano B.

 

- Calma, gente. Ainda podemos ir para nosso lugar de sempre

 

- O canto dos nerds? - perguntei.

 

- É! Lá não é tão seguro quanto a salinha da limpeza, mas dá para sobreviver

 

- Canto dos nerds? - pergunta Demi

 

- É só o lugar mais desconfortável do pátio. Tem umas árvores atrapalhando e um banco de cimento que fica pinicando a sua bunda, mas ninguém enche muito o saco por lá

 

- Ah...entendi - ela murmura. Duvido que essa aí fique muito tempo com a gente, mas..ela continuou nos acompanhando.

 

- Desculpa, gente. Estamos arrumando as árvores aqui - diz o jardineiro, que, realmente, estava com mais uns dois caras, plantando novas árvores ou coisa do gênero - Vão brincar pra lá, vão

 

- Que coisa...não temos mais lugar nenhum para ficar - reclama Wilson

 

- E agora? - pergunta Demi.

 

- Calma, gente...ainda tenho uma última carta na manga. Sigam-me! - ele diz, mas não sem antes de dar umas últimas palavras para os jardineiros - Err...querem suco de acerola?

 

- Opa. Obrigado, garoto!

 

Seguimos Wilson. Ele não quis falar para onde estava nos levando, mas parece que Jorjão conhecia.

 

- Ah, aquele lugar...acho que sei onde é - ele diz.

 

- Pois é. Aqui! - diz Wilson, apontando para a porta da biblioteca da escola

 

- A...biblioteca da escola? - perguntei.

 

- Vocês não conhecem aqui ainda, né? É um lugar calmo, mas não podemos falar muito. Bem, nunca cheguei a passar o recreio aqui, mas imagino que seja um local seguro para a gente

 

Espera...ele disse recreio de novo?

 

- Biblioteca, é? - comenta Demi - Legal...sempre gostei de ler

 

- Será que eles tem histórias em quadrinhos aqui? - questionei. Wilson responde que sim.

 

- É um ótimo lugar...embora a gente não possa conversar, mas acho que não tem problema ficar aqui por hoje, né?

 

- Para mim está ótimo! - Demi sorri. Eu suspiro e dou de ombros. Não tinha muito o que fazer. Entramos no local com cuidado. Wilson (que já conhecia a tia da biblioteca) oferece um pouco de suco a ela e, depois disso, procuramos alguma coisa para ler. O local estava muito vazio e a única pessoa que estava ali, lendo um livro tranquilamente, era uma menina de cabelos castanhos lisos e curtinhos. Usava óculos grandes e tinha um olhar sério, mas de perto até que era bonitinha. Bem, já que não podíamos falar muito, peguei um mangá que não tive a oportunidade (e dinheiro) para começar a colecionar e comecei a ler. Wilson logo se empolga.

 

- Uau! Adoro essa história! Muito boa! - ele diz, se exaltando um pouco.

 

- Shhh! É uma biblioteca! - Demi chama a atenção.

 

- Ops, foi mal...me empolguei um pouco..hehe - quando que ele não se empolga - ..mas o Daniel também curte os mesmos gêneros que a gente, heim, Jorjão? 

 

- Pois é. - Jorjão concorda, interessado em um livro de piadas leves que arrumou - Hahahuahha! Vocês precisam ler isso aqui...

 

- O que? - Wilson pergunta.

 

- Dois patos e um pintinho estava conversando. O primeiro pato diz "Quá". Logo depois, o segundo pato diz "Quá". No fim, o pintinho diz "Piu!". Os patos se olham e um deles diz ao pintinho: "Pô, cara. Não muda de assunto!"

 

Preferia ter passado a minha vida sem ter ouvido aquela, mas Wilson parece ter um senso de humor bem vasto. Demi olha com um sorriso amarelo, interrompendo a leitura de sua revista de música, mas Wilson continuava a rir.

 

- Hahuahauhaha! Esses caras inventam cada uma!

 

- Sshh! Wilson! Vamos ser expulsos desse jeito! - bronqueie em voz baixa.

 

- Foi mal, vamos ficar quietos agora

 

- Com licença - diz a garota de óculos de olhar sério da outra mesa, se aproximando da gente

 

- Que susto! - Wilson se espanta, quase caindo para trás. De fato, nem vimos ela chegar.

 

- Desculpe...vamos falar mais baixo - diz Demi. A garota não expressa muita emoção, apenas continuando a falar.

 

- Não se preocupem, na verdade...fiquei curiosa com o fato de vocês passarem o intervalo na biblioteca...parece que não são pessoas muito comuns

 

- Como assim? - perguntei.

 

- Bem, desde o ano passado, quando entrei nessa escola, passei todos os intervalos das aulas na biblioteca e nunca sequer vi alguém por aqui

 

- É que...não tinhamos nenhum lugar seguro para ficar - diz Wilson

 

- Entendo...também só me sinto segura por aqui - ela diz, olhando para baixo, sem mudar a expressão.

 

- Pois é - comenta Wilson, já emendando assunto, com uma capacidade de socialização absurda - Na verdade, todos nós somos um grupo de alunos rejeitados que procura apenas um lugar ao Sol nesse colégio cruel. Você não sabe o que é ser diferente dos descolados que andam por aí!

 

- Sei bem o que é - ela responde - Afinal, fico na biblioteca justamente para não precisar perder meu tempo com caras como eles

 

- Sério? - perguntei, já percebendo que a menina não era lá tão boazinha assim. Ela pega um pedaço de papel e uma caneta e desenha um tipo de triângulo. Nisso, ela começa a falar.

 

- Como sabem...nossa escola é dividida em diferentes grupos. A pirâmide social é mais ou menos assim...professores, diretores e funcionários no topo, indicando os únicos que conquistam respeito naturalmente, mas como raramente eles convivem com os alunos, nem precisaríamos incluir; depois, logo em baixo, temos os playboys e patricinhas que conquistam amizades e respeito pelo poder financeiro, o que mostra o domínio do capitalismo na comunidade estudantil. Logo abaixo, temos os atletas e artistas, que conquistam a popularidade pelas habilidades, seja nos esportes ou na música. Depois disso, temos os estudiosos, que são bons nos estudos, mas se rendem aos gostos dos tipos acima. Por último, bem lá no fundo, estão os nerds, que, embora sejam bons nos estudos, não se renderam aos gostos da elite. Essa é a divisão básica, mas cada um pode se dividir em várias sub-tribos, o que exige um aprofundamento maior.

 

- Uau! Você entende bem de tribos escolares, né? - diz Wilson, impressionado com as habilidades da menina.

 

- Nossa...não sabia que artistas tinham esse poder - comenta Demi - Então não estou na base da pirâmide!

 

"Claro que não", pensei, "Mas em compensação...eu com certeza estava na base da base!"

 

- Não é muito difícil deduzir isso - a garota continua a falar - Passei esse tempo todo nessa escola observando e observando cuidadosamente os tipos de pessoas. Sempre achei que isso pudesse ser útil

 

Já estava começando a ficar com medo daquela garota. Ela olhava seriamente para todos, sem esboçar um único sorriso. O que ela queria? Eu não sei, mas Wilson parecia cada vez mais interessado em ouvi-la.

 

- Uau! Você parece ser boa em analisar as pessoas! - Wilson observa - Pretende ser psicóloga?

 

- Na verdade, pretendo ser engenheira de softwares, o que dá muito mais dinheiro. Observo pessoas apenas por hobby. A estupidez alheia é algo divertido. Sou uma excluída na minha sala, mas não me importo nem um pouco com isso

 

Ela parecia mesmo assustadora, mas pelo menos tinha ambição.Pena que ela tocou no assunto que eu não queria que tocasse...

 

- Ei, você disse excluída? - pergunta Wilson. Lá vem.

 

- Sim. Pertenço à base da pirâmide social escolar. Sou classificada pela opinião pública como uma nerd perdedora assim como vocês.

 

- Ei, não acha que é apressado colocar as pessoas nesses grupos assim...eu acho que estou na área dos artistas, mas nem por isso sou metida - diz Demi, tentando criticar as colocações da garota.

 

- Eu sei, mas atualmente seu grau de popularidade caiu absurdamente desde que declarou abertamente pertencer ao grupo deles - ela diz, apontando para nós.

 

- Hã? Quer dizer que você conhece a gente? - pergunta Wilson

 

- Claro - ela responde, sem mostrar nenhuma emoção - Todos estão falando que Demi Gomez começou a andar com os maiores perdedores da escola. Só podem ser vocês!

 

- Legal! Andar com a Demi nos deixou famosos! - diz Wilson - Mas, vem cá, err...

 

- Karina Martinez, sexta série, mas podem me chamar apenas de Karina

 

- Karina! Muito bem.. - Wilson continuava - Diga, o que acha de mudar nossa posição nessa pirâmide?

 

- Não me interessa! - ela responde, secamente.

 

- Hã? - Jorjão estranha

 

- Já disse que não me importo de ser considerada uma nerd perdedora. A opinião alheia é indiferente para mim. Desde que eu continue a ler meus livros e que me deixem em paz, estou bem com a situação

 

Aquela garota disse tudo que eu não tive coragem de falar. Mas, nem por isso Wilson se deixou abalar.

 

- Como assim? - ele olha dentro dos olhos dela, que mantinha a mesma postura séria - Apenas unidos podemos mudar as opiniões preconceituosas dessa escola injusta!

 

- Suas palavras fazem sentido, mas não vou ganhar muita coisa me juntando a vocês, vou?

 

- Como assim? Você prefere ficar aqui sozinha nos intervalos até se formar?

 

- Esse era o meu plano

 

- Mas...isso não tem graça

 

Não adianta. Não importa o que Wilson diga a ela, não pode forçar a garota a se juntar em nossa causa, mesmo ela sendo uma nerd rata de biblioteca. Parece que existia alguém imune aos ideais revolucionários de Wilson.

 

- É verdade...não teria graça - diz a garota, fazendo com o que eu arregalasse meus olhos - É verdade...talvez seja divertido ter alguém com quem dividir minhas observações

 

- Não é? Eu e meus amigos aqui estamos formando nossa própria gangue que vai contra o sistema preconceituoso e elitista das tribos dessa escola! Junte-se a nós! Você seria uma aquisição valiosa!

 

- Tá, que seja, não vou ganhar nada, mas acho que também não vou perder nada - ela termina. Não podia acreditar no que ouvi. Meus olhos estavam ainda mais arregalados.

 

- Isso aí! Conseguimos mais um membro! - comemora Wilson.

 

- Legal, mas...não seria melhor a gente fazer silêncio? - lembra Demi, vendo a tia da biblioteca olhar feio para a gente.

 

- Tudo bem, tudo bem. Ouça, Karina, nós fazemos parte de um grupo voluntário de organizadores das salas e..

 

- E vocês se encontram na sala de limpeza, acertei?

 

- Como você sabe?

 

- Só vocês teriam a exótica ideia de distribuir café lá - ela diz, sem esboçar nenhuma emoção, de novo.

 

- Bem, que seja, a partir de agora você é uma de nós. Não se sente feliz?

 

- Que seja - ela diz, voltando para a mesa em que estava e pegando seu livro - Mas...se querem mesmo tornar esse grupo sério, é melhor encontrarem um lugar maior e mais influente do que a sala da limpeza

 

- Já estávamos pensando nisso! Hmmm! É verdade! - Wilson se vira para nós, com um olhar triunfante - Agora que temos cinco membros, podemos pensar em um grupo de atividades maior! Esse pode ser nosso próximo passo para...

 

Mas nisso o sinal toca e não poderíamos discutir mais nada.

 

- O intervalo é curto, né? - comenta Demi.

 

- Já sei. Podemos discutir nosso próximo passo no sábado, na primeira base da nossa gangue!

 

- Primeira base? - Demi pergunta.

 

- Na casa dele - respondi.

 

- Isso. Conto com você lá, Karina. Vou passar o endereço agora mesmo!

 

- Que seja - ela diz, sem mostrar um único sorriso. Parecia uma garota séria, ou entediada, sei lá. Ou então era do tipo que simplesmente falou aquilo para não contrariar Wilson. Essa eu duvido que continuasse. Saberia logo. Já que Wilson não me deixaria em paz se faltasse nessa reunião, lá estava eu, em pleno sábado à tarde indo para a casa dele. Pelo menos a comida da mãe dele era boa. Ao me aproximar da casa dele, quem vejo chegando, usando uma calça jeans e camiseta branca?

 

- K-Karina?

 

- Boa tarde - ela responde, sem sorrir - Era hoje a reunião, não era?

 

Estava começando a achar que todos naquela escola eram malucos...e falando em maluquice...qual seria a próxima de Wilson?



Notas finais do capítulo

Três meninos e duas meninas. Formação Power Rangers já tem. XD

Aguarde o próximo. A gangue está só começando!



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "This Is My Gang!" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.