This Is My Gang! escrita por Metal_Will


Capítulo 141
Capítulo 141


Notas iniciais do capítulo

E aí, gente?
Nossa...estava com saudades dessa história. Voltamos com a quarta temporada de This Is My Gang! Yeah!
Talvez essa seja a última temporada da história (já tenho um final mais ou menos em mente), mas espero que vocês gostem dos arcos que tenho preparado para 2013.
Mas a gente ainda tem um ano todo pela frente pra discutir isso. Vamos para o que interessa? Boa leitura!



Capítulo 141 - Mais um capítulo de volta às aulas...ou não.

  Ah, lar, doce lar. Tem coisa melhor do que passar a noite jogando vídeo-game no seu quarto, sem se preocupar com o amanhã? Infelizmente, há um único dia das férias em que você precisa se preocupar com o amanhã. Sim, no último de férias. As férias acabam uma hora e é incrível como as férias de meio de ano são curtas (*). Tudo que é bom, acaba, dando espaço para a triste sina de qualquer garoto: a escola. E minha querida irmã Marcela fez questão de me lembrar disso.

- E aí, Daniel? Último dia de moleza hoje, heim? - comentou ela, quando passava pela porta do meu quarto.

- Pois é...uma hora tudo que é bom acaba, né? - respondi, sem muita vontade de tirar os olhos dos inimigos que estava me acertando na tela.

- Olhe pelo lado bom - continuou ela - Pelo menos você fará um pouco de exercício caminhando do carro até á escola.

 E essa frase me lembrou da volta das aulas de Educação Física, outro karma na minha vida. Por que minha irmã tinha que me fazer lembrar de coisas tristes assim?

- Fala sério, Daniel. Desse jeito você vai virar uma bola, de tanto ficar jogando o dia inteiro.

- Ei, também não é assim - retruquei - Eu sempre ia na padaria buscar pãezinhos para o lanche.

- A padaria fica na esquina da rua, Daniel.

- Mas ainda assim é uma caminhada - tentei me defender.

- Heh! Você é mesmo cara-de-pau - reclamou Marcela, encostada no parapeito da porta - Mas reconheço que você se tornou uma pessoa bem ativa ultimamente.

- Como assim?

- Desde que conheceu novos amigos, sua vida ficou bem mais cheia de emoção.

 Não, não, não. Tudo bem, ela me lembrou das aulas de Educação Física. Mas por que teve que me lembrar das últimas "emoções" da minha vida? Após tantas semanas de férias, talvez você não se lembre...mas, para evitar o desconforto de ler tantos capítulos, vou resumir a minha vida escolar desde que mudei de colégio: entrei em um hospício disfarçado de escola! Sim, o colégio Megatec não é apenas uma escola técnica com alunos valentões querendo sua cabeça. Ela é uma escola técnica com alunos valentões querendo sua cabeça mais alunos malucos com ideias mais malucas ainda. E o maluco-mor chamava-se Wilson Abadias, o ser cuja única razão de existência é tirar a minha paz. Só de pensar nas bizarrices que ele iria me meter na volta às aulas, o meu coração já começava a bater mais forte. Não, não de empolgação, de nervoso mesmo! Minha paz sumiria em poucas horas..

- Mas olhe pelo lado bom - continuou Marcela - Você poderá falar com a Demi de novo.

- E..o que isso tem a ver?! - retruquei imediatamente.

- Ela parece uma boa menina. Tem minha aprovação.

- Cale a boca! - reclamei, atirando um travesseiro na cara de Marcela, mas ela era rápida o bastante para sair correndo dali.

 Tudo bem, tudo bem. Reconheço que, dentre todas as pessoas do Megatec, uma única em especial chama a minha atenção. Tá. Admito. Tenho um quedinha pela Demi, a garota de nosso grupo que até hoje não sei como aguenta as maluquices de Wilson. Ela era um poço de meiguice, mas é claro que já tenho noção de que ela não é para o meu bico. Provavelmente, quando chegar no ensino médio ela conhecerá algum integrante de banda e o resto...você já sabe. Por isso, é melhor aproveitar minha amizade com ela enquanto posso, embora eu gostaria de ter falado mais com ela durante as férias.

 Enquanto pensava esse monte de coisas, retomei o meu jogo, mas não demorou nem dois tiros para o meu celular tocar (pelo menos o toque era a música de um jogo que eu gostava...não há nada mais irritante do que o telefone tocar no meio do seu jogo). Quando peguei o aparelho para ver de quem se tratava, quase não acreditei. Aquela pessoa...ligando para mim?

- A...alô? - atendi, meio sem saber como reagir.

- Daniel? Sou eu, Demi - disse a garota, do outro lado da linha. Pela voz e pelo jeito de falar, era ela mesma. Eu podia jurar que era um trote, mas era a própria Demi mesmo.

- O-oi, Demi - falei - Que surpresa...hehe.

- Ah, espero não estar incomodando.

- Incômodo? Não é incômodo nenhum! Eu não estava fazendo nada! - falei, enquanto pausava o meu jogo tentando segurar o celular no ombro - E aí? Quais as novidades?

- Nada demais - ela disse - Só queria matar a saudade do pessoal antes das aulas começarem.

- Matar...a saudade? - perguntei, sem conseguir tirar o sorriso do rosto.

- Sim. Eu já falei com a Karina e o Jorjão hoje - disse ela - Parece que as férias deles não foram muito emocionantes. E as suas?

 Reconheço que senti uma certa decepção em não ter sido a primeira opção dela. Mesmo assim, fiquei feliz dela ter ligado.

- Bem..eu também não fiz muita coisa - disse - As férias de meio de ano passam bem rápido, não?

- Ah, eu viajei com uns parentes o mês todo - ela falou - Mas era tão legal assim. A gente devia ter marcado alguma coisa.

- Acho que não tem tanta graça quando não está todo mundo junto - falei.

- Você também acha? - comentou ela - Mas teremos alguns feriados no segundo semestre. A gente podia aproveitar. 

- C-Claro - concordei. Na verdade, se fosse para sair, gostaria de sair apenas com a Demi. Mas, como eu disse antes, tenho noção de quanta areia meu caminhão consegue carregar.

- Estou morrendo de saudade de todos vocês - continuou Demi - Nunca fiquei tão ansiosa para as aulas começarem. Você também não está?

- Bem...digamos que é bom mudar um pouco a rotina, né? 

- Ah, o Wilson é especialista em mudar rotinas - disse ela - Aliás, vou ligar para ele daqui a pouco. Fico pensando que tipo de ideias ele terá esse semestre.

 Com certeza seriam ideias onde pagaríamos muito mico. Ela realmente se divertia com aquilo? É como eu disse...aquele colégio era cheio de pessoas estranhas. Mesmo assim, a Demi era linda e isso compensava qualquer outra coisa.

- Seja como for - respondi - Vamos descobrir amanhã. Hoje é o último dia de férias, né?

- Ah, sim. Estou ansiosa. A gente se vê amanhã. Tchauzinho.

- Tchau - eu me despedi, ainda não acreditando que aquilo havia acontecido. A Demi ligou pra mim? Que mágico! Minhas férias não foram apenas três semanas improdutivas, enfiado no meu quarto jogando games violentos. Um telefonema mágico da Demi fez tudo valer a pena e torna meu retorno ao suplício Megatec mais suportável.

- Hmmmm..ligação da namoradinha, heim? - disse Marcela, que por azar também estava passando por ali - Que fofo!

- Sai daqui! Não é nada disso! Ela ligou pra todo mundo - reclamei.

- Mas bem que você gostaria que fosse só pra você, não é? 

- Não enche - retruquei, fechando a porta do meu quarto na cara dela. Irmãs mais velhas...por que são tão chatas?

 E assim passou minha última noite das férias de meio de ano. No dia seguinte, minha rotina retornaria e eu teria que fazer minha caminhada diária de vinte passos do carro até o portão da escola. No entanto, ocorreu algo raro nesse primeiro dia: vi Jorjão chegando e, obviamente, fazendo uma boquinha no caminho.

- Jorjão? - chamei, assim que me aproximei dele.

- Opa...e aí?! - ele cumprimentou, com a boca cheia das paçocas que estava comendo, mas cumprimentou - Aceita paçoca?

- Paçoca, é? - falei, observando o potinho de paçocas que ele carregava. Havia apenas mais um dos doces ali e não queira tirar o prazer dele de saborear a última paçoca do pote - Não, valeu. Já escovei os dentes.

- Ultimamente tenho saboreado melhor os derivados do amendoim - disse ele, da mesma forma que um especialista em vinhos se referia ao sabor da bebida - Eu sempre gostei, mas agora tenho me dedicado mais a eles.

 Pense em uma pessoa que leva comida a sério. O nome dela é Jorge, vulgo Jorjão. De qualquer maneira, eu cheguei junto com ele no pátio da escola, enquanto ele se preparava para abrir outro pote de paçocas que trazia na mochila. Quantos será que ele tinha? Eu até pensei em perguntar, mas fiquei com medo da resposta. Carregar livros já é um suplício para estudantes como nós e minha mochila do Capitão Zoing (seja lá quem for Capitão Zoing) não suportaria mais do que uma capacidade máxima de peso. 

 Dei uma olhada pelo pátio e vi a mesma cena de sempre. Os alunos separados em suas respectivas facções (comuns, valentões, atletas, patricinhas, etc) e nós, ali, no nosso calmo e tranquilo canto dos nerds. Isso até Wilson chegar.

- Aaah! Vocês! Há quanto tempo! - disse ele, chegando de forma expansiva como sempre - Eu não via a hora das férias acabarem e voltarmos à ativa!

 Ele está falando por si mesmo, que fique bem claro.

- Oi, Wilson - cumprimentei, assim que consegui me livrar de um abraço mais apertado do que gostaria - Foi mesmo muito tempo. Para mim parece que foi ontem que as aulas acabaram!

- A gente devia ter planejado algo durante as férias - falou ele - Mas como a Demi estava viajando, não faria muito sentido. Você sabe, nossa gangue precisa ser completa!

 Para Wilson, a visão de nosso grupo era de uma gangue capaz de revolucionar a hierarquia injusta daquele colégio. Formalmente, éramos os Notórios Estudantes da Revolução Divertida (ou NERD, por mais irônica que a sigla fosse). Praticamente, éramos apenas cinco coitados cuja maior função no colégio era pagar mico (embora eu parecesse ser o único da equipe a detestar isso...será que o errado sou eu? Não é possível!)

 - E as meninas? Algum sinal delas - perguntou Wilson.

  Essa é a hora em que olho para trás e vejo se Karina não está por perto. Aquela garota tinha a capacidade de surgir do nada, mas dessa vez ela não iria me surpreender.

- Parece que não... - respondi, olhando para trás. Heh. Ela não me pegou dessa vez.

- Bom dia - disse Karina, chegando justamente no momento em que olho para trás. Por que ela sempre faz aquilo? Quando eu olho para trás, pensando que ela chegaria por trás de mim, ela chega pela frente! O mundo conspira contra mim...de fato.

- Karina! - exclamou Wilson - Bom vê-la de novo. Como foram suas férias?

- Leitura - foi tudo que ela disse. Não era de me surpreender. Aquela garota era uma máquina de ler livros. Por outro lado, seria vergonhoso dizer que passei minhas férias de meio de ano jogando. Sempre era assim...em todos os capítulos de volta às aulas, meu relatório de como "foram suas férias?" era o menos emocionante. Agora só faltava a Demi.

- Oi, gente - agora não faltava mais. Nossa gangue (para usar a terminologia wilsoniana) estava completa.

- D-Demi - cumprimentei, agora com um sorriso mais aberto - Como passou de ontem?

- Bem, bem - disse ela - Desculpem por não ter aparecido nas férias. Eu estava viajando, mas a gente sempre pode aproveitar os feriados, né?

- Sim. Mas foi o que eu te falei ontem... - disse Wilson (a Demi deve ter ligado para ele ontem depois de ter falado comigo) - ...esse semestre, nós da NERD iremos entrar para história desse colégio!

 Eu seria chato se dissesse que ele SEMPRE diz isso? E nós NUNCA conseguimos nada além de um monte de situações lamentáveis? Todo começo de semestre é a mesma coisa e os capítulos de volta às aulas mostram sempre o mesmo, o que deve fazer vocês leitores pularem o capítulo de abertura da temporada e verem o que realmente irá acontecer no próximo, não é? Mas, naquele dia, algo de diferente ocorreu.

- Ai - reclamou Jorjão, na pausa entre uma paçoca e outra.

- Jorjão? O que foi? - perguntou Wilson.

- Meu estômago...está doendo - reclamou ele - Demais!

 Espera aí...estávamos falando do Jorjão. Se ele está com problemas no estômago, então é algo preocupante.

- Como? Um problema logo no primeiro dia? Tsc...não podemos começar a planejar nossas próximas ações com alguém de nosso grupo sofrendo assim.

- Eu vou chamar alguém! - exclamou Demi, mas Karina deu uma resposta mais prática.

- Não precisamos chamar ninguém - disse ela - O que precisamos...é levá-lo à enfermaria da escola.

- Aquele..lugar - balbuciou Wilson de forma traumática.

 Enfermaria? É verdade...nossa escola tinha um pequeno quarto ao lado do corredor próximo às quadras com alguns itens de primeiros socorros, mas eu nunca havia passado por lá. É, parece que nosso primeiro dia teve alguma novidade afinal de contas.

(*) = Lembre-se de que essa história ainda se passa em 2011



Notas finais do capítulo

É bom estar de volta. Cara, adoro escrever essa história! XD
Até o próximo! ^^