Simple Love escrita por Katy Clearwater


Capítulo 8
Capítulo sete





Capitulo sete:

Jacob

     Quando acordei Bella e Josh não estavam mais na cama. Me estiquei, calcei meus sapatos e fui para cozinha onde o barulho deles estava.

- Mãe eu tô com dor de barriga mesmo. – Josh fazia cara de choro sentado à mesa e Bella o encarava bem irritada. Ela era linda até zangada.

- Joshua Newton, você não está doente! Você vai para escola e ponto final!

- Mas mãe...

- Mas nada! Aconteceu alguma coisa na escola para você não querer ir?

- Não.

- Então vai escovar o dente e pegar sua mochila agora!

     Josh passou por mim chorando e depois que o menino saiu Bella me encarou meio envergonhada.

- Ele é teimoso demais. Desculpe pela cena.

- Tudo bem. – ela deu um sorriso lindo e suas bochechas coraram. – Eu vou tomar um banho e levo Josh na escola. – ela abriu a boca para falar, mas eu cortei. – Não aceito não como resposta. Hoje eu não vou ao escritório e como seu chefe te declaro de folga também.

- Vou ficar mal acostumada.

- Tomara. – eu disse antes de sair da cozinha.

     Tomei um banho rápido e coloquei logo a roupa que eu iria para academia. Quando cheguei à cozinha Bella me olhou meio espantada, mas logo desviou o olhar.

- Que foi? – eu perguntei olhando para mim mesmo.

- Nunca te vi assim. – ela estava tão vermelha que até o Josh riu.

- É que eu vou para academia depois. – droga! Eu não estava tão feio assim ou estava?

- Não, eu não... Quer dizer, eu...

- Minha mãe tá com vergonha. – Josh começou a rir e eu também não me contive depois dessa.

- Melhor irmos antes que a gente fique de castigo. – Bella me olhou irritada, mas só bufou e não reclamou.

- Vai me levar? – Josh perguntou desanimado.

- Vou sim. – ele veio cabisbaixo e segurou minha mão que estendi para ele.

- Tchau meu amor, boa aula.

- Tchau mãe.

     Josh foi triste quase todo caminho e quando estávamos no quarteirão do colégio resolvi perguntar o que era. Eu não sou muito experiente com criança, mas não precisava de experiência para saber que ele estava triste.

- Quer me falar qual o problema na escola? – eu o encarei pelo espelho e o vi se remexendo no banco de trás.

- Nenhum. Minha escola é legal. – ele falou animado da escola, mas ainda estava de bico.

- Então... – o incentivei com o olhar.

- Nada.

- Josh, você sabe que pode me dizer qualquer coisa. – ele primeiro fez bico e depois se inclinou um pouco para frente no banco.

- Só se você não for contar para minha mãe. – respirei fundo antes de responder. Que merda! Se fosse alguma coisa séria eu ia ter que contar.

- Tudo bem.

- Tem um passeio na escola hoje. Eu não tenho aula. – parei o carro assim que ele falou.

- E porque não quer ir ao passeio?

- Eu quero só que não vou.

- Não entendi Josh.

- Eles vão ao museu e depois fazer um piquenique. A professora pediu dez dólares de cada pai e uma coisa para piquenique. Eu não quis pedir para minha mãe, eu sabia que ela não tinha. – encostei no volante e passei a mão no cabelo tentando me acalmar. A situação da Bella com aquele porco era bem mais precária do que eu imaginava. Que vontade de matar aquele infeliz.

- E que horas é o passeio? – respirei e mantive o foco na situação atual.

- Na mesma hora da aula.

- Então temos meia hora para comprar alguma coisa e te deixar na escola. – Josh me olhou assustado, mas logo sorriu.

      Corri para a primeira delicatessen que achei aberta e comprei um pão de morango com creme (isso não tinha uma cara muito saudável, mas criança devia gostar) e duas caixas de bombons suíços. Entreguei o pão e uma das caixas para Josh segurar. Chegamos à escola em cima da hora e a professora já fazia a chamada das últimas crianças para subir para o ônibus.

- Fica no carro que eu já volto. – falei para Josh e ele fez que sim com a cabeça.

      Corri até o ônibus e assim como Bella a professora ficou me medindo com os olhos. Nunca mais visto essa roupa.

- Oi. Eu sou Jacob Black. – lhe ofereci a mão e ela sorriu.

- Oi, sou Claire Ateara. O senhor é pai de algum aluno? Não me lembro do Senhor nas reuniões.

- Não. Na verdade eu vim trazer Josh. – a professora fez cara de entendimento, mas ainda sim me olhou estranho. Não precisa dessa cara minha Senhora, eu sei que eu não sou o pai!

- Ah sim, pensei que ele não fosse.

- Resolvemos levá-lo de última hora.

- Infelizmente creio que não seja possível. Já arrumei tudo para o piquenique com a taxa que os pais colaboraram. – se eu não precisasse de um favor dela depois desse tom de arrogância ela podia passear embaixo do ônibus.

- Mas tem vaga no ônibus não tem? – fui o mais diplomático que pude na fala.

- Sim tem, mas...

- Não poderia abrir uma pequena exceção? – a cortei agora soando mais educado e ela ficou sem jeito.

- Senhor, eu creio que...

- Senhora Ateara... Claire, posso te chamar de Claire? – agora usei um tom despojado e ela sorriu ajeitando o cabelo.

- Claro.

- Então Claire? Você é muito jovem para ter filhos, mas convive com crianças e vai me entender. – ela sorriu ainda mais e vi que estava conseguindo o meu objetivo.

- Na verdade tenho dois filhos já.

- Não acredito! Você é uma linda mãe. – ela abanou o rosto um pouco e eu abri mais o meu sorriso. – Aceita um bombom? – abri a caixa para ela que só faltou babar em cima dos chocolates.

- Suíços?

- Sim. Não gosta? – dei uma de desentendido.

- Adoro. – ela disse sem jeito.

- Então são seus. – fechei a caixa e lhe entreguei os bombons. – Agora como eu ia dizendo sobre o Josh, eu posso assinar a autorização se for necessário. E a taxa não é problema, eu pago em dobro. Vai negar a uma criança o direito de se divertir com seus amiguinhos? – ela ficou encarando a mim e aos bombons durante uns minutos até tomar uma decisão.

- Nunca faria uma maldade dessas com uma criança. – ela deu um sorriso e segurou firme a caixa de bombom.

      Voltei no carro correndo novamente e peguei Josh. Coloquei dinheiro na mochila dele e antes que ele reclamasse o coloquei no primeiro degrau do ônibus e fui falar com a professora. Enquanto ele se arrumava no ônibus, assinei a autorização e paguei a taxa risória do passeio.

- O retorno é às 15hs, horário normal de saída da aula. – ela me avisou antes de subir para o ônibus.

- Tchau Jake. – Josh gritou da janela.

- Tchau. – acenei para ele até que o ônibus sumisse na rua.

     Fui para academia, mas não consegui me concentrar muito em nenhum exercício. Logo voltei para casa. Bella não estava e também não deixou bilhete dizendo aonde ia. Jake, não seja possessivo!

     Tomei uma água e guardei a segunda caixa de bombom na geladeira. Depois fui para o meu quarto tomar um banho. Larguei a roupa da academia pelo banheiro mesmo e sai enrolado na toalha. Não ouvi Bella entrando no meu quarto.

- Desculpa. – ela ficou vermelha como um tomate quando me viu de toalha.

- Tudo bem. Você não estava quando eu cheguei e... – não pergunta aonde ela foi seu idiota.

- Eu fui ao médico pegar o resultado dos exames. Eu ia depois do trabalho, mas como não trabalhei... – ela sorriu sem graça e abaixou a cabeça. Eu tinha esquecido que ela fez uns exames no dia em que prestou queixa.

- Tudo certo?

- Tudo sim. O médico disse que eu já estou prontinha para outra. – ela sorriu amarga.

- O médico te disse o que? – eu fiquei com tanta raiva que acabei gritando.

- Jake, ele trata de mulheres como eu todo dia. Foi uma piada infeliz, mas ele se retratou.

- Piada infeliz? E como assim mulheres como você?

- Que apanham do marido. – Bella saiu do meu quarto chorando e eu ia atrás dela na mesma hora, mas lembrei que estava de toalha.

- Caralho! – xinguei abrindo o armário e escolhendo uma roupa.

     Quando cheguei ao corredor Bella ainda chorava só que varria o piso ao mesmo tempo. Se ela tiver mania de limpeza vai pirar com meu relaxamento. Ela parou e encostou a vassoura na parede para fazer um coque no cabelo. Depois ligou o som e ficou passando várias estações até parar numa que gostou.

- Essa música é bonita. – ela se assustou com a minha presença e escondeu o rosto para que eu a não visse chorando.

- É sim. – ela voltou a varrer, mas eu tomei a vassoura da sua mão.

- A gente precisa de uma empregada. – eu sussurrei no seu ouvido enquanto a tirava para dançar.

- Eu sei varrer e arrumar a casa. – um sorriso brincou em seus lábios quando ela falou.

- Não na minha casa. – ela me encarou de rabo de olho quando eu falei e recostou a cabeça no meu ombro.

- I wish we had one more kiss, i wait for you I promise you, I will… - ela sorriu quando comecei a cantarolar no seu ouvido.

- Você como cantor é um ótimo designer.

- Isso foi muito ofensivo. Lucky we're in love in every way, lucky to have stayed where we have stayed… - ela ficou rindo enquanto eu a girava e depois puxava para perto de mim de novo.

- Até que como dançarino você se sai bem.

- Obrigada, Mademoiselle. – a puxei pela cintura e nossos rostos ficaram a um milímetro de distancia.

     Estar com ela era tão certo, tão comum e fácil que sem notar já estávamos nos beijando. Beijar a Bella era como ser adolescente de novo. Com toda aquela coisa de coração acelerando e medo de mover muito as mãos. Ela parecia tão frágil e meiga que eu tinha medo de fazer qualquer coisa e a constranger.

     Eu queria mesmo era pegá-la no colo e levar para o meu quarto, mas fui com ela para sala e sentei com ela no colo. A idéia também não foi boa porque assim que sentamos ela se separou do beijo e olhou para porta.

- Trocamos a fechadura hoje se você quiser. – ela sorriu para mim daquele jeito perfeito que só ela tem.

- Eu quero. – dei um sorriso confirmando e depois disse ela voltou a me beijar.

    Passei a mão no seu cabelo encaixando a mão na sua nuca e aprofundando o beijo. Ela tinha uma boca tão doce e o som da sua respiração me deixava tenso e com medo de fazer uma merda daquelas. A deitei no sofá e mantive meu corpo o mais longe que pude dela, pelo menos da cintura para baixo. Eu não queria fazer nada que a deixasse desconfortável, mas estar perto dela fazia meu corpo me trair. Parecia que nós já tínhamos intimidade há séculos porque só com um beijo ela era capaz de me acender. Eu nunca acreditei em amores pré-destinados até conhecer a Bella. Com certeza nós somos esses casais feitos um para o outro.

    Eu tentei me manter são, mas as pernas dela alcançaram minha cintura fazendo nossos corpos ficarem extremamente colados. Foi impossível deixá-la sem sentir minha animação desse jeito. Ela primeiramente separou o beijo e seu rosto corou de forma violenta, mas eu não tive tempo de articular nada antes que ela me beijasse de novo.

     A música terminou e começaram outras e outras e mais outras, mas eu não estava com um pingo de pressa. Ela estava ali tão perto e acessível, mas eu queria conhecê-la mais e para isso eu não podia ter pressa. Quando nossas peças de roupa começaram a cair no chão uma a uma fiz questão de encará-la a cada segundo. Um pingo de medo em seus olhos e eu pararia, mas apesar de estar tensa ela parecia tão absorvida pelo momento quanto eu.

     Um cara hoje em dia quando faz sexo com uma mulher sem camisinha pensa em primeiro: Que merda! E se ele engravidar e em segundo: Que merda! Se ela tiver alguma doença fudeu. Já eu não pensava racionalmente em nenhuma das duas hipóteses. A segunda era estupidez para mim. Eu estava mais do que decidido que mesmo que fosse o pior momento de dor da vida dela, eu ia estar ao lado dela. Sempre! A primeira hipótese era ainda mais tentadora. Eu queria muito ser o pai de um filho dela.

    Dentro do seu corpo era tão quente e acolhedor quanto eu imaginava, por mim ficava ali horas a fio. Seus gemidos eram suaves, quase suspiros, a pele corada, tudo nela era muito perfeito e moldado para mim. Aquilo teve fim, mas eu não chamaria de máximo ou nada do gênero. Estar com ela já era o máximo prazer.

- Tudo bem? – eu ainda estava sobre ela encarando seus olhos verdes quando perguntei.

- Tudo. – me inclinei e voltei a beijá-la.

Bella

       Aí sua idiota! Agora ele vai achar que você é uma vadia e coisas do gênero! Que ódio de mim!

       Ele levantou do sofá e me cobriu com uma manta que estava no encosto. Eu sorri retardadamente e corei, de novo! Aí, que inferno! Mas é um erro atrás do outro, Bella. Será que você podia parar de ser burra? Ainda mais depois do Mike.

- Não tá tudo bem. – Jake sentou do meu lado depois de por sua calça e me encarou. Ai eu me desmanchava naqueles olhos chocolate.

- Eu...

- Desculpe, eu não queria fazer nada que você não quisesse. – viu? Ele já se arrependeu!

- Eu queria. – mordi a boca depois que falei. Ain, oferecida!

- Que bom! Você foi à melhor mulher da minha vida. – olhei para ele incrédula.

- Melhor que a Nessie? – ain, eu quero muito ficar muda agora! Por favor!

- Acredita em amor a primeira vista? – ele me puxou para seu colo enquanto falava e eu dei com os ombros ficando ainda mais vermelha. Os pimentões me invejavam com certeza. – Eu também não acreditava até você cair do céu na minha vida. Acho que eu gostei de você desde o dia do escritório, mas só reparei mesmo quando te vi chorando. Não conseguia parar de pensar nisso, agora eu vejo que não conseguia era parar de pensar em você. – eu sorri com aquelas palavras. Nunca nenhum cara tinha me tratado assim.

- Eu acho que eu tô é com medo de acordar e cair de cara no chão. Tudo anda parecendo um sonho esses últimos dias. – Jake segurou meu rosto e me beijou de novo até que eu ficasse sem ar. – Isso não melhorou minha percepção de realidade. – ele riu e me beijou de novo.

- E agora? – ele perguntou rindo.

- Também não. – ele começou a me beijar de novo e me deitou no sofá.

- E agora?

- Jake... – eu disse rindo, mas ele me cortou com um novo beijo. Se isso é um sonho eu não quero acordar nunca mais.

      Passamos a tarde namorando no sofá e a casa estava uma zona. Acabou ficando tarde e fomos pegar Josh na escola juntos. Quando cheguei fiquei sabendo que as crianças estavam voltando de um passeio. Achei estranho, já que eu não assinei autorização nenhuma. Jake riu e assoviou, quando me viu com cara de dúvida. Ótimo! Ele e Josh se unindo contra mim é tudo que eu preciso.

      Jake comprou pizza, de novo, quando chegamos em casa. Isso tinha que acabar! O Josh ia virar uma bolota já já! O Jake eu não sei como não engorda. E eu já não sou linda, baleia então... Nossa, fiquei até com medo de mim. Ficamos vendo TV até um pouco mais tarde e quando Josh estava caindo de sono Jake o pôs na cama, sem nem me avisar. Eu estava ficando desnecessária na relação dos dois.

- Ele tá deitado, mas dorme daqui a pouquinho. – Jake voltou do quarto e começou a secar os pratos que eu lavava na cozinha.

     Quando eu terminei de lavar os pratos Jake me puxou pela cintura e começou a me beijar me imprensando na pia.

- Mãe, eu... – nos separamos no susto quando Josh apareceu na porta da cozinha. – Eu quero água. – ele prendia o riso, mas dava para ver pelas covinhas que estava rindo.

- Toma amor. – dei um copo de água fresca para ele.

- E mãe? – ele chamou quando saia da cozinha.

- Oi Josh.

- Pode namorar. Aqui eu não tenho medo de dormir sozinho, tudo bem você dormir com o Jake. Boa noite.

- Boa noite. – Jake respondeu enquanto eu ficava perplexa. – Menino esperto. – olhei para Jake de cara feia e ele riu. – Que foi? Ele me deu o aval.

- Ai o que eu faço com você hein? – eu tentei ficar séria, mas o riso foi mais espontâneo.

- Me ame. – Jake me puxou pela cintura novamente e me beijou.

     Isso é fácil! Amar o Jake é tão fácil quanto respirar.



Notas finais do capítulo

N/A: Oia só! Já tem gente trocando o Jake pelo Josh né Dona Gracita, por exemplo...rsrsrsr. Deixem de ser pedofilas!!! O menino é criança e é meu *______*, brinks.
A todas muito obrigada pela compreensão com a minha ausência constante. Vocês são super fofas, só não mais fofas que o Jake, lindo, maravilhoso e perfo... ain eu faço e babo...rsrsrsrs.
Obrigada pelos reviews: lulu_fanfics, raruiva, ritinha_cr, LeeLowen, crisbel86, jdre, kahblack, crisdias, Elis_Marcondes, Rafa_tayna, Michelle Cullen, DiCullen, heri, lana_blackwater, shyblack, sweet lips, Fabiolakaizer, MissLuna, madu, ELO, brunacvsousa, malululu11, Nica, neuri, simovi, juallevato, taliria, aryane, pqnakelly, gracita, Nez, Jeska, May Black e JULIANALUANOVA.
Meninas fazendo algo que eu não faço a um tempinho, vou fazer merchan de uma fic perfa que eu já até recomendei. A fic é Marcas deixadas por um anjo caído da ritinha_cr. Meninas tá no comecinho, mas o que tem já é maravilhoso e digno de muito review, só num vai gostar quem for Team Ed. Então se for num passa lá para encher o saco da menina, se num for pode favoritar pq vai amar a fic.
Bjks, Katy Clearwater
N/B: ... Devido a problemas cardíacos a nota da beta foi cancelada... Até a babona se recuperar desse Jake dos sonhos! AHHHHHHHHHHHHHHH Namora eu no sofá tbm Jakeee! *.*
Recuperada, porém não curada: Brinks a Bella só se f*deu aqui tadinha, tanto que eu acho até sacanagem cobiçar o homem dela!Isso mesmo jake... Namora, mima e cuida porque acoitada comeu o pão que o diabo amassou... Esse Josh é uma figurinha, se eu tivesse certeza que uma criação minha seria assim eu até que me arriscava!hahahah
Tão lindinho os dois de namorinho! Owh!*.*Tá, parei de ser babona... E vcs não se esqueçam dos reviews e das recomendações pq isso aqui foi lindo de tão romântico!Babei de novo!kkkkkkkk
Bjs Alemorais