Simple Love escrita por Katy Clearwater


Capítulo 11
Capítulo dez





Capítulo dez:

Jacob

    Eu ainda estava deitado quando ouvi os passos da Leah entrando no quarto. Eu queria mesmo me mexer, mas o bilhete da Bella havia me deixado inerte nas últimas duas horas. Por mais que fosse concreto eu ainda não acreditava que ela tinha ido embora.

- Jake, você tem que comer alguma coisa. – eu me dei ao trabalho de olhar para Lee antes de tapar meu rosto com o travesseiro.

     Ela não disse mais nada e quando a porta do quarto bateu eu sabia que ela havia saído. Eu não pensei que fosse me sentir assim na vida hora nenhuma, tinha um vazio no meu peito e uma sensação de oco dentro de mim. Era como se tudo que eu tinha tivesse sido sugado e eu fosse só uma capa vazia.

     Eu sabia que estaria completo de novo quando eu encontrasse a Bella, mas no momento eu não tinha a força exata para levantar e começar a procurá-la. Na verdade eu tenho medo de achá-la e de ouvir de sua boca que ela nunca mais vai voltar para mim.

Bella

      Sai do apartamento do Jake sem saber para onde ir. Eu tinha exatos seis dólares e trinta centavos no bolso e com isso eu não fazia absolutamente nada. Peguei um ônibus para o centro e desci próximo ao Central Park. Caminhei com Josh até um dos bancos, ele não deu uma palavra todo caminha. Na verdade ele estava em completo silêncio desde que saímos do apartamento.

      Eu acabei descobrindo que só cometi erros nos últimos dias vendo meu filho desse jeito. Eu o fiz acreditar que teria uma vida diferente, eu me deixei acreditar e nada disso era para nós. Meu Deus, eu nunca devia ter saído de casa. O Jake poderia ter morrido por minha causa e eu nunca iria me perdoar.

- Mãe a gente vai dormir aonde? – Josh se encostou do meu lado e eu o abracei apertado.

- A mamãe está pensando nisso. – ele concordou com a cabeça e se encostou no meu colo.

     Eu sabia que ele estava cansado. O dia tinha sido longo e estressante e ainda por cima estávamos na rua sem ter para onde ir. A minha vontade foi de chorar, mas engoli as lágrimas e levantei Josh antes que ele dormisse.

     Eu conhecia bem a cidade e sabia que havia um abrigo a uma quadra dali. Como já eram quase seis horas a fila devia estar quilométrica, mas era minha única opção então eu teria que tentar. Quase arrastei Josh pela rua para que ele me acompanhasse até lá.

     Como eu esperava a fila estava enorme e eu fiquei rezando para que conseguíssemos entrar. Já estava escuro quando fomos chamados e uma das voluntarias nos levou até uma das camas improvisadas. As pessoas nos olhavam de rabo de olha e reparavam em tudo que carregávamos.

      Na maioria eram mendigos que ficavam nesse lugar, então o fato de não estarmos rasgados e nem nada demais chamou a atenção para nós. Mesmo cansada, coloquei nossas mochilas bem perto de mim e deixei Josh dormir a noite toda apenas velando seu sono. Às vezes eu me pegava chorando de tristeza por ter deixado o Jake ou mesmo já de saudade.

     Eu sabia de tudo isso e mesmo assim me deixei envolver. Olha aonde eu vim parar com meu filho só porque por um simples momento eu pensei que eu podia amar e ser amada de volta? Eu também ouvia outras pessoas chorando na penumbra, o que devia ser normal aqui. Deixei todas as minhas lágrimas extravasarem já que amanhã eu teria que estar bem e firme para cuidar do Josh.

Jacob

- Obrigada mesmo assim. Se tiverem alguma noticia podem me avisar? Obrigada. – eu já estava desesperado com todas essas negações.

     Liguei para todos os hospitais que eu pude e nada de nenhum dos dois. Apesar de isso ser bom por um lado, por outro era desesperador. A polícia só iria procurá-los caso fosse desaparecimento, mas como a Bella deixou uma carta de despedida eles consideraram briga domiciliar.

      Eu não devia ter passado toda tarde sentindo pena de mim mesmo e sim a procurando. Ela devia estar confusa e assustada com tudo que aconteceu e por isso foi embora assim. É, foi isso! Tem que ter sido isso, porque essa é minha única esperança.

      Leah estava me ajudando a ligar, mas ela não tentava puxar nenhum assunto comigo. Ela sabia que eu estava preocupado e tenso e que nesse caso meu silêncio era o melhor. Leah ficar me ajudando também me livrou da Nessie que insistiu em me fazer companhia até que a Leah disse que passaria a noite aqui.

      Fui até a cozinha enquanto a Leah ainda telefonava para os hospitais. Mexendo no celular vi que já passava das duas da manhã e Bella poderia estar na rua com Josh a essa hora. Merda! Porque eu esperei tanto?

     Coloquei um café para mim e para Leah e voltei para meu escritório. Ela acabará de colocar o telefone no gancho quando eu lhe entreguei o café.

- Quer falar agora? – lhe dei um sorriso de lado e ela retribuiu com um carinhoso.

- Não. Eu quero achar a Bella, trazê-la para casa e eu quero ver se o Josh está bem e... – larguei o café e me sentei ao lado da Lee.

     Minha cabeça pesava uma tonelada e a única maneira de apoiá-la foi colocando-a entre as mãos. Depositei o peso nos joelhos e quando eu menos esperava estava chorando. Só de imaginar que agora mesmo algo pode estar acontecendo com Josh eu me sinto a beira da loucura.

- Jake nós vamos encontrá-los. Ela não tem como sair da cidade. – Lee tentava me acalmar, mas isso só me colocou mais nervoso.

- Eu sei! Na verdade ela pode estar dormindo na rua enquanto conversamos. – levantei irritado e tentei respirar para voltar a pensar.

      Eu não podia ficar incoerente agora e perder o rumo do que eu estava fazendo. Sem dar mais um palavra enfiei o rosto novamente na lista telefônica e voltei a ligar para os hospitais. Nem que eu tivesse que sair eu mesmo e procurá-la em cada canto da cidade, eu iria encontrar a Bella.

Bella

       Às seis da manhã os voluntários começaram a chamar as pessoas. Consegui que Josh tomasse café no abrigo então já era uma coisa a menos para me preocupar. Quando saímos dei uma ajeitada no rosto em um dos banheiros e fiz com que Josh pelo menos escovasse o dente.

      Eu me sentia péssima quando via meu filho se portando desse jeito, maduro. Ele era criança e em momento nenhum reclamou, fez birras ou perguntas bobas que crianças fazem. Sorri com a breve lembrança que tive dele no shopping com o Jake. Aquele foi o único momento onde eu vi meu filho ter a idade dele.

       Controlei o choro e voltei a me concentrar no agora. Assim que saímos do abrigo dei penosamente um dólar em um jornal. Voltei para o Central Park e enquanto Josh brincava eu tentava achar algo nos classificados. Eu precisava de um emprego rápido e que me deixasse ficar com meu filho enquanto trabalhava. Peguei um lápis na bolsa do Josh e assinalei todas as vagas de garçonete que achei. Isso teria de servir por enquanto.

      Levantei do banco e peguei minha mochila e a dele. Josh veio correndo em minha direção assim que me mexi. Ele pegou sua mochila e fomos andando para primeira vaga que ficava a dois quarteirões dali.

      Eu me senti tonta quando começamos a andar, mas eu não deixei que isso me abalasse. Era hora de recomeçar e eu não poderia ser fraca dessa vez. Eu precisava ser realista e cuidar de mim e do Josh, isso começava agora.

Jacob

      Eram sete da manhã quando sai do meu apartamento e no corredor já dei de cara a minha mãe e Nessie.

- Onde pensa que vai? – minha mãe perguntou histérica.

- Procurar a Bella. – Nessie me fuzilou com os olhos quando eu disse isso.

- Vai atrás da sua faxineira? – os gritos da minha mãe fizeram com que um dos vizinhos abrisse a porta.

- A Bella não é minha faxineira e eu vou atrás dela, então com licença. – passei entre minha mãe e Nessie empurrando levemente as duas.

      As duas vieram me seguindo até o elevador e quando entrei nele as duas me cercaram como cães.

- Jake, meu filho, temos que conversar sobre esse seu comportamento inadequado. – olhei para Nessie de rabo de olho e vi seu sorriso maldoso. Ela tinha feito um circo para minha mãe, aposto.

- Mãe, não temos nada para conversar. Se a Senhora gosta tanto da Nessie se separa do papai e casa com ela porque a mulher da minha vida se chama Isabella e é atrás dela que eu vou agora.

- Jacob Black! – no momento em que a minha mãe gritou o elevador parou na garagem e eu aproveitei o choque das duas para sair correndo.

     Escutei minha mãe me berrar enquanto eu caminhava até meu carro, mas ignorei seus berros assim como os olhos flamejantes da Nessie. As duas que se entendessem, eu tinha algo mais importante a fazer.

     Dirigi pelo centro da cidade e parei no Central Park, mas nada dela. Senti os poucos pontos que eu tinha formigarem por ter feito esforço para dirigir, então resolvi caminhar um pouco. Eu andei por volta de meia hora e para todas as pessoas que eu perguntava todas me davam a mesma resposta: Não, não vi ninguém com essa descrição. Eu estava começando a me cansar quando uma senhora, que eu sinceramente achei louca me agarrou pelo braço.

- Acredita no destino meu jovem? – ela perguntou puxando minha mão.

- Não, digo, mais ou menos. – tentei me desvencilhar, mas para uma velhinha ela era bem forte.

- Hum, vejo que procura seu amor. – revirei os olhos enquanto me rendia e deixava que a velha lesse minha mão. – Está fazendo do jeito errado. Vai achar primeiro o menino e não ela. – eu não estava prestando atenção em nada do que ela dizia até que ela disse menino. Como ela sabia? Olhei para minha mão e depois para velha sem saber se a chamava de doida ou se agradecia.

     Tirei vinte dólares do bolso e isso pareceu muito mais do que qualquer obrigado para ela. No fim ela tinha mesmo razão. Uma mulher com a descrição da Bella poderia passar sem ser notada, mas uma criança na rua sempre chama atenção.

      Voltei até meu carro e dirigi até um abrigo que eu sabia que tinha aqui perto. De primeira encontrei uma mulher que tinha visto Josh, uma pista enfim. Fui seguindo os rastros dele e não os da Bella e achá-lo foi muito mais pratico e rápido.

      Eu ia entrar em uma lanchonete quando vi uma criança indo até uma barraquinha de cachorro quente. Eu achei que fosse delírio, mas não. Era ele! Era ele mesmo! E se ele estava ali... Assim como eu sonhava ela também estava. A dois passos de Josh Bella esperava que ele comprasse cachorro quente.

      Eu não iria dá-la a chance de fugir de novo. Assim que o sinal fechou atravessei correndo para alcançá-los antes que sumissem no meio de toda a multidão do centro.

Bella

      Eu já havia ido a duas lanchonetes e sido recusada por ser mãe. Eles diziam que queriam alguém com disponibilidade e mães não tem isso. Que ridículo!

      Quando chegou perto da hora do almoço dei a Josh mais um dólar para que ele comesse um cachorro quente. O meu escasso dinheiro ia só acabando e eu não conseguia um trabalho nem para limpar o chão. Deixei que Josh comprasse o lanche sozinho, mas quando ele vinha em minha direção acabou deixando cair.

- Aí filho. – falei indo em sua direção, mas ele saiu correndo.

- Jake! – olhei para trás assustada e quando vi Josh já estava suspenso no colo do Jake pelo lado que não estava machucado.

- Não acredito que deixou sua bicicleta para trás. – Jake falou com um tom brincalhão e Josh não respondeu apenas o abraçou.

- Não ia ter onde guardar, mas eu trouxe o carrinho. – Jake apertou mais o Josh quando ele disse isso.

- Que bom campeão. Agora vamos para casa. – ele saiu andando com Josh no colo e eu tive que ir correndo atrás.

- Jake, não. Jake! – eu não consegui alcançá-lo até que ele parou em seu carro.

- Onde você vai ficar com ele? Na rua? Podemos ter uma conversa coerente sobre essa sua atitude doida? – eu não tinha resposta para nada do que Jake estava me perguntando então sem ter o que dizer simplesmente chorei. – Eu quase enlouqueci nessas vinte horas que ficamos separados. Pode pelo menos ir comigo para casa e tomar um banho? É sério, os dois estão precisando. – mesmo chorando consegui sorrir e deixei que Jake me colocasse dentro do carro.

    Eu estava tão cansada que adormeci no banco do carro em menos de dois minutos que ele estava em movimento. Eu sabia que essa era mais uma seqüência de erros, mas eu me sentia segura com Jake e isso era tão involuntário quando o amor que eu sentia por ele.

Jacob

      Bella dormiu antes que eu virasse a primeira esquina. Ela parecia tão cansada que mesmo quando chegamos ao meu prédio não a acordei. A levei no colo até meu quarto e mesmo quando a deitei na cama ela não acordou.

     Josh foi logo tomar banho mesmo sem que eu mandasse e enquanto ele o fazia eu preparei uns sanduiches para ele almoçar. Depois de tomar banho ele veio para cozinha atrás de mim.

- Como achou a gente? – ele perguntou diretamente. Garotinho esperto!

- Foi sorte e destino. – ele riu do meu tom fingido de sabedoria.

- A gente vai embora de novo quando a minha mãe acordar. – a vozinha triste dele me deu uma esperança em relação à Bella ficar ou não.

- Se a gente se juntar para convencer sua mãe a ficar pode ser que de certo. – Josh se jogou no meu colo na mesma hora que eu falei.

      Eu sabia que era golpe baixo usá-lo a meu favor, mas eu estava desesperado e toda minha vida dependia da decisão da Bella quando ela acordasse. Eu podia estar sendo um pouco egoísta no momento, mas estava decidido a não deixar nenhum dos dois sair da minha vida.



Notas finais do capítulo

N/A: Oi amoras do meu core, eu sei que eu demorei *se esconde* mas eu tô aqui agora e isso que importa né? Digam que sim, please....rsrsrs. Estamos nos aproximando da reta final da fic e desde já agradeço a todos que me acompanharam e que fizeram dessa fic meu sucessinho inesperado...rsrsrs. Curtam o cap e fiquem calmas que eu dou um jeito.Bjks, Katy Clearwater.
N/B: Eu sou uma pessoa calma e não costumo ser vingativa, mas a idéia de trancar a Nessie e essas mãe dos infernos em um lugar e atear fogo não sai da minha cabeça! :@A pobre da Bella está exausta , o Jake ferido e ainda por cima eles têm que agüentar essas duas? Não mesmo! Dá um fim nelas Katy!Aiaiai, eu quero muito ler LOGOOOO os dois se entendendo e tendo uma vida feliz e completa juntos, porque o que a Bella passou nessa fic não foi brincadeira não!Não se esqueçam dos reviews pessoal!Bjs, Alemorais