Greens: porque as Cobras também Rugem escrita por Cecilia Black Malfoy


Capítulo 16
Cap.15 Animagos


Notas iniciais do capítulo

Espero que gostem



Cap.15: Animagos

- Ok, está na hora – sussurrou Hugo para Lílian e os dois saíram da Sala Comunal da Grifinória.

- Hugo, será que dá certo? – Perguntou Lílian com um pouco de medo.

Hugo sorriu para Lílian e deu um selinho na prima.

- Prometo que tudo vai dar certo – falou Hugo pegando Lílian pela mão e a arrastando pelos corredores.

- E LÁ VAMOS NÓS! VAMOS NÓS! VAMOS NÓS...

- Chega Potter – mandou Anna batendo no braço de Alvo que pulava feito... Uma banana saltitante pelos corredores da escola.

- Anna, eu estou contente! Fique contente comigo! Vamos todos ser contentes!

- Al, meu amor, não precisa ficar tão contente por causa de uma simples coisinha!

- É o meu sonho desde criança – disse Alvo amarrando a cara.

- Está bem, está bem, eu deixo você ficar contente.

- OBAAA!

- Pára de gritar! Já está na hora de estarmos na cama! A capa de invisibilidade não abafa os seus berros!

- Ops, foi mal! – Alvo tapou a boca com a mão.

- Vem, vamos – Rose era puxada por Scorpius pelos jardins da escola.

- Mas Scorp... E se alguém nos pegar a essa hora na escola?

- Não tem ninguém aqui no mapa pelo o que eu vi.

- Se você diz...

- Tipo, eu verifiquei onde estavam os professores e tal e todos estão na cama, o zelador está na sala dele. Quem nos pegaria?

- Não sei, eu que pergunto!

- Ok, hora de entrar lá! – Alvo esfregava as mãos em frente a uma árvore extremamente grande e violenta.

- Al, meu lindinho – Anna chamou, tremendo um pouco.

- Fala Annita.

- A casa dos gritos? – A garota gaguejou um pouco na frase.

- Sim! – Disse Alvo com os olhos brilhando de expectativa.

- Mas é que... Eu... Eu...

- Tem medo amor? – Perguntou Alvo abraçando Anna.

- Exatamente! – A garota desabafou.

- Calma, vai dar tudo certo, e pensa comigo, não tem mais nenhum Remo Lupin lá dentro.

Anna riu de Alvo e viu enquanto o garoto pegava um graveto e acertava o nó que paralisava a árvore.

- Pronta? – Perguntou Alvo segurando a mão de Anna.

- Eu nasci pronta – brincou a garota seguindo o namorado para a passagem aos pés da árvore.

- TAMTAM! – Scorpius ergueu as duas mãos apontando para algo que Rose simplesmente não pode acreditar.

- NÃO!

- SIM!

- NÃO!

- SIM!

- NÃO!

- SIM!

- NÃO!

- Porra Rose, nós podemos ficar a noite inteira assim, querida.

- AAAHHH MALFOOOY! – Rose gritou enquanto abraçava Scorpius e beijava-lhe todo o rosto – Eu já disse o quanto eu te amo?

Scorpius sorriu de maneira divertida.

- Sabe... Nunca custa ouvir isso.

- EU TE AMO! – Berrou Rose beijando Scorpius.

- Que lindo, mas vamos Rose, antes que alguém nos pegue!

- Tá! – Rose concordou em êxtase – Obrigada mais uma vez, eu não acredito que nós vamos à Casa dos Gritos! Esse é o meu sonho, desde criança.

- Pois é, e esse é o meu presente para você, eu sabia que você queria isso há bastante tempo.

Scorpius fez um tronco voar até o nó da árvore e mais uma vez a mesma paralisou.

- Vamos Rose.

- Você ouviu isso? – Perguntou Anna para Alvo tremendo dos pés a cabeça.

- Só ouço o barulho das suas pernas batendo uma na outra.

- Não tem graça!

- Não! Só tem perna. – Alvo provocou piscando para Anna.

- Al, tem alguma coisa aqui! – Avisou Anna com mais medo do que antes.

- Amor, querida, gostosa, linda...

- Chegue ao ponto, Alvo Potter.

- Você está imaginando coisas.

- Eu não estou!

- Está sim.

- Não estou!

- Está!

Tac TAC TAC...

- AAAHHHH! – Alvo berrou amedrontado pulando para o colo de Anna que piscou incrédula.

- Marica! – Acusou Anna, mas a garota também estava amedrontada com os sons vindos da entrada.

- Parece que tem alguém aqui – disse Alvo saindo do colo da namorada.

- Vem. Se esconde. – Disse Anna puxando Alvo para trás de uma parede.

Os dois ficaram observando o corredor da Casa dos Gritos e viram duas sombras se projetarem na entrada do corredor.

- Oh Deus! E agora? – Sussurrou Anna. – O que a gente faz?

- Corre gritando. – Disse Alvo. – Eu não trouxe minha varinha, e você?

- Você não trouxe a varinha?! – Anna parecia incrédula.

- Não, e você? – Alvo ergueu uma sobrancelha, acusador.

- Não! – Anna disse como se fosse óbvio.

- Então, tem uma opinião melhor do que fazer? – Perguntou Alvo.

- Não.

- Então, quando eu contar até três! Um... Dois... Três...

- AAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHH! – Gritaram Anna e Alvo correndo pelo corredor.

- O que é isso? – Perguntou Rose ao ver duas coisas indo na direção dela e de Scorpius.

- Eu não sei. – Scorpius apertava os olhos tentando distinguir o que vinha na direção dos dois. As coisas pareciam desenfreadas e os dois arregalaram os olhos ao ver que aquelas coisas não iam parar.

- AAAAAAAAAAAAAHHHHHHHH! – Gritaram Rose e Scorpius ao verem que as coisas iam se chocar com eles.

- AAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHH! – Gritaram Rose, Scorpius, Anna e Alvo ao colidirem com força e rolarem pelo corredor.

- MATA ANNA, MATA! – Berrava Alvo batendo no peito de Scorpius.

- SEU CORNO FILHO DA PUTA, VOCÊ ESTÁ EM CIMA DO MEU PÉ! – Berrou Rose se estressando ao ver o que estava acontecendo.

- CORNO É SUA MÃE, SEU FANTASMA MALDITO! – Anna agarrou o cabelo avermelhado do suposto fantasma e começou a morder enquanto puxava.

- SOCOOOORROOO! – Berrava Scorpius sentindo alguém bater nele.

- Rose? – Anna percebera que cabelo estava mordendo.

- Não! É claro sua besta quadrada! – Rose levantou-se cambaleando.

- Alvo? – Scorpius tentava se soltar do amigo.

- Scorpius? – Alvo parou de bater em Scorpius que parecia sentir muita dor.

- Olha o que vocês fizeram seus loucos! – Rose tentava se apoiar na parede.

- O que houve? – Perguntou Scorpius preocupado.

- Se você não percebeu, fomos atacados por duas pessoas medrosas dignas de um psicólogo. – Disse Rose apoiada sobre o pé bom.

- O que aconteceu com o seu pé? – Perguntou Anna solidária.

- O mesmo que aconteceu com o meu cabelo! – Disse Rose – ESTRAÇALHADO!

Alvo não agüentou e começou a rir.

- Foi mal.

- Mal? Foi péssimo, eu não consigo apoiar meu pé – disse Rose e tentou colocar o pé no chão – AI!

- Eita, deixa eu te ajudar – disse Scorpius indo até Rose e passando o braço na cintura da garota, que se apoiou nele.

- Obrigada Scorpius.

- De nada – disse Scorpius dando um selinho em Rose.

- O que vocês fazem aqui? – Perguntou Alvo olhando de Scorpius para Rose.

- Viemos visitar a Casa dos Gritos, eu sempre quis vir aqui – disse Rose como se fosse lógico.

- Nós também! Eu convenci a Anna – disse Alvo apontando para a morena que revirou os olhos.

- Nunca mais concordo com essas loucuras.

- Eu acho que a Rose torceu o pé – disse Scorpius preocupado.

- Vocês já vão então? – Alvo parecia triste.

- É claro que não! Eu vim até aqui então eu vou bisbilhotar essa coisa inteira. – Rose disse determinada.

- Eu também! – Concordou Anna.

- Então vamos logo com isso. – Alvo começou a andar na frente dos amigos.

- Cadê as varinhas de vocês? – Perguntou Rose curiosa.

- Mortas – disse Alvo de modo trágico.

- Vocês não trouxeram as varinhas? – Rose perguntou achando graça.

- Esquecemos – disse Anna encolhendo os ombros.

- Como vocês enxergaram nessa escuridão? – Perguntou Scorpius.

- Só com a luz da Lua que estava entrando – respondeu Alvo.

- E como vocês entraram? – Perguntou Rose.

- Eu taquei um galho no nó.

- Vocês são dois delinqüentes. – Acusou Scorpius.

- Anda Hugo! Anda com isso! – Pediu Lílian amedrontada.

- O que houve Lily? – Perguntou Hugo tentando mais uma vez fazer o que a namorada pedira.

- Eu acho que ouvi algo – disse Lílian segurando a varinha com força.

- Amor, só nós estamos aqui.

- Eu não teria tanta certeza disso.

- O que você acha que é? Um fantasma? Um lobisomem? Que loucura Lily! – Hugo riu da prima/namorada e deu um beijo em Lílian – Se acalma.

- Tem alguma coisa ali – disse Scorpius apontando para um quarto.

- Coo-m-o assim? – Perguntou Rose assustada.

- Olha, não estão ouvindo barulho? – Perguntou Scorpius.

- Pára de tentar assustar a gente Scorp! – Pediu Anna tremendo.

- Não estou assustando ninguém! – Scorpius começara a ficar nervoso – Venham cá.

Todos foram até uma porta e encostaram os ouvidos.

- Tá quase lá Lily! – Se assustaram ao ouvir uma voz masculina.

- O que é isso? – Cochichou Alvo perturbado – Lily?!

- Não consigo mais Hugo! – Berrou Lílian impaciente.

- Só mais um pouco! Tenta mais!

- Hugo? – Rose perguntou aturdida para os outros.

- O que os dois pensam que estão fazendo aqui? – Quis saber Scorpius.

- VAI LILY! TÁ QUASE! – Alvo se assustou com os berros do primo.

- O que aquele idiota, pensa que está fazendo com a minha irmã? – Perguntou Alvo começando a ficar nervoso.

Coisas nada legais começaram a passar pela cabeça dos sonserinos.

- Ah! Mais eu entro nesse quarto! – Disse Alvo dando um chute na porta e abrindo-a com força.

- AAAAAAAAAAAHHHHHH! – Hugo berrou ao ver o grupo de Sonserinos.

- O QUE VOCÊS ESTÁ FAZENDO COM A MINHA IRMÃ SEU TARADO?- Berrou Alvo totalmente descontrolado.

- EU NÃO ESTOU FAZENDO NADA! – Hugo tentou se explicar o mais rápido possível.

- Cadê ela? – Perguntou Alvo perdendo a paciência.

- O que é isso? – Rose analisava uma águia parada na soleira da cama, parecendo assustada.

- Não é nada. – Disse Hugo rapidamente correndo até a águia.

- VOCÊS TRANSFORMOU MINHA IRMÃ EM UMA ÁGUIA? – Alvo parecia transtornado.

- NÃO! EU... – Mas antes que qualquer pessoa pudesse dizer mais alguma coisa, Lílian apareceu no lugar onde a águia estava.

- Pra que esses berros todos?

- O QUE FOI ISSO? – Berraram Scorpius, Anna, Alvo e Rose juntos.

- Oras, isso fui eu! – Disse Lílian parecendo orgulhosa.

- O que você pensa que está fazendo?! – Perguntou Alvo, agora curioso.

- Me transformando em uma águia. – Lílian falou como se fosse óbvio.

- Como? – Perguntou Rose.

- Dãh! Já ouviu falar em animagos?! – Lílian parecia se divertir.

- VOCÊ É UM ANIMAGO? – Berraram todos os sonserinos juntos.

- Estou treinando para isso. – Lílian exibia um sorriso.

- Caramba Líl! – Alvo foi até a irmã e a abraçou.

- O que é isso Alvo Potter? – Perguntou Lílian.

- Estou tão orgulhoso! Minha irmã quebrando as regras! – Alvo exclamou fazendo todos rirem.

- Vocês pareciam meio alterados do outro lado da porta. – Comentou Hugo.

- E estávamos! Do outro lado parecia que vocês estavam fazendo outra coisa. – Disse Scorpius.

Lílian e Hugo coraram juntos.

- E o que vocês vieram fazer aqui? – Perguntou Lílian.

- Viemos dar um passeio – Anna respondeu sorrindo.

- Então... – Rose se virou para Hugo, com um olhar de censura – Vai me dizer que você também é uma águia!

- Não! – Hugo disse parecendo espantado.

- Ah bom!

- Eu sou um lobo.

- O QUE? – Berrou Rose – Hugo! Isso é perigoso! Você é muito jovem pra isso...

- Para a sua informação, estou melhor do que a Lílian nisso.

- Sério? – Perguntou Alvo com os olhos brilhando.

- Uhum – Hugo disse vitorioso. Lílian mandou-lhe uma careta.

- Então mostra! – Pediu Alvo quase pulando.

- É! MOSTRA! – Pediram Scorpius e Anna juntos.

- Ok, saiam da frente – pediu Hugo e todos se afastaram.

Em alguns segundos um lobo apareceu na frente deles.

- U-A-U! – Exclamou Rose impressionada. O lobo tinha um pelo castanho ruivo. Era realmente muito bonito.

- Está vendo? – Perguntou Lílian divertida – É um lobão.

Hugo pareceu achar graça no que Lílian disse e lambeu a mão da prima que estava ao seu lado.

- Divertido não? – Perguntou Hugo voltando para o próprio corpo.

- Sim! – Disseram Alvo, Anna e Scorpius parecendo achar aquilo fantástico.

- Não! – Disse Rose e todos a encararam – Ah! Qual foi! Isso é perigoso demais.

- Rose, nós já somos craques nisso! Só a Lily precisa melhorar um pouco, mas a transformação já está quase perfeita.

- Há quanto tempo vocês estão fazendo isso? – Perguntou Anna curiosa.

- Não sei. – Disse Hugo. – Na verdade, nós aprendemos muito rápido, mas só porque temos treinado quase toda a noite.

- Foi bem rápido, mas valeu à pena – disse Lílian –, é super divertido.

- EU QUEROOO ANNITA! – Disse Alvo pulando para a namorada.

- Quer o que Alvo Potter? – Perguntou Anna sem entender.

- Virar um animago!

- Você está louco?

- AAAHH DIZ QUE SIM, DIZ QUE SIM! – Disse Alvo juntando as mãos.

- Não. – Disse Anna.

- A gente pode ensinar pra vocês – comentou Lílian como quem não quer nada -, em alguns meses se vocês forem bons, que nem a gente, já estarão prontos.

- Modesta. – Rose revirou os olhos.

- VAMOS ANNA! VAMOS! – Pediu Alvo e a garota pareceu pensar.

- Eu topo – disse Scorpius fazendo Rose lançar-lhe um olhar severo. – Rose! Vai ser legal!

- Não vai não. – Disse Rose amarrando a cara.

- Vocês não podem contar pra ninguém! – Disse Hugo.

- Mas a Paaty e o Daniel tem que saber – disse Anna -, quero dizer, são nossos melhores amigos, se nós formos entrar nesse lance, eles também têm que.

- ENTÃO A GENTE VAI VIRAR ANIMAGOS? – Perguntou Alvo agora aos pulos segurando o braço de Anna, que riu.

- Sim.

- EBAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA! – Alvo corria pelo quarto.

- CHEGA! – Todos pararam ao ouvir o berro de Rose que estava vermelha – Ok, se vocês insistem nisso, vamos fazer direito.

- Então você topa? – Perguntou Lílian com o queixo caído.

- Você acha que eu vou deixar vocês fazerem isso, sozinhos? – Perguntou Rose como se fosse óbvio – É claro que eu irei participar disso.

- EBAAAAAAA! – Gritaram todos juntos fazendo Rose rir.

- Então, vamos sentar logo todo mundo no chão. – Pediu Hugo e todos fizeram uma roda.

- Vocês têm que escolher os animais nos quais vão se transformar – disse Lílian pegando um papel e uma pena que havia levado até a casa dos Gritos -, cada um diga um animal diferente para nós não confundirmos na hora da transformação. Alvo?

- Hum... – Alvo pensava com calma e de repente deu um pulo no chão – MACACO!

Todos olharam assustados para o garoto.

- Você está falando sério? – Perguntou Anna incrédula.

- Sim, eu serei um macaco fofo – disse Alvo sorrindo.

- Que fofinho! – Anna abraçou Alvo depositando um beijo no namorado.

- E você, Scorpius? – Perguntou Lílian.

- Uma doninha – comentou Rose como quem não quer nada. Todos riram da cara de Scorpius que ficou vermelho.

- É claro que não!

- Então você vai ser o que? – Perguntou Lílian.

- Um tigre – decidiu Scorpius sorrindo.

- Uau! Tigrão! – Rose rosnou para Scorpius que ficou vermelho.

- Pois é... Uma cobra que ruge! – Disse Alvo rindo – Irônico não?

Scorpius riu do amigo.

- Rose? E você? – Perguntou Lílian anotando tudo.

- Uma raposa.

- Que isso?! Já tinha isso em mente? – Perguntou Anna.

- Sim – Rose sorriu. – Eu já tinha pensado em virar animago.

- Ah... – Todos fizeram que entenderam.

- Anna, só falta você – disse Hugo.

- Peraí – Anna conjurou um patrono que saiu galopando pelo quarto e saiu pela janela.

- O que foi isso? – Perguntou Alvo.

- Chamei Paaty e Daniel.

- Que garota esperta. – Alvo deu um selinho em Anna.

- E qual é o seu patrono? – Perguntou Hugo curioso.

- O mesmo que vai ser o animal que eu irei me transformar: uma pantera.

- Que lindooooo amiga! – Rose tinha os olhos brilhando.

- Pois é... Eu amooo panteras. – Disse Anna sorrindo.

- Agora só falta esperarmos os outros.

Todos ficaram conversando até que Daniel e Paaty apareceram na porta sem entender nada, os dois de capas.

- O que é isso? Algum tipo de grupo de macumba? – Perguntou Daniel bocejando.

- Não! – Scorpius revirou os olhos – Estamos baixando espíritos.

Paaty riu de Scorpius e foi até a roda. Daniel a seguiu.

- O que estão fazendo? – Perguntou Paaty.

- Vamos virar animagos – respondeu Alvo.

Daniel começou a rir do garoto.

- Até parece. – Disse Daniel.

- Não, é sério, nós vamos virar animagos! A Lily e o Hugo são.

- Tá falando sério?! – Paaty parecia não acreditar.

- Hugo, mostra pra eles. – pediu Scorpius.

Hugo levantou-se e transformou-se no lobo. Paaty levou a mão à boca e Daniel apertou os olhos.

- Caramba, vamos Danny? Vamos! – Pediu Paaty enquanto Hugo sentava-se de novo no chão.

- Claro. – Daniel deu de ombros – E pra que vocês nos chamaram?

- Nós estamos decidindo que animais nós vamos ser. – Disse Rose.

- E o que vocês decidiram? – Perguntou Paaty.

- O negócio está assim – começou Lílian lendo o papel -, Hugo é um lobo, eu sou uma águia, Rose é uma raposa, Scorpius é um tigre, Anna é uma pantera, Alvo é um macaco.

- Você não leu na ordem! – Alvo disse mal humorado.

- Vai se danar! – Disse Lílian rindo. – Vocês vão querer ser o que?

- Deixa eu escolher – disse Paaty e começou a pensar -, eu vou ser... Uma gata.

- Você já é, amor – disse Daniel sorrindo.

- OOOOOHHH! – Fizeram Rose, Lílian e Anna juntas enquanto Scorpius e Alvo fingiam vomitar.

- Você é gostoso! – Disse Paaty beijando Daniel.

- Ergh! Parem com isso! – Pediu Alvo tapando os olhos – Eu sou muito novo para ver isso.

- Como se vocês não fizessem pior – disse Rose apontando para Alvo e Anna, que coraram.

- Eu não quero pensar nisso – disse Daniel emburrado.

- E você, Danny? Vai ser o que? – Perguntou Lílian.

- Eu? Um morcego – respondeu Daniel.

- Que isso, hein? BATMAN! – Alvo berrou fazendo Daniel revirar os olhos.

- Quando começa nossas reuniões aqui na casa do grito? – Perguntou Alvo animado.

- Vamos começar com isso amanhã se vocês quiserem – sugeriu Hugo.

- EBAAAAA! – Berrou Alvo animado.

- Sugiro que todos nós agora vamos dormir – disse Rose se levantando -, estou morrendo de sono.

- Vamos – concordou Anna bocejando.

Todos saíram conversando e logo estavam dormindo cada um em seu dormitório. A capa de invisibilidade agora se encontrava do lado de cama de Alvo, junto do mapa dos marotos, duas coisas que agora seriam muito úteis.

- Hugo – Lílian acabara de descer até a Sala Comunal da Grifinória naquela mesma noite.

- LÍLIAN?!

- SSHHH! – Mandou Lílian ao ouvir o berro de Hugo.

- O que você faz aqui? – Perguntou Hugo sem entender nada.

- Eu vim falar com você, eu fui até o seu dormitório e não te vi lá.

- O que foi? – Hugo puxou a namorada até seu colo.

- Bem... – Lílian corou – Eu queria conversar sobre o nosso namoro.

- Fala.

- Eu acho melhor ninguém saber por enquanto.

- Por quê? – Hugo perguntou calmamente para Lílian.

- Você viu a reação do Alvo quando pensou que a gente tivesse fazendo coisa errada.

- Bom! Era coisa errada! Se fosse se beijando tudo bem, mas ele pensou que nós estivéssemos fazendo sexo, eu entendo a raiva dele.

- Eu sei, eu sei, mas Hugo – os olhos de Lílian brilharam de lágrimas -, confia em mim, vamos manter isso em segredo por enquanto.

Hugo revirou os olhos, mas sorriu.

- Se você faz questão.

- Eu te amo Hugo.

- Eu sei, eu sei, todo mundo ama.

Lílian riu e deu um selinho no namorado.

- Eu só mereço isso? – Perguntou Hugo fingindo-se ofendido.

- Não! Merece muuuuito mais! – Lílian passou os braços pelo pescoço de Hugo e o puxou trazendo-o mais para si. Hugo passou as mãos para a cintura de Lílian, que continuava em seu colo.

Depois de um tempo, Hugo já se encontrava praticamente deitado e Lílian ainda beijava-lhe tirando totalmente o fôlego do garoto.

- Lílian...

- Eu.

- Eu preciso de fôlego.

Lílian riu se afastando de Hugo.

- Sinto muito lobão.

Hugo corou e passou a mão por dentro da camisa da garota sentindo a pele de Lílian. A garota estremeceu com o toque em sua cintura.

- Eu disse que precisava de fôlego, não para a gente parar de se beijar de vez.

Lílian se inclinou para Hugo beijando-lhe novamente.

- Ok, é agora ou nunca – disse David para o grupo que se encontrava no vestiário.

- Calma David, é só um jogo contra a Lufa-Lufa – garantiu Scorpius para o capitão.

Rose respirou fundo se balançando nos pés e olhou para Paaty que parecia compenetrada em Daniel que ainda colocava seu uniforme. O garoto se encontrava sem camisa e Paaty praticamente babava.

- Coloca o queixo no lugar – exclamou Rose para Paaty, que corou, ao ver todos a encarando. Daniel sorriu para a namorada e foi até ela beijando-lhe de maneira carinhosa. A garota não pode resistir e percorreu o peito desnudo de Daniel com as mãos. Ao se separar da namorada, Daniel sussurrou para Paaty:

- Isso tudo é seu. – O garoto piscou para a namorada que corou mais do que havia corado, mas Paaty piscou marotamente de volta.

- Eu sei disso, você acha que eu estou com você por quê?

Daniel riu de Paaty e a beijou novamente.

Do outro lado, David olhava para o casal, feliz por não se sentir incomodado com aquela cena.

- Então, é hora do jogo – anunciou Anna saindo do vestiário feminino. Todos sentiram um nó no estômago.



Notas finais do capítulo

A primeira temporada vai até o vinte :)



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Greens: porque as Cobras também Rugem" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.