A Missão Final escrita por Gaia


Capítulo 27
Verdades...?




Sakura saiu do carro para encontrar Naruto dentro da lanchonete, ela percebeu, feliz, que Sasuke não tirava os olhos dela. Não estava preocupada com os motoqueiros, eles não podiam fazer nada publicamente, como Sasuke havia dito.

- Naruto, vamos. – falou por trás do loiro que estava pedindo diferentes lanches para a recepcionista, que ouvia cada vez mais impressionada.

– E aquele ali. Com molho extra! Sakura-chan, o que vai querer? – perguntou inocentemente.

A recepcionista os fitava com os olhos arregalados.

– Seu idiota, não temos tempo para isso! – a rosada exclamou, o puxando pelo braço. – Me desculpe. – pediu para a mulher, que apenas deu um pequeno sorriso nervoso.

- Ei! Espere! Sakura, quer me dizer o que está acontecendo agora? – ele perguntou, se recusando a mexer-se.

Ela suspirou, teria que dizer alguma hora e também estava curiosa para saber a parte do Naruto em tudo aquilo.

– Certo, mas temos que ir para algum lugar seguro primeiro.

Os dois sairam da lanchonete, sendo acompanhados pelos olhares dos motoqueiros, que claramente estavam furiosos e impacientes. Assim que entraram no carro, Sasuke murmurou:

- Precisamos dar um jeito nesses caras. Sakura, você ainda tem o dispositivo que roubou na Akatsuki?

A rosada checou os bolsos da capa que roubou de Suigetsu e encontrou a pequena arma e a entregou para o Uchiha.

- Vamos para alguma rua sem saída, acho que consigo derrotar esses caras. – falou convicto, fazendo Naruto gargalhar.

- Até parece! – exclamou entre os risos. – Você viu o tamanho desses caras?! E são três!

Sasuke bufou e o olhou com desdém.

– Você tem alguma outra idéia? – perguntou friamente.

– Na verdade, tenho. – respondeu Naruto feliz.

Depois de ouvirem a idéia do loiro, Sakura concordou com a cabeça. E Sasuke, sem muitas opções, aprovou também. Ele girou a chave e saiu de ré do estacionamento, entrando rapidamente na mesma avenida movimentada.

Olhou pelo retrovisor, e no momento certo, jogou o carro para a calçada e deu meia volta, para andar na contra-mão. Quando os motoristas se deram conta do que estava acontecendo, já era tarde.

O carro de Sasuke ia a toda velocidade na contra-mão, fazendo com que gerasse o caos na avenida, vários carros buzinavam desesperados, e outros, viravam o volante bruscamente para o lado, desviando.

Os motoqueiros seguiam-os facilmente. E já estavam a centímetros do alvo quando Sasuke girou o volante de repente, fazendo as motos se chocarem com o carro que vinha na direção certa.

Pelo retrovisor, os três conseguiram ver os motoqueiros sendo jogados para fora das motos, que bateram fortemente no capô do outro carro, amassando-o completamente.

– Isso! – Naruto berrou, feliz com o sucesso de seu plano.

Sasuke entrou em uma rua deserta qualquer e parou o carro.

– Vamos, temos que sair, a polícia deve estar atrás de nós. – falou abrindo o porta-malas e pegando sua mochila, junto com a de Sakura.

- Para onde vamos? – Sakura perguntou receosa, pegando sua mochila das mãos do Uchiha.

Ele não respondeu, apenas ergueu o capuz de seu casaco ainda rasgado e cobriu-se, torcendo para que aquilo fosse suficiente. Sakura viu a cena e fez o mesmo com a capa da Akatsuki, começando a seguir os passos do moreno.

- Onde vamos?! – Naruto perguntou ainda parado. Ele, diferentemente de Sakura, não confiava em Sasuke.

O outro bufou, impaciente. Não tinha tempo para aquilo.

- Para algum hotel qualquer. Precisamos decidir o que faremos. – respondeu a contra gosto.

Sakura lançou um olhar furioso para Naruto e ele moveu-se emburrado.

Chegaram em um hotel pequeno e humilde e, enquanto Sasuke conversava com a recepcionista, Naruto infortunava Sakura com perguntas.

- Agora você pode me falar o que está acontecendo?!

- Não. Olha, isso é difícil para mim também, então só fique quieto e faça o que Sasuke mandar. – ela respondeu, cansada.

- Eu não confio nesse cara. – o loiro respondeu franzindo o cenho.

Sakura estava prestes a perguntar o motivo quando Sasuke voltou com uma chave na mão.

- Eu não vou dormir no mesmo quarto que ele! – berrou apontando para ele e a única chave que tinha em mãos.

- Nós não vamos dormir, idiota! – Sakura respondeu irritada. – Vamos.

Assim que chegaram no aposento, Naruto sentou-se em uma poltrona e ligou a televisão pequena que se encontrava embaixo da janela.

Sakura, cansada, se jogou na cama de casal no centro do quarto, esperando que a dor de cabeça passasse, enquanto Sasuke ficava andando de um lado para o outro, pensando.

Em minutos, ouvia-se um ronco vindo de Naruto, ele dormia profundamente com a cabeça tombada e a boca aberta. Sakura riu da cena e falou, gentilmente:

- Sabe… O Naruto é uma boa pessoa, não envolva mais ele, por favor.

Sasuke a fitou, sem entender.

- Eu não o envolvi. – afirmou.

A rosada sentou-se e piscou confusa.

- Como assim? Então o que ele estava fazendo na Akatsuki?

- Itachi o chamou para interrogá-lo… Para saber o meu paradeiro. – ele respondeu simplesmente.

– Certo… - Sakura disse, ainda atordoada. De repente, algo lhe veio a mente. – Sasuke… Você nunca disse que eu estava certa.

– Sobre o que?

- Sobre a minha suposição de plano. – respondeu, ficando impaciente. Como não percebera antes? – Porque agora que eu pensei direito, tem algumas coisas que não se encaixam…

Sasuke respirou fundo e a fitou, finalmente ela havia percebido. Se falasse toda a verdade, estragaria tudo o que vinha planejando, então resolveu partir para o “plano B”.

– Você está certa. A verdade é que eu não estava negociando a sua liberdade.

Sakura franziu o cenho.

– C-como assim?

- É isso que você ouviu. Sakura, eu nunca quis a sua liberdade, eu só quero tirar Madara do poder. Eu venho o investigando faz tempo. Assim que vi o motivo pelo qual ele a queria morta, eu soube que algo estava errado e percebi que você poderia ser a chance que eu precisava para tirá-lo do cargo.

“Então eu sai de casa para provocar Itachi, mostrá-lo que algo estava errado. Ele logo percebeu e ficou enlouquecido para me achar, não porque se importava, mas porque estava com medo do que eu poderia dizer. Sabe, Itachi sempre se importou mais com a imagem da organização do que comigo, e ele sabia que eu estava escondendo alguma coisa.”

A medida que Sasuke falava, as lágrimas de Sakura vinham, cada palavra a feria como se fossem uma diferente tortura. A dor de cabeça voltara a tona, zombando de sua infelicidade.

- Mas eu precisava da sua confiança para ficar do meu lado e me entregar aquela lista de pacientes. Era a última prova que eu precisava. Para isso, te levei para a casa de Kakashi, precisava de mais tempo com você, e eu sabia que a história de Hatake ia te comover. Também para tirar Karin do caminho e coletar mais informações sobre Madara, obviamente.

“Então fui para Akatsuki, precisava falar com Itachi, informá-lo de tudo. Apesar de tudo, eu sabia que ele ficaria do meu lado nessa situação, ele também está cansado de ser boneco de Madara. Toda aquela encenação no começo foi para fazer você acreditar no que você sugeriu depois, que eu estava barganhando alguma coisa.

Era óbvio que Itachi iria me prender até analisar todas as provas, mas eu sabia que você não ia embora facilmente e ia me tirar de lá, por isso mandei Suigetsu falar aquelas coisas para você.

Eu não podia ficar preso, eu tinha que implantar a idéia da cabeça dele e ir embora, deixar que as coisas acontecessem naturalmente. Um motim deve estar acontecendo agora mesmo na organização.”

Sasuke terminou sua explicação e sorriu sombriamente, como Sakura já o vira fazer várias vezes. As lágrimas no rosto da rosada corriam livremente, e ela falhava em tentar conter os soluços.

- Então você só estava me usando?! – ela berrou furiosa entre os soluços.

Ele acenou com a cabeça, friamente, e desviou o olhar.

- Você é exatamente o que eu achava Uchiha! Eu já desconfiava… Eu… - não conseguia achar palavras para todo o seu ódio e frustação. – Era tudo uma mentira?!

Sasuke entendeu perfeitamente o que ela quis dizer com isso. Não estava mais se referindo ao plano, mas sim ao que tinham passado juntos, o abraço, o beijo, toda a preocupação…

- Sim. – disse, seco.

Sakura gritou e acordou Naruto com um empurrão.

- VAMOS!

- Mas… - ele protestou, sem entender.

Vermelha de raiva e com o coração pesando mais do que nunca, puxou Naruto pelo braço e saiu do quarto, deixando Sasuke sozinho com suas mentiras e encenações.

Assim que Sasuke notou que ela havia saido, deu um sorriso triunfante, pois até ele sabia que se ama
alguém, tem que saber deixá-la ir.



Notas finais do capítulo

Oooi, nossa, nem sei como começar a me desculpar!

Desculpeeeem mesmoooo a demora, era para eu postar esse capítulo no começo de janeiro, mas meu computador quebrou e ficou um tempo no conserto. Logo depois eu fui viajar, então não teve como eu reescrever o capítulo, já que o pc voltou sem nada DD:

Me perdoem, de verdade. A boa notícia é que ele está de volta e eu já comecei a escrever o próximo capítulo, prometo que não vai demorar, hahaha.

Bom, espero que tenham gostado desse, eu escrevi com muito carinho, mesmo. Eu sei que muitos vão me odiar até a morte, mas vão entender depois.

Mandem reviews e me deixem feliz, porque estou meio mal nesse começo de ano. DDD:

Falando nisso, para quem eu não desejei, FELIZ ANO NOVO -atrasado-Beeijos :*

PS: Não me matem. hihi