A Missão Final escrita por Gaia


Capítulo 26
Improviso




A adrenalina corria através do corpo de Sakura, que tentava se manter firme enquanto Naruto a enchia de perguntas. Era óbvio que ele não voltaria a dormir, nem sabia porque tivera alguma esperança.

- Mas Sakura, aonde estamos indo?! – era a pergunta que ele repetia constantemente.

- Bate na cabeça dele. – Sasuke repetiu já impaciente. Tinha muito mais com o que se preocupar do que ouvir perguntas importunas.

-  Não vou bater na cabeça dele, Sasuke! – Sakura exclamou nervosa, ignorando os berros indignados de Naruto.

- Sakura, dá pra você me falar o que está acontecendo?! – o loiro perguntou mais uma vez, agitado. Agora estava sentado, olhando para os lados freneticamente, tentando acompanhar as motos que os seguiam. – E o que ele
está fazendo aqui?

A rosada virou o rosto bruscamente e o fitou, furiosa.

- Não, não dá para explicar o que está acontecendo. E ele
, está tentando salvar as nossas vidas. Agora cale a boca! – disparou vermelha.

Naruto encolheu-se, nunca a vira tão nervosa. Cruzou os braços e fechou a cara, tentando ficar quieto, o que não seria fácil.

Sasuke viu a cena pelo retrovisor e admirou a atitude de Sakura. Poucos conseguiriam enfrentar um amigo em uma situação como aquela. A maioria estaria em choque.

Apertou o volante, decidido a tirá-la de lá com vida, a idéia de viver sem ela lhe parecia perturbadora demais para fixar em sua mente.

– Sasuke, eles não estão com armas… - Sakura notou intrigada, interrompendo seus pensamentos.

– É proibido o uso de armas de fogo na Akatsuki. – ele explicou.

– Então, como eles esperam nos levar de volta?

Uma virada brusca a fez cair em cima do Naruto, que gritou, assustado. Já cansado de se conter, falou, estranhamente sério:

– Caso vocês não tenham percebido, as motos estão nos fazendo seguir o caminho que elas querem.

Sakura o fitou com os olhos arregalados, como ele tinha tirado essa conclusão sozinho? Naruto nunca fora muito esperto.

- Eu sei. – Sasuke disse, seco.

– Então faça algo a respeito! – replicou o loiro, ainda sério, deixando Sakura completamente perplexa e assustada. Desde quando ele ficava sério? O que ela havia perdido naquele escritório afinal?

Agora era ela quem queria algumas respostas, mas, diferente de Naruto, sabia que não era o momento certo para aquilo.

Sasuke não se deu ao trabalho de responder, apenas lançou um olhar raivoso para Naruto, que bufou, agitado.

Sakura, preocupada, começou a perceber o movimento na rua e a gravidade da situação. Haviam duas motos de cada lado do carro, três na frente e mais três atrás, cercando-o.

Ela percebeu que Sasuke tentava despistá-las jogando o carro para alguma outra rua ou dando freiadas bruscas, causando várias batidas de outros carros, que businavam asiduamente. Nada parecia funcionar, as motos reapareciam como se nunca tivessem saido. 

Aflita, fechou os olhos com força e torceu para que elas sumissem e tudo ficasse bem.

– Segurem-se. – Sasuke pediu, cansado de fugir.

Naruto agarrou o banco de passageiro a sua frente com todas as suas forças e fechou os olhos com força, aguardando o pior. Achando graça da cena, Sakura abraçou-o, apertando-o fortemente, o que fez Sasuke bufar de desgosto. “Ele está com ciúmes
.”, pensou triunfante.

O Uchiha entrou em uma rua estreita e vazia, junto com as motos, que seguiam o carro incansadamente. Assim que checou que ambos estavam seguros, jogou o véiculo para cima das motos que se estabeleciam ao lado direito do carro.

Causando um grande baque, as duas motos foram esmagadas contra a parede da rua estreita, fazendo com que os dois motoristas caissem no chão, inconscientes.

Em um movimento rápido, ele virou o volante para o outro lado, a fim de fazer o mesmo com as outras duas motos que continuavam a correr.

Enquanto Sakura gritava e Naruto murmurava vários “eu vou morrer, eu vou morrer”, Sasuke apenas revirava os olhos, impaciente.

Outro grande baque e as duas motos cairam. Prevendo uma explosão, pisou fundo no acelerador e saiu da rua, torcendo para que as outras seis explodissem junto.

Sakura fechou os olhos e calou-se, em choque. Para o seu desespero, ouviu uma grande explosão e não conseguiu manter a sua cabeça reta, que virou-se para observar o fogo.

Não havia sinal das motos, a única coisa que os seguiam era fumaça e fogo, vindo em alta velocidade, promovendo um calor absurdo pela rua estreita, que parecia não ter fim. Sasuke afundava o pé no acelerador sem olhar para trás.

Naruto continuava agarrado no banco, sem se mexer, completamente petrificado de medo.   

Aos poucos, a fumaça foi desaparecendo e Sakura conseguiu ver o estrago feito na rua. Tudo estava destruido, desde latas de lixo, até orelhões, e para a felicidade dos três, a rosada conseguiu identificar sete motos totalmente destruidas.

- Sasuke, faltam três! – ela disse, quando lembrou-se de quantas haviam no começo. – Elas devem estar mais atrás e não foram atingidas.

O Uchiha bufou, achou que aquilo acabaria de vez com a perseguição. Viu o fim da rua e pensou no que faria a seguir.

Naruto ergueu a cabeça para entender o que estava acontecendo, mas não se soltou.

- Já sei! – ele disse eufórico. – Breca!

Sakura o olhou impressionada, entendendo o que o loiro quis dizer.

- Isso! Não acredito que vou falar isso, mas Naruto está certo. As motos estão vindo na maior velocidade que podem, se a gente parar elas vão bater com certeza.

- E a gente morre. – Sasuke murmurou enquanto diminuia a velocidade. – São três motos batendo na traseira de um carro.

Ele olhou pelo retrovisor e viu as motos se aproximando. Sabia que não poderia deixá-las escapar, senão iriam pedir reforços, mas brecar naquela velocidade seria suicídio.

- Não! – Naruto berrou. – A gente sai antes delas alcançarem.

Os três sabiam que isso seria impossível, então Sasuke apenas continuou acelerando, tentando pensar em outro plano o mais rápido possível.

- Eu tenho um plano melhor. – o Uchiha murmurou satisfeito.

Sakura ajeitou-se no banco, estava cansada de planos, nada parecia dar certo.

Finalmente a rua acabou, resultando em uma grande avenida movimentada. Sasuke, rapidamente, virou para a esquerda e se misturou com os outros carros, em alta velocidade.

- O que você está fazendo?! – perguntou Naruto exaltado.

O outro o ignorou e continuou costurando o trânsito, recebendo inúmeras businas e xingamentos.

As três motos acompanhavam o carro com facilidade, contornando-o até ficarem uma em cada lado e uma atrás. Sasuke já estava pronto para executar o que tinha em mente e os outros dois apenas o fitavam, aflitos.

Subitamente, o carro parou, na frente de uma lanchonete conhecida e o Uchiha suspirou.

- Hm… Sasuke? – Sakura perguntou, certificando-se de que ele estava em sã conciência.

– Eles não podem fazer nada. Itachi me quer vivo e uma luta em público poderia manchar a reputação da Akatsuki. – Sasuke explicou. - E o Naruto não seria útil para ninguém. – completou.

Ignorando os berros raivosos de Naruto, Sakura franziu o cenho e disse humildemente, com a voz falhando:

- Mas, e eu?

O Uchiha bufou, era uma pergunta tão óbvia.

- Não vou deixar nada acontecer com você. – respondeu simplesmente, fazendo-a corar.

Naruto deu uma risadinha zombateia, recebendo um olhar furioso de Sasuke. Sakura sorriu satisfeita com a resposta e olhou pela janela, a fim de ver as motos. Para a sua surpresa, as três estavam paradas na vaga ao lado, cada uma com o seu respectivo motorista apoiado, todos de braços cruzados.

– O que a gente faz? – perguntou preocupada. Estava óbvio que aqueles homens seguiriam o carro para onde quer que fosse, até conseguirem o que queriam. – Não podemos deixar que chamem reforços.

- Eu estou com fome… - Naruto disse olhando para dentro da lanchonete. – A gente pode comer e depois pensar, né?!

Sakura revirou os olhos.

– Naruto! Você só pensa em comida?! Não vê que estamos no meio de….

Mas Sasuke já não escutava, enquanto os dois estavam brigando no banco de trás, ele tentava descobrir o que os motoqueiros estava planejando. Se iriam pedir reforços, por que ainda não haviam pedido?

“O que eu faria se estivesse no lugar deles?”, pensou. Nada lhe vinha a cabeça, já estava ficando impaciente quando foi interrompido por Sakura, que murmurou emburrada colocando a cabeça para frente:

- Naruto foi comer.

– Temos que ir embora. – informou. – Ele vai ficar bem, ninguém sabe quem é ele.

– Sasuke… Eu não vou deixar o Naruto sozinho. – ela disse, assustada com a decisão do moreno. – E para onde iríamos? Esses caras parecem determinados.

– Eu não sei. – Sasuke admitiu, franzindo o cenho.

– Escuta, eu não acho que devemos fugir. Isso não vai acabar nunca, não importa para onde formos, irão nos achar. Não quero viver como uma fugitiva…

Sakura suspirou e deu um sorriso forçado, não queria deixar a situação mais difícil do que já estava.

- O que você sugere? – o Uchiha perguntou olhando para o banco. Em outra ocasião, nunca consideraria a opinião de ninguém sobre a situação, mas era com a dona dos olhos esmeralda com quem estava falando.

A rosada pousou a mão no rosto dele e o levantou, fazendo os seus olhos se encontrarem.

- Formamos um plano juntos para tirar Madara do comando. Assim nós dois ficamos livres. – ela sorriu.

Não parecia uma boa idéia para Sasuke, não podia deixar Sakura se envolver mais com a Akatsuki, o risco era muito grande. Mas por outro lado, ela tinha razão, não poderiam fugir para sempre, e ele agora sabia que ela não o deixaria barganhar a sua liberdade.

– Ah… - ela continuou, ao perceber que ele não iria dizer mais nada. – E o Naruto vai junto.

Sorriu ao ver, pelo retrovisor, a careta involuntária que Sasuke fez. Isso significava que ele concordara.



Notas finais do capítulo

Oooi, aí mais um capítulo para vocês, espero que gostem.

Acho que esse é o último do ano, mas não garanto, talvez eu volte pra casa antes do ano novo... Se esse for o caso, eu escrevo um capítulo especial pra vocês

De qualquer jeito, feliz natal para todos vocês, que todos recebam muuuito carinho, amor e todos os presentes que pediram, HIEOUAHAE.

Meu presente pra vocês vai ser o próximo capítulo, vou escrevê-lo com muito carinho e capricho.

É isso, se eu não voltar antes do ano novo, feliz ano novo para todos também, um ótimo 2011 *---*

Beeijos :*