A Missão Final escrita por Gaia


Capítulo 25
Respostas




Sakura abriu os olhos cuidadosamente e analisou a situação, para a sua surpresa, Itachi e Naruto estavam no chão, como previsto, e Sasuke ainda estava a sua frente, com os olhos cobertos.

Ele se soltou e a fitou com uma expressão que Sakura não conseguiu decifrar, não sabia se era frustração, ódio ou apenas a indiferença de sempre. Preferiu não saber.


– Vamos, temos que ir embora. – ela disse em um sussurro. Foi até Naruto e o pegou pelos braços a fim de arrastá-lo para fora. Ela o conhecia bem para saber que se o deixasse consciente ele faria um escândalo, daquele jeito seria bem mais fácil.

- O que você está fazendo? – Sasuke ralhou.

Sakura tentou evitar olhá-lo, ela sabia que tinha estragado qualquer coisa que ele havia planejado.

– Tentando tirar Naruto daqui. – ela respondeu, mesmo sabendo que não era aquilo que ele queria ouvir.

Sasuke bufou, nervoso, não acreditava que ela havia feito aquilo, tamanha burrice.

- O que você está fazendo?
– perguntou novamente, feroz.

Sakura, ainda sem olhá-lo, continuou arrastando Naruto com dificuldades para a porta, ela não queria explicar, não queria ter que dizer o que sentia. Ele tinha que entender.

Para sua infelicidade, ele se aproximou e a segurou pelo braço, a forçando a mirar seus olhos, que queimavam em fúria. Os fitou, aprofundou-se naquele olhar, tentando captar algum sentimento que não fosse raiva e frustação.

Em instantes, os olhos ônix suavizaram e o aperto afrouxou, Sasuke simplesmente não conseguia encarar aqueles olhos verdes sem amolecer. Ele abaixou a cabeça, frustado com a sua fraqueza.

- Eu… - Sakura balbuciou, tentando encontrar palavras ao desviar o olhar. – Eu entendi, ok? Eu entendi a porcaria do seu plano e… Não vou deixar dar certo. Me desculpe.

O moreno ergueu a cabeça. Então finalmente ela tinha percebido?

- O que você… ?

- Nem tenta. – ela o interrompeu quase lacrimejando. – Eu não sou tão estúpida. – completou cabisbaixa. Virou-se e tentou puxar Naruto mais ainda, mas toda a sua força havia sumido.

Por alguns minutos, Sasuke apenas observou o fracasso dela ao tentar arrastar o loiro para fora, estava completamente perplexo para pensar em ajudar.

– Você realmente achava que isso iria dar certo? Que eu iria embora sem mais nem menos? – ela perguntou irritada por não ser forte o suficiente, fisicamente e psicologicamente. Se condenava constantemente por parecer tão inútil, tão ridiculamente vulnerável na presença do Uchiha.

– Eu não… - Sasuke tentava falar, mas não sabia como expressar tudo o que desejava. Além de raiva, que se esvairava pouco a pouco, ele estava atônito, tentando compreender o que fez Sakura descobrir o seu plano. Ele era tão óbvio assim?

Ficando impaciente com a atitude do moreno, ela ralhou:

- Foi um plano bem ruim se você quer saber. Muitas margens de erros.

O moreno piscou várias vezes, ela realmente
tinha entendido tudo? Não era possível.

- Sakura. – finalmente falou. – Como você acha que era meu plano?

Ela o encarou e fez uma expressão de deboche.

- Vamos sair daqui primeiro. E não adianta insistir, não vai dar certo. – ela disse determinada.

Sasuke, em movimentos quase robóticos, a ajudou e acompanhou até o carro, tentando ao máximo manter a compostura, apesar de estar totalmente impressionado, ela nunca pararia de surpreendê-lo?

Quando já haviam colocado Naruto no banco de trás, Sakura começou a falar para que Sasuke saísse de seu estado de choque e pegasse no volante:

- Você queria trocar. A minha vida pela sua. Quer dizer, você não ia morrer, mas iria ficar na Akatsuki para sempre, sem poder falar nada sobre o Madara. E nós dois sabemos que você não iria querer isso. Você achou mesmo que eu iria embora sabendo que você ficaria em um lugar horrível como aquele? 

Ela finalmente encontrou os olhos dele. Não conseguiu destinguir novamente o que eles revelaram, mas não tinha mais vestígios da raiva que obviamente possuia anteriormente.

Sentindo que deveria continuar, Sakura acomodou-se no banco do passageiro e declarou:

- Era tudo um plano desde o começo, não é? Desde o momento que entramos na casa de Kakashi você sabia o que fazer.

Ela sorriu e ele pigarreou surpreso.

- Sim. – confessou desviando o olhar. Fitou o volante e girou a chave ligando o motor, era tarde demais para tentar improvisar outro plano, teriam que sair dali e pensar na volta mais tarde, graças a Sakura.

– Você só foi até Kakashi para adquirir sua confiança e pegar alguma informação sobre a Akatsuki que intimidaria o seu irmão. Ao mesmo tempo, você sabia que Karin iria procurá-lo lá, se livrando de mais um problema. Devo admitir Sasuke, foi bem genial, eu nunca pensaria nisso. – Sakura continou com um sorriso.

Ele bufou, qualquer
um pensaria nisso.

- Então você nos trouxe aqui, já sabendo que Itachi não iria matá-lo sem antes saber o motivo da sua volta. E é claro que toda aquilo de “eu quero ser dono da Akatsuki” era uma encenação boba, para você ganhar tempo até poder me expulsar e o Suigetsu chegar para me deixar inconsciente. Porque era óbvio que Itachi nunca deixaria você tomar o comando, mesmo chantageando-o.

Sakura o fitou de perfil, pensando que estaria surpreso com as suas conclusões, mas ele apenas estava olhando para frente, dirigindo para o horizonte, sem preocupa-se em parar nos faróis.

Mesmo assim ela continuou, queria chegar em um ponto específico, ele não teria como fugir, iria respondê-la.

- Assim que eu sai, você realmente falou o que queria para Itachi. Que ele me deixasse em paz, que ninguém tentasse me matar novamente, senão você soltaria a tal informação sobre o seu pai. Estou certa, não é?

Finalmente ele virou o rosto. Divertindo-se com a perspicácia de Sakura, ironizou:

- Obviamente que não, isso seria loucura.

Sakura riu, presentiando-o com o mais belo som que já ouvira. Como nunca havia reparado no riso dela? Naquele momento parecia-lhe uma coisa tão impossível de passar despercebido, era tão doce, suave, sincero. Poderia colocar um sorriso até na pessoa mais rancorosa existente.

- E então você apostou na ideia de que eu fosse por vontade própria, que iria sem nem me preocupar em como você ficaria. – ela disse séria, olhando para a janela. Aquilo parecia tão absurdo em sua cabeça que as palavras até soaram estranhas.

- Por que se preocuparia? – Sasuke perguntou sem pensar, arrependedo-se logo depois.

- Pelo mesmo motivo que você trocaria a sua liberdade pela minha vida. – respondeu sorrindo para si mesma. Como ele ainda se perguntava coisas tão pateticamente óbvias?

Percebendo o que acabara de dizer, Sakura corou violentamente e virou o rosto, fechando os olhos com força. O que foi aquilo? Ela nunca falava aquelas coisas.

- Mas eu ainda não entendi o que Naruto tem a ver com tudo isso. – disse rapidamente a fim de evitar o silêncio constrangedor que se estabeleceria. Tentava ao máximo não encará-lo, mesmo sabendo que ele a fitava, hipnotizado.

Sasuke não respondeu, faltaram-lhe palavras novamente. Era incrível, ele sempre sabia o que dizer, em qualquer ocasião, fora treinado para isso. Então por que naquele momento não tinha? Parecia que as letras não conseguiam achar seus devidos lugares, e quando achavam, formavam palavras e frases que para ele não faziam sentido.

E o irritava o fato de que Sakura tinha tanta facilidade para desviar o assunto, para fazê-lo acreditar que nada havia acontecido, que ela não tinha dito aquilo com as intenções que ele acreditara.

- Sasuke. – o chamou, olhando para o banco traseiro, sorrindo da cena de Naruto babando no banco de couro. – Naruto ficará bem?

O moreno apenas acenou com a cabeça. Sakura suspirou, por que ele era tão difícil? Seria tão impossível assim desvendar Uchiha Sasuke?

- Sakura… - ele murmurou de repente. – Por que você se preocupa comigo?

Ela o fitou supresa, ele iria insistir no assunto?

- Bom… - ela disse após alguns minutos, estava tentando escolher as palavras certas quando viu a expressão de Sasuke. Ele estava completamente indignado com alguma coisa, algo que acabara de perceber.

– Por que não tinha ninguém no portão da garagem? – perguntou irritado ao perceber o grande erro que cometeram. Estava tão ocupado em entender a cabeça da rosada que nem lembrou dos outros homens da organização. Era óbvio que estavam sendo perseguidos.

– Uma armadilha! – ela berrou quando viu pelo espelho retrovisor uma moto indo em sua direção em grande velocidade.

Sasuke acelerou o máximo que pôde ao mesmo tempo que Sakura encolheu-se e colocou as mãos no rosto. Como não tinha pensado nisso? Seu plano de fuga parecia-lhe tão bom em sua mente.

– Vai para trás com o Naruto! – o Uchiha ordenou. Ela obedeceu na mesma hora, se estreitou no meio dos bancos da frente, abraçou o loiro, que ainda estava inconsciente, e colocou o cinto de segurança envolvendo-o.

- Sasuke, nós temos que sair das ruas movimentadas! – ela disse aflita. – As motos tem vantagem aqui!

Ele deu um meio sorriso, era exatamente isso que estava pensando. Deu uma virada brusca e pegou outro caminho, para a sua sorte, conhecia aquela cidade como ninguém.

– Por que eles demoraram tanto para nos alcançar? – Sakura perguntou assustada com o barulho das motos freiando nas curvas.

– Eu não sei. – ele declarou sinceramente. Também desconfiava daquela armadilha, claramente havia algum aspecto que lhe passou despercebido.

-  Sa-Sakura?… O- O que está acontecendo? – Naruto murmurou rouco, abrindo os olhos lentamente.

– Bate na cabeça dele. – Sasuke disse friamente, o fitando pelo retrovisor.

Sakura o ignorou e olhou Naruto tentando dar o seu sorriso mais sincero.

- Você está bem Naruto. Apenas volte a dormir, estaremos em casa logo.

Sasuke percebeu que a sua voz estava tremendo. Era óbvio que nem ela acreditava no que havia acabado de dizer.



Notas finais do capítulo

Ooi, capítulo fresquinho para vocês (:

Finalmente o cap que todos estavam pedindo né? HEAOHIUAE Ah, eu sei que o plano do Sasuke está meio piegas por enquanto, eu pensei em umonte de alternativas mirabolantes, mas vou deixar pra enrolar tudo depois, ok? Vocês vão ver, hahaha.

Comentem comentem *--*

Beeijos :*