Martírio escrita por Lótus e Annye


Capítulo 2
Capítulo 2




Este capítulo também está disponível no +Fiction: plusfiction.com/book/798860/chapter/2

Já haviam passado três anos do tratado de paz e finalmente Konoha estava concluída, ao menos o governo estava, casas continuavam sendo construídas e pessoas continuavam chegando, Madara olhava sua criação do topo da cabeça de Hashirama no popularmente chamado Monte Hokage, abençoando ter conseguido se livrar do cargo que amarrava seu melhor amigo a uma cadeira e burocracia, não que ele mesmo não tivesse sua cota de deveres exaustivos e chatos, assim como Izuna e Tobirama, eles só tinham mais margem para manobra, bem ele e Izuna tinham, o Senju mais novo parecia trabalhar todos os dias a exaustão, parando apenas para comer, treinar e dormir umas poucas horas de cada vez. Madara se recusava a admitir que, depois da revelação de que o homem mais novo era sua alma gêmea, passou a observá-lo mais e adquiriu um respeito e apreço relutantes por ele, pela forma que parecia amar as crianças e tinha toda a paciência do mundo para ensiná-las, como ele trabalhava incansavelmente para realizar os sonhos de Hashirama, sonhos que ele havia começado a projetar quando ainda eram crianças sem o conhecimento do irmão, seu sorriso, tão raro e somente dirigido aos pequeno ou a Tōka, o único adulto que parecia apreciar e tocar o albino, seu gosto por conhecimento, seu cheiro de chá… se Madara não mudasse a linha de pensamento poderia ficar perigoso, felizmente Hashirama decidiu interrompê-lo.

—Madara!!Olhando o pôr-do-sol? Sabia que havia romantismo em algum lugar dessa postura irritadiça.

—Não estava olhando o sol, estava olhando a Vila. - resmungou e Hashirama não o contradisse, eles nunca falavam sobre romance desde que Madara rejeitou seu vínculo de alma, e ele suspeitava que Tobirama fosse o responsável por isso - Fizemos um bom trabalho não foi?

—Sim, fizemos! Nunca pensei que tantos clãs viriam de boa vontade ou que seria tão fácil. - ele respondeu, olhando as mesmas casas e prédios novos ou em construção dentro da muralha reforçada com Mokuton - Você poderia ter sido um ótimo Hokage, se não tivesse proibido seu clã de te eleger.

—Não, eu teria incendiado a Torre na primeira semana.

—Mesmo assim não pretendo morrer como Hokage, então você ou Izuna terão que assumir isso.

—Eu me recuso e gostaria de ver você tentar isso com meu irmão, ele queimaria seu cabelo. Ainda mais agora, que ele achou sua alma gêmea entre os invocadores de cobras e eles estão planejando filhos. - Madara olhou a vila mais um pouco antes de recuar e sentar em um banco - Tente seu irmão viciado em trabalho.

—Tobirama? - Hashirama estava visivelmente surpreso, afinal seu amigo não falava de seu irmão a menos que fosse estritamente necessário.

—Quem mais é viciado em trabalho e seu irmão em Konoha, idiota?

—Bem, de qualquer forma Tobirama não serve para Hokage. - o fel nas palavras não passou despercebido - Ele não sabe lidar com pessoas e mesmo que soubesse ele não parece bem ultimamente.

—O que quer dizer?

—Fazem semanas que não nos falamos direito, nas raras vezes que ele sai da Torre vai do escritório para casa que alugou dos Shimura nos limites da aldeia e só sai de lá para comprar mantimentos ou treinar. Ele nunca pareceu tão cansado, nem quando Kawarama morreu e Itama não o deixou dormir direito por meses a fio.

—Bem, ele pode estar tendo dificuldade de se adaptar a paz - Madara falou depois pensar um pouco, ele poderia ter suas ressalvas com Tobirama, mas Hashirama parecia precisar de um conselho - Izuna passou por isso, ficando bêbado em cada minuto de folga durante o primeiro ano aqui. Tire um tempo no final de semana para sentar com ele e tomar um chá, converse um pouco e deixe ele se abrir.

—É uma boa ideia. Sabe, eu amo meu irmão, mas nunca consegui entendê-lo. Ele é sempre tão frio e arredio, eu só sei que ele se importa comigo porque ele me defendia do pai com unhas e dentes, eu, Itama, Kawarama e nossa mãe, era sempre Tobirama entre nós e os punhos de Butsuma. - Hashirama parece verdadeiramente triste com essas lembranças - Eu lembro que sentia inveja e raiva quando Tobira era o elogiado, o melhor shinobi, eu odiei ele quando ele entregou nossa amizade na infância, foi só depois de muitos anos que eu entendi que ele queria me proteger do seu pai, mas principalmente do nosso. Eu que deveria estar protegendo ele e agora há um abismo entre nós que eu não sei como fechar.

—Procure seu irmão, talvez ele precise ser lembrado que você o ama. Fale com ele e tudo vai ficar bem.

Madara deixou Hashirama com seus pensamentos e foi para casa, talvez ele também devesse conversar com Tobirama e talvez conhecer sua alma gêmea melhor, talvez pudesse dar certo no final. 

Mal sabia ele que não teria essa chance.


Não quer ver anúncios?

Com uma contribuição de R$29,90 você deixa de ver anúncios no Nyah e em seu sucessor, o +Fiction, durante 1 ano!

Seu apoio é fundamental. Torne-se um herói!




Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Martírio" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.