Back In Black escrita por Sol Swan Cullen


Capítulo 4
Capítulo 4


Notas iniciais do capítulo

Heis um novo capítulo!
Prometo explicar-me no fim!



Gryffindors e Slytherins reunião-se à porta da sala de aula de Defesa Contra as Artes das Trevas depois do almoço.

Para os leões, a última aula da manhã fora com a sua chefe de equipa e com a equipa dos texugos, não houvera incidentes idênticos aos ocorridos durante a manhã com as cobras. No entanto, apesar da alteração de ambiente, certos alunos pareciam ainda amargurados pelos resultados da pequena "competição" na aula de poções, era ainda possível ver Lily e Bella relativamente aborrecidas com a situação, parecendo deter sentimentos de revolta contra Sirius que sempre que via ambas as raparigas lhes lançava um sorriso irónico.

– A sério! Eu detesto-o. – Bella reclamava pela enésima vez no dia.

– Já me perguntava quanto tempo iriamos ficar sem te ouvir dizer isso. – James disse coçando a cabeça. – Quanto tempo foi, Moony?

– Cerca de um quarto de hora. – Disse o moreno aloirado sem olhar para o relógio de pulso. – Devias tentar ignorar isso, Bella, afinal de contas ele é o Chefe da tua família.

Até eu me casar! – A morena respondeu com indignação. – Não percebo o que raio passava pela cabeça dos meus antepassados para impor essa regra.

– Não me digas que pensavas ficar para Tia e viver com 50 gatos. – James gargalhou.

– Sabes bem que apesar de tudo eu não me dou bem com gatos. – Bella respondeu ao primo, franzindo o nariz com repugna. – Sabes que eles são irritantes quando se metem a esfregar-se contra as nossas pernas e mostram aqueles dentinhos... Ugh!

– Não percebo porquê, Bells. – Lily intrometeu-se. – Acho-os tão queridos.

– A Bellita tem um trauma com gatos, Lilian. – Disse-lhe James. – É uma coisa antiga.

A ruiva apesar de parecer interessada na história que o Salteador parecia querer contar, fingiu desinteresse e poucos segundos depois, a figura possante e, por demais, elegante de Seth MacEvans apareceu no fundo do corredor, abrindo as portas da sala de aula com um acenar de varinha.

Lentamente, foram todos entrando e sentando-se nos seus lugares de eleição, deixando espaço suficiente para que os Salteadores se sentassem na frente da sala junto de Lilian e Sirius.

– Levantem-se, classe. – Seth disse com o seu sotaque escocês carregado e com um aceno de varinha a mesas e cadeiras desapareceram dando lugar a puff's verdes, dourados, vermelhos e prateados. – Muito bem podem sentar-se. – E assim o fizeram. – O meu nome é Seth MacEvans. Bem sei que mu'tos de vocês sabem quem eu sou e devem ter algumas questões nada pertinentes.

Seth quedou-se em silêncio ao ver uma mão no ar, os seus olhos verdes seguiram o braço erguido para identificar que o seu dono era nem mais nem menos que Lilian Evans, a melhor amiga do seu filho.

– Diga, Miss Evans.

– Não querendo ser indiscreta, professor. – Lily disse, a sua face ficando quase da mesma cor que o seu cabelo. – Mas é mesmo verdade que foi perseguido pelo Ministério da Magia injustamente?

– É sim, Miss Evans. – O tom pesaroso de Seth não passou despercebido pela ruiva. – E por causa das acusações sem qualquer fundamento feitas contra mim e a minha família, perdi muito mais qu'anos de liberdade. Quero que fique aqui bem esclarecido, nunca servi nem nunca servirei Lord Voldemort. – Vários arrepios se fizeram notar pela sala, mas o professor ignorou-os. – E nã q'ero ouvir ninguém, repito ninguém comentar ou elevar rumores acerca de ter ou nã servido tã vil criatura.

– Mas é verdade que praticou Magia Negra. – A voz de Jensen Potter cortou o silêncio, deixando todos em estado de choque. – Conhecendo a sua família e a família da sua esposa, não admira que os tenham julgado como Devoradores da Morte.

Apenas palavras tinha dito o gémeo de James, mas várias reacções foram despertas por essas ditas palavras. Três pessoas levantaram-se – Sirius, James e Bellatrix, cujos cabelos e olhos se encontravam vermelhos –, os três com as varinhas em riste. Potter não parecia sequer importar-se com o facto de estar prestes a atacar o seu irmão, Bella parecia estar completamente alheia ao facto de o sentimento assassino que a assolava ser dirigido para o seu namorado, apenas Sirius tinha plena consciência de que a sua família fora insultada pela pessoa que ele mais odiava na sua existência.

– Retira o que disseste! – Exclamou Bella, tendo sido a única a conseguir aproximar-se de Jensen antes que outros a conseguissem impedir. – RETIRA O QUE DISSESTE, SEU MISERÁVEL!

A varinha de Bella estava apontada à garganta do moreno que olhava para ela com um misto de medo e surpresa. Não era segredo para ninguém o ódio que a morena nutria pela família, mas uma coisa era ser ela a insultar o seu próprio sangue, mais ninguém tinha esse direito, nem mesmo alguém que também descendia dessa árvore familiar tão nobre.

Enquanto a Gryffindor ponderava ou não o uso de um feitiço que certamente lhe iria render a expulsão da escola e um bilhete de ida para Azkaban, Seth, o realmente ofendido, olhava para o rapaz através de uma núvem vermelha de ódio e raiva.

– Bellatrix. – Seth disse, a sua voz mortalmente calma, lançando arrepios por todos os alunos. – Senta-te. – A morena não respondeu, não saindo da sua posição hirta à frente do seu namorado. – Eu disse senta-te! – A voz de Seth elevou-se, fazendo os vidros vibrar com o poder na sua voz que levou a rapariga a sentar-se contra-feita.

Só quando os três alunos exaltados ficaram quietos nos seus puff's, bufando silenciosamente com ódio para com o outro rapaz, só então Seth se dirigiu ao rapaz com passos calculistas e uma máscara de gelo sobre o seu rosto. Jensen conhecia o que diziam acerca do ex-Auror, que ele foram um dos mais brilhantes disciplos de Alastor Moody Olho-Louco e que, não tivesse sido a abrupta interrupção na sua carreira por parte do Ministério, as celas de Azkaban estariam cheias com o bom trabalho feito pelo Escocês.

MacEvans olhou Jensen nos olhos, fazendo o jovem Potter tremer de medo do verde gelado e cruel dos olhos do professor que o perfuravam. Se o ex-Auror estivesse a gritar com ele, seria muito mais fácil de o enfrentar, mas o silêncio era ainda pior do que uma Maldição Imperdoável.

– Não, Jensen. – Seth disse, por fim, a sua voz não mais alta que um murmúrio. – Nunca pratiquei Magia Negra. Nem eu, nem a minha mulher, nem ninguém da minha família. – Um pequeno sorriso que fez um arrepio percorrer a espinha do beater dos Gryffindor. – Não desminto que é possível que alguns membros da família da Isis tenham praticado as Artes das Trevas, mas nesse caso também tu saberias disso, não é? Afinal, tanto tu como ela partilham o mesmo sangue-puro dos Black.

Jensen engoliu em seco, sentindo-se suar frio ao som das palavras frias e calculistas de Seth. O homem tinha razão e jogara bem contra o jovem, utilizando um modo de tortura muito pior que um Cruciatus.

– Agora, senta-te e lembra-te sempre disto, dentro destas quatro paredes, sou eu que mando e 'inda posso defender outros de cometerem erros por tua causa, mas tenhas tu o azar d'eu t'ouvir a f'zer outro comentário desses, podes ter a certeza qu'as unhas de gatinha da Bellatrix nã serão nada comparadas ao inferno q'eu te vou f'zer passar, ouviste-me? – Seth viu Jensen assentir e deu um pequeno sorriso. – Senta-te e se f'zeres outra interrupção inoportuna, nã temerei oferecer-te uma detenção.

Seth virou as costas ao rapaz, voltando para o seu lugar na frente da sala. Todos os alunos olhavam para ele, uns relativamente aterrorizados, outros surpreendidos e os Salteadores e Sirius, parcialmente, satisfeitos com a acção do professor. Aquele seria assunto para a escola toda assim que tocasse o termino da aula, disso Seth tinha a certeza.

– Com'eu ia d'zer antes de ser interrompido, nunca pratiquei Magia Negra nem nunca tenciono vir a praticá-la. – Ele sorriu suavemente. – E por f'lar em Magia Negra, hoje, moços e moças, vamos aprender a... como dizê-lo... afastar a escuridão.

Seth franziu um pouco o nariz, parecendo pouco satisfeito com o modo como a informação tinha sido dita. Estava a ficar enferrujado na comunicação...

Todos olharam de uns para os outros, parecendo confusos com o que o professor dissera. "Afastar a escuridão"? Que queria isso dizer? Depressa Seth acenou com a sua varinha e um báu apareceu na ponta da sala, aproximando-se ruidosamente do Escocês.

– Por favor, crianças, levantem-se e formem uma fila.

Todos obedeceram e o ex-Auror voltou a acenar a varinha fazendo os puff's desaparecer, criando imenso espaço livre.

– Quero que puxem das vossas varinhas e prestem atenção ao qu'eu vou d'zer. – Expondo a sua varinha a todos os alunos, Seth posicionou-se à frente deles de maneira a que todos o vissem bem. – O feitiço que vão realizar é um pouco complicado e é preciso que se concentrem muito, mas mesmo muito. – O seu rosto estava sério, tentando transmitir a todos a mensagem de que não seria fácil a realização do feitiço. – O feitiço que vos vou ensinar chama-se Patronus, certamente que já ouviram f'lar dele. Alguém me sabe d'zer p'ra que serve?

Para surpresa de todos foi James que ergueu a sua mão para responder.

– Sim, James? – Seth disse, um pequeno sorriso nos seus lábios.

– O encantamento Patronus é um feitiço defensivo, que cria uma encarnação dos pensamentos mais positivos de quem lançou o feitiço. É um feitiço que se alimenta de memórias positivas e quanto mais feliz for a memória, mais forte será o feitiço. Serve como um escudo contra Dementors uma vez que os repele. – James disse de uma só vez, parecendo feliz com a sua explicação.

– Muito bem! 10 pontos para Gryffindor. – Seth disse sentando-se em cima do baú que se manifestou ao contacto do feiticeiro. – Como o James disse, é, de facto, um feitiço defensivo muito eficiente contra os Guardas de Azkaban. E que quanto mais feliz for a memória e os pensamentos positivos que o alimentam, mais forte o feitiço será. A primeira coisa que vão todos fazer é vasculhar a vossa linda mente e encontrarem a memória mais feliz que tiverem. – Fez um momento de silêncio deixando que todos se concentrassem na memória. – Agora apontando a vossa varinha para a frente, quero que digam Expecto Patronum. Vá repitam comigo, Expecto Patronum.

Expecto Patronum. – Repetiu a turma toda, deixando um ar ligeiramente satisfeito no rosto do professor.

– Muito bem. 'gora, sem s'esquecerem da vossa memória, cad'um de vocês vai enfrentar um Dementor e proclamar o feitiço. – Informou-os Seth. – Espero que estejam prontos.

– Professor. – Lilian disse, quando Seth se debruçou sobre a caixa para a abrir.

– Sim, Lilian? – Seth disse olhando para a jovem rapidamente.

– Não tem mesmo um Dementor nesse baú..., pois não?

O jovem professor sorriu perante a preocupação da rapariga e o seu sorriso charmoso sossegou ligeiramente os seus medos. – Nã, é apenas um Sem-Forma que tomará a forma de uma dessas criaturas. Nã há que temer.

Lily pareceu mais apaziguada pelas palavras do professor, mas mesmo assim não se sentia muito confiante.

– Vamos, formem uma fila. – Seth viu os alunos obedecerem-lhe e assim que se encontravam todos em fila indiana, ele olhou para o aluno que se encontrava na frente da mesma. – Pronto?

O aluno assentiu e o professor abriu o baú, soltando o Sem-Forma que tomou a figura de um Dementor, erguendo-se das profundezas do caixote, flutuando com o seu manto negro, espalhando pela sala um frio gelado que sugava todos e quaisquer sentimentos felizes que alguém sentisse.

– Foca-te na tua memória mais feliz. – Seth disse. – Revive-a na tua mente e diz o feitiço.

Expecto Patronum. – Exclamou Lucius Malfoy.

Da sua varinha surgiu uma névoa prateada que se ergueu num escudo entre si e a figura encapuzada, não parecia ser muito forte mas era o suficiente para manter a criatura afastada. Seth apreciou o modo como a figura arrogante de Malfoy começou a ceder sob a pressão aplicada pelo Sem-Forma-Dementor no escudo, fazendo-o recuar e até mesmo transpirar de esforço.

– Avança, Malfoy! Obriga-o a entrar na caixa. – Seth disse, observando o aluno loiro esforçar-se por fazer a criatura recuar.

Assim que se ouviu o estrondoso som do baú a fechar, todos aplaudiram, ainda que alguns o tenham feito de maneira contra-feita.

– Muito bem. – Seth aplaudiu, aproximando-se do baú. – Próximo!

A seguir na fila estava James que com um sorriso malandro se colocou de frente para o baú com a varinha em riste.

– Pronto, Potter?

– Eu nasci pronto. – James respondeu fazendo alguns alunos rirem-se.

Com um sorriso alegre no rosto, Seth reabriu a arca e, de novo, o Dementor ergueu-se. O jovem Salteador deixou que a criatura se aproximasse, dando tempo a si mesmo para fixar a memória mais feliz que tinha.

Expecto Patronum! – Exclamou James, da sua varinha saltando um belíssimo veado prateado que galopou firmemente para o Guardião de Azkaban, obrigando-o a fugir da luz poderosa que o animal das boas emoções emitia.

Toda a sala ficou em silêncio após ressoar o banque surdo produzido pela arca a fechar-se com o Sem-Forma lá dentro. Todos olhavam abismados para James Potter, que parecia tudo menos preocupado com o simples facto de todos olharem para ele como se lhe tivesse crescido uma segunda cabeça. Ninguém produzia um som e o silêncio parecia tão palpável que seria possível curtá-lo com uma faca, até Seth começar a aplaudir a demonstração do rapaz.

– Muito bem! Um Patronus corpóreo... É raro de se ver em alguém tão novo. – Seth disse colocando-se na frente do jovem. – Já tinhas feito este encantamento antes, não é?

– Sim, o meu pai ensinou-mo. – James disse.

– A maravilha que não é ter um pai que trabalha no Ministério. – O professor disse para que só James ouvisse e sorrisse ainda mais. – Isto, meus caros alunos e alunas, foi um muitíssimo poderoso Patronus. Quando uma memória é de tal maneira forte, pode acontecer que o vosso Patronus tome a forma de um animal que vos defina de certo modo.

Atrás de James, Bella e Remus riram-se baixinho para não chamarem à atenção nem do professor nem dos seus colegas. No entanto, no fundo da sala, também Sirius captou o humor da situação e teve que conter uma gargalhada.

– Claro que até conseguirem alcançar o nível em que o jovem Potter se encontra, terão que trabalhar muito. – Seth disse fazendo outros que se riam ficarem calados. – Vamos! Lupin, és tu!

Remus avançou para a frente da sala e novamente o Sem-Forma re-ergueu-se do baú, esperando até ao momento certo, o jovem Salteador deixou que a criatura se aproximasse o suficiente e então exclamou o encantamento, fazendo com um escudo prateado surgisse entre si e o monstro. Fechando os olhos, Moony concentrou-se tentando fortificar a sua defesa, mas parecendo incapaz de o fazer, então um ar determinado fixou-se no seu rosto e obrigou o Dementor a recuar de volta ao baú. Para os restantes dois Salteadores fora óbvio o quanto o amigo ficara aborrecido com a sua fraca performance, reconhecendo que a sua memória, a sua melhor memória não fora nem de perto nem de longe a mais forte que conseguira arranjar.

Seth pareceu reparar no mesmo que dois dos seus alunos, proferindo palavras encorajadoras ao jovem lobisomem. – Estiveste muito bem, Lupin. Só precisas de praticar um pouco mais.

Tais palavras elevaram ligeiramente o espírito do Salteador, animando-o um pouco fazendo-o seguir o seu caminho até os amigos.

– Black. – Seth disse virando-se de costas e voltando a encaminhar-se para o pequeno cofre onde se encontrava o Sem-Forma.

– Sim? – Sirius e Bella chegaram-se à frente, lançando um olhar mortífero um ao outro.

MacEvans virou-se, com um ligeiro sorriso no rosto, para ver os dois primos tentarem fuzilar-se com o olhar. Não podia negar que achava engraçado o modo como ambos pareciam nutrir um ódio mútuo, mas no fundo reconhecia o olhar irritado da rivalidade que os dois morenos partilhavam. Em tempos idos, também ele trocara olhares daqueles com uma ruiva que, no presente, tinha o prazer de chamar esposa.

– Eu 'stava, de facto, a referir-me à Bellatrix. – Seth disse com uma pontada de riso na voz. – Mas vocês podem decidir entre vós qual será o primeiro a mostrar as suas capacidades c'o Patronus.

Sirius olhou de Seth para a caixa a seus pés e então, de soslaio, para a prima. Estava um pouco temeroso de mostrar o seu patronus, tinha a certeza que iria demonstrar mais de si do que devia, mas por outro lado, queria que os outros reconhecessem a sua força... Deixou que ambos os seus desejos lutassem um contra o outro por um momento, mas com um olhar sobre a prima, tomou a sua decisão.

– Ela pode ir primeiro. – Sirius respondeu, a sua voz com um toque de escárnio. – Vamos ver do que é ela capaz.

Bellatrix cerrou os seus dentes impedindo-se de responder à letra ao que Sirius dissera, não se iria rebaixar perante Seth e ambas as equipas. Erguendo o seu queixo, mostrando-se superior aos outros, avançou para a frente da sala colocando a sua varinha a postos para trabalhar.

Isto vai ser interessante, Sirius pensou, encostando-se à parede mais próxima de si.

– Estás pronta, Bella? – Seth perguntou num tom de voz baixo ao que ela respondeu com um breve acenar de cabeça.

Um silêncio frio alastrou-se pela sala quando o Dementor se elevou dos confins do baú. Bella apertou a sua varinha com mais força, trazendo para si as memórias felizes que tinha.

Não grites, rapaz! A voz de Orion fez-se ouvir na sua mente conforme a criatura se ia aproximando. Nem chores, chorar é para os fracos! Quase que podia ver o Tio a torturar Sirius na sua frente e o medo apossou-se de si.

Pare, Pai. Por favor! O choro do primo encheu a sua cabeça fazendo-a cerrar os dentes e tentar lutar com mais força contra as memórias sombrias que a invadiam. Pai!

Chega! Bella pensou, recordando-se da liberdade que sentira quando se transformara na sua forma animaga pela primeira vez, da felicidade que sentira quando fora aceite na equipa de Quidditch. – Expecto Patronum!

Na escuridão que invadira a sala, emergindo da ponta da varinha de Bellatrix, surgiu um cão prateado que depressa se colocou entre a sua dona e o guardião de Azkaban. Os olhos de todos arregalaram-se ligeiramente quando viram o animal posicionar-se na frente da morena numa posição defensiva, como se estivesse prestes a atacar. Quase como se o animal de boas emoções lhe estivesse a rosnar e a mostrar os dentes, o Dementor recuou lentamente, voltando para a caixa de onde viera.

Assim que o banque do baú a fechar-se se fez ouvir, as velas voltaram a acender-se, iluminando a sala novamente. No meio da sala, Bellatrix tremia ligeiramente, os seus olhos fixos no vazio, a sua varinha ainda apertada na mão e o seu patronus perto de si, a olhá-la com os seus olhos prateados.

– Bellatrix? – Seth disse aproximando-se dela ligeiramente.

– Bells? – James chamou-a colocando-lhe a mão sobre o ombro. – Bastet?

Ao ouvir a sua alcunha ser chamada, Bella olhou para James com os olhos cheios de lágrimas. Inspirou fundo, tentando acalmar-se e depois voltou com o rapaz para junto de Remus que lhe entregou logo um pouco de chocolate.

No fundo da sala, Sirius olhava para a prima com um misto de preocupação e curiosidade, o que fizera com que ela ficasse assim? Tivesse sido o que fosse, abalara-a o bastante para que ela não conseguisse reagir e ele sabia que a sua Bellatrix reagia sempre a tudo, fosse de que maneira fosse.

– Bem... Continuando com a aula. – Seth disse ao certificar-se que a prima da sua esposa estava melhor e mais recomposta. – Sirius, queres mostrar agora do qu'és capaz?

Um pequeno sorriso formou-se nos lábios do rapaz. – Será um prazer.

Sirius avançou, lançando um pequeno olhar à prima que agora olhava para ele, teria sorrido mais, não fosse estar a concentrar-se na sua melhor memória.

Vai ser fácil. O moreno pensou posicionando-se em frente da arca e acenando a Seth indicando que estava pronto. Novamente, o Dementor ergueu-se e avançou sobre o aluno que o enfrentava.

Black não deixou de sorrir quando sentiu o familiar frio invadir-lhe os ossos, apertando a varinha e fechando os olhos, deixou-se perder na memória mais feliz que tinha.

Aquele acordar, aquela tempestade, a hipótese... Assim que abriu os seus olhos cinza sorriu mais um pouco. – Expecto Patronum!

À semelhança do que acontecera com James e Bella, da sua varinha saltou um animal, tão ágil e tão rápido que teria sido impossível identificar a sua forma, não fosse o tamanho dele. Um puma prateado saltou pelo ar, aterrando sobre as suas patas ao lado de Sirius, e um rugido suave fez-se ouvir por todos. Avançando lentamente sobre o Sem-Forma, fazendo-o recuar, lançando um calor acolhedor pela sala. Uma vez que a criatura se recolheu de volta ao seu esconderijo, um silêncio absurdo envolveu a sala enquanto o patronus de Sirius se dissolvia no ar.

Seth sorria ligeiramente, observando o primo e as expressões chocadas dos Salteadores – pelo menos de Bellatrix.

– Agora começo a reparar que devia ter levado realmente a peito as palavras do vosso antigo professor. – O Escocês disse, o seu tom de voz nada surpreendido. – Reconheço qu'esta primeira aula 'stá a superar as minhas expectativas.

– E ainda não avaliaste o resto da turma. – James disse, feliz por conseguir espantar alguém mais velho que ele próprio. – Acredito que os restantes também devam ser capazes de te surpreender.

Seth tomou as palavras de James como sendo um incentivo para avançar com a aula, indicando com um olhar terno a Lily que era a vez dela enfrentar o Dementor. O olhar da ruiva saltava entre o baú e o professor com receio espelhado em ambas as órbitas verde-esmeralda, algo que ninguém estava habituado a ver no rosto de Lilian Evans.

– Vai correr tudo bem. – Prometeu Seth, assegurando a jovem ruiva como um pai faria a um filho. – Eu 'stou aqui.

Lily assentiu, aprontando-se em frente ao baú, e assim que os seus olhos se encontraram com os igualmente verdes do professor, houve uma troca silenciosa de palavras entre os dois antes de Seth abrir a caixa, libertando a criatura.

Primeiro, foram as mãos do Dementor Sem-Forma que surgiram, depois a sua cabeça coberta pelo seu longo manto negro que trazia consigo um cheiro putrefacto.

És uma inútil – Lily ouviu a voz dizer, lançando pelo seu corpo um frio que lhe gelou o sangue. – Não vales nada, és uma anormal.

Não, não sou uma anormal, sou especial. A ruiva pensou em resposta, recordando-se de como aquela voz e aquelas palavras não a deixaram dormir durante toda a sua vida.

O Dementor aproximou-se mais, fazendo com que o frio se espalhasse ainda mais, trazendo para a ruiva ainda mais dolorosas lembranças.

Por favor, mais não, eu prometo não voltar a repetir. A sua voz de pequena encheu-lhe a memória, trazendo lágrimas aos olhos da rapariga.

– Lilian. – Seth chamou-a, não obtendo resposta da aluna. – Lilian!

Expecto... Expecto... – Lily começou a dizer, mas nunca chegou a acabar o feitiço.

– LILY!



Notas finais do capítulo

Ora bem *fala para a audiência em fúria*
Vocês todos conhecem aquela coisa que temos fora deste lugar fantástico chamado internet, sabem, aquela coisa a que chamamos de vida...
Ela por vezes intromete-se em tudo e mais umas botas...
Mas isso não deveria ser desculpa.
De qualquer maneira, peço desculpa por ter demorado tanto a postar!
Novos capítulos cheios de emoção vos aguardam!
E se quiserem ver uma autora muito feliz, comentem! Não precisam de ser comentários grandes basta dizerem olá ou que gostaram!



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Back In Black" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.