Learning To Love escrita por Anieper


Capítulo 4
Capítulo 4




Claire saiu correndo da cama e foi para o banheiro o mais rápido possível. Ela se ajoelhou em frente ao vaso e vomitou. Ela se assustou ao sentir uma mão em seus cabelos, os segurando, e outra nas suas costas. Quando ela terminou, Owen a ajudou a se levantar e a lavar a boca.

— Essa já é a sexta vez. – Owen disse rouco. – Você precisa ir no médico ver isso.

— Estou bem.

— Claire, os meninos estão preocupados com você. Vá ao médico. – Owen colocou as mãos nos ombros dela. – Gray me perguntou se você ia morrer.

Claire suspirou e concordou com a cabeça. Já tinha se passado um mês desde que Zach fugiu e eles tinham mudado a rotina. Owen dormia com eles agora. Sempre que terminava o trabalho no piquete, ele levava os meninos para casa e acabava dormindo lá. Agora que eles ajudavam com os raptores depois da escola, eles estavam mais calmos.

— Eu vou. Você pode preparar o café?

— Claro. Tome seu banho e chame os meninos. – Owen beijou a testa dela e saiu do quarto indo para a cozinha.

Claire tomou seu banho e chamou os meninos. Ela comeu uma maçã e saiu sozinha. Owen disse que ia ficar responsável pela as aulas dos meninos hoje. Ou seja, ele ia levar eles para o piquete e eles iam se sentar em sua mesa de piquenique com os computadores enquanto Barry assistia eles durante o treinamento.

Claire foi até a Costa Rica para o exame. Ela sabia que se fosse no hospital do parque, todos saberiam antes que ela pudesse contar para Owen. Ela suspeitava o que estava acontecendo e o teste de gravidez que ela tinha feito em casa concordava com ela.

Claire não sabia como Owen iria reagir a isso. Tudo estava acontecendo muito rápido. Ela sabia que era culpa dela. Desde que Karen e Scott morreram, ela não tinha tempo para se preocupar com controle de natalidade. Entre o parque e os meninos, ela simplesmente se esqueceu disso e ignorou. Ela nem mesmo pensou em avisar para ele. Ela tinha comprado camisinha, mas odiava quando Owen usava. Eles usaram apenas algumas vezes no começou da sua relação, antes dela o obrigar a fazer exames comprovando que ele era saudável e que não teria problema nenhum caso eles tivessem um filho. Ela sabia que nenhum método era cem por cento.

Ela saiu do hospital algumas horas depois, com uma confirmação e uma caixa de vitaminas para gestante. Ela voltou para o parque e foi direto para o piquete dos raptores. Assim que ela chegou lá, viu Owen jogando bola com os meninos.

— Ei, Claire. – Barry disse parando ao lado dela.

— Oi. Ele não devia estar trabalhando?

— As meninas ajudaram hoje. Elas seguiram quase todos os comandos. Owen decidiu deixar elas descansarem e como por um milagre ele terminou seus relatórios, decidiu brincar com os meninos.

— Entendo. – a ruiva disse acenando para Gray quando ele a viu.

Owen olhou para ela e se aproximou deixando Zach e Gray jogando sozinhos.

— Como foi?

— Bem. Eu preciso falar com você.

— Ok. Vamos no bangalô.

Owen a guiou até o bangalô dele e pegou uma garrafa de água na geladeira.

— Eu estou grávida. – Ela soltou de uma vez.

Owen cuspiu a água que estava na boca e olhou para ela.

— Que?

— Eu sei que não planejamos isso e que agora é o pior momento possível, mas aconteceu.

Owen limpou a boca, olhou para ela e suspirou.

— Não. Tudo bem. Eu preciso apenas um pouco de tempo para colocar meu cérebro em ordem.

Claire mordeu o lábio inferior e se aproximou dele encostando a cabeça no ombro dele.

— Te ajuda saber que foi após nossa primeira noite de sexo sem proteção?

— Eu te engravidei de primeira? Cara, eu sou bom. – ele abraçou a cintura dela. – E você é melhor ainda. Uma transada sem nada e engravida.

Claire apenas rolou os olhos e o abraçou mais forte.

Ela estava com medo da reação dele, mas Owen a estava abraçando, então ele queria. Agora faltava apenas os meninos, mais uma coisa iria mudar na vida deles.

Zach e Gray ficaram animados com isso. Gray queria uma priminha e Zach quer outro menino.

A gravidez de Claire se passou sem problemas. A cada dia que se passava, o bebê estava mais saudável. Por causa da correria e pelo o fato que teria um bebê em casa, Claire contratou uma babá. Os meninos não gostaram muito, já que não podiam ficar livre pelo o parque. Claire não ligou. Ela não ia conseguir fazer tudo com um bebê.

Owen tinha decidido que estava na hora de conseguir uma casa. Por isso ele se mudou para o apartamento enquanto construía uma casa no local de seu bangalô. Quando ficou pronto, Claire se mudou para lá com os meninos. Era melhor ficarem longe de tudo e todos que prestavam atenção neles. Quando Claire completou seis meses de gravidez, Owen a pediu em casamento. Eles se casaram um mês depois.

Gray ganhou a aposta deles e Claire teve uma linda menina que recebeu o nome Maise. Maise era a luz da vida dos pais e dos primos. A cada nova descoberta, todos estavam ansiosos para ajudar.

O tempo começou a passar rapidamente e quando Claire menos notou, Maise estava fazendo sete anos. As coisas no parque estavam agitadas. Claire não parava muito tempo enquanto trabalhava e isso deixava as crianças livres.

Quando Zach fez onze anos disse que não queira mais uma babá. Depois de muito conversarem, Claire e Owen decidiram que eles podiam ficar sozinhos. Eles tinham que seguir regras, mas não era tão ruim assim. Eles conheciam o parque. Eles cresceram no parque, por isso tinham liberdades.

Claire acordou na mesma hora de sempre. Owen ainda estava dormindo ao lado dela parecendo uma estrela do mar com seu grande eu todo aberto na cama. Assim que ela saiu, ele resmungou e se virou. Claire sorriu para isso e foi tomar banho. Quando ela saiu do banheiro, Owen estava sentado na cama resmungando para o jornal.

— Está tão ruim assim? – Ela perguntou dando um beijo nele.

— Não. Sol o dia todo. O que as crianças vão fazer hoje?

— Ainda não sei, por que, amor?

— Não vou pode ficar com eles hoje. Hoskins quer ver as meninas. – Owen a puxou para ele e ela soltou um gritinho sentindo a toalha sair. – Mas posso ficar com eles depois das seis.

— Eu vou falar com eles. – ela passou a mão pelo cabelo dele. – Vá tomar banho. Hoje é seu dia para fazer o café.

— Talvez, talvez. – ele disse se inclinando para beija-la.

— Mamãe?

Owen suspirou ao ouvir a voz da Maise.

— Já vou, querida.

— Crianças, de quem foi a ideia de tê-la?

Claire riu e empurrou ele. Ela arrumou a toalha e foi para a porta. Maise estava de pé coçando os olhos.

— Bom dia, amor. Por que acordada essa hora?

— Pesadelo. Cadê o papai?

— Ele foi tomar banho. – Claire levou a filha para a cama e a sentou enquanto ia pegar sua roupa. – Quer tentar dormir mais um pouco?

— Sim.

A menina se enrolou na cama e fechou os olhos. Claire se trocou e começou a se preparar para o dia. Owen saiu do banheiro pouco tempo depois e foi se trocar antes de ir para a cozinha preparar o café. Claire terminou de se arrumar e foi chamar os meninos antes de levar Maise para o quarto dela para que ela pudesse se arrumar.

— Bom dia, papai. – Maise disse abraçando a cintura do pai.

— Bom dia, garota. – ele beijou o topo da cabeça dela. – Dormiu bem?

— Sim.

— Que bom.

Maise se sentou na mesa e riu quando Gray entrou na cozinha se arrastando enquanto tentava manter os olhos abertos.

— Bom dia, Gray. – A menina disse animada.

— Bom dia, Mais. Por que sua mãe é tão má e nos acorda tão cedo nas férias?

Maise apenas riu enquanto Claire olhava feio para o sobrinho.

— Vocês têm uma rotina. Se eu deixar que saiam dela agora, apenas por que estão de férias, quando as aulas voltarem, eu não vou conseguir colocar vocês nela novamente.

— Querida, deixe o menino. Ele está apenas sendo um adolescente. Por falar nisso, cadê nosso rebelde sem causa?

— Ainda deitado. Quer ir acorda ele com um balde de água?

— Não precisa, estou aqui. – Zach resmungou entrando na cozinha ainda de pijama.

— Vocês acabam com a minha diversão toda. – Owen disse colocando o prato com panquecas em cima da mesa.

— O que vão fazer hoje? Owen não pode ficar com vocês.

— Vamos banca os turistas. – Gray disse animado. – Vamos ir em todas as atrações e depois vamos jogar até vocês chegarem em casa.

— Eu devo estar ele casa lá para as oito. – Claire disse antes de olhar para Owen. – Pode dá conta disso?

— Claire, eu passo o dia com eles desde que os meninos se mudaram para cá. Claro que posso dá conta.

A ruiva apenas concordou com a cabeça e terminou o café.





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Learning To Love" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.