Learning To Love escrita por Anieper


Capítulo 3
Capítulo 3




Ela passou o resto do dia arrumando tudo para o dia seguinte. Ela preparou a comida e depois foi ver os meninos. Eles ainda estavam jogando.

— Ei, hora de desligar e ir tomar banho.

— Mas tia...

— Não.  Amanhã vamos acorda cedo, então temos que dormi cedo.

Ambos os meninos concordaram de desligaram o videogame. Claire voltou para a cozinha e colocou a mesa. Não demorou muito para os meninos irem jantar. Claire alimentou os meninos e depois mandou para a cama.

Claire não teve que esperar muito para Owen chegar. Ele estava de banho tomado e tinha uma garrafa de vinho nas mãos.

— Graças a Deus. – ela disse agarrando o vinho.

— Que bom que está feliz em me ver, Ruiva. – Ele disse fechando a porta e seguindo ela para a cozinha.

— Eu estou. Apenas tem sido alguns dias tão estressantes, com coisas tão estressantes. Eu preciso de uma distração.

— E eu que pensei que era a sua distração.

Claire sorriu para ele é entregou a garrafa para ele abrir enquanto ela pegava os copos.

— Vai ser depois do meu vinho.

— Cadê os meninos?

 - Eles estão dormindo.

— Você comeu? – ele perguntou abrindo o vinho para ela.

— Sim. Jantei com eles. E você?

— Sim. Barry foi o cozinheiro hoje.

— Mesmo? – Claire pegou a taça.

— Não. Ele apenas comprou comida francesa no parque e disse que fez. – Owen tomou um gole de vinho. – Como se eu não conhecesse o tempero de cada restaurante do parque.

Claire riu e quase engasgou quando Owen a puxou para ele. Claire colocou as mãos nos ombros dele e deixou que ele a beijasse. Owen a pegou no colo e a levou para o quarto.

No dia seguinte, Claire levantou cedo e estava sozinha na cama. Ela se esticou e olhou para a mesa de cabeceira. Ela se esticou e pegou o papel que estava grudado no relógio.

Oi, ruiva, achei melhor ir antes dos meninos acordarem. Não queria ter que explicar por que estava dormindo com você. Deixei o último relatório dos raptores na sala. Preciso que dê uma olhada. Te amo, Owen.

Claire sorriu e tocou a letra de Owen. Ela sabia que eles nunca tinham falado sobre rótulos em seu namoro, mas a muito tempo eles se declaravam um para o outro. Ela se lembrava da primeira vez que ele disse a amava. Claire tinha acabado de voltar de uma viagem de trabalho. Owen chegou no apartamento dela e logo eles acabaram na cama. Enquanto a segurava entre seus braços, Owen se declarou. Claire tinha ficado chocada, mas devolveu a declaração. Ela e Owen foram feitos para estarem juntos apesar de suas diferencias.

Claire se levantou e foi para o banheiro. Ela tomou um banho rápido e foi preparar o café. Ela acordou os meninos e voltou para a cozinha. Enquanto esperava por eles, ela lia os relatórios de Owen.

— Bom dia, tia Claire.

— Bom dia, Gray. – Claire sorriu para o menino. – Zach levantou?

— Sim.

— Quer suco ou leite?

— Suco, por favor.

Claire serviu o menino e esperou pelo o outro. Zach chegou pouco tempo depois e sem muita animação. Claire alimentou os dois e eles saíram. Eles andaram por todo o parque. Gray falava sobre os dinossauros enquanto, Claire tirava algumas fotos. Owen tinha uma foto deles em casa e várias dos raptores no escritório.  Ela podia colocar um dos meninos no escritório dela.

— Temos que ir falar com meu chefe. – Claire disse segurando a mão de Gray. – Vamos almoçar com ele e depois vamos continuar vendo os dinossauros.

— Tudo bem.

Eles foram para o restaurante e encontraram com Marsani já esperando por eles. Claire os apresentou e os meninos foram brincar enquanto a tia conversava com o patrão. Claire olhava para os meninos enquanto conversava com Simon, ela estava com medo d Gray se machucar mais. O braço dele estava quase bom, ela não queria arriscar dele se machucar mais.

— Quando acha que seria um bom momento para voltar ao trabalho?

— Gray vai tirar o gesso em três semanas. Quando isso acontecer, eu estarei livre.

— Ótimo. Sei que tudo estará em ordem até lá.

— Sei que sim.

— Você está indo muito bem, Claire. – Simon disse olhando para os meninos também. – Eu sei que é complicado e é uma grande mudança, mas você estar fazendo a coisa certa.

— Eu sou a única pessoa que pode realmente cuidar deles. Mas eu sou péssima nisso. Eu não sei o que estou fazendo a maior parte do tempo.

— É assim mesmo no começo. Depois que você se acostumar, vai ver como tudo fica mais fácil.

Claire concordou com a cabeça e voltou para os negócios. Quando terminou, ela levou os meninos para o piquete dos raptores, foi o último que faltava para eles verem.

— O tio Owen trabalha aqui? – Gray perguntou olhando para ela.

— Sim. Vamos lá.

— Podemos entrar no piquete com os animais?

— Não. – Claire disse horrorizada. Os raptores eram os piores animais do parque. O único com sinal vermelho. – Quero que os dois fiquem ao meu lado e não importa o que aconteça, não saíam de perto de mim.

— Tudo bem, tia Claire.  – Gray disse animadamente enquanto Zach concordou com a cabeça.

— Vamos lá.

Eles saíram do carro e se aproximaram do piquete. Barry foi o primeiro a vê-los e cutucou Owen em cima da passarela. Owen trocou algumas palavras com Barry antes de descer.

— Oi, pessoal. Se divertindo no parque?

— Sim. Podemos ver os raptores? Eles já comeram? Posso fazer carinho neles?

— Calma, Gray. – Owen disse sorrindo. – Elas já tomaram café da manhã e comeram o almoço, mas vocês chegaram na hora certa para assistirem o treinamento delas e se forem comportados e ficarem onde eu mandar, eu deixo jogarem um rato para elas.

— Isso. – Gray comemorou.

Apesar deles verem todos os animais, ninguém deixou ele alimentar. Apenas no Zoo era permitido, mas eles já tinham comido quando eles chegaram cedo.

Owen deu uma rápida instrução sobre o que eles deveriam e poderiam fazer antes de subir com eles. Barry tinha avisado a segurança e eles estavam posicionados para ajudar o menino caso precisasse. Ou pega-los caso fossem cair do piquete.

— Agora, fiquem aqui. Barry vai explicar tudo o que precisam sobre o treinamento, por favor, não gritem nem falem alto.

Owen passou por eles e foi para a passarela. Os meninos assistiram ao treinamento atentamente. Owen não fez nada muito chamativo, já que as meninas tinham começado agora a seguir ordens e ele não queria irrita-las. E não queria que os meninos assistissem elas matando um porco.

— Barry, pode trazer. – Owen disse e Barry levou os meninos até Owen. – Querem dá um rato para elas?

— Sim. – os meninos falaram animados.

— Muito bem. Olhes em mim. – Ele disse e entregou um rato para Gray. – Apenas jogue, eu vou chama-la. Charlie.

Gray jogou o rato e Charlie pegou.

— Isso é tão legal.

— Echo. – Dessa vez foi Zach. – Delta. – Gray novamente. – Blue. – Zach. Owen levantou a mão e fechou descendo. – Vão.

As quatro saíram correndo. Owen tirou um lenço do bolso de deu para cada um dos meninos.

— Vamos descer e lavar as mãos. Depois podemos ver se elas deixam vocês fazer carinho nelas.

— Owen, isso não é uma boa ideia.

— Relaxa, eles estarão totalmente seguros.

Owen piscou para Claire e ajudou Gray a descer as escadas. Owen os levou para o escritório dele e eles lavaram. Claire nunca tinha estado ali e ficou surpresa com a organização. Apesar de não entender por que tinham tantas bolas na parede.

— É a tia Claire? – Zach perguntou olhando para a foto na mesa de Owen.

— Sim. – Owen disse sem olhar para a foto.

— Por que você tem uma foto dela?

— Porque Claire é minha amiga quase namorada. – Ele sorriu para os meninos. – Eu ainda consigo fazer ela namorar comigo.

— Podemos ir aos raptores, por favor? – Gray pediu se pendurando no braço de Owen.

— Claro.

Eles saíram e foram para os portões do piquete. Owen se abaixou para ficar fã altura dos meninos.

— Vamos as regras, vocês ficam perto de mim e de Barry, se falamos para se afastar, se afastem. Elas estão presas por isso podem não parecer perigosas, mas vamos tocar os rostos delas, um local sensível, por isso tomem cuidado onde e quanta força usa.

— Tudo bem.

— Não coloquem as mãos perto das bocas delas, elas não podem morde, mas todo o cuidado é pouco. Vamos lá.

Owen abriu a porta e deixou eles entrarem antes e entrar e trancar. Ele se aproximou de Blue, de todas, ela sempre foi a mais calma.

— Muito bem, aqui Gray. – Owen ajudou ele a subir em um balde e levou a mão dele até a cabeça de Blue.

O raptor ficou tensa no primeiro momento, mas logo relaxou. Owen olhou para Barry e fez sinal para ele ajudar Zach. Claire olhou para os sobrinhos o mais feliz no que parecia semanas e sorriu. Eles ficariam bem com o tempo.

— Quer fazer carinho nela? – Owen falou fazendo ela pular.

— Oh, não. Eu não acho que seja uma boa ideia.

— Por que não?  Seus sobrinhos fizeram carinho. Vem, acho que Charlie vai gostar de você.

Owen a pegou pela a mão e a levou para Charlie. Claire olhou para ele tensamente e se aproximou enquanto seus sobrinhos olhavam para ela sorrindo. Claire parou ao lado de Owen e colocou a mão suavemente em Charlie. Assim que a mulher começou a fazer carinho nela, Charlie relaxou.

— Ela é tão suave. – Claire comentou sorrindo.

— Minhas garotas são. – Claire olhou para ele enquanto os meninos continuavam fazendo carinho. – Eu sei que estar divertido, mas não quero estressar essas meninas. Elas não estão acostumadas a ser tocadas por ninguém além de Barry e eu.

— Podemos vim outras vezes? – Zach perguntou enquanto eles se afastavam.

— Isso é com a tia de vocês, mas eu não vejo problema nenhum com isso.

Owen os guiou para fora da gaiola e conversou com eles mais um pouco antes deles irem embora.

Os dias se passaram rapidamente depois da visita, quando menos se deu conta, Claire estava de volta ao trabalho. Ela tinha muitas coisas para arrumar depois de passar dois meses fora. Zara fez o que pode durante o tempo em que a chefe estava cuidando os sobrinhos, mas ela não estava acostumada com o trabalho de Claire.

A ruiva estava no meio de um relatório quando a porta se abriu e Gray entrou chorando.

— Gray, o que aconteceu? – Ela perguntou correndo até ele. – Onde está seu irmão?

— Eu não sei. Ele me deixou sozinho em casa e foi embora. – Gray fungou. – Hoje faz dois meses que a mamãe e o papai morreram.

— Oh, Gray, eu sinto muito. – Claire o abraçou. Ela não tinha notado que dia era. – Vamos para o controle, lá vamos encontrar ele. Prometo.

Ela pegou a mão do menino e o guiou para o controle esperando que eles conseguissem encontrar seu sobrinho.

Owen estava terminando o treinamento quando notou que Blue estava distraída. Ela olhava para o lado e cheira. Isso não era um comportamento normal.

— Muito bem, garotas. Vão.

Ele deu o sinal e elas se afastaram. Blue foi direto para o portão e cheiro. Owen desceu as escadas indo para o portão. Ele encontrou Zach parado olhando para as meninas.

— Ei, Zach, o que você está fazendo aqui? – Ele perguntou se aproximando dele.

— Eu precisava de um tempo longe de Gray. Ele é um bebê. – o menino fungou.

— Sua tia sabe que você está aqui?

— Não. – ele respondeu mal-humorado. – A tia Claire voltou a trabalhar hoje e não liga para a gente.

— Não diga isso. – Owen falou pegando o celular dele e ligou para Claire. – Ei, Zach está aqui comigo. Ele está bem.

Eu estou a caminho.

— Sem pressa.

Owen desligou o telefone e colocou a mão no ombro do menino e o guiou até o bangalô dele. Eles se sentaram na varanda e olharam para o lago.

— Eu sei que não é fácil perder quem amamos, Zach, mas fugir nunca ajuda.

— Como você pode saber disso?

— Meus pais morreram quando eu tinha a idade de Gray. Eu sou filho único, de pais de filhos únicos. Eu não tinha ninguém para cuidar de mim e fui jogado no sistema. Você e Gray tem sorte. Vocês têm sua tia e mesmo que ela não seja perfeita, ou mesmo não saiba o que está fazendo a maior parte do tempo, não é tão ruim assim. Você tem alguém da sua família.

— Eu não gosto de morar aqui.

— Você vai aprender a gostar. Gray e sua tia precisam de você. Gray é seu irmãozinho, ele vai precisar de alguém ao lado dele. E esse alguém é você.

— As pessoas aqui não parecem gostar da gente.

— Elas não gostam da sua tia por ela ser tão boa em seu trabalho. Não sabem deixar o pessoal e o profissional de lado.

— É por isso que ninguém sabe que você namora com a tia Claire?

— Em parte sim. Sua tia gosta de manter a vida dela no privado. E eu não ligo.

— Vocês vão se casar?

— Talvez. Sua tia e eu estamos juntos a quatro anos. Mas ainda temos muito o que falar. – o carro de Claire parou e ela desceu correndo. – Olha o problema chegando.

Claire desceu do carro e correu para eles com Gray logo atrás. Zach arregalou os olhos e soltou um som abafado quando a tia o agarrou e o apertou com força contra seu peito.

— O que você estava pensando? Eu quase morri de tanta preocupação. – ela se afastou do sobrinho e colocou a mão no rosto dele. – Nunca mais faça isso. Me ouviu? Nunca mais. Eu nunca me perdoaria se alguma coisa acontecesse com você ou com Gray.

Claire o apertou de novo contra o peito e fechou os olhos. Nas últimas duas horas ela estava em pânico. Tudo de ruim que poderia ter acontecido com os sobrinhos se passava pela a cabeça dela. Ela estava quase colocando toda a segurança atrás do menino.

— Me desculpa. – ele disse abraçando a tia enquanto chorava. – Me desculpa.

— Está tudo bem. Eu estou com você agora. Está tudo bem.

Gray se aproximou deles e se juntou ao abraço. Owen assistiu sentado na escada do bangalô. Ele sabia que isso não era fácil para nenhum deles. Eles perderam pessoas que amavam. Dois eram crianças e uma mulher que não tinha qualquer contato com criança.

— Ei, querem jantar? – Owen perguntou olhando para eles. – Barry, vai grelha algumas carnes lá no piquete.

— Podemos, tia Claire? – Gray olhou para a tia.

— Claro. Vamos.

Claire se afastou dos meninos e forçou um sorriso. Ela estava cansada e não queria fazer nada para comer. Eles foram para o piquete onde estavam começando a prepararem as carnes. Claire assistiu os homens conversando e brincando com os meninos. Ela sabia que ninguém mais fazia isso. Ela sabia que eles pagavam por ela ser a chefe rígida que a fez assumir o parque.

— Podemos ficar com eles as tardes. – Owen disse colocando a mão no ombro dela.

— Eu não posso pedir isso.

— As tardes são calmas. Podemos ficar com eles.

— Eles são meus garotos, Owen.

— E você é minha namorada. Você não estar sozinha, Claire.

Claire fechou os olhos e abraçou Owen. Ela sabia que podia sempre contar com ele.





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Learning To Love" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.