O Sol da Minha Vida escrita por sol


Capítulo 4
entendendo tudo


Notas iniciais do capítulo

galera, esse cap me deu uma dor de cabeça para sair, foi um tal de fazer e refazer que voces naõ imaginam,quem me salvou foi a jú, que sempre me ajuda muito,me dando umas ideias.



Quanto mais eu corria mais vontade eu tinha de correr, estava completamente desnorteada e as vozes na minha cabeça não paravam. Eu corria tanto que vi um bando de lobos passarem pela minha vista como se eu estivesse do lado de dentro de um carro. Estava realmente maluca só poderia ser isso, não tinha outra explicação. E então uma das vozes em minha cabeça falou em um tom que realmente não pude deixar de obedecer.

 

“Pare”– Sem sequer pensar eu parei, e acabei arrastando umas árvores comigo.

 

Antes que eu pudesse sair dali eu vi chegar ao meu encontro quatro lobos enormes, os mesmos de segundos atrás, eles vinham em minha direção, mas eu não sentia medo deles, apenas, vi passando pelos meus olhos, aquele lobo enorme refletido no carro.

 

“Quem é você?” – A voz continuava com aquele tom irritante, o que fez com que minha raiva crescesse e sem perceber soltei um rosnado que até eu me assustei.

 

“Não se assuste, olha meu nome é Sam Uley você me conhece?” – A voz agora não tinha mais o tom autoritário.

 

Sam Uley, pensei e automaticamente me veio a lembrança tudo que o Jacob me disse ao seu respeito. Lembrei de como o Jake o odiava e como ele o incomodava, do fato dele sequestrar o Embry para sua gangue, mas o que me deixou com muita raiva foi lembrar que o Sam olhava de uma forma  estanha para o Jake. O Jacob não  faria nada que ele não quisesse, a raiva ainda estava bem presente em  mim, se eu não estivesse presa ao chão, com certeza agora o Sam estaria sem cabeça... Rosnei com fúria para ele.

 

Mas, espera, como aquele podia ser o Sam? O Sam era um lobo? Olhei a minha volta, droga eu estava perdida, como eu ia sair daqui, ou melhor, quando o Charlie vai me acordar,para eu sair desse pesadelo e descobrir  que nunca fiquei doente. Era isso, devia ser algum efeito colateral da adrenalina das motos.

 

Um dos lobos rosnou para mim, mas não me amedrontei.

 

“Paul se acalme”- Sam voltou a usar o tom que fazia minha cabeça pesar.

 

“Fale conosco, quem é você?” - Eu estava falando, eram eles que não me ouviam.

 

“Sam porque nós não o ouvimos?” -  Jared estava confuso

 

“Não sei, será que ele pertence a um outro bando?”- Enquanto eles conversavam eu estava cada vez mais nervosa.

 

O Sam me deixava cada vez mais nervosa, todos falando ou pensando ao mesmo tempo, a necessidade de correr e a luta para entender o que estava havendo me deixava inquieta. Eu desejei poder gritar, mandar eles se calarem, desejei que me ouvissem e que respondessem as minhas dúvidas.

 

Foi nesse momento, que eu senti como se um elástico fosse esticado na minha cabeça, Deus! Como isso dói, o que está acontecendo? Eu preciso de ajuda.

 

“Bella? É você mesma?” – Não tive nem tempo de respondê-lo, mas eu reconhecia a voz do Embry mesmo sem ela realmente sair de sua boca.

 

“Sam como isso é possível?”-  Embry pensava tantas coisas, me fazendo vê-las, ele estava confuso, já  eu devia estar louca.

 

“Bella, você não está louca, nós vamos te explicar tudo” - Eu não queria ouvir explicação nenhuma naquele momento, meus músculos doíam, minhas vértebras doíam, eu queria correr, não sabia por que, mas sabia que precisava e que tudo seria mais simples sem a dor me atormentando.

 

“Bella, tudo bem, isso dói mesmo no princípio, vamos correr” – E como se ele dissesse palavras mágicas fui sentindo o controle do meu corpo voltando a mim.

 

Quando dei por mim já estava na fronteira com o Canadá e me sentindo fisicamente bem, eu diria até que nunca me senti  tão bem.

 

Então Sam me chamou atenção, precisávamos conversar. Ele me mostrou  flashes e flashes de memórias que não eram minhas. E então eu entendi tudo, lembrei da história que o Jake me contou, a mesma que me ajudou a descobrir o que Edward era agora me ajudava a descobrir o que eu era. Se existiam vampiros porque não poderiam existir...  Lobisomem, eu estava apavorada olhei para eles, meu pavor não era medo deles e sim por saber que eu era como eles. Eu sei que nunca me senti normal ou achei que me encaixava, mas daí a me transformar em um lobo gigante era perturbador.

 

Embry me contou sobre a transformação, sobre o que eles faziam. Sempre tão gentil e atencioso. Era horrível lembrar da tristeza do Jake por perder o amigo.

 

Lembrar do Jacob parecia mais forte agora, eu precisava dele, agora mais do que nunca, mais do que já precisei de algo ou alguém. Pensar assim me fez lembrar do Charlie, como explicar o meu sumiço? Como explicar que não estava doente? Deus! E agora com os Cullens voltando .

 

 “COMO ASSIM, AQUELES SANGUESSUGAS ESTÃO VOLTANDO?”-  Eu não consegui nem sequer concluir meu pensamento, Sam estava gritando na minha cabeça, e uma raiva me dominou, alguém podia fazer ele parar de gritar?

 

“Bella, presta muita atenção, isso é importante. Como você sabe que os sanguessugas pretendem voltar?” -  Esse foi Jared, ele estava chateado com a notícia, em sua cabeça eu via a questão territorial , mas na cabeça de Sam eu só via raiva,  ódio do mais profundo e genuíno. Pude ver seus motivos, vampiros são inimigos, eles sabem a verdade e por mais que pareça improvável a idéia de vampiros próximos a reserva me deixava agitada também.

 

Então me lembrei de tudo o que ouvi em casa, a conversa de Charlie com Carlisle, eles precisavam saber os motivos.

 

“A culpa daqueles sugadores de sangue voltarem é toda sua” - Paul me acusava e mentalmente xingava meu pai e o culpava também por chamar os Cullens.

 

“Dobre a sua língua para falar mal do meu pai, a não ser que queira perder a cabeça, ele só quer respostas, está preocupado comigo, e não tem a mínima idéia do que os Cullens são, portanto não ouse se referir a ele assim.”

 

“Você acha que vai conseguir me atacar novata? Se enxergue.” - Eu estava perdendo a paciência e queira avançar em cima daquele idiota, eu não sabia muito sobre essa coisa de lobo, mas nunca ia me acovardar ante ao idiota do Paul.

 

“Paul, pare com isso você é mais velho que ela, essa é sua primeira transformação se controle”- Esse era o Embry tentando me defender do Paul, evitando a briga, porém vi em sua mente que ele próprio estava com vontade de brigar com o Paul.

 

“Se você se meter vai ficar sem patas” - Paul agora estava ameaçando o Embry, eu não me sentia mais fraca como na época de Edward, agora eu podia me defender sozinha, se o Paul viesse para cima ele ia se arrepender e iria apanhar.

 

“PAREM, VOCÊS TODOS CALADOS” - Quando o Sam falou isso, todos nós paramos. Foi a primeira vez que vi nos pensamentos a minha volta o termo comando do alfa

 

“A Bella tem razão, nós ainda temos muito que explicar a ela e muito que descobrir. Se eles vão voltar, estaremos prontos para qualquer eventualidade.”

 

Eles falavam daquilo como se fossem se preparar para uma guerra, eles mostraram o motivo de tudo. Para proteger a vida dos humanos, para não deixar ninguém principalmente o povo de La Push cair nas mãos de vampiros, mas os Cullen não eram assim. Foi então que uma dúvida voltou, ela já tinha sido levantada antes, mas com o Paul pensando besteira, eu me distrai.

 

“Como eu posso ser loba, se nem sequer sou Quileute?” - Essa era uma coisa que eu realmente não entendia, pelo que vi na mente de Embry eles todos descendiam dos guerreiros que Billy falou em suas lendas.

 

“Isso nós ainda vamos descobrir Bella” - Ele estava pensando em falar com o Billy, ele era o chefe do conselho, descendente do grande Ephraim Black.

 

O tempo foi passando e a conversa foi ficando pior, tudo era estranho e assustador, eu estava presa a isso e não havia como negar ou me afastar. Sam me disse que eu não poderia mais ver o Jake, que eu tinha que me afastar dele por hora, eu era perigosa demais para ele, pelo menos por enquanto nada de gente normal, talvez em um ano se eu aprendesse a me controlar.

 

Essa foi a última gota. Eu não podia ficar sem o Jacob, eu precisava vê-lo agora e não daqui a ano, ele é importante, eu precisava contar tudo, desabafar, ele é meu amigo, sem ele eu era apenas o eco de mim mesma, o tempo que eu fiquei no hospital era a prova disso. Quando fui questionar ao Sam quanto a isso, dizer a ele que eu jamais machucaria o Jake, ele me mostrou mais algumas memórias dele, era como se eu realmente estivesse lá, o vi implorando para a Emily, ouvi  a resposta que enche o Sam de uma fúria irracional, a fúria que é a marca e a maldição dos lobos,  o senti  explodir, a mão na direção dela,  as garras rasgando o rosto dela e a vi  atingir o chão inconsciente,  senti o terror dele, o pânico,  tão forte que ele não conseguia se transformar de volta para ajudá-la,  o vi se contorcer de agonia na floreta, se escondendo, ainda incapaz de se acalmar o bastante para voltar…

 

Ver as memórias do Sam tirava meus argumentos, não podia mais ver o Jake. Eu iria magoá-lo, assim como fizeram comigo.

 Eu tinha que continuar indo a escola para manter o segredo, mas nada de outros riscos desnecessários na escola, devia concentrar todo a minha energia em ficar calma. Esquecer as aulas, só não matar ninguém. Eu não suportaria passar pelo que o Sam passou.

 

Sam trouxe uma roupa da Emily para mim e me mostrou como me transformar de volta. Nessa hora todos saíram, já que eu ia aparecer nua... Depois fiquei na floresta o resto da tarde.

 

Já havia uma noite e uma manhã que eu estava na floresta, não queria sair, queria correr e foi isso que eu fiz, corri o resto da tarde e a noite toda. Acho que eu era destinada a não ficar com ninguém, logo agora, eu não posso ficar longe do Jake. Eu teria de aprender tudo sobre essa nova vida, começar de novo e aprender a ficar longe da única pessoa com quem podia contar.

 

Havia um novo e maior buraco em meu peito agora, a vida insistia em me iludir só para depois me tirar o chão e me deixar sem nada. Dessa vez seria diferente, agora estava em minhas mãos, eu ia ser a loba mais controlada que o mundo já viu e em breve eu estaria com o Jake outra vez. Por enquanto, talvez fosse melhor me afastar dele, porém, o mais breve possível o teria ao meu lado. Vou transformar toda essa dor em força, a saudade em garra, o profundo buraco em trampolim. Minha briga com o Paul foi a prova do meu descontrole, não ia deixar aquele idiota me afastar do Jake. Pensar assim tornava tudo menos louco e horrível.

 

Sam voltou, desta vez sozinho, os meninos me deram um tempo para pensar, e ele achou importante conversar comigo sem eles por perto, ele não era ruim como eu pensei, pelo contrário e me ajudou muito. Sam tinha sido o primeiro e por isso era o alfa, e o mais sábio de todos, a conversa com ele me deu coragem para voltar para casa, eu achei que estaria sozinha, mas agora parando para sentir todas as mudanças em meu corpo eu sinto que não estou, Sam e os garotos estavam dispostos a me ajudar, eles se chamam de irmãos e seriam isso para mim agora.

 

O Sam insistiu e me acompanhou até a minha casa, no caminho me explicou mais. Quando finalmente avistamos minha casa eu percebi o que tinha feito. O jardim estava lotado de pessoas e carros, como da última vez Charlie teve de pedir ajuda para encontrar a filha deprimida e louca que sumiu. Mas a culpa que me tomou pelo que fiz com meu pai foi substituída assim que Jacob entrou em meu campo de visão, pensar em protegê-lo e lutar por ele era mais fácil sem vê-lo. Ele parecia tão preocupado, os olhos estavam tristes e eu não podia ver o sorriso que ele nunca abandonava.

 

Quando desci do carro de Sam não tive tempo de respirar e pensar no que dizer. Jacob foi o primeiro a me alcançar, ele não falou nada a princípio, mas não havia necessidade, era como se meu corpo precisasse disso todo o tempo, as dores da transformação estavam distantes agora, as vozes ao nosso redor sumiram, só havia Jacob, eu só sentia ele. Quando ele se afastou para me encarar eu senti os olhos de Sam em mim. Quis gritar, dizer a sabe-se lá quem que me fez virar um lobo que eu não queria, eu tinha de ser humana para o Jake, mas eu não podia gritar, eu tinha de magoar meu melhor amigo, tinha de abrir mão da única coisa que importava e que eu desesperadamente queria.

 

Mas eu não gritei, não falei, eu não conseguia nem respirar, apenas me afastei sem olhá-lo. Charlie me abraçou também, ele falou algo que não ouvi e me beijou, respondeu perguntas eu acho, o desespero me incapacitava, eu soltei meu pai da forma que consegui, olhei sem ver os rostos presentes e fui para meu quarto.

 

Do quarto pude ouvir a conversa no andar de baixo, sentidos de lobo, logo hoje que eu queria não poder ouvir mais nada. Charlie dispensou a todos e só ficou o Billy, o Sam e o Jacob. Meu pai perguntou ao Sam  como ele me achou e ele respondeu que havia me encontrado em uma estrada e que eu não disse nada, que parecia bem, mas estava assustada. Charlie sussurrou algumas palavras sem muita ligação, mas eu sabia ao que ele ligava o meu novo surto, para ele eu nunca superaria, eu sempre seria a garota abandonada pelo namorado. Talvez eu pudesse usar isso por um tempo, eu preciso de espaço. 

 

Os outros acabaram indo embora depois de muita insistência, dava para ouvir o Jacob se oferecendo para ficar, eu tive esperanças, mas Charlie fez o que eu não era capaz de fazer e o mandou ir para casa.

 

Meu pai foi me ver durante a noite, parou na porta e me deu uma olhada enquanto o observava ,foi até mim colocou a mão em minha testa e me beijou, uma coisa que eu gostava no Charlie, era o fato dele sempre respeitar meu espaço, os meus sentimentos, ele não disse uma palavra apenas foi embora do quarto. Ele não comentou, mas sei que minha temperatura ainda o preocupa, sei que os Cullen ainda vão voltar e sei que vou ter de ser muito forte.

 

Foi difícil pegar no sono. Tomei um longo banho, a água não era mais tão fria, meu corpo não era o mesmo, eu podia sentir tudo diferente e até melhor, muito melhor do que era. Tudo novo, assustador, mas eu tinha minha mente ocupada com sentimentos machucados. Eu havia virado uma loba gigante, teria de explicar algumas coisas ao Charlie para não ser internada, teria de encarar os Cullen que agora eram meus inimigos mortais e tudo que me consumia era o Jacob. Eu não sei dizer ao certo quando ele se tornou tão importante para mim, mas ele era e eu tinha de arranjar um jeito de estar com ele. Pensando em tudo isso e toda essa loucura que minha vida havia se transformado eu perdi a luta para a exaustão e adormeci entre lágrimas que eu não consegui mais conter.

 

N/B: Oláá...

  Sol, o cap. ficou maravilhoso... Eu consegui entender e sentir todo o medo e confusão da Bella, você descreveu tudo maravilhosamente bem...

  Só a Sol mesmo para conseguir me deixar com pena da Bella, porque juro que aqui realmente estou com peninha dela... Vamos torcer para o Jake se transformar logo ;)

  Então comentem muiiito porque a fic está incrível... *---*

   Bjokas...

    May

 



Notas finais do capítulo

e ai? gostaram?
então comentem e deixe essa autora feliz,deixem a opinião de vcs,ela é muito importante.