A compilação do primogênito escrita por Lily


Capítulo 5
A teoria da parte que falta




A teoria da parte que falta

 

—Então, qual livro vai ser? - Penny indagou entrando no quarto de Katie. A pequena Hofstadter correu para a cama segurando um livro branco nos braços, Penny ajudou sua filha de quatro anos a se sentar e ajeitou as cobertas ao redor dela antes de sentar com as costas contra a cabeceira, as luzes amareladas piscavam acima de sua cabeça iluminando-as. Katie estendeu o livro e Penny se surpreendeu ao ler título. - “A parte que falta”.

—Você nunca leu esse para mim, mamãe. - Katie disse se aconchegando contra ela e apertando o ursinho de pelúcia. Penny sorriu minimamente passando os dedos sobre o desenho da capa.

—Eu sei. Eu havia esquecido dele. Eu dei ao seu pai quando descobri que você estava dentro de mim. - ela explicou, Katie a olhou com curiosidade. Penny abriu o livro e passou a primeira página achando o que procurava, a dedicatória dela para Leonard.

“Para uma pequena parte nossa que nós amaremos para sempre. Te amo.”

—Te amo. - Katie leu lentamente associando cada letra. Penny sorriu orgulhosa para a filha que apesar da pouca idade tinha um enorme gosto por aprender a ler e escrever. - Por que você deu esse livro para o papai?

—Porque eu achava que seria um ótimo livro para se ler a uma criança. Ele também achou e chorou depois que o leu.

—Papai chorou? Por que?

—Porque ele percebeu que havia achado a parte que faltava.

—E que parte faltava?

—Você. - Penny disse batendo a ponta do dedo contra o nariz dela, Katie sorriu parecendo encantada com aquele fato. - Seu pai sempre quis ser um papai, porque ele nunca teve um bom exemplo de pais. Ele queria ter alguém pra quem pudesse ser um exemplo, por isso ele chorou quando eu contei que estava grávida de você.

—O papai chora muito. - Katie disse soltando uma risadinha.

—Você nem imagina, abelhinha. - ela afirmou beijando a bochecha de sua filha. Katie deitou a cabeça contra o ombro dela e observou as folhas do livro. Katie tinha muito de Leonard, mesmo que ela fosse uma pequena cópia sua de cabelos loiros e olhos castanhos, eram em momentos como aqueles, quando tudo estava calmo, que Katie tinha o dom de desacelerar o tempo, como Leonard fazia. Perto dela, Penny sentia que não havia preocupações, que tudo estava bem.

Ela passou o dedo sobre a folha sentindo a textura, virou a página e começou a ler mais voz alta para Katie.

—Faltava-lhe uma parte, e ele não era feliz. - Katie apontou para o círculo incompleto, Penny assentiu passando o braço ao redor do ombro dela e acariciando seu cabelo. - Então partiu em busca de encontrar a outra parte. Enquanto rolava, cantava essa canção "Ó, busco a parte que falta em mim, a parte que falta em mim. Aí, aí, ô. Assim eu vou, em busca da parte que falta em mim".

—Mamãe, por que ele está buscando a parte que falta dele? Ele não pode ser feliz assim?

—Algumas pessoas simplesmente sente que são incompletas.

—Você era incompleta, mamãe?

Penny encarou a filha sem saber de onde aquelas perguntas saiam. Ela era como Leonard, toda coração e sentimentos.

—Um pouco.

—Todos nós somos incompletos, mamãe?

—Não me faça perguntas difíceis, meu amor. - ela pediu roçando o nariz contra a bochecha dela, Katie riu se encolhendo. - Vamos terminar o livro, está bem? - Katie assentiu e virou a página. - Às vezes, ele torrava ao sol, mas logo caía chuva refrescante. E às vezes era congelado pela neve, mas logo o sol aparece e o aquecia novamente. E como lhe faltava uma parte, não conseguia rolar muito rápido.

—Coitadinho. É tão lerdo quanto o tio Sheldon.

Penny riu baixinho concordando levemente com o comentário da filha.

—Assim, podia parar para conversar com uma minhoca ou sentir o aroma de uma flor. E às vezes ultrapassava um besouro. E às vezes, o besouro o ultrapassava. E esse era o melhor momento de todos.

—Ele está feliz, mamãe. - Katie afirmou sorrindo para o desenho.

—Sim, ele está. - Penny a apertou contra si, ela podia sentir Katie lentamente se acomodar, deixando o sono tomar conta de seu pequeno compro. - E ele seguia adiante, por oceanos. "Ó, busco a parte que falta em mim, por terras e mares sem fim. Asse um pudim, faça um quindim, estou buscando a parte que falta em mim". Passava por pântanos e matagais. Montanhas acima, montanhas abaixo.

—Por que ele tem tanto trabalho para achar a parte que falta? Ele não pode ser feliz sozinho?

—Claro que pode.

—Eu poderia ser feliz sozinha?

—Claro. Não é fácil, mas algumas vezes acontece. Algumas pessoas não precisam para serem felizes.

Katie torceu a boca, daquela maneira que significava que sua mente estava viajando por várias probabilidade. Penny sorriu pensando como sua filha era tão parecida com Leonard.

—Continua, mamãe.

—Até que um dia, alto lá, "achei a parte que faltava em mim", ele cantou, "asse um pudim, faça um quindim, achei a parte…". "Espera aí", disse a parte,"antes que você asse um pudim, faça um quindim, eu não sou a parte que te falta. Não sou parte de ninguém. Sou completa. E ainda que fosse a parte que falta em alguém, não acho que seria a sua". - Penny parou quando sentiu a respiração de Katie se tornar regular. Ela olhou para baixo observando a filha dormir serenamente, sorriu ela colocou o livro no criado-mudo, puxou o braço e ajeitou Katie na cama para que ela ficasse confortável. Deu um rápido beijo na testa dela e saiu do quarto.

Penny caminhou até seu quarto encontrando seu marido deitado na cama com o tablet em mãos, ele parecia tão concentrado que nem notou quando ela começou a se despir, o que era surpreendente, porque Penny sabia muito bem que Leonard tinha um certo fascínio pelo seu corpo, mesmo durante a gravidez e depois da mesma, ele parecia admirado com ela.

Depois de vestir a camisola e terminar seu ritual noturno, ela caminhou até a cama e se sentou ao lado de Leonard, tão perto que podia sentir as vibrações do coração dele. Penny sorriu e deitou a cabeça no ombro se encolhendo contra ele.

—Eu te amo. - ela sussurrou, Leonard não desviou o olhar da tela, apenas a encarou de soslaio.

—Ok. Quanto vai me custar? - ele indagou, Penny revirou os olhos.

—Nada, seu idiota. Eu apenas estou dizendo que te amo, por que acha que eu vou pedir algo?

—Porque é geralmente assim que você começa antes de pedir algo.

—Mas desta vez eu não quero nada. - ela afirmou colocando a mão na lateral do rosto dele e puxando-o para um beijo. Leonard deixou o tablet de lado e passou a mão pelo braço dela até sua nuca. Penny sorriu sentindo afastando para que eles pudessem se deitar. - Você se sente incompleto?

Leonard se afastou olhando para ela com o rosto confuso.

—Como assim?

—Você sente que está incompleto? - ela indagou, sua voz estava tensa, ociosa. Leonard pareceu entender que aquela pergunta era séria, pois disse.

—Não. Na verdade eu me sinto mais completo do que nunca. Eu tenho uma esposa maravilhosa, dois filhos incríveis, um bom emprego. Isso é mais do que eu sonhei.

—Tem certeza?

—Absoluta. - Leonard afirmou voltando a beijá-la. Penny então se lembrou do momento em que havia dito a Leonard que estava grávida, da expressão de surpresa dele e do jeito como ele a abraçou. Foi como se tudo fosse infinito.

Cinco anos atrás…

Penny observou o livro perfeitamente embalado que estava sobre o balcão da cozinha, ela mordeu a ponta do polegar imaginando se aquele era o melhor jeito de contar aquela notícia. Ela poderia apenas dizer, mas isso não seria algo memorável. Penny queria uma boa história, algo que pudesse contar ao seus filhos quando eles crescem. Algo que a fizesse ser uma boa esposa.

A porta da frente se abriu e Leonard entrou com aquele sorriso de sempre. Penny se ajeitou na cadeira sentindo o coração martelar contra o peito.

—Oi amor, como foi o trabalho? - ela indagou sorrindo para ele. Leonard deu de ombros deixando a bolsa em sua mesa de trabalho e caminhando até. Eles trocaram um rápido beijo antes dele seguir até a geladeira e pegar uma garrafa de água.

—E o seu?

—Bem. Super bem. Mas eu tenho algo para você. - Penny deslizou o presente até ele, Leonard franziu a testa confuso. - Abra.

Ela observou seu marido desfazer o laço e o embrulho deixando-os de lado. Leonard olhou incerto para o livro, Penny sabia muito bem que aquele não era o tipo de leitura que ele gostava, mas aquele livro não era para ele.

—A parte que falta, Shel Silverstein. Isso é tão…

—Abra, Leonard. - ela disse, ele virou a capa e a primeira página, seus olhos correram pela dedicatória.

—Para uma pequena parte nossa que nós amaremos para sempre. Te amo. Penny?

—Vire a página, querido.

Leonard virou página e uma folha escapou dela, ele a segurou antes que ela caísse. Penny o observou ler o que estava escrito na folha, o olhar confuso de seu marido se transformou em perplexidade e então em êxtase.

—Penny, isso... - Leonard ergueu o teste de BHCG. Penny assentiu sentindo as lágrimas se formarem em seus olhos, Leonard contornou o balcão e subitamente a abraçou com força. Ela sorriu deitando a cabeça no ombro dele. - Nós vamos ser pais?

Ela assentiu pegando a mão dele e colocando sobre sua barriga.

—Nós vamos ser pais. - Penny afirmou em um sussurro encostando sua testa contra a dele.

—Um filho. - Leonard disse em uma voz baixa, Penny de repente sentiu como se o mundo ao seu redor parasse no tempo, restando apenas eles dois em um estado de inércia permanente.





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "A compilação do primogênito" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.